História Espere por mim (mpreg) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Naruto Uzumaki, Sasuke Uchiha
Tags Doncel, Mpreg, Sasunaru, Shortfic, Yaoi
Visualizações 301
Palavras 4.874
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olaaaaa

Boa madrugada!!!

Não ia conseguir dormir sem postar logo essa fic.

Como vocês já leram na sinopse, tags ou nos avisos... Essa será uma short fic, com no máximo 3/4 capítulos. A ideia de início era ser uma one, mas ficaria bastante grande e mal explicada, então achei melhor dividir por etapas!

Para quem viu minha publicação no facebook já deve saber, mas essa fanfic é baseada em um conto de fadas que meu pai me contou, no qual ele ouvia quando era criança.

Se você já ouviu a história e não se lembra, os acontecimentos aqui irão lhe fazer recordar rapidamente, apesar das mudanças que eu optei 😍

Lembrando que nessa fanfic a gravidez masculina (mpreg) é algo inteiramente normal. Não me dei o trabalho de explicar ou colocar um motivo para isso, todos já sabem como funciona... Então o restante fica para a imaginação de vocês.

Se não gostam de Yaoi ou Mpreg... Parem por aqui!

Desculpem os erros, não tive tempo para betar o capítulo!

Boa leitura 💙

Capítulo 1 - Eu voltarei para ti


LEIAM AS NOTAS DO AUTOR, POR FAVOR!!!


Algumas nuvens cinzas começavam a cobrir o céu naquele fim de tarde. Em um pequeno vilarejo localizado na região sul, um casal de namorados olhava preocupado para a clara ameaça de chuva acima de suas cabeças.

- Nossa casa pode não suportar mais uma chuva. - O menor tinha um tom baixo e melancólico, sentia medo de perder o lar que havia conquistado com muito trabalho duro. Não era justo.

- Venha, vamos nos proteger. - O moreno murmurou, suspirando e puxando delicadamente o amado da beira da janela e a fechando em seguida.

As coisas estavam apenas piorando.

Não era segredo para ninguém que o país se encontrava em um completo caos. A economia havia caído, trazendo a fome e pobreza para o povo. Alguns nobres aproveitavam da situação para conseguir mais servos, lhe prometendo comida em troca de qualquer serviço, mas todos sabiam que o trabalho árduo na qual eram submetidos raramente era suportável.

Algumas pequenas cidades já eram devastadas pela própria humanidade.

Mortes eram constantes no país.

Seja pela fome ou pela violência causada pelos próprios seres humanos que se matavam por comida, abrigo ou apenas pela sobrevivência.

Sasuke já havia sentido na pele do que a humanidade era capaz.

O moreno havia crescido em uma família nobre e bastante rica. Seu pai era lorde e comandante de uma grande cidade. Havia fartura de comida, gado e riquezas, uma época que existiu bem antes da crise econômica que atingiu o reino anos mais tarde.

Com apenas doze anos, o moreno viu seus pais e seu irmão mais velho serem assassinados em sua frente, sem chance de defesas. Atacados por um bando de mortos de fome que desejavam sobreviver em meio a miséria que o país havia se afundado. Uma grande tragédia, afinal.

Tragédia na qual pode escapar apenas por ser uma criança, na qual os adultos tiveram pena de matar.

Sobreviveu, mas preferia não ter sido poupado. Não tinha mais sua amada família, não tinha casa, comida ou o conforto no qual já havia se acostumado tão facilmente. Tudo havia sido roubado e o moreno foi deixado à própria sorte, vestindo apenas a roupa do corpo.

Foi alguns anos depois, após aprender a sobreviver nas ruas que conheceu o pequeno ser loiro, pelo qual se apaixonou perdidamente.

Naruto era um exemplo de um verdadeiro anjo.

Olhos azuis e cabelos loiros, como os contos de fadas sempre diziam ser um anjo. Um pequeno ser celestial, que iluminou sua vida com aquele largo e contagiante sorriso.

Na época Sasuke já tinha seus quinze anos, enquanto Naruto havia acabado de fazer onze.

Uma pequena criança.

