História Estrelas Tortas - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Turma da Mônica Jovem
Tags Casgali, Cebonica, Estrelastortas, Romance, Tmj
Visualizações 78
Palavras 2.516
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OI OI MEUS BOLINHOS💗

Sim, fui muito rápida para postar. Tenho que aproveitar o fim de semana né amores? As aulas vieram com tudo!!
Espero que gostem desse capítulo 🌼💗
Desculpa qualquer erro💛
Boa leitura 💗💗

Capítulo 8 - Coração mais ou menos partido.


Fanfic / Fanfiction Estrelas Tortas - Capítulo 8 - Coração mais ou menos partido.

Monica estava se arrumando para ir a escola novamente, ela sorria de frente ao espelho ainda não acreditando que em poucos minutos estaria de volta ao seu antigo colégio. Pouco tempo atrás ela estava chorando em sua cama dizendo a si mesma que nunca mais voltaria á escola. Porém, lá estava ela... com um sorriso estampado no rosto pronta para voltar á sua rotina. 

Essa manhã Magali e Denise iriam com ela para escola, pois, sua mãe levaria as três, o tamanho da felicidade da família e da governanta de Monica eram incomparáveis, ver a menina com novos amigos e sorrindo como nunca era incrível para eles. Principalmente sua mãe, que agora viu que a filha fez boas amizades e cada vez mais ia se recuperando.

- Filha! Suas amigas acabaram de chegar! Vamos? - falou dona Luísa, entrando no seu quarto.

Lara havia acabado de terminar de ajudar á arrumar a garota quando sua mãe a chamou.

- Tenha um bom dia, meu amor! - disse Lara, dando um beijo na sua testa.

- Para você também, Lara.

Quando as três amigas se viram, soltaram um gritinho animado. Sua mãe tapou os ouvidos por causa da animação ao ser verem.

- Miga sua louca! Você tá linda demais para ir a escola! Deixa um pouco do brilho para a Denise aqui. - Denise disse, a dando um abraço.

Monica riu.

- E aí amiga? Tá animada para voltar às aulas? - Magali disse.

- Bem, nem tanto. - ela disse e riu - Mas vai ser incrível com vocês ao meu lado.

Elas deram outro abraço em grupo.

- É vai ser super legal!! E o ano já está quase acabando mesmo! Logo,logo a gente tá de férias e partiu Terceirão! - disse Denise, dando palminhas.

Elas riram e entraram no carro.


- A Maria Mello e a Marina estão nos esperando no corredor da escola, disse também que se chegarmos mais um minutinho atrasadas perdemos a primeira aula. - Denise disse,sem tirar os olhos do seu celular.

- É sempre assim, quando vou para escola sempre me atraso e jogo essa 'macumba' para quem está ao meu redor...  - brinca.

As duas riram.

Mônica olhou de canto de olho e viu que a amiga acabara de abrir a foto de Xaveco, com um sorriso no rosto.

- Bonitinho seu "amigo" né? - Monica disse, fazendo aspas em "amigo". Denise quase pulou para fora do carro.

Monica gargalhou, logo acompanhada de Magali.

- Ela é apaixonadinha por ele! Só não demostra. - Magali disparou.

- Suas despeitadas! Ficam olhando a vida dos outros! Isso não se pode! Ora bolas... bisbilhotar é feio, hein?! - Denise disse, meio desengonçada.

- Há há! Denise dando um exemplo de que bisbilhotar é feio! Hilário...- Magali disse, não segurando as gargalhadas.

Denise mordeu seu lábio com o dente,tentando conter uma risada. Porém, falha completamente.

- Vocês são más! E eu estava vendo a foto dele por que... ele é meu amigo! E eu namoro o Zeca! Não se esqueçam disso!

- Chegamos! - Dona Luísa fala, saindo do carro.

- Mas o Zeca não é gay? - pergunta Mônica.

- Nãoo! - exclama. - Ele só assediou o Xaveco por que...

- É gay. - finaliza Magali.

Denise bufa.

Elas começam a rir sem parar. Magali e Denise ajudam Monica a descer do carro com a cadeira de rodas, e ambas percebem que muitas pessoas começaram a olhar e a julgar-lá.

- Oh cara, olha aquela Monica lá... ela ainda veio para escola sendo deficiente. Devia está em uma escola especial para esse tipo de gente... - um garoto moreno sussurrou para um loiro que estava ao seu lado. Mas, que deu para Monica ouvir perfeitamente. 

