História Estes olhos teus - Pernico - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Nico di Angelo, Percy Jackson
Tags Fluffy, Lemon, Nico Di Angelo, Percy Jackson, Pernico, Yaoi
Exibições 204
Palavras 2.160
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Self Inserction, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa a demora.🙆




Uma boa leitura, e desculpem pelos erros!

Capítulo 5 - Uma noite uma tanto quanto estranha... E quente.


Nico caminhou sem pressa em direção a peça de madeira, a abrindo. Não era ninguém mais, ninguém menos que o seu pai: Hades.

— filho o jantar está quase pronto e... — disse dando uma vasta olhada no quarto, fixando seu olhar em Percy. Pelos olhos vermelhos e cara amassada, Nico supôs que ele tivesse acabado de acordar. E enrolando na pintura, como fez na parte da manhã. — ele ainda está aqui!?  porque diabos está sem camisa? — o homem abriu ainda mais a porta, empurrando o filho para o lado.

— pai... — Nico revirou os olhos.— privacidade... Lembra? — o mais novo reclamou. — a camisa dele sujou de  tinta. — disse irritado.

— mas e aquela bermuda? Não foi com essa que ele apareceu aqui. — é as vezes Hades tinha uma bela de uma memória, seu olhar estava focado no moreno, que segundo ele: praticamente nú no quarto do seu pobre filhinho. Nico bufou irritado. Percy observava tudo em silêncio, qualquer coisa pular a janela era uma solução válida.

— eu emprestei. Descemos em dez minutos. Agora tchau. — Nico  empurrou, com muito esforço, o pai para fora. Fechou a porta, se encostando na mesma. — desculpa por isso. — acabou sorrindo, estava envergonhado. — ele as vezes é... Hum... — Nico não achou uma frase para descrever o pai.

— sem problemas. — Percy retribuiu o sorriso. E coçou sua nuca de forma tímida. — bom acho que eu já vou indo, será que minha roupa já secou? — perguntou fitando Nico.

 

— está louco Jackson!? — Percy franziu o cenho com a fala do outro. — está tarde! Sem chances de você ir para outra cidade uma hora dessas. — Nico caminhava em direção ao seu guarda-roupas, retirando a proteção. Pegou duas toalhas.

—  mas... — Percy olhou de um lado para o outro, meio sem saber o que fazer.

— sem essa Percy, você vai dormir aqui hoje. — Nico disse simples. Jogando a toalha em sua direção. 

— OK, tudo bem. — Percy se rendeu. — mas onde eu vou dormir? 

esse era um pequeno problema, pois o quarto de hóspedes estava sendo usado como depósito temporário. Nico se lembrou.

 

— depois a gente pensa nisso, OK!? — Percy nada disse. Apenas balançou a cabeça confirmando. — você usa o banheiro do corredor, que eu vou usar o do quarto do meu pai. Vou deixar uma outra roupa pra você usar em cima da cama. 

— OK. — Percy confirmou já se direcionando a porta. 

— hey, é... Me ajuda a retirar todo esse plástico e jornal velho. — pediu, lógico que o moreno aceitou.

Depois de retirar todo o plástico dos móveis e os jornais espalhados pelo chão e coloca-los no lixo. Os dois saíram do quarto para irem fazer sua higiene. Nico teve de voltar pois esqueceu de separar a roupa para Percy usar, e pegar uma para si também.

 

 

 

 

°*°

 

 

Nico sentia-se revigorado depois do banho, caminhava em direção ao seu quarto já vestido. De onde estava podia claramente ouvir a água caindo de dentro do banheiro do corredor, mesmo que o ruído da água fosse mínimo, e supôs que Percy ainda estivesse no banho. Passou a toalha mais uma vez pelos cabelos úmidos, enquanto abria a porta do seu quarto e logo ligou a luz. 

 

Dando de cara com Percy nú, que fora rápido o bastante para cobrir o seu sexo antes da luz ser acesa.

Ambos se encaravam com os rostos rubros.

— é m-me desculpa. — Nico murmurou saindo com pressa do quarto, fechando porta atrás de si.  No exato momento Hazel saiu cantarolando do banheiro, o olhou desconfiada por alguns segundos, mas acabou dando de ombros e rumou para o seu quarto.

 Nico tentava respirar calmamente, seu rosto estava pior do que Leo ao lado de Frank, em chamas.

A cena de segundos atrás estava presa em seus pensamentos. Percy, seu corpo de pele morena, as coxas mais torneadas do que ele se lembrava, assim como os músculos do seu tronco. A fina camada de pelos escuros que desciam de próximo do umbigo até onde a toalha o cobria. O rosto levemente avermelhado. Nico se martirizou por ser tão observador.

 

Distraiu-se com seus pensamentos, não esperava que a porta fosse aberta. Esperou uma queda que não veio, grassas a Percy. Se o moreno não tivesse o segurado ele teria ido ao chão. 