- Está pensando em que? - A voz calma e doce lhe tirou de seus pensamentos profundos do passado. O maior desviou os olhos para a figura pequena da pessoa que tanto amava e riu baixinho ao ver os olhos azuis lhe mirando de maneira curiosa. - Sasu?

- Em você, é claro! - Respondeu sem nenhuma restrição e sorriu ao ver o rubor tomar conta das bochechas rechonchudas do menor.

Ah! Sasuke o amava tanto.

Hoje o menor já tinha seus dezessete anos enquanto Sasuke se gabava por ser quatro anos mais velho, tendo vinte e um anos de vida.

- Hmm, teme. Preste atenção em mim!!! - O menor bradou, cortando novamente os seus pensamentos. Porém um alto brado de um relâmpago fez o menor ofegar assustado e se aproximar do outro, lhe abraçando em seguida. - Não gosto de tempestades. - Murmurou enquanto se agarrava a camiseta negra que o moreno usava e fechava os olhos, satisfeito ao sentir os braços fortes do maior o rodear.

Sasuke sorriu apaixonado e beijou a cabeça repleta de cabelos loiros do pequeno em seus braços.

Durante os anos que conviveram juntos, muita coisa havia mudado. Sasuke havia conseguido um emprego honesto em uma lavoura e com o pouco dinheiro que recebia e ajuntava conseguiu uma pequena casa, em um humilde vilarejo e longe da eterna violência da cidade.

A casinha era pequena, havia apenas dois cômodos e um simples banheiro. Mas era deles, não estavam mais na rua.

Todavia, apesar do conforto da humilde casa, as coisas pareciam ainda mais difícil a cada dia que passava. Faltava comida, as velas que iluminavam a casa durante a noite estavam acabando e a água encanada acabava na metade do dia.

Um suspiro pesaroso escapou dos lábios do moreno.

Não queria essa vida para si e para seu pequeno marido.

Marido…

Um sorriso brotou automaticamente nos lábios do maior. Havia se apaixonado pelo loiro e foi completamente correspondido, para sua surpresa. Tanto se amavam que já eram namorados há quase dois anos. Naruto vivia insistindo que, conforme moravam juntos e agiam como esposo e marido, nada mais justo que se denominarem completamente casados, e não era uma cerimônia ou papel que poderia impedir o desejo do menor.

Porém, a necessidade que estavam passando prejudicava o seguimento daquele desejo.

E infelizmente, Sasuke já tinha a solução.

- Hm, Sasu? - O menor chamou, não ligando para o olhar perdido que o outro tinha. Parecia pensativo e o estranho aperto em seu peito lhe dizia que boa coisa não era.

- Hm?

- Você gostaria de ter uma família? - Naruto perguntou, envergonhado e desviando o olhar do maior, que lhe encarou intensamente.

Sasuke pensou bem antes de responder.

- Não entendo… Você já é minha família, certo? - Questionou enquanto acariciava o rosto redondo e bronzeado do menor. Sorriu minimamente ao ver o outro sorrir largamente para si e negar com a cabeça, não era aquilo que queria saber, afinal.

Do lado de fora, a chuva violenta já era presente e caia com violência sobre o telhado de todas as casas do vilarejo, enquanto o vento impetuoso balançava as folhas e os galhos das árvores do bosque ao redor do vilarejo.

Era uma grande tempestade.

E infelizmente, estragos são causados pela chuva violenta.

- Droga. - Sasuke bradou se separando do loiro e olhando a goteira da cozinha se abrir. Causando um estrago na telha fina e deixando um grande buraco para a passagem da chuva.

Mais um raio cortou o céu.

- O-oh, n-não. - Naruto murmurou choroso, vendo o cômodo da cozinha ser inundado pela água da chuva, estragando os poucos e simples móveis do local. Um engasgo saiu de sua garganta e o menor se entregou ao choro ao ver a abertura da telha aumentar ainda mais.

Seu telhado iria ceder por completo?

- Dobe! Vai pra cama! - Sasuke mandou ao ver a água se espalhar pelo chão, desviou os olhos negros e preocupados para o loiro e um aperto se formou em seu peito ao ver os olhos chorosos do amado.

