História Estrelas Tortas - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Turma da Mônica Jovem
Tags Casgali, Cebonica, Estrelastortas, Romance, Tmj
Visualizações 75
Palavras 3.708
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Chegueeeeei!
Tô preparada para atacaaaar!
Quando o grave bater eu vou kikaaar!
Na sua cara vou jogar
Ah
Ah
E rebolar
Ah ah
-
Cheguem no crush e falem:
"Eu tô linda,livre,leve e solta. Pronta para beijar na boca!"😹💗
Se não chegar assim,nem chego.
Help-me com essa música bolinhos! Não tem condição!! Céusssssssss!
Como estão? Bem?💗
Trouxe aqui para vocês um capítulo beeem longo ( tinha que ser né mores)
Enfim, vocês devem está bem ansiosos para ler💗🙌 vamos logo com isso😹💗
Boa leitura 🙌💗
Desculpe-me qualquer erro💗🌼

Capítulo 9 - Você é um desastre!


Fanfic / Fanfiction Estrelas Tortas - Capítulo 9 - Você é um desastre!

Xaveco estudava em seu quarto, e estava tão concentrado que levou um susto quando ouviu sua porta abrir.

-  Denise? Sabe bater mais na porta não?

- Estou entendiada. - falou, deitando-se na cama de Xaveco e pegando o celular.

Xaveco não segura uma gargalhada ao ver que a amiga havia entrado em seu quarto usando um pijama de unicórnio.

-  Você saiu na rua assim? Com esse pijama?

- Como eu disse: estou entendiada. Estava com preguiça de me vestir. Ah, e minha internet de problema. A senha daqui é a mesma?

-  Sim. Queria me iludir um pouco achando que você vinha me visitar. - disse, rindo do seu jeito despreocupado -  E aí, como vai o namoro com o Zeca?

Ela não responde. Estava concentrada demais rindo de algo que via no celular.

-  Denise!!

-  Oi?

-  O Zeca. Namoro. Assédio. - falou, entre pausas.

-   A louca, estou de boa. Foi só um mal-entendido! Ele não estava te assediando de verdade.

-   Mas ele deu em cima de mim!

-  Não! Ele não deu! O Zeca só estava apenas te elogiando. Ele é simpático, Xavier.

-  Aham. Mas ele... me tocava.

-  O que tem te tocar? Ah, para Xaveco. - disse, voltando a concentrar-se em seu celular.

-  Então, tá. Mas quando ele te magoar, não venha chorando para cima de mim...

Ela riu e ouviu seu celular apitando.

Seus olhos encheram de lágrimas e suas mãos começaram a tremer.

-  Ah! Idiota! - falou, jogando o celular na parede.

" Denise jogou seu celular na parede? O qual ela chamava de sua vida?", pensou Xaveco, surpreso pela reação da amiga.

-  Denise, seu celular! - exclamou - O que foi,hein?

Por sorte, o celular havia uma capa de vidro. Xaveco pegou o celular e sua boca abriu ao ver a imagem que ela havia recebido.

Zeca, seu namorado atual, beijando seu ex namorado.

-  Uau. - foi tudo que ele conseguiu dizer. - Quem te mandou isso?

-  Está no blog da escola!! - gritou, prestes a quebrar outra coisa.

-   Eu disse que ele me assediava.

- Eu não ligo,Xavier! Meu namorado me traiu com meu ex namorado!

-  Bem... - disse, observando sua expressão - Você vai chorar?

- Óbvio que não. A gente só namorou apenas um mês. E eu estou é aliviada! Agora posso tô linda,livre, leve e solta,querido! - disse Denise, fazendo uma dança da vitória estranha. Xaveco gargalhou mais ainda. - Mas justo com meu ex namorado? E tudo isso por que eu não tenho o maldito pênis!

Denise a olhou com um olhar que só ele entendia. Ele mordeu o lábio inferior, tentando conter uma risada.

-  Não me pergunte isso. Eu não irei te responder, Denise.

-  Ah, o que me custa me contar como é ter um pênis?

Xaveco cai na gargalhada.

-  Eu não vou te responder isso. - falou, voltando sua concentração aos estudos.

Ela revira os olhos.

-  Tá... eu estava pensando em dar o troco nele. Que tal nós dois... balada hoje... - Xaveco a interrompe.

-  Não! Eu não vou te ajudar a dar o troco.

