História Estou grávido do líder da alcatéia - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~RapJin

Postado
Categorias EXO, SHINee
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Jinki Lee (Onew), Jonghyun Kim, Kai, KiBum "Key" Kim, Kris Wu, Lay, Lu Han, Minho Choi, Personagens Originais, Sehun, Suho, Taemin Lee, Tao, Xiumin
Tags 2 Min, Abo, Alfa, Alfa Lúpus, Baby Sehun, Beta, Chanbaek, Lobo, Mpreg, Ômega, Sekai, Sulay
Exibições 1.047
Palavras 3.285
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie gente, aqui é a RapJin vim trazer mais um capítulo pra vocês, se ficou um pouquinho grande desculpem :3
OBRIGADO PELOS MAIS DE 200 FAVORITOS <3

Capítulo 5 - Capítulo V


Fanfic / Fanfiction Estou grávido do líder da alcatéia - Capítulo 5 - Capítulo V

Park Chanyeol

 

Após relatar a ele toda a minha história com meu último parceiro, ele pareceu ainda mais confuso, porém não fez mais perguntas apenas me lançou um olhar significativo e desejou-me boa noite para pouco depois dormir segurando minha mão como uma criança quando tem pesadelos e se agarra a mãe sentindo que o fato dela estar ali todos os males se espantaram. 

Acordei com um barulhinho feito por uma das empregada que pareceu se assustar ao ver que eu estava no quarto do ômega, porém como a boa funcionária que era não comentou nada apenas informou que já eram oito horas e que Baekhyun tinha uma consulta marcada às nove e meia, confirmei com a cabeça e fiz sinal para que ela nos deixasse sozinhos e assim o fez. Tentei me levantar porém um peso encima de mim não me deixou consumar o ato, olhei pra o pequeno que se encontrava agarrado a mim deixando sua cabeça apoiada em meu peito e um dos braços envolviam minha cintura, sorri fraco me lembrando da noite anterior de como Baekhyun pegou no sono e aos poucos fora se aconchegando em meus braços e de quantos minutos passei admirando aquele rostinho delicado w lindo, que estava levemente avermelhado pelo choro de outrora.

 

-Baekkie? Hey, você precisa acordar...

 

Chamei calmamente enquanto afagava seus cabelos na tentativa de acorda-lo já que o menor apenas resmungou algo incompreensível e se aninhou mais a mim. 

 

-Baekkie, estamos atrasos para a consulta do nosso filho. 

 

Aquela simples frase pareceu faze-lo despertar, aos poucos ele se sentou na cama bocejando e coçando os olhos na tentativa de despertar de vez do sono. 

 

-O Hunnie tem consulta hoje?

 

Perguntou-me manhoso enquanto se virava para me encarar, apenas acenei com a cabeça e me levantei da cama dele. 

 

-Se arrume para dar tempo de tomar o café antes de sairmos. 

 

Ele confirmou com a cabeça engatinhando até sair da cama e seguir pro banheiro, ri da maneira fofa que ele estava agindo mas, não fiquei me enrolando ali e logo tratei de ir para meu quarto, tomei um banho rápido e me arrumei.

Após estar devidamente pronto pra sair desci até a cozinha e pedi que Kyungsoo fizesse um café da manhã rápido para Baek porquê já estávamos atrasados, ele apenas concodou com a cabeça e eu aproveitei para sentar perto da bancada para esperar o menor que pouco depois apareceu na cozinha desejando um bom dia formal a mim e se aproximando de Kyungsoo, deixando que o beta de olhos grandes lhe desse um beijo na bochecha e por algum motivo aquilo me incomodou, não era ciúmes, longe disso eu apenas me senti desconfortável com aquela cena atípica.

Assim que terminamos de tomar o rápido café da manhã seguimos para a clínica que ficava localizada no centro da cidade. No prédio desnecessáriamente grande e luxuoso fomos recepcionados por uma bela e gentil ômega que carregava um crachá de identificação no blazer preto, cujo nome era DaeHe. Ela fez questão de nos acompanhar até o décimo andar onde o Dr Choi estaria nos esperando, não demorou para que a recepcionista nos informasse que poderíamos entrar e assim fizemos, Baekhyun cumprimentou o médico com um sorrisinho empolgado nos lábios antes de se acomodar em uma das cadeiras reservada exclusivamente para os pacientes e seus acompanhantes.

 

-Bom, vamos começar Sr Byun?