Não poderiam mais viver naquela situação.

O menor apenas fungou e entrou no outro cômodo, separado da cozinha apenas por uma pequena passagem. Caminhou até a cama humilde e se jogou sobre ela, chorando em desespero pela vida miserável que vivia.

Desde pequeno aprendeu que a vida era cruel, cresceu nas ruas. Sem pais, sem uma família, foi criado por um velho e amável senhor de rua, que lhe criou com as pequenas esmolas que ganhava algumas vezes ao dia.

Sabia o que era fome, sabia o que era levar uma surra, já que sempre apanhava ao tentar defender o pobre Jiraiya que vivia sendo agredido pelos filhinhos de papais que passavam por onde estavam, os humilhando.

Em uma dessas violências, presenciou algo que jamais esqueceria. Um grupo de cinco garotos encurralaram o pequeno loirinho e o idoso que o menor tinha como avô. Os jovens nocautearam a criança, impedindo o loiro de presenciar o que viria a seguir.

Não lembrava do que havia acontecido depois, mas desejou esquecer o que viu ao acordar.

Seu avô de consideração estava deitado de barriga para baixo e com o rosto encostado no chão imundo. Naruto se assustou ao ver a quantidade de sangue ao redor do mais velho e chorou confuso ao ver o estado que ele se encontrava, ainda mais por estar nu da cintura para baixo.

Havia tanto sangue saindo de entre suas pernas.

Na época, Naruto não havia entendido o que tinha acontecido, mas agora entendia. E sabia que seu avô jamais conseguiria suportar aquela violência.

Não aquela.

- Não tem o que fazer. - Sasuke murmurou entrando no quarto e retirando a camisa e a calça molhada que usava. Olhou para o menor e viu o mesmo olhando atordoado para o colchão, enquanto abraçava suas próprias pernas.

Uma figura completamente frágil.

Caminhou até o pequeno guarda roupas sem portas que havia no cômodo pequeno e retirou de lá um cobertor grosso e abatido, estaria muito frio naquela noite. Dormiria abraçado ao amado, enquanto meditava na única solução cabível para aquela situação.

Sem se importar em estar seminu, vestindo apenas uma cueca simples. Sasuke andou até a cama que o menor se encontrava, se deitando sobre ela e estendendo o cobertor pelo colchão. Puxou o choroso e perdido loiro para seus braços, se deitando juntamente com ele e os cobrindo do frio eminente.

- S-sasu. - Naruto choramingou, deixando as lágrimas escaparem de seus olhos e molharem todo o peitoral definido do moreno, consequência de todo o trabalho duro que teve durante anos. - N-nossa casa...

- Eu irei resolver isso. - Falou determinado, abraçando a cintura fina do menor. Sentindo o quanto o corpo do amado era pequeno e mal desenvolvido, consequência de sua criação em meio a miséria.

Pensar que acabou dando a mesma vida miserável para o loiro causava um enorme pesar ao maior.

Não era essa a vida que queria para o amado.

E estaria disposto a corrigir isso.

Já havia se decidido!

- Faz amor comigo? - Sasuke pediu, ao tempo em que um relâmpago clareava o quarto mal iluminado por uma vela. Os olhos de Naruto se arregalaram e as bochechas se tornaram completamente vermelhas, mesmo não sendo possível notar isso em meio a escuridão.

O moreno conhecia o passado do amado e sabia que o menor havia tomado um enorme temor em relações sexuais após saber o que de fato havia acontecido com o idoso que o criou, e apesar de confiar cegamente em si, ainda tinha receio. Tanto que a primeira relação sexual que havia acontecido entre eles tinha acontecido a cerca de um mês atrás.

Após muita insistência e determinação de Sasuke que não aguentava mais esperar. Já eram quase dois anos naquela tortura, afinal.

- Hum. - Naruto resmungou e acenou positivamente, ainda envergonhado pelo pedido sem pudor do maior.

Sasuke não se fez de rogado, tomou a boca do amado com vigor, mordendo e chupando os lábios cheios do menor, sentindo seu corpo se aquecer a cada segundo. Segurou a cintura delicada do loiro e ofegou ao sentir um chupão em seu lábio inferior.