Sua mãe e suas amigas quase que saem no tapa com eles. Mas, Monica as impediu.

-  Tire a habilitação de vocês antes de dirigir-se a mim. Cuidem da vida de vocês que eu cuido da minha! - falou, de cabeça erguida. Mas, no fundo ela desabava. 

- Arrasou amiga! - Denise disse, batendo em sua mão. - Vocês ouviram né idiotas? Dêm um fora daqui antes que a minha mão voe na cara de vocês.

Eles saíram rapidamente. 

Monica respirou fundo, sabia que não seria nada fácil. 

 Ninguém viveu sua vida. Ninguém chorou suas lágrimas. Então ainda a julgam por ser uma paraplégica.

- Eu não deveria ter vindo...

- Claro que deveria! Não se deixe abater com a opinião dos outros. Você é Monica Sousa! - Magali disse.

- Isso mesmo, minha filha. - consolou, sua mãe. 

Monica fechou os olhos e repetiu a si mesma:

" Eu sou Monica Sousa,uma garota forte e linda... e não será uns filhinhos de papai que irão me intimidar."

Ela abriu os olhos se sentindo melhor, e agradeceu por ter uma amiga como Magali e Denise. E uma mãe tão maravilhoso como a sua.

As três abriram um sorriso de olhera à olhera. Porém tudo que é bom dura pouco.

O sorriso de Monica logo desapareceu.

Ela estava de cara com a pior cena da sua vida. Toni e sua ex-melhor amiga, Narcisa, estavam se beijando e trocando olhares apaixonados na beira do carro do garoto. Carmem estava vendo tudo. E o pior... a garota estava com um sorriso no rosto, um sorriso provocador. O que fez quebrar ainda mais o coração de Monica.

- Aí não... - mumurrou Denise. - Eu vou matar eles. 

Denise deu um passo para frente, mas Monica a impediu.

Monica tentou conter as lágrimas, mas era impossível. 

- Eu quero ir embora. Por favor... eu não consigo ficar aqui. - disse, limpando as lágrimas que pescistiam em descer.

Magali e Denise se entreolharam tristemente.

Narcisa viu que Monica se encontrava ali. Ela a olhou com um olhar de desprezo e logo,voltou a beijar-ló novamente.

O queixo da mãe da menina caiu completamente.

- Por favor mãe... eu quero ir embora. - disse, chorosa.

- Vamos, meu anjo... - disse, levando sua filha de volta para o carro.

Sem hesitar, Denise e Magali vieram logo atrás. Suas mães não brigariam com elas por faltar apenas um dia de aula.

- Espera aí. Eu já volto, ok?- Magali disse, saindo do carro.

A garota foi andando confiante até onde Toni estava.

- Toni? Você se lembra que eu disse para não magoar a minha amiga? É... imaginei que isso aconteceria. Mas justo no dia que ela decide voltar para escola? Isso é sacanagem né? 

Ele revirou os olhos.

- Vaza daqui, Magali. - disse Narcisa.

- É, você disse. - confirmou Toni - Mas acha mesmo que terei medinho de você? Há! A garota que levou um fora do padeiro!

Denise e Monica apenas acompanhavam tudo. Denise já estava prestes a pegar uma pipoca. Ela sabia exatamente o que a amiga faria a seguir. 

- Bem, você é um galinha então... é, era para você ter medo sim.  - a garota falava como se seus lábios fossem serras elétricas. - E eu prefiro ser " a garota que levou o fora de um padeiro" do que um mau caráter e filhinho do papai que vem com o carro só para ganhar vantagem com as garotas.

Um conjunto de "ooo" espalharam-se pelo local.

- Cala a boca Magali, pelo menos eu tenho um carro! E ele é o melhor com 500hb e um sistema de acatamento incrível! Vai de zero a cinco quilômetros por segundo!

- Uau! Ele leu manual! - Magali disse e todos começaram a gritar - Pena que eu não te perguntei nada disso.

Todos estavam gritando. Até Monica não conseguiu segurar o riso com aquilo. 

- E Narcisa, você deveria escolher melhor os homens na qual beija. Mas... vocês dois até que formam um belo casal, sabe? Sempre apoiei os dois. - disse, enquanto andava de um lado para o outro.