- Agora somos apenas nós dois,queridinho. - brincou, fazendo ele rir - Xavecoo! Sou sua melhor amiga, por favor! Vou chamar a garota que está no blog para registrar tudo! Aí imagina ai a cara dele?! Seria incrível! Por favooor! - implorou, se ajoelhando.

Ele respira fundo.

-  Tá... mas o que vão pensar da gente?

-  Que somos um casal, ué. Amigos é que não vão pensar.

-  Sei não. Tenho que estudar. Minha formatura já está chegando.

-  Ah, para! Vamos, vamos!Depois você estuda, seu nerdzinho.

-  Ok, ok. Você venceu. - falou,se dando por vencido - O que você me pede que eu não faço?

-  Vou me arrumar! - disse ela, dando um beijo em sua bochecha.

Ela bate palminhas e sai saltitando até sua porta como uma criança. Uma verdadeira criança.

- Vê se não coloca um pijama! - gritou, com esperança de que ela escutasse.

***

- Cebola Menezes! Será que eu posso me arrumar em paz? Sai do meu quarto!

- Não estou fazendo nada. Apenas estou esperando você terminar de se arrumar.

- Vou trancar a porta do meu quarto para vê se você para de invadi-ló.

Cebola riu.

- Já está ficando tarde. Pode acelerar mais um pouco? Eu disse sete horas da noite, não nove. - Questiona Cebola - E por que você passa tanto esse troço preto nos cílios?

- Do mesmo motivo que você passa perfume.

- Uau, você me acha cheiroso, só que tenta disfarçar isso... há, eu causo esse efeito nas mulheres. - gabou-se.

- Nos seus sonhos. - falou, passando um batom.

Ele sorri.

- Qual é a graça? - pergunta, ao ver-lô sorrindo.

- Nada. - disse ele, não contendo um riso.

-  Vamos? - Monica o chamou.

-  Para onde?

- Para Nárnia. Entra você primeiro no armário. - ironiza. - Se bem que eu acho que você já está lá, não é?

- Que delicadeza de pessoa. Eu estava pensando em outras coisas. - conta - Vamos.

Monica ri e desce as escadas com a ajuda de Cebola.

- Ei, não precisa me colocar no colo! É só me guiar que eu consigo descer! - reclama Monica.

- Ah, e você sabe descer sozinha por acaso?

Monica cruzou os braços, bufando.

- Estou pensando seriamente em me mudar para aqui em baixo, não aguento ficar subindo e descendo toda hora. - reclama, vendo que seu quarto no terceiro andar não era à melhor idéia.

- E como vai ver minha imagem linda todos os dias? - falou, com um sorriso convecido.

-  Você me irrita,sua cara me irrita, sua voz me irrita. Mas motivos para eu vim para o andar de baixo.

-  Meu rosto te irrita por que é lindo. - falou - Minha voz te irrita por que você a acha sexy e não consegue resistir aos meus charmes.

- Você é bem convencido não é?

- Eu sei. Mas logo você se acostuma.

Ela riu.

-  Mas você tem uma aparência de uma psicopata.

- Eu não tenho uma aparência de psicopata!

- A maioria dos psicopatas tem olhos da cor de mel e cabelos rebeldes. E o seu sorriso... ele é um tanto misterioso.

- Você fala isso por que eu sou incrível e não quer admitir. - disse Cebola, a colocando por fim, em sua cadeira de rodas.

- Faça-me rir. - disse, entre risos.

- Monica? Aonde vai? - seu irmão pergunta ao chegar na sala junto de sua namorada.

- Vou sair...

- Comigo. Vamos aproveitar muito essa noite né Mo?

Monica dá um cutucão em sua barriga com seu cotovelo.

- Ai! - reclama.

- Tchau Chico! - a garota diz, se contendo para não rir.

Chico ficou incrédulo observando os dois saírem.

- Você viu a cara dele? - Monica disse, caindo na gargalhada quando Cebola fechou a porta da sua casa.

- A cara dele foi a melhor! - disse ele, rindo junto.

-  Para onde vamos mesmo?

-  Ao teatro!

Monica abriu um sorriso. Ela adorava teatro!

- Mas é muito longe! E as calçadas são horríveis...

- Por isso vamos com o meu carro.

Monica o encarou.

- V-você já tem um carro?

- Óbvio. Então, vamos? - disse Cebola abrindo a porta do carro.

-  Eu não sei... eu... não entro em um carro desde...