Os dois ficaram se fitando por um bom tempo, em silêncio.

— é... Desculpa, eu ia me trocar no banheiro, mas sua irmã foi mais rápido. — o moreno disse envergonhado, suas bochechas estavam fervendo. Ajudando Nico a ficar em pé.

— está tudo bem. Eu devia ter batido antes. — ficaram em um silêncio novamente, um tanto constrangedor, sem saber o que um dizer para o outro. Até Nico quebrar o silêncio. — é, vamos descer!? Estou faminto.. — Percy não estava assim tão diferente. Afinal só havia comido aquele pequeno “lanchinho. “ e não almoçado.

Afirmou com a cabeça e seguiu Nico pelo corredor. Quando estavam próximos a escada, eis que Hades surge na mesma.

 

— ora, demoraram, eu já estava indo buscar vocês. — ele encarou os dois, e mais uma vez seus olhos focaram em Percy. — vem cá, esse garoto não tem camisa não!? — perguntou a Nico, que estapeou a própria testa. Hades voltou seus olhos novamente ao moreno. — Oh rapaz, por acaso você assistiu crepúsculo e virou adepto da cultura dos lobos descamisados???

Percy negou com a cabeça se segurando para não rir. Ele achava o cara uma graça.

— Pai porque o senhor não vai chamar a Hazel? — o rapaz apontou para o quarto da garota, Hades acompanhou o dedo do mais novo com o olhar. — vamos Percy. — Nico agarrou a mão do moreno e o puxou pelo corredor, deixando seu pai atônito para trás.

E só notou o seu ato quando já estavam no andar de baixo, com Percy o encarando com as bochechas coradas e um sorriso bobo nos rosto.

— para de rir. Assim você da corda pra ele. — o Di Angelo mudou de assunto, sabia bem que não era aquilo o motivo do sorriso.

 

Nico guiou-o até a cozinha, e ambos sentaram à mesa, frente a frente, que estava perfeitamente posta.

Percy encarava tudo com desejo, tentando ao máximo controlar o urso do seu interior, sua barriga que queria roncar.

Depois de alguns minutos (lê-se exatos trinta e quatro minutos, e quinze segundos) Hazel e Hades desceram juntos. A garota se desculpou por ter demorado tanto.

— Nico porque você não o serviu? Não vê que seu amigo está quase virando um Smurf aqui? — Hazel que havia se sentado ao lado do irmão, o cutucou.

— ele nem me disse nada. — Nico se defendeu, e foi alvo do olhar de incredulidade da irmã. Percy nada disse, ainda se sentia intimidado com a presença do patriarca dos Di Angelo, e isso só piorava quando ele estava tão próximo, tipo sentado bem do seu lado.

— sinta-se a vontade, Percy. — Hazel sorriu de forma amigável, balançando a cabeça fazendo seus cachos, presos num rabo de cavalo, balançarem. — pode comer. 

Percy esticou o braço para pegar o frango assado, o aroma daquela comida o estava deixando louco. Mas a voz de Hades fez com que ele parasse o ato.

 

— espere... — disse exageradamente alto. — primeiro temos que fazer uma oração ao nosso bom deus, agradecendo por este alimento sagrado do dia. — o homem sorriu de canto, juntando as duas mãos.

Nico queria se jogar na frente de um carro neste momento, mas ele estava dentro de casa e as chances de passar um ali era menos que 0.

Percy não conteve um gemido de descontentamento.

— pai para de graça. Nós nem temos esse costume. — a garota o olhou irritado.

 

— a partir de hoje teremos, graças a Deus. — o homem insistia naquilo.

— você nem é cristão! — a garota retrucou de forma desafiadora.

— a partir de hoje sou, me converti. 

— aí chega, eu vou comer. — Nico puxou a travessa com arroz para perto de sí, se servindo. — Percy sirva-se. — Nico mandou, empurrando o objeto em direção ao moreno.

Que despertou do seu perfeito estado de confusão.

— seus descrentes... Tudo bem. Vamos comer. Esse trabalho todo na casa exigiu bastante de mim. — o homem desistiu, ele só queria pegar no pé do amigo do seus filho mesmo, pegou a travessa logo após o moreno terminar.

— a para! O senhor dormiu mais do que trabalhou! — a garota murmurou, enfiando um pedaço generoso de bife na boca.

— como é? — o homem ergueu a sobrancelha, mas sorria divertido. Percy sorria com toda aquela cena. Enquanto devorava a montanha que era o seu prato. 

 

 

°*°

 

 

Percy bocejava deixando claro seu estado de sonolência. Ele, Hazel e Nico estavam assistindo um filme qualquer que a garota havia escolhido.

Nico olhou para o lado e viu o moreno quase caindo do sofá e cutucou o moreno.

— hey Percy... Vamos subir. — o moreno piscou os olhos algumas vezes, tentando se situar no assunto. — hey Percy. — Nico chamou impaciente quando o moreno cochilou outra vez.