Naruto era quente.

E enlouquecia Sasuke.



(...)



- SASUKE. - Uma voz grossa e preocupada quebrou o silêncio daquela manhã.

A tempestade havia se estendido por toda a madrugada, só dando trégua quando o sol já era visto no alto céu limpo, sem nenhum vestígio da tempestade anterior.

- NARUTO!!! Droga… - O ruivo se repreendeu ao passar pela cozinha e na entrada do outro cômodo dar de cara com o casal de amigos, deitados agarradinhos em meio ao cobertor.

O cheiro de sexo era evidente e Gaara torceu o rosto em uma careta de desagrado. Esteve preocupado com os amigos durante toda a chuva e eles estavam brincando de papais em uma situação completamente preocupante, afinal, um dos cômodos havia ficado sem metade do telhado!

- Vocês são mesmo uma vergonha. - Grunhiu se aproximando dos dois homens adormecidos, sem pudor algum puxou o cobertor que cobria os corpos grudados e bravejou ao ver que se encontravam completamente nús. - Mas que pouca vergonha!!!

- Para de gritar, animal! Você não transa? - Sasuke perguntou sonolento e irritado por ter sido acordado daquela maneira. Bocejou e coçou os olhos, não ligando para o fato de estar nu na frente do amigo. Porém, seus olhos se arregalaram ao ouvir um murmúrio delicado.

- Hmm… Sasu… - Naruto gemeu ainda entregue ao sono e sorriu minimamente, estava sonhando.

Sasuke berrou indignado e se colocou sobre o corpo pequeno do amado na intenção de cobrir a nudez do menor, enquanto xingava de todos os nomes possíveis o amigo ruivo que por sua vez ria de forma escandalosa. Não era novidade para ninguém o quanto Sasuke era possessivo e ciumento, chegava até a ser cômico.

- Seu filho da puta!!! Sai daqui! - Bradou em ordem e Gaara apenas negou com a cabeça e suspirou, tentando controlar as risadas descontroladas pela cena que presenciou.

- Bela bunda, Sasuke. - Elogiou em tom debochado e correu para o lado de fora da casa. Enquanto enxugava o canto dos olhos das pequenas gotículas de lágrimas, acumuladas pelas gargalhadas anteriores.

Sasuke xingou ainda mais o amigo ruivo e suspirou, encarando o pequeno abaixo de si. Rolou os olhos, ele continuava dormindo.

- Acorde, meu raio de sol. - Sasuke sussurrou e beijou o pescoço do amado, sentindo o corpo abaixo de si estremecer. Sorriu e mordeu uma das bochechas fofas do menor, ouvindo um riso meigo e delicado vindo do mesmo.

Naruto se colocou de barriga para cima e afastou as pernas nuas, acomodando o maior entre elas. Sasuke sorriu e encarou os olhos azuis de forma intensa.

- Eu te amo. - Confessou antes de tomar os lábios cheios do menor com desejo e luxúria. Sua língua pediu passagem e logo adentrou a cavidade quente e molhada do pequeno, sentindo um arrepio na espinha ao contato de suas línguas.

Naruto gemeu com a boca colada a de Sasuke e apertou os olhos sentindo a mordida excitante em seu lábio, sugou com volúpia a língua do amado e sentiu um aperto forte em sua cintura.

Aproveitando a ereção matinal, Sasuke rebolou de encontro ao membro do outro, se esfregando no menor e sendo retribuído com um gemido de deleite.

- Vocês não vão transar de novo, né? - O tom de voz era entediado e fez com que o casal se separasse rapidamente.

- GAARA! - Sasuke bradou, tendo a decência de corar.

Naruto arregalou os olhos e empurrou o moreno de cima de si, se jogando para o outro lado da cama ao ver que o ruivo os encarava pela janela pequena que havia no cômodo, e seus olhos verdes brilhavam de forma divertida.

Sasuke crispou os lábios, completamente irritado.



- Ele me viu pelado… - Naruto murmurava para si pela milésima vez.