Cebola a olhou triste, lembrando-se o real motivo dela ter tanto medo de entrar em um carro.

-  Ah, então eu acho que você quer voltar para dentro e... a gente pode assistir uns filmes... - Monica o interrompe.

- Não! Eu vou... eu sou Monica Sousa, não tenho medo de nada! - foi direta - Abre a porta!

Ele sorriu abertamente.

- É assim que eu gosto de ver.

Ele colocou sua cadeira de rodas no porta-malas e Monica colocou seu cinto e segurava firme em qualquer coisa que ela achasse para bom para se segurar-se bem firme.

- Calma Moniquinha, eu sei dirigir muito bem. 

- Tô só me prevenido.

Cebola prendeu outra risada

- V-vamos logo. - disse, respirando fundo.

***

A plateia estava lotada.

Sussuros ansiosos denunciavam a expectativa do momento mágico em que os inúmeros refletores seriam acesos e as pesadas cortinas de veludo vermelho-escuro seriam abertas, revelando o cenário, para dar início ao primeiro ato do Rei Lear, de William Shakespeare.

Uma companhia estridente escoou por todo teatro. Era o primeiro sinal, que anunciava os últimos cinco minutos antes da peça.

Discretamente, uma porta que levava aos camarins abriu-se para dar passagem a um jovem que voltava para a platéia.

O jovem dirigiu-se ao seu lugar, na primeira fileira, bem no centro, ao lado de uma garota que brilhava como uma jovem estrela de cinema.

- Que rapaz mais lindo! - comentou baixinho uma senhora para o marido.

- Uau, que gato! Nem para um gatinho desses estudar em meu colégio... - extasiou-se um sussuro feminino, bem mais um jovem.

Mesmo sob as luzes mornas da penumbra em que estava a platéia, Cebola se destacava. Era um daqueles jovens que todas as garotas gostariam de ter como namorado e todas as mães gostariam de ter como filho.

- Até que você não demorou tanto, Cebola. - disse a garota, com um sorriso de iluminar a meia noite - Falou com o seu professor de teatro da escola?

- Ah, falei sim! Ele disse-me que na próxima vez eu estaria ao seu lado encenando aqui mesmo! - falou entusiasmado, com um sorriso de derreter qualquer uma.

Uma ou duas fileiras atrás, um suspiro fez-se ouvir.

Cebola logo se sentou ao lado de Monica, que já estava acostumada a ouvir suspiros e comentários apaixonados do amigo.

- Ele está totalmente preparado. Vai estrear como se nada de excepcional estivesse para acontecer. Como se encarar um dos mais difíceis papéis do teatro universal fosse a tarefa mais natural do mundo.

A companhia estridente tocou duas vezes. Era o segundo sinal. O espetáculo começaria dentro de três minutos, no máximo.

Monica encostou o rosto no ombro do amigo,quase que por inveja á desconhecida que suspirara á pouco. As luzes da platéia diminuíram um pouco, quase que imperceptivelmente. O rapaz sentiu um perfume suave, delicado, e voltou-se a menina vendo quanto ela era linda. Cebola cerrou os olhos e apoiou a cabeça no encosto da poltrona, deixando levar o prazer daquele momento.

Um tempo foi-se passando,e logo, o teatro já havia acabado,porém Monica nem percebeu o tempo que levara ali, a quanto tempo ela não saía de casa para ver um bom teatro maravilhoso como viu hoje, ao lado de uma pessoa maravilhosa.

- Foi incrível! Nunca havia visto nada igual!

- Gostou mesmo? - Cebola disse rindo, vendo a animação de Monica após assistir o grande espetáculo.

- Não gostei. Eu amei!! - disparou. - E agora para onde vamos?

- Para o boliche, claro.

Monica o encarou torto.

- Certo. Mas vou avisando que você vai perder feio.

- Aham. Ninguém é melhor do que eu no vôlei.  - ironizou, rindo.

Monica virou o rosto e o encarou, virando os olhos.

- Ridículo.

- Também te amo. - ironiza, enquanto saía do teatro junto dela.

***

Quando chegaram lá, havia várias pistas de boliche. Cebola já foi diretamente alugar uma pista.

- As pessoas estão me olhando torto... - Monica disse, vendo as pessoas a olharem de uma forma oposta. A deixando incomodada, porém, foi firme.

- Se te olham, é por que você é linda demais. - disse ele, fazendo ela corar e assenti com a cabeça. - Eu começo! - falou, pegando uma bola azul.

A bola desvia do trajeto, fazendo Cebola acertar nenhum pino.

- Ah, trouxa! - zomba Monica, caindo na gargalhada. - Você é um desastre.

Ela a encara, vitoriosamente. O garoto revira os olhos.

- A vez da melhor. - falou,pegando uma bola de sua mão.

Ela já estava posicionada, e logo parou e virou-se para Cebola.

- Espera aí... como joga mesmo? Eu acho que não sei mais jogar e... ainda tem essa cadeira de rodas que atrapalha muito... como joga esse troço? - disse ela, olhando para a bola a procura de alguma resposta.

Cebola sabia que não devia rir. Mas ele não segurou as gargalhadas.

Monica revirou os olhos e logo riu junto.

- Aprenda com o mestre. - disse ele, fazendo Monica tossir de brincadeira.

Ele chegou por trás dela, posicionou seu braço junto ao dele e jogo a bola, acertando todos os pinos.

- Uhu! - falou, fazendo uma dança da vitória em sua cadeira. - Eu sou um máximo. 

- Você só ganhou por minha causa, então, o jogo está empatado.

Ela cruzou os braços, bufando.

- Vamos apostar? 

- O que você quiser. - Monica disse.

- Se eu acertar agora, você vai me deixar pintar uma mecha do seu cabelo de azul.

Monica o encarou por alguns segundos.

- O quê? Para você me deixar careca? Nem pensar.

- Está com medo de perder, Monica? - provoca.

Ela me encara com um olhar fuzilante.

- Tá bom, eu vou. Mas, se eu ganhar, você vai me deixar... hum... vai me deixar cortar o seu cabelo!

-    Eu não vou fazer isso!

- Está com medo de perder,queridinho?

Ele revira os olhos para ela.

- Trato feito. - disse Cebola, apertando sua mão.

- Ah, e não garanto que vou cortar direito! - dispara, fazendo Cebola se desesperar e arrepender-se da aposta.

E ele sabia exatamente que estava mexendo com Monica Sousa, a garota mais competitiva do mundo. E que não gosta nada de perder.

Após inúmeros lances, chegou o lance final.

Monica escolhe a bola vermelha, e Cebola a verde. Ela lança primeiro a sua e apenas três pinos ficam de pé, só tinha mais uma tentativa, mas "felizmente", como diria Cebola, ela desperdiçou completamente.

Cebola sorriu vitoriosamente para ela.

- Não se iluda,querido. Você vai errar.

- Se ferrou, Sousa! - disse ele,rindo.

Ele lançou a bola, derrubando todos os pinos.

Cebola girou os calcanhares e a encara.

-  Ganhei! Quem é o melhor agora? 

- Sorte de principiante. - falou, cruzando os braços. - Quero ir embora.

Cebola sabia exatamente que perder não era à praia dela, por isso, apenas ria da cara da amiga.

-   Quero ir para casa.

-   Não quer ir á outro lugar não?

- Quero só minha cama! - fala,cruzando os braços. Monica odiava perder.

-   Vamos á outro lugar... que tal um barzinho?

-  Eu sou menor de idade, Menezes.

-   Tenho um amigo lá no bar, ele pode nos ajudar.

Ela riu.

- Eu disse que você tinha cara de psicopata.

-    Eu não sou um psicopata!

- Então um sequestrador de meninas indefesas.

-   Nem isso.

Ela riu, bagunçando os cabelos do amigo que estava agachado para poder falar com ela.

-   Vamos logo, antes que eu desista. - disse ela, por fim.

***

- Você não acha que já chega de Vodca? - ele disse, vendo que a garota bebia demais.

- Ué,eu gosto! - responde, bebendo outro gole.

- Mas seu fígado nem tanto. - resmunga. - Seu corpo não funciona igual a antes,Monica.

- Claro que fuciona! Só não funciona do meu quadril para baixo! - disse ela,sem o encarar, olhando para o copo a sua frente. - E acho que o álcool tá fazendo efeito, tô começando a achar que você tá me olhando com um olhar desprezível.

- Você está mesmo bêbada. Eu nunca a olharia assim.

- Ei, você não pode dizer que eu estou bêbada!

-  Mas você mesma disse.

- Dizer á um bêbado que ele está bêbado é extrema falta de educação.

Ele riu.

-  Estou indo ao banheiro. Já volto.

Cebola havia saído apenas para ir ao banheiro, mas foi tempo suficiente de já ir um carinha atrás de Monica.

- Opa gata, você devia ser presa por quase roubar meu coração sabia? - disse um loiro.

- Ixe, pena que não te perguntei nada. - falou, tomando outro gole. - Vaza.

- Ah, você parece uma garota legal e tal. Teria me confundido? 

- Eu não sou uma garota legal.

- Mas que é muito gata, você é sim. Você não quer ir à outro lugar não?

Antes que Monica pudesse dar um fora no loiro, Cebola aparece por trás, a dando um abraço e a assustando.

- Oi amor, tava te procurando. Ah, oi, sou Cebola! Namorado da Monica. - cumprimentou o loiro.

- Que mané na... - Cebola interrompe Monica.

- Quem é você? - pergunta ao cara que paquerava Monica ,ainda á abraçando.

- Ah, e-eu tô s-saindo. Já deu hora. Tchau! Foi bom te conhecer...

E ele saiu rapidamente.

- Eu ia dar um fora nele! Eu sei me defender sozinha! Não precisava da sua ajuda. 

- Aham, claro. - ironizou.

Ela bufou. 

- Ei... ali é a Denise? - perguntou, cerrando os olhos para tentar enxergar direito.

Cebola olhou para trás e viu a amiga enchendo a cara.

- DENISEE! AQUI! É A MONICA! SUA AMIGA! OII!- Monica gritou, levando os braços para o ar. Todos a olharam assustados por causa do grito.

Cebola ficou vermelho de vergonha, e olhou para outro lado rindo, não acreditando que a amiga havia feito isso no meio de um bar.

- Monica do céu! A louca, quer me matar de vergonha é? - Denise disse, a dando um abraço.

- E aí, por que tá enchendo a cara com essa carinha de choro? - Monica cumprimenta,vendo o estado da amiga.

- Eu tô indo ali falar com um amigo. - Cebola disse, preferindo a deixar-lás sozinhas.

Denise sentou-se no banco onde Cebola sentava, com os olhos pesados e inchados de tanto chorar.

- Olha, seja discreta ok? Não pira. - ela disse e Monica concordou. - Zeca me traiu com meu ex namorado e...

- ELE O QUÊ? - Monica gritou mais uma vez, Cebola morreu de rir do outro lado junto com seu amigo. - EU VOU MATAR MEU PRIMO! COMO ELE OUSA?! QUE SAFADO! Ah, se eu pudesse andar agora!

Denise cobriu os olhos, com vergonha. Mas não conteve um risada com a reação da amiga.

- Mas eu tô de boa, o pior foi que chamei o Xaveco para dar o troco nele... e então, nos beijamos, com intenção de dar o troco... a garota do blog registrou tudo e saiu perfeito... mas o meu coração embaralhou tudo. Depois daquele beijo eu tô me sentindo estranha. Quando o beijei senti meu coração pulsar e... senti algo queimar em meu estômago. E Denise não sente isso por ninguém! Por que sou Denise... que troca de namorado toda semana! E agora eu tô me sentindo estranha pelo meu melhor amigo.

- DENISE TÁ APAIXONADA! EI, ELA TÁ APAIXONADA PELO MELHOR AMIGO DELA! - falou, falando com os outros bêbados que batiam palmas para Denise.

- Meu Deus, Monica! Nunca te vi tão bêbada.

- É por que nunca viu. - disse, rindo.

- Amanhã eu falo com você e a Magá sobre isso,ok? Você vai ser esquecer disso logo mesmo. Passo na sua casa amanhã!

- Ei Dê, se você o ama mesmo,vá atrás dele. Não precisa ser uma bad girl para sempre, uma hora isso iria acontecer. E você devia ser apaixonada por ele bem antes, posso até está bêbada e tá falando coisa por coisa. Mas de uma coisa eu sei... você realmente gosta dele! Está no seu olhar.

- Mas não quero me magoar. Xaveco só me ver como sua melhor amiga!

- Abra seu coração para o amor, vale muito a pena. Mesmo que se machuque, você saberá que tentou.

- Aii Mo, mesmo bêbada você ajudou! - disse a dando um abraço.

- Eu sei que sou incrível. - gabou-se.

As duas ficaram mais uns minutinhos conversando, e logo Denise disse que iria embora, estava com a cabeça doendo e queria está disposta para falar com Xaveco no outro dia.