— hum... — Percy fez um esforço “desumano ” para se por de pé.

— hey pirralha, vai dormir no seu quarto. Antes que você quebre a coluna nesse sofá velho. — Nico puxava o dedão da garota, e por pouco não levou um chute.

— eu não estou dormindo. — balbuciou e voltou a ressonar.

 

Nico a deixou ali, e caminhou para o quarto com Percy em seu encalço.  Foi direto para o quarto de hóspedes, onde ele havia colocado um colchão de solteiro que ficava em seu quarto.

— mas eu o coloquei aqui ontem... — disse ao notar a ausência do colchão. O Di Angelo caminhou até o quarto do pai, com um zumbi Jackson logo atrás de si.

— pai onde está o meu colchão. — gritou enquanto batia de forma delicada na porta. Que não demorou a ser aberta.

— o colchão é seu.

Nico bufou 

— eu sei, mas ele não está onde eu coloquei. — avisou fitando o pai.

— eu joguei aquele colchão velho fora. Ontem. — Hazel disse se arrastando em direção ao seu quarto.

— mas... 

— ue, sua cama é bem grande. Tenho certeza que cabe vocês dois. — a garota disse, fechando a porta atrás de si. Deixando os três atônitos para trás.

— nada disso... Sala, sofá. — Hades estranhamente despertou-se do seu estado de sonolência. Assim como Percy, que lutava para não virar.

 

Nico bufou contrariado. Empurrando Percy para o seu quarto, que deixou-se manusear. Ele odiava ter que dividir a cama com alguém, mas também não deixaria Percy dormir naquele troço velho, ainda sentia as dores só de lembrar de quando dormiu nele.

— hey, vocês... Esperem... — Hades caminhava em direção aos dois.

— boa noite pai. — dito isso nico fechou a porta do quarto.

 

— então... Vamos ter que dividir a cama. — disse Nico, enquanto arrumava a mesma.

— sem problemas. — Nico o olhou por cima dos ombros com a orelha arqueada, Percy desfez o sorriso no exato momento.

— você fica no canto da esquerda OK? — Percy balançou a cabeça confirmando, e logo jogou na cama.

Fazendo Nico grunir baixinho, odiava arrumar uma coisa pra na hora bagunçarem. Esperasse alguns segundos pelo menos.

O Di Angelo deu um shorts para o moreno, e saiu do cômodo para se trocar. Voltou com uma camiseta e um samba-canção. Logo deitou-se na cama, ao lado de Percy, poucos centímetros os distanciavam.

Percy virou seu rosto, passando a fitar o outro que encarava o teto. 

 

 E quando ia falar algo. Foi interrompido por um barulho de algo se quebrando. Seguido de um. — caralho que susto. — a voz e o barulho vieram do quarto ao lado.

— o que essa peste ta aprontando. —  Nico praticamente pulou da cama. E Percy o seguiu.

— Hazel? — Nico gritou, Percy ficou logo atrás de si colando a cabeça por cima do seu ombro.

Olhou para a porta do quarto do pai que continuava fechada. “Pode está tendo um dilúvio no lado de fora mas aquele ali não acorda. ” pensou o rapaz.

 

— eu estou bem. Foi o Petrus que derrubou meu vaso. — a garota disse de dentro do seu quarto, enquanto encarava o colchão de Nico que havia caído em cima da escrivaninha derrubando o vaso. Petrus era o gato dela que dormia tranquilo do outo lado do quarto.

 

Nico Revirou os olhos e sentiu um ar quente chocar-se contra sua nuca eriçando os pelinhos do local.

— ela está bem mesmo? — era Percy.

— es-está... É... Vamos dormir. — o rapaz disse meio sem jeito.

Os dói votaram a se deitar, dessa vez ambos se encaravam. Haviam perdido o sono, e ficaram assim por um bom tempo, até que o mesmo voltasse.

— eu gosto da cor dos seus olhos. — Percy soltou de repente, meio sonolenta. Nico o encarou sem dizer nada, sentindo algumas borboletas eclodirem de seus casulos e voarem em sua barriga. — são tão negros... Parece olho de boi. — e elas morreram. Nico tacou um travesseiro no moreno.

Que gargalhou divertido e se aproximou de firma perigosa do outro.

— se você me beijar outra eu, eu vou te bater. — Nico avisou. E Percy sorriu de canto, deixando aparecer alguns dos seus dentes.

— acho que eu posso ser um pouco masoquista. — o moreno quebrou a pouca distância que os separavam, unindo seus lábios de forma terna.

 

 

 

 


Notas Finais


Então, é isso.
Pra quem achou que ia ter limonada
Sorry, not sorry.
Lemon só depois do capítulo 296!

Teje dito.

To brincando 🐼

Eu tenho outra fanfic pernico, caso estejam interessados(as):

https://spiritfanfics.com/historia/no-embalo-das-ondas-6708662


🌚🐼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...