Sasuke achava a reação do menor exagerada e ao mesmo tempo divertida, jamais poderia imaginar alguém mais tímido que o companheiro. Naruto era extremamente envergonhado por natureza, essa características o deixava ainda mais belo e atraente aos olhos do maior.

Sasuke já se encontrava completamente vestido por um conjunto de roupas negras quando andou até o outro cômodo de sua pequena casa. Um suspiro entristecido escapou de seus lábios, o pequeno armário estava com os pés completamente destruídos pela água da chuva, a mesa de madeira com apenas uma cadeira estava encharcada e Sasuke duvidava muito que ela ainda pudesse ser usada.

- Vamos dar um jeito. - Naruto sussurrou ao se colocar atrás do maior. Sasuke assentiu com a cabeça.

Ele realmente daria um jeito.

Um ronco alto e violento cortou o silêncio depressivo do ambiente.

Naruto corou até o último fio de cabelo e Sasuke gargalhou, sem controle.

- Pelos deuses, isso foi alto e perigoso demais para ser um terremoto ou qualquer outro fenômeno da natureza. - Gaara comentou enquanto adentrava a casa com cuidado, tentando não pisar nas poças de água ou em algumas farpas de madeira dos móveis estragados. O ruivo encarou os dois amigos, recebendo um olhar irritado e outro envergonhado. - Foi seu estômago, não é, Naru?

O menor cobriu o rosto com uma das mãos e gemeu, completamente constrangido, não era como se pudesse controlar seu estômago faminto,  afinal.

- Não o chame assim!!! - Sasuke reclamou. Ainda irritado pelo amigo os ter presenciado em um momento tão íntimo.

- De qualquer forma, venham tomar café em nossa casa. - Gaara falou, tomando um tom e semblante sério.

- Hã? - Naruto questionou com um resmungo, deixando a cabeça cair para o lado de forma graciosa aos olhos dois mais velhos.

- Neji e eu vimos a parte do telhado de vocês desmoronar, nos preparamos para abrigar vocês em nossa casa até conseguirem consertar esse estrago. - O ruivo explicou enquanto olhava para cima com pesar na face, observando o grande problema de seus amigos.

- Gaara… - Sasuke tentou pestanejar, porém o ruivo lhe encarou intensamente, deixando claro que não iria desistir da ideia.

- Sem objeções, Sasuke!

- Mas Gaara-kun, não queremos incomodá-los, ainda mais agora que o Neji-kun está próximo de-...

- Já decidimos, não será incômodo algum. Estaremos um pouco mais apertados, mas daremos um jeito. - A determinação era percebida na voz do ruivo. - Afinal, não é como se já não tivéssemos passado por dificuldades juntos, não é?

Naruto choramingou e abraçou o amigo de longa data enquanto Sasuke sorria de forma agradecida para o amigo.

Apesar de tudo, eles realmente tinham sorte por terem amigos como aqueles.



(...)



- Como vocês podem demorar tanto? Nós dois estávamos a ponto de devorar todo o café da manhã! - Um castanho bradou irritado ao passo que dava passagem para os três homens adentrarem a pequena casa.

Naruto sorriu largamente ao olhar para o amigo, mais precisamente para a enorme barriga que o mesmo carregava.

- A gravidez está te fazendo muito bem, Neji. - Sasuke sorriu e se aproximou do doncel, beijando a testa do castanho com carinho e se abaixou para beijar o ventre redondo. Acariciando o local delicadamente e sorrindo ao sentir um chute forte no local onde suas mãos tocavam.

- Hm… - Neji gemeu ao sentir a dor aguda em uma de suas costelas, ofegou e se segurou no amigo moreno, enquanto afastava as mãos do maior de sua barriga. - Sachiko sempre fica empolgada com você por perto, Sasuke.

- Ela apenas tem um bom gosto, já sabe quem é o melhor titio. - O moreno sorriu minimamente enquanto apoiava o amigo com cuidado, o levando até uma cadeira simples de madeira que havia no local.

- Decidiram colocar o nome que o bastardo escolheu? - Naruto perguntou, ignorando a voz debochada do amado. Sabia que o mesmo queria apenas provocá-lo com o último comentário.