-  Vamos? - perguntou, Cebola para Monica.

- Não! - choramingou, fazendo biquinho.

- O bar já vai fechar.

- Crianças, é melhor vocês irem. Irei fechar... está bem tarde.

Cebola a encarou com um sorriso.

- Vamos, Mo.

- Ninguém me tira daqui! Vou ficar aqui e ponto final! Vocês não teriam coragem de tirar um deficiente física á pulso né? 

-

Monica voltava para casa de braços cruzados, não acreditando que o dono do bar literalmente á arrasou para fora, Cebola apenas ria da cara da amiga.

- Se eu pudesse andar eu daria uma voadora naquele cara. - disse, com raiva.

Ele riu.

-  Essa eu pagaria para ver. - Cebola disparou.

-  Você sabia que meu primo traiu a Dê com o ex dela?

- Nossa. - ele disse incrédulo.

- Mas ela vai de braços abertos do Xaveco e vai dizer " Xaveco,Xaveco... onde estás tu, oh Xaveco. Eu o amo e quero namorar-me com ti" - Monica encenava Romeu e Julieta,sem saber se fazia o certo, levando as mãos para o alto.

- Você tá vendo muito filme! - ele disse, rindo.

- Então eu conversei com ela e pedir para ela não pular da ponte por causa disso, pois sou uma ótima amiga. Mesmo que ela não pule, eu falei para ela não pular, pois sou uma ótima amiga. Eu já disse que sou uma ótima amiga? 

- Céus, você está muito bêbada. Seu irmão vai me matar.

- E tudo isso por que a coitada não tem o maldito pênis. - continuava sua história, sem se importar com o quê Cebola falava - Se eu fosse ela eu pediria ao gênio da lâmpada um pênis por um dia.

Cebola a encarou, caindo na gargalhada.

- Você sairia engravidando meio mundo.

- Seria interessante. - disse ela, já imaginando.

- Meu Deus, eu nunca mais saio com você. Para que fui arranjar uma melhor amiga?

- Por que quis. Ei,e não seja grosso! Estou com o coração mais o menos partido! O galinha que eu gostava pegou minha melhor amiga.

Ele riu do jeito de Monica.

- Chegamos.

Monica pegou sua bolsa que havia colocado debaixo do carro e quando virou-se viu o olhar confuso de Cebola.

- O que? A criminalidade está horrível esses dias.

Os dois gargalharam.

Cebola foi pegar a cadeira de rodas no porta-malas e a levou até sua porta.

- Obrigada por hoje. Sério, nunca havia me divertido tanto!

- Também gostei muito! E, ainda tem aquele trato,hein?

Monica colocou as mãos na testa,lembrando-se que havia perdido a aposta.

- Opa, chegaram! - Magali abriu a porta,sorrindo abertamente.

- Ué, não foi para casa Magá?

- Não, vou dormir aqui hoje. Sua mãe e seu pai saíram junto de seu irmão e a Rosinha.

-  Eba! Festa do pijama! Só falta a Dê. Vamos ligar para ela? - Monica disse e Magali assentiu com a cabeça,sorrindo.

- Bem, eu já vou indo. - disse Cebola. - Tchau, minha querida.

- Tchau, melhor amigo.

Magali abriu um sorriso malicioso no rosto pra os dois e entrou saltando. Monica iria explicar o que estava acontecendo no ar.

- Ah, me faz um favor Mo? - pede, e ela concorda - Não se afoga enquanto toma banho, por favor. - debocha. Ela revira os olhos e o mostra o dedo do meio, logo depois entrando em sua casa.

Cebola abriu um sorriso e seguiu para sua casa. Se jogando na cama completamente exausto. Lembrando-se de cada detalhe dessa noite...

Incrível.


Notas Finais


EU OUVI XAVENISE? Sim ou concerteza?
Awnnnn't💗 morta com Cebonica♡
Kkkkk e o Zeca? Eu ri tá gente.
E esse tal de "melhor amigo"?
Opa queridos, acho que vocês queriam dizer amizade colorida né, turo bom?
Hihi, espero de coração que tenham gostado 💗💗💗
Se tiverem gostado, cometem suas opiniões aqui! Isso é muito importante para saber se vocês estão gostando e saber se é para-me continuar💗
Irei lê-las com todoo carinho e respondê-las da mesma forma💗
Um beijo no coração e até o próximo capítulo 💗💗💗💗🙌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...