Narcisa ergueu as sobrancelhas, assim como Toni.

- Lixo com lixo combina muito. E aliás,  o caminhão de lixo passou hoje em frente a minha casa perguntando por vocês. 

Várias pessoas começaram a rir da cara de Narcisa e Toni.

Ela deu um sorriso forçado e voltou a andar de volta para o carro.

- Estou me sentindo melhor. - disse, fechando a porta do carro da mãe de Monica.

- Você foi incrível! - disse Denise. - Deu vontade e filmar tudinho! Mas a bateria do meu cell acabou. 

Magali riu. Mas viu que sua amiga não havia achado engraçado, ela ainda estava incrédula com o que havia visto.

- Ah, amiga... - Magali falou, a abraçando fortemente,logo acompanhada de um outro abraço da Denise.

Aquilo era tudo que Monica precisava... Um abraço. 

- Obrigada meninas... obrigada por tudo. 

-

Monica não queria ir para escola de forma alguma. Ela ainda chorava muito, como uma fábrica de lágrimas que nunca para. Suas amigas tentaram de tudo para animar-lá, mas ela não conseguia. Não sabia se era possível tirar aquela dor que ela sentia. Primeiro, ela sofre um acidente e torna-se paraplégica, tornando-a incapaz de fazer esportes, sua grande paixão. Depois,o garoto a qual ela gostava estava beijando sua "melhor amiga" em frente a sua escola, e depois, outras pessoas a julgaram por QUERER ir para escola, apenas por ter um problema. Monica se apegava com a esperança de que um dia toda aquela dor passaria, mas nunca passavam... e esperanças pioravam cada vez mais. 

Porém, essas lágrimas pararam.

Não, e não foi por causa da fábrica de lágrimas.

A sua vontade de chorar simplesmente passou. E a deixou sozinha com sua dor, seus problemas, com a infelicidade...

E elas desistiram... assim como ela desistiu que essa dor passaria.

Essa dor não foi apenas por Toni.

Foi por tudo. Todas as dificuldades e o bulling que ela está tendo que passar.

- Mô... eu não sei mais o que fazer, por favor. Vamos fazer alguma coisa legal. - Magali disse, encostada na porta do meu quarto com um olhar triste. Vendo que a amiga estava no chão com os pés para cima.

- Eu tô bem, Magá. Só estou curtindo um pouco o chão. É gostoso ficar aqui. Não estou nem um pouco triste. - disse, com os olhos fechados. - Eu não sou o tipo garota que fica chorando por causa de um carinha que deixa seu coração mais ou menos partido com sua melhor amiga, nem sou trouxa! Só falta ter assinado na minha cabeça... É, eu estou super de boa. O chão é o meu novo crush, ele me entende. E também não ligo por que as pessoas me julgam por ser deficiente física. Óbvio que não. Eu sou Monica Sousa, uma garota forte e blá blá blá. Sabia que minha vida poderia ser uma fanfic? Acho que vou começar a escrever minha vida. - Monica tagarelava.

Magali riu.

Denise que estava deitada totalmente desengonçada na cama de Monica se levantou como um tornado.

- Ok! Já chega. Vamos chamar alguém que possa te ajudar. E eu acho que já sei exatamente quem pode!

Monica a olhou torto, confusa.

-  Quem?

- Aquele seu vizinho,óbvio!! A louca, acha que eu não vi naquele dia como os dois se olhavam? 

- Tanto faz.

A garota estava tão desanimada, quem não se importava com o que dizia. E achou que Denise estava apenas brincando. 

- Vou chama-ló! - disse, colocando seu chinelo. 

- Espera ai... você estava só de brincadeira não era?!!

Ela negou com a cabeça e saiu saltitando para fora do quarto.

Mônica tentou se levantar-se para impedir a amiga. Mas lembrou-se que não podia andar.

- Droga de paralisia! - xingou, deitando-se no chão novamente.

- Calma amiga, quem sabe ele não pode te ajudar? Ou até mesmo tirar sua dor. - disse, rindo.

- Impossível. - duvidou.

- Nada é impossível quando você acredita. - falou Magali, lembrando-se da fala do filme "Alice no País das Maravilhas".

- Não sei Magá, foi tanta coisa que aconteceu comigo em um ano só... Um ano! 

Magali assentiu com a cabeça e logo viu que alguém acabara de entrar em seu quarto exasperado. Cebola havia entrado no seu quarto.

-  MONICA? Você tá bem?! E viva... Você tá viva? 

- Quê? - a garota perguntou,confusa. Não contendo uma risada.

- A Denise disse que... - Denise logo o interrompeu.

- Eu disse que você estava morrendo! Só assim ele viria né, darling? Denise é um ótima atriz!

Ele riu. 

- Denise! - falou Monica, com as mãos na testa.

Eles começaram a gargalhar.

- O que eu não faço pelas amigas?! Bom, eu e a Magá iremos assistir um filme com sua mãe tá Mô? Beijo, me liga! - disse ela,soltando um beijo no ar e puxando Magali para fora do quarto. Assim, deixando Monica e Cebola sozinhos no quarto.

- Oi. - foi tudo que Monica conseguiu dizer.

- Oi. Você tá viva! - ele disse, e os dois riram. - O que você tem? Tá com essa cara...

- Que cara?

- Essa cara de picolé de chuchu.

Monica riu.

- Não soube? O garoto ah, o GALINHA quer dizer. - corrigiu-se.

Cebola riu, batendo na sua coxa. Monica achou estranho sua risada, mas riu junto com ele e continuou:

- O GALINHA na qual eu dizia ser apaixonada estava beijando minha ex melhor amiga... na frente da escola.

Ele riu fraco e disse:

- Esse cara é um grande idiota! Queria poder ter visto ele fazer isso com você...não fique mal por ele, minha querida.

- Eu tento. Mas, é muito difícil sabe? Eu já gostei muito dele. E ainda mais tenho que tolerar pessoas me julgando...

- Então gostar dele foi a pior coisa que você fez na sua vida. E jura que você liga para as pessoas que a julgam? As pessoas se acham perfeitas... uma coisa que ninguém é. Mas não ligue para isso. Se julgam, é por que reparam muito em você. 

Ela riu. E depois voltou a ficar séria novamente.

- Eu queria nunca ter olhado na cara dele... Argh! Você me entende né?

- Entendo. E isso acontece! É errando que aprendemos. - Cebola disse, com a mão em seu queixo. Fazendo-a sentir seu rosto queimar por um instante.

- É, mas aí eu fiquei com meu coração mais ou menos partido. 

- Mais ou menos partido?

- Sim, eu posso até estar bem triste por causa daquele galinha...mas eu já estou bem acostumada com esse tipo de homem, então meu... - Cebola a interrompe.

- Seu coração está mais ou menos partido. - concluiu sua frase. 

- Isso mesmo! ALIÁS, eu não era nem a namorada dele, né? Unf! Nem ligo. 

- Você está mal não é?

- Tô! - choramingou.

- Que tal irmos á algum lugar?

- Ir á algum lugar? Como? - a garota disse, lembrando-se do seu problema.

- Ué, você tem uma cadeira de rodas! Posso te levar.

Ela se levantou, se sentando no chão com um sorriso.

- Sério? Awn!  - e ela o abraçou sem hesitar. E logo foi percebendo o que ela acabara de fazer. Se afastou lentamente um tanto envergonhada.

- Estarei aqui ás sete horas. - Cebola falou, com um sorriso encantador.

- Você é meu novo melhor amigo. - disse ela, fazendo um formato de coração para ele. - Obrigada por me tirar dessa bad.

Ele riu.

- Eu ainda vou tirar essa sua tristeza - falou apertando seu nariz - E eu já era seu melhor amigo! Tchau, patricinha!

- Patricinha é sua avó! - brincou.

- Tchau. - ele disse.

- Tchau! 

- Tchau. - repetiu,rindo. Monica revirou os olhos.

- Vai embora! - disse ela, rindo também e jogando uma almofada em sua direção.

- Sete horas, hein?!

Ela assentiu com um sorriso e o observou sair com um sorriso no rosto.

" Obrigada Cebola... Por tudo."


Notas Finais


Awnn, esses dois...💗 quem tá animado para o próximo capítulo? Hehe
MAGALINDAAA PISA MENOS!💗
Espero que tenham gostado 💗
KKKKK MANO DO CÉU a Denise disse que a Mô estava morrendo😹 morta estou!😹😹
comentem suas opiniões que irei lê-las com todo carinho e responde-lás da mesma forma 💛
Amo muito vocês 💗💗
Um beijo no coração 💗 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...