- Sasuke não escolheu nada! Apenas gosto de pensar que com esse nome a minha filha não passará necessidades. - Gaara resmungou enquanto se aproximava do marido e beijava os lábios do castanho rapidamente, alisou a barriga de quase nove meses do marido e sorriu orgulhoso.

- Na verdade, nós apostamos que se fosse menina eu iria escolher o nome e se fosse menino seria você. E como já sabemos que é uma linda garotinha só nos rest-...

- E se for um menino? - Gaara cortou Sasuke rapidamente, lhe encarando em desafio.

- Não é. - Sasuke e Neji falaram ao mesmo tempo, com determinação na voz e sorriram de forma larga e cúmplice um para o outro.

Naruto apenas admirava o quão amável seu esposo era com crianças. Um sorriso largo e misterioso se apossou de seus lábios cheios e o menor se aproximou dos outros três rapidamente.

Naquele momento, nenhum dos quatro homens pensavam que a felicidade em conjunto acabaria rapidamente.

Apesar de que, no fundo, Sasuke tinha certeza que a alegria duraria pouco, então aproveitaria o máximo.

Afinal, a culpa seria inteiramente sua.



(...)



- No que diabos você está pensando? Está louco? - Gaara bradou incrédulo, encarando o amigo de longa data com seriedade, recebeu um olhar afiado do outro e bufou, tentando respirar calmamente para não dar chilique e acordar as duas pessoas adormecidas dentro da pequena casa. - Sabe que isso é uma loucura, não é?

- Não é o que eu penso sob-...

- Naruto jamais concordaria com isso!!! Eu não concordo e tenho certeza que até Neji ficaria contra você! - O ruivo grunhiu irritado. A ideia do moreno era absurda, não tinha estrutura ou chance para que realmente funcionasse.

Sabia que as condições que o casal de amigos vivia não eram realmente das melhores, porém agir de maneira precipitada estava longe de ser a melhor das soluções.

- Sabe que pode ficar o quanto quiser aqui, eu te ajudarei a consertar a sua casa, nós quatro podemos sobreviver com o pouco e-...

- Quatro? Esqueceu que seu marido em breve dará à luz? As coisas estarão ainda mais difíceis com a filha de vocês. Não quero prejudicá-los mais do que já prejudiquei. - Sasuke se lamentou, desviando o olhar pesaroso do amigo que lhe encarava como se visse uma assombração.

- Sachiko não será um problema!!! Não coloque a culpa na min-...

- Não estou colocando a culpa em ninguém!!! - Sasuke gritou, em fúria. Sentia vontade de socar a face pálida do amigo. Uma súbita vontade de gritar e explodir com sua ira abateu o jovem moreno.

Estava de mãos atadas. Não podiam mais viver daquela maneira, não conseguiriam aguentar as pontas com o tão pouco que tinham e o trabalho no vilarejo estava a cada dia mais escasso, só havia uma solução…

- Eu partirei em uma semana, irei arrumar um trabalho fixo na cidade e quando tiver dinheiro suficiente voltarei para casa. - A convicção era presente na voz grossa do moreno. Não havia dúvidas que aquele era o melhor caminho.

- Eu não aprovo e não aceito sua decisão, Sasuke. - Gaara sussurrou, com os ombros caídos e sem olhar para o rosto do amigo.

- Sabe que não preciso de sua aprovação ou permissão… - Os olhos negros brilhavam friamente, mostrando que a decisão já havia sido tomada.

- Que seja. - O ruivo cuspiu entre dentes e deu as costas para o amigo. Caminhou para a entrada da casa e se deteve ao segurar a maçaneta da porta. - Boa sorte ao contar isso para o Naruto. - Falou friamente e abriu a porta bruscamente, a fechando em um baque violento, deixando o amigo do lado de fora, preso em seus próprios pensamentos.

- Confio a você a segurança dele. - O moreno murmurou para o amigo, mesmo sabendo que ele não ouviria mais.

Uma lágrima solitária escapou de seus olhos negros e escorreu pela pele pálida de seu rosto.

Sabia que o que estava fazendo era o certo, mas porque era tão difícil pensar em viver sem o seu amado?



O silêncio incômodo se estendeu pela pequena e simples cozinha da casa.

Neji deixou escorregar a colher que tinha em mãos e olhou assombrado para o amigo moreno, Gaara apenas bufou irritado sem encarar o amigo, em uma birra infantil.

Porém, nenhuma das reações naquele momento eram piores que a de certo loirinho.

Os olhos azuis estavam opacos e sem vidas, a boca aberta mostrava sua surpresa ao ouvir as palavras cheias de determinação do amado. Suas mãos perderam a força e deixaram cair a xícara de café quente que bebia, molhando uma de suas mãos e se queimando.

- A-ai. - Naruto gemeu dolorido.

Sasuke se apressou para ajudá-lo, preocupado com o amado, mas recebeu um olhar afiado e traído do loiro que o fez paralisar surpreso.

Neji engoliu um seco e se apressou para pegar um pano velho e limpo, ajudando delicadamente o amigo a se limpar. Naruto acenou positivamente com a cabeça, em um agradecimento mudo para castanho.

O silêncio reinou novamente no ambiente, nem mesmo o som da respiração dos quatro presentes  era ouvido.

- Será que vocês poderiam falar alguma coisa? - Sasuke quebrou o silêncio de uma vez, impaciente pela falta de reação ou comentário dos amigos. Ouviu um crispar de lábios e foi encarado intensamente pelos olhos verdes do amigo ruivo.

- Eu já dei minha opinião sobre isso. - Gaara cuspiu, se levantando da pequena mesa em que estava sentado com os demais e seguindo até a saída da casa.

Naruto sentia sua respiração falhar. Por que Gaara sabia da decisão do amado bem antes do moreno contar?

Encarou a face fria do companheiro e sentiu seu coração se apertar em desespero e medo.

- Da onde você tirou essa ideia absurda? - Neji questionou com apenas um fio de voz, respirava com calma já que não podia se estressar ou passar por emoções fortes. Seu amigo era um idiota por jogar uma notícia como aquela tão de repente, sem um aviso prévio.

- Andei pensando nisso durante muito tempo e após o incidente em minha casa eu decidi que conseguir um trabalho fora realmente era a melhor opção. - Respondeu simplista. Olhando diretamente para o amigo castanho, sem ter coragem de encarar a face do amado.

- E você se quer cogitou como nos sentimos com você querendo ir a cidade? Sabe que o perigo é enorme. - Os olhos perolados do castanho brilhavam em preocupação.

- Eu sei, porém nada irá acontecer comigo, eu iria me cuidar e-...

- Como pode ter certeza disso? - Naruto já tinha os olhos cobertos de lágrimas e encarava o maior intensamente, com os olhos brilhando em desconforto e ressentimento.

Sasuke era louco.

- Você sabe o inferno que é a cidade… Você viu com seus próprios olhos. Mesmo que consiga dinheiro suficiente para nos dar uma vida boa, quem garante que você poderá chegar até nós com esse mesmo dinheiro? Quem me garante que você voltará para mim, Sasuke? - Naruto gritou, deixando as lágrimas escorrerem livremente por seu rosto bronzeado e delicado.

O maior fechou os olhos fortemente e suspirou, tentando manter a calma e não mudar de ideia naquele momento. Abriu os olhos novamente, surpreendendo o loiro ao ver as duas pedras ônix lhe mirando friamente.

- Já está decidido. - Disse por fim, sem recuar em sua decisão.

Naruto e Neji arregalaram os olhos, surpresos com a frieza de Sasuke e com a veracidade de suas palavras.

- Com licença, Neji. - Naruto pediu sem olhar para os outros dois e se levantou da cadeira com pressa, caminhando até a saída enquanto deixava seu semblante desabar por completo.

O castanho suspirou e fechou os olhos, massageando o lado da cabeça delicadamente, sentindo a mesma doer. Um chute forte de sua filha lhe pegou de surpresa e lhe tirou o fôlego, fazendo seus olhos se fecharem e sua boca se abrir em um gemido doloroso.

- Você está bem? - Sasuke perguntou, se esquecendo brevemente da discussão e indo até o amigo rapidamente, lhe encarando com os olhos preocupados.

- Estou. - O menor respondeu simplista e mirou o rosto do amigo intensamente. - Você está decidido, não é? - A visão do perolado ficou turva com as lágrimas que tomaram seus olhos.

Sasuke apenas abraçou o amigo calmamente, murmurando que tudo daria certo.

Era o que todos esperavam, afinal.



(...)



- Eu vou indo. - Sasuke sussurrou enquanto arrumava a grande mochila em suas costas.

Durante aquela semana, Sasuke e Gaara fizeram qualquer tipo de trabalho que aparecia, independente do valor que receberiam em troca. Gaara mesmo não concordando com a decisão do amigo, acabou por ajudá-lo com mantimentos e o pouco dinheiro que havia arrecadado.

Não tinham muito, mas Sasuke sabia que um dia iria retribuir toda a ajuda que o amigo lhe deu.

Naruto continuou indiferente durante a semana, convencendo a si mesmo que Sasuke estava sendo precipitado ou que estava apenas tirando uma com a cara de todos.

Porém, ao ver o marido vestido com a melhor peça de roupa que tinha, com a mochila nas costas e com os olhos entristecidos em sua direção não se deixou segurar. A realidade lhe abateu com violência.

- N-não. - Murmurou, se abraçando ao corpo musculoso do marido e se deixando chorar nos braços do mesmo. - Você não pode ir, não agora. Eu preciso de você ao meu lado.

Sasuke suspirou e beijou o topo da cabeça do seu pequeno amado em seus braços. No fundo, sentia que não podia deixar o loiro naquele momento, mas ignorou seus instintos e apenas afastou o pequeno de si delicadamente.

- Eu voltarei para você. - O moreno declarou, olhando diretamente nas íris safiras que estavam banhadas em lágrimas naquele momento. - Você vai me esperar? - Perguntou enquanto acariciava a face delicada do homem que amava.

Neji virou o rosto e se deixou chorar baixinho, para não atrapalhar o casal de amigos. Ele e Gaara já havia se despedido do moreno e o ruivo com isso em mente apenas suspirou e puxou o marido para dentro da casa pequena que habitavam. Neji não passaria bem sendo ainda mais exposto a emoções fortes.

Naruto e Sasuke ficaram sozinhos e em silêncio, ouvindo apenas os soluços que o menor soltava sem controle.

- Amor? - Sasuke chamou baixinho, seus olhos estavam marejados e seu coração se comprimia em seu peito.

- É c-claro que irei t-te esperar, não s-seja estúpido. - O menor respondo com dificuldade, chorando em meio a solidão que já lhe abatia. Não aceitava a decisão do marido, mas não poderia ir contra.

Na verdade, Naruto desejava ir com o companheiro, enfrentar os problemas juntos. Mas não podia, não na situação em que se encontrava.

- Eu te amo. - Sasuke beijou os lábios do menor com volúpia, transmitindo todo o amor que tinha pelo loiro através daquele ato.

Se separou do menor e lhe deu as costas rapidamente, andando para o horizonte, sem rumo ou destino.

Naruto se desmanchava em lágrimas ao ver as costas do moreno se distanciando aos poucos, até sumir pelas ruas do pequeno vilarejo.

Seu marido se fora.

- S-Sasuke. - Sussurrou, levando uma das mãos até a boca e arregalou os olhos  tentando segurar o grito de desespero que queria escapar de sua garganta.

Sua outra mão livre alisou o ventre plano, sentindo seu coração se apertar.

- V-volte logo, S-sasuke. - Pediu suplicante, chorando desesperadamente e sem aparo enquanto alisava a barriga lisa que não estaria assim nos próximos meses. - N-não deixe n-nosso filho crescer s-sem o p-pai.


Notas Finais


Obrigado a todos que leram até aqui!!!

Estava ansiosa por compartilhar essa minha nova ideia 💙

O que acharam? Ainda não tenho previsão de atualização, mas voltarei o mais rápido possível, lembrando que serão postados mais dois ou três capítulos!!!

Xoxo'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...