 

-Vamos.... 

 

Baek parecia uma criança com um brinquedo novo e aquilo me fazia perceber o quão frágil ele era. 

A consulta ocorreu normalmente, até quando o Dr Choi pediu para que Baekhyun deitasse na maca próxima a máquina de ultrassom e levantasse a camisa e após o menor fazer aquilo o médico passou um gel pela barriga dele que pareceu ser bem gelado, já que foi notável seus pelos se arrepiarem. O médico colocou a pequena máquina sobre a pele da barriga de Byun e começou a deslizar com a máquininha por ali enquanto olhava para o pequeno televisor posto ao lado esquerdo da maca, possibilitando assim que o ômega pudesse ver também, o som acelerado soa batimentos cardíacos preencheram a sala e senti a mão pequena, se comparada a minha, do menor se entrelaçar a minha e quando me virei para olhar Baekhjn chorava enquanto sorria olhando para a tela do monitor.

 

-Não é a coisa mais linda que você já viu? Chanyeol, ouve esse coraçãozinho... quero ouvir essa música para sempre, a música mais linda feita pelo nosso filhotinho.

 

Ele apertou minha mão e eu só conseguia sorrir e concordar com tudo que ele dizia porque era verdade, aquele som do coraçãozinho batendo freneticamente era para mim a melhor das melodias de todos os tempos e eu nunca me cansaria de ouvir aquilo. 

 

-Bom, ao que tudo indica esta tudo bem com a criança e como podem ver aqui... 

 

Ele apontou para um pequeno pontinho na tela. 

 

-Ainda é cedo para afirmar mas, é um menino. Parabéns aos papais.

 

Baekhyun não se aguentou e começou a chorar, um choro explícito de felicidade bem diferente do choro da noite anterior.

 

-Bem Sr Park, vamos dar ao Sr Byun um pouco se privacidade para que possa se recompor. 

 

Concordei com a cabeça, sabia que aquilo era uma deixa pra que pudéssemos conversar sozinhos sem a presença do ômega. 

 

-Eu já volto. 

 

Falei a Baekhyun que apenas confirmou com a cabeça e logo o doutor Choi e eu saímos do consultório e o mais velho me olhou um pouco preocupado aquilo bastou para me deixar em sinal se alerta.

 

-Há algo de errado com meu filho ? 

 

-Não há nada de errado, apenas que Byun está um pouco acima do peso da gestação, mas alguns ômegas tendem a engordar com mais facilidade nesse período então está tudo normal. Mas preciso que comece a dar as vitaminas a ele, sabe que o garoto não pode se dar ao luxo de se descuidar.

 

-Eu sei, claro que eu sei. -Falei levemente irritado.

 

-A propósito, já contou a ele? 

 

-Não, ainda não contei, quer dizer eu contei meia verdade a ele apenas. 

 

Confessei cruzando os braços e me apoiando na parede de maneira displicente, os olhos de Choi recairam sobre mim como quem desaprova esse comportamento. 

 

-Sei que essa é sua única chance de ter um filhote...-começou dando um longo suspiro. -Mas Baekhyun é um bom garoto, um garoto que passou um ano tentando engravidar. Me prometa que não tentará tirar o filhote dele. 

 

Olhei para o médico levemente ultrajado, como ele poderia sequer cogitar a hipótese que eu seria um filho da puta de proporções absurdas para pensar em tirar o filho daquele ômega? Tudo bem que a princípio era essa minha intenção, porém depois de ver o quão dedicado e amoroso Baekhyun é com esse pequeno feto eu jamais teria coragem de fazer algo assim. 

 

-Eu nunca faria isso. Esse filho é muito mais do Baekhyun do que meu. O máximo que vamos fazer é compartilhar a guarda.

 

Ele me olhou e soltou um suspiro aliviado, para logo em seguida ouvirmos a porta ser aberta e um Baekhyun nos encarando desconfiado.

 

-Já podemos ir? 

 

-Já sim, sua próxima consulta é para o mês que vem. Até lá.

 

Baek se despediu rápido logo começando a andar rumo ao elevador, o segui a passos apressados, ele parecia desconfortável, mas preferi não perguntar nada. 

 

 

 

 

 

 

 

Byun Baekhyun

 

Estava me sentindo enganado e o pior de tudo era que eu não conseguia fingir que nada tinha acontecido porque eu havia ouvido toda aquela história triste de Chanyeol na noite anterior e sentindo compaixão por ele, mas depois de ter escutado a conversa dele com o médico me deixou profundamente irritado, era como se Chanyeol estivesse insultando minha inteligência ao mentir tão descaradamente assim. Honestamente, eu não sabia se podia ou não confiar naquele alfa lúpus, ele praticamente admitiu que tinha planos de tirar meu filho de mim assim que ele nascesse, porém afirmou também que havia desistido daquela ideia absurda, mas eu não sabia se podia mesmo confiar nele, soltei um longo suspiro com a cabeça levemente apoiada na janela observando os portões da mansão Park abrirem.

 

-Quero ir embora. 

 

-Já estamos em casa. 

 

Park respondeu com uma cara confusa, mas eu tinha certeza que ele havia entendido o que eu queria dizer. Aquela mansão não me fazia sentir em casa, mas como era de hábito para nós ômegas eu fui ignorado enquanto Park dirigia até a entrada da casa, quando o carro finalmente parou desci do mesmo e dei as costas a Park andando de volta para a saída daquele lugar que mesmo enorme me fazia sentir claustrofóbico.

 

-Baekhyun? BAEKHYUN, ONDE ESTA INDO? 

 

Chanyeol gritou da porta de entrada e não me dei ao trabalho de me virar para olha-lo.

 

-Pra casa, preciso arrumar o quartinho do Hunnie.. 

 

Respondi, não era totalmente verdade entretanto também não era mentira, eu só queria ir pra casa e tirar aquela sensação de que querem me tirar a única coisa que amo. Ouvi passos acelerados e deduzi que Chanyeol estava correndo até mim e isso se confirmou quando senti sua mão segurar meu braço de forma possessiva me fazendo parar para finalmente olha-lo.

 

-Mas o Hunnie vai ficar aqui... vocês dois vão.

 

-Essa não é a minha casa Park. -Falei sério o observando.- E não precisa mentir, até porque você não vai tirar meu filho de mim. 

 

Talvez eu tenha sido rude ao ponto de deixa-lo um pouco atordoado com minhas palavras, pois me desvencilhei dele e continuei andando para fora daquele lugar. Não ficaria nem mais um segundo sendo feito de trouxa, peguei meu celular no bolso traseiro da calça que usava e mandei um mensagem para Soo, pedindo que ele arrumasse minhas roupas e as levasse até minha casa e que depois explicaria tudo a ele. 

Chanyeol fora sensato em não me seguir e mentalmente agradeci a isso, quando cheguei em casa a primeira coisa que fiz não foi chorar como pensei que faria, apenas preparei uma comida simples e comecei a limpar a casa, talvez esse hábito de descarregar toda as frustrações da vida com a faxina eu tenha herdado de omma.

Quando estava prestes a sentar no sofá e relaxar depois que minha casa estava totalmente limpinha ouvi alguém bater na porta e resmungando fui abri-la, mas todo o mal humor se esvaiu quando vi Soo parado na porta com aquele sorriso em formato de coração. 

 

-Quer me explicar o por quê de me abandonar? 

 

-Soo..-Falei manhoso abraçando ele e o deixei entrar logo em seguida.-Eu descobri que o Park quer tirar meu filho de mim...

 

-Tirar? Baek, ele não seria capaz de uma atrocidade dessas. 

 

Falou com o cenho franzido enquanto deixava as minhas malas no canto da sala.

 

-Eu ouvi Soo, ninguém me contou. Eu mesmo ouvi. 

 

Fiz um biquinho manhoso cruzando os braços, ouvi a risada de Soo e logo ele se aproximou passando os braços por minha cintura. 

 

-Assim você me faz querer beija-lo.

 

Arregalei os olhos e escondi o rosto em seu peito enquanto resmungava baixinho que ele era um idiota coisa que só fazia ele rir ainda mais. 

Naquela tarde eu me senti extremamente confortável como não me sentia desde que fui na mansão do Park. 

 

(…) 

 

Onew era simplesmente o futuro avô mais babão da face da terra, eu já havia dito que não aguentava mais andar por aquelas ruas carregando sacolas enquanto ele gastava aquele dinheiro que eu sempre fazia questão de recusar, o dinheiro que Park sempre me deixava no final de cada semana. 

 

-Omma.... já disse que não deviamos gastar isso... me faz parecer culpado. 

 

-Baekhyun! Eu não entendo o motivo pelo qual você tem essa raiva toda do nosso líder. Ele foi muito receptivo contigo, filho.

 

-Eu só não gosto dele..

 

Desviei o olhar enquanto andávamos de volta para minha casa, sabia que não poderia contar a omma o que eu havia descoberto sobre Chanyeol porque tinha uma probabilidade gigantesca de que ele contasse pro appa Jonghyun e esse com toda certeza iria querer brigar com Chanyeol e como todos bem sabemos, não se desafia um alfa lúpus, então optei por permanecer em silêncio até que estivesse sozinho e em segurança em casa.

Fazia duas semanas que eu havia saído da casa de Chanyeol, nos primeiros dias Soo vinha me visitar e passávamos o dia todo juntos mas quando o alfa descobriu que o sumiço de seu cozinheiro era para me visitar ele sempre arrumava algumas atividades a mais para o pobre beta fazer e era com essa desculpa que ele aparecia na minha casa alegando que me faria companhia já que Kyungsoo estava com trabalho acumulado. Mas ao que tudo indicava hoje ele não iria aparecer e com o tempo livre que teria iria finalmente ceder aos caprichos de omma e decorar o quartinho do Hunnie. Tudo bem, que eu queria muito fazer isso mas estava sem grana e não queria dar o braço a torcer para a ajuda financeira que Chanyeol me dava, porém quando Onew me obrigou a sair e comprar todas aquelas coisas me sentia na obrigação de fazer o melhor para meu bebê.

A tinta era azul clarinha e eu decidia em qual das paredes iria pintar, já que duas delas seriam brancas, estava tão concentrado naquilo que não percebi a aproximação daquele ser por trás de mim, passando suas mãos por minha cintura e as espalmando em minha barriga.

 

-Sentiram falta do appa?

 

Minhas bochechas queimaram fortemente ao ouvir aquilo e dei um pulo quando ele apoiou o queixo em meu ombro. 

 

-Já disse que não gosto dessas coisas, Park.

 

Falei tentando esconder a coloração avermelhada de minhas bochechas, ato este que fez o maior rir baixo e pegar um dos equipamentos para pintar a parede.

 

-Como entrou aqui?

 

-O Sr Byun me deixou entrar quando eles estavam saindo, então vou aproveitar e te ajudar a pintar o quartinho do nosso filho. 

 

-Traidor... -Resmunguei.- Kyungsoo não pode vir novamente? 

 

-Não.

 

Respondeu irritado começando a pintar a parede e ignorar minha pergunta, era sempre assim quando Chanyeol vinha me visitar, ele forçava uma aproximação e eu o afastava perguntando sobre Soo e isso parecia irrita-lo ao ponto de que ele permanecesse o restante do tempo em silêncio, ou até mesmo a ir embora. Com um sorriso satisfeito nos lábios peguei o outro pincel e assim como ele comecei a pintar a parede. 

 

-Você deveria parar de dar tantas tarefas pro Soo, nós quase nem nos vemos mais... 

 

-Porra Baekhyun! Por que você não consegue esquecer esse beta? 

 

Ele falou irritado largando o pincel no chão antes de se virar para me olhar. 

 

-Por que você não aproveite nosso tempo juntos? 

 

-Porque eu não gosto de você. 

 

-Você nem tem motivos para não gostar de mim. Você mal me conhece, nem sequer nos deu a chance de nos conhecermos! 

 

A voz alta dele me causava medo, ainda mais quando ele se aproximava, seu tamanho era quase o dobro do meu e seus olhos avermelhados me assustaram por deixar transparecer a raiva. 

 

-Por que saiu fugido da minha casa? Uma noite antes estava todo dócil e no dia seguinte sai sem dar satisfações... 

 

-Não lhe devo satisfações. - Gritei irritado, se ele achava que tinha algum comando idiota de alfa sobre mim estava muito enganado.

 

-Você é meu Ômega. Então sim, me deve explicações. 

 

-Seu Ômega? -Perguntei incrédulo. - É assim que trata "seus ômegas", mentindo pra eles?

 

Eu estava realmente furioso, como ele tinha o direito de me cobrar algo quando eu não devia absolutamente nada pra ele?   

-Quando foi que eu menti pra você?

 

Céus, como eu queria bater naquela cara de falso confuso que ele me fazia agora, aquilo só fez minha raiva aumentar ainda mais, coloquei o dedo indicador no peito dele e empurrava ali diversas vezes enquanto jogava as palavras para ele. 

 

-Você mentiu sobre não ter filhotes, mentiu quando disse que esse filho seria nosso...Você me fez...me fez acreditar nisso..-Meu tom foi baixando, se tornando uma voz embargada.- Você quer tirar o Hunnie de mim. 

 

-O quê? De onde tirou isso? 

 

Coloquei as mãos em frente ao rosto e comecei a chorar baixinho, logo sentindo os braços dele rodearem meu corpo em um abraço reconfortante.

 

-Eu ouvi, ouvi tudinho no consultório médico.. 

 

-Ah Baek... eu pensei sim em tomar o Sehun de você, mas isso foi antes de ver o tamanho do seu amor por ele...- Ele levantou meu rosto para que pudesse fita-lo.- Eu juro pelo meu sangue que não quero tirar esse filho de você.

 

-Então ...por que não me deixa viver sozinho com ele? Por que insiste em querer estar presente...?

 

-Eu... eu sou estéril Baekhyun.

 

-V-você é do-doente? 

 

Perguntei surpreso, na nossa sociedade um alfa estéril geralmente possuía alguma doença grave, talvez esse fosse o motivo de ele quere guardar isso para si, um lúpus que não poderia procriar era considerado a vergonha da família.

 

-Eu já fui doente... quando eu era jovem, eu tinha uma namorada ômega que eu não gostava muito e pouco tempo de namoro depois eu acabei terminando com ela, mesmo sabendo que a ômega ainda nutria sentimentos por mim. Sabe como alfas podem ser idiotas na adolescência, eu não era diferente..

 

Ah como eu sabia disso, alfas na adolescência são insuportáveis, conforme ele ia falando afagava meus cabelos e me arrastava até a sala, o maior se sentou no estofado macio e me aninhou em seu colo.

 

-Alguns meses depois ela apareceu dizendo que esperava um filho meu, como eu só tinha dezesseis anos na época meus pais exigiram um exame de paternidade já que tínhamos terminado a meses atrás. 

 

-Ela levou seu filho? 

 

Perguntei afastando o rosto de seu peito para poder olha-lo, então era isso? Ele tinha medo de perder outro filhote? 

 

-Não Baek...- Ele riu fraco afastando a franja de meus olhos.- Ela estava grávida do novo namorado dela, mas onde eu quero chegar é que com esse exame o médico constatou que eu tinha o princípio de uma doença que causa infertilidade. Então meus pais pagaram o meu tratamento, quando um dos resultados foi positivo o doutor recomendou que eu acasalasse o quanto antes. Sabe, o tratamnto não tinha garantia, mas tinha prazo de validade, e bem, eu não queria ser pai aos dezessete por isso armazenei meus espermatozoides.

 

-Então... agora... 

 

-É Baekkie, nem com tratamento eu consigo ter um filho. Em relação ao fato de tirar ele de você, bom eu ia fazer isso já que na clínica eles erraram ao dar meus genes pea você. 

 

-Erraram? -Perguntei curioso. 

 

-Como eu já havia te contato, eu só iria dar os genes pro Ômega que eu marcasse, entende? Era pra ser o Tao, mas bem ele me traiu...Eu venho acompanhando sua gestação de longe Baek, desde que me avisaram que haviam feito o procedimento com os meus genes...

 

-Então, por que você não veio falar comigo nos primeiros meses? -Perguntei desconfiado colocado a mão em meu ventre.

 

-Porque eu precisava ter certeza que a criança ia nascer...eu não queria me apegar a ela sem ter certeza.. eu tive medo...porque mesmo de longe eu comecei a amar além do meu filho... também o Ômega que o carrega...

 

Sua última frase saiu baixinha como quem vai contar um segredo, seus olhos estavam presos aos meus mas eu não conseguia sustentar o olhar porque bem, eu estava morrendo de vergonha. 

 

-Por favor, me deixe cuidar de vocês... 

 

Ele pediu roçando o nariz em minha bochecha e tocando minha barriga se leve e pela primeira vez sentimos Sehun se mexer, uma pequena elevação que parecia ser seu pezinho mas que fez seus pais se emocionaram muito.

 

-Acho que nosso filho quer que fiquemos juntos...Mas você Baek, quer me deixar cuidar de vocês?

  


Notas Finais


SÓ QUERIA DIZER QUE QUANDO VOCÊS COMENTAM NOS DEIXAM BEM FELIZES. Então pratiquem o bem e comentem pra nos deixar felizes heuheu
Até a próxima, RapJin *=*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...