História Estudos, Amor ou Curtição? - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Romance, Universidade
Visualizações 49
Palavras 3.486
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpa a demora pra postar o capítulo, minha vida tá um caos ultimamente... To estudando loucamente pros vestibulares final do ano... 😓
Mas eu adoro escrever um pouco, mesmo que não seja a melhor história, me faz sair um pouco da rotina e parar de pensar em vestibular.
Enfim... Espero que gostem do capítulo!!
Beijão 😘😘

Capítulo 29 - Gustavo


Fanfic / Fanfiction Estudos, Amor ou Curtição? - Capítulo 29 - Gustavo

Alguns meses depois...


~P.O.V- Gustavo~

Minha cabeça está a mil por hora, daqui a poucos meses estarei me formando e ainda não decidi o que irei fazer depois, sim, eu tenho algumas opções mas nada concreto ainda. Percebi que Anne tem evitado tocar no assunto, acho que é pelo fato dela querer que eu fique aqui mas não querer interferir na minha decisão, mas o que será que ela pensa?! É claro que ela vai interferir na minha escolha, eu a amo e tenho certeza que será dolorido ficar longe dela...

Meus pensamentos são interrompidos por um chamado da recepção da clínica avisando que o próximo paciente havia chegado. Vou até o consultório e espero o paciente entrar.

"Gustavo!!!"- Escuto a voz conhecie uma menininha assim que ela entra no consultório, a mesma menina de alguns meses atrás a quem eu acompanhava desde que rompeu o ligamento do pé.

"Sarah! Como você está?"- Pergunto me abaixando para abraçá-la

"Tô bem e você?"

"Tô bem também"- Digo pegando ela no colo e a botando em cima da maca

"Então Sarah, tem sentido dor no pé?"- Pergunto para a menina

"Não"

"Mary? Ela tem reclamado de dor?"- Pergunto para a mãe dela

"Às vezes reclama um pouquinho sim"- Responde a mãe

"Sarah, o que já conversamos sobre as dores?"

"Que eu tenho que te falar sempre que sentir..."- Diz a menina de cabeça baixa e eu sorrio de lado

"Sente dor aqui?"- Pergunto mexendo no pé dela

"Não"

"E aqui?"

"Só um pouquinho..."

"Isso é bom..."- Exclamo

"Mesmo?"- Ela pergunta animada

"Sim... Seu exame está muito bom e como não tem sentido muitas dores posso garantir que seu pé está quase 100%... Acho que mês que vem será sua última seção"

"Eu adoro vim te ver, sabia?! Mas não gosto muito de hospital, então obrigada!"- Ela sorri me abraçando

"E como vai sua namorada?"- Ela pergunta assim que começo a ajudá-la com a seção de exercícios de fisioterapia

"Muito bem... E seus amigos como estão?"- Sarah tem 8 anos, é uma menina muito dedicada e esperta, sempre conversamos sobre todos os assuntos e ela me dá alguns conselhos como se a vida fosse muito simples, a qual na verdade é para uma criança de 8 anos... 

"Estão bem também... Fiz amizade com um garoto novo essa semana"

"Você sabe que eu sou ciumento neh? Então você só vai namorar  depois dos 20 anos, combinado? Mary você vai me ajudar a manter esse acordo"- Digo rindo mas tentando parecer sério

"Por mim tudo bem"- Mary ri

"Quantos anos você tem?"- Sarah pergunta

"23"

"Hmm"

[...]

"Tchau Mary, até mês que vem!"- Me despeço dela com um aperto de mão e abro a porta do consultório

"Tchau Gustavo!"- Sarah me abraça

"Tchau princesa! Até a próxima!"- Abraço Sarah novamente e me despeço dela e de sua mãe

"Espera, quase esqueci... E meu pirulito?"- Sarah diz com um sorriso travesso nos lábios. O pirulito era um combinado nosso, ao final de cada seção eu dava um pirulito pra ela... Posso dizer que a ideia foi dela mas não consegui negar o pedido com seus olhinhos castanhos brilhantes me encarando.

"Você não esquece nunca, neh?"- Rio e pego um pirulito que estava no bolso do jaleco e entrego para ela

"Não mesmo... Trato é trato"- Ela ri

"Tchau"- Ela se despede com um sorriso no rosto e se afasta com sua mãe

"Você leva jeito com crianças!"- Exclama um homem, de uns 45 anos aparentemente também médico, mas que eu nunca tinha visto aqui antes

"Ah, obrigado..."- Rio sem jeito

"Sou o Dr. Burke, você já é formado?"- Pergunta ele

"Sou Gustavo... Ainda não, me formo no final desse ano" 

"Quem é o professor responsável por você?"- Ele pergunta fazendo com que um frio de nervoso suba pela minha espinha

"Err... É o Lorenzo Gabiatti..."

"Então tá... Vou deixar você atender seus pacientes... Espero te ver em breve"

"Obrigado"- Digo sem jeito e me despeço dele.

[...]

"Gustavo, tem um tempinho livre? Queria conversar com você..."- Diz Lorenzo no final do dia

"Claro, acho que já terminei de atender todos do meu horário... Sobre o que quer conversar? Aconteceu alguma coisa?"

"Na verdade sim, mas nada que precise se preocupar muito... Me encontra na sala de reuniões em dez minutos"- Diz ele se afastando não permitindo que eu faça novas perguntas

Ajeito o consultório, guardo minhas coisas na mochila e envio uma mensagem para Anne avisando que não jantarei com ela hoje. Vou até a sala de reuniões e me deparo com Lorenzo e Burke me esperando.

"Err... Aconteceu alguma coisa?"- Pergunto preocupado

"Na verdade sim... Mas quem vai falar é o Burke... Pode ficar a vontade..."- Diz Lorenzo apontando para as cadeiras em volta da grande mesa pra que eu me sentasse

"Então Gustavo, eu vi o jeito que tratou aquela menina e os outros pacientes que atendeu hoje... Eu reparei na sua dedicação e na naturalidade com que você trata cada  um dos pacientes... Senti que você faz o que realmente gosta e está sempre com um sorriso no rosto passando segurança para cada pessoa que entra naquele consultório..."-Ele faz uma pequena pausa- "Eu sou o chefe do principal Centro de Reabilitação Fisioterapeuta de Nova Iorque, somos especializados em tratamentos para crianças com deficiências e para lesões neurológicas, distúrbios cognitivos e etc... Eu conversei com Lorenzo e com outros professores seus e recebi muitas avaliações positivas deles em relação a você... Bom, eu estou aqui para te fazer uma proposta: Você gostaria de fazer parte da minha equipe e trabalhar em Nova Iorque assim que se formar?"- Burke completa

Fico alguns segundos pensando em tudo que ele falou e na porta que a vida me abriu. É uma oportunidade única para crescer profissionalmente e trabalhar com o que eu sempre quis, mas tem outras coisas em jogo... Apesar de ser uma proposta muito tentadora eu preciso pensar e ter certeza de que é realmente isso que eu quero.

"Eu... Eu não sei nem o que dizer..."- Digo

"Não precisar decidir nada agora, eu sei que é uma decisão difícil a se tomar já que terá que mudar sua vida para Nova Iorque. Fica com o meu cartão e assim que decidir pode me ligar... Vou ficar em Boston até o final da semana se quiser tirar alguma dúvida e saber melhor como o centro clínico funciona estarei a sua disposição..."

"Muito obrigado, muito obrigado mesmo..."

[...]

Saí da sala de reuniões com aquela proposta em mente. Caminhei pelo campus até o prédio que ficava meu quarto e adentrei no mesmo. Aviatei Logan estudando alguma coisa na mesinha que tínhamos no quarto,  cumprimentei o mesmo e entrei no banheiro. Enquanto tomava um banho relaxante comecei a listar mentalmente os pontos positivos e negativos daquela oferta e, com certeza, os positivos estavam ganhando com uma pequena vantagem. Sai do chuveiro e passei a toalha rapidamente pelo meu cabelo tirando o excesso de água que tinha nele.

"E aí cara, tudo bem?"- Diz Logan assim que saio do quarto e me jogo na cama

"Não sei"

"O que houve?"

"Nova Iorque."

"Nova Iorque? Como assim?"- Logan pergunta confuso

"O chefe de uma clínica de fisioterapia de Nova Iorque me chamou para trabalhar lá quando eu me formar... A clínica é maravilhosa, uma das mais melhores do país..."- Digo passando as mãos pelo rosto

"E isso é bom, não é?"

"É... Acho que sim... Mas..."

"Mas você ainda não decidiu o que vai fazer e não sabe como falar com a Anne?"

"Exatamente"- Suspiro

"Eu não sei se você vai aceitar ou não, mas espero que converse com a minha irmã sobre isso, tudo bem que a decisão é sua mas ela faz parte da sua vida então seria bom você conversar com ela antes de dar o veredito final... "

"Você tem razão... Mas Logan, sinceramente, o que você acha sobre isso? E por favor me responde como meu melhor amigo e não como o irmão da minha namorada..."

"Cara... É difícil... É uma oportunidade muito boa e se for na área que você gosta e quer atuar acho que deveria arriscar... Eu sei que vai ser difícil para você e para Anne se distanciarem, apesar de poderem continuar namorando a distância, mas o futuro dela também é incerto, vai que você continua aqui por ela e ela vai embora quando se formar?! Agora falando como irmão dela é mais difícil de opinar, ela te ama e eu quero ver ela feliz, e eu sei que se você for ela vai sofrer mas não vai demonstrar, pra você pelo menos, porque ela sabe que isso é o melhor para sua carreira profissional..."

"Não sei o que fazer..."- Passo as mãos no rosto

"Ele te deu algum prazo pra decidir?"- Logan pergunta e nego com a cabeça

"Então faz o seguinte, pensa bem no que você quer, no que você sempre quis... E vê se esse emprego vai te satisfazer, não na parte financeira ou profissional, mas sim, nas suas vontades, no que você espera para sua vida... Depois você fala com a Anne ou com quem quer que seja..."

"Obrigado Logan"- Sorrio e o abraço

[...]

Três dias se passaram desde que recebi a proposta do Dr. Burke, depois de pensar bastante e conversar com diversos professores, cheguei a conclusão de que aquela era a área que eu sempre quis atuar, afinal eu amo lidar com crianças. Ainda não havia conversado com Anne sobre o assunto, na verdade falei que tinha recebido uma proposta de emprego mas não dei mais detalhes.

Tomei um banho relaxante e vesti uma bermuda jeans, uma camisa branca é um sapatênis. Mandei uma mensagem para Anne e fui andando até seu quarto para encontrá-la já que iríamos jantar juntos.

"Boa noite meu amor"- Diz Anne assim que abre a porta do quarto

"Boa noite"- Selo nossos lábios

Fiquei alguns segundos paralisado observando somente a mulher que estava na minha frente, Anne usava um vestido listrado juntinho de manga curta e um tênis bege. No momento que eu reparei em suas curvas bem desenhadas pelo vetido eu pensei se estava pronto para abrir mão de estar com ela todos os dias...

"Vamos?"- Ela pergunta quebrando o silêncio

"Claro"- Beijo o canto da boca dela e seguro em sua mão enquanto andamos para a saída do prédio

"Não íamos comer no campus?"- Pergunta ela assim que nos aproximamos do meu carro estranhando a ação

"Íamos... Mudança de planos"- Beijo seu pescoço e abro a porta para ela entrar no carro

Fomos até uma hamburgueria gourmet no centro de Boston, ao adentrarmos na mesma fomos guiados pelo garçom até uma mesa que tinha um sofá como encosto. Me sentei ao lado de Anne e a envolvi com o braço enquanto esperávamos nosso lanche.

Anne beijou meu pescoço e botou as mãos em minha coxa num ato sem malícia. Respirei fundo e Anne percebeu o efeito que estava me causando.

"Pretende voltar pro campus hoje?"- Ela pergunta

"Isso só depende de você..."- Sorrio maliciosamente

Antes que Anne pudesse dizer alguma coisa o garçom se aproximou com nossos pedidos. Ela sorriu e apertou de leve minha coxa e eu entendi o recado, mas antes de fazer qualquer coisa eu precisava falar com ela sobre Nova Iorque.

"Anne, a gente precisa conversar..."- Digo assim que terminamos de comer

"Acho que já sei sobre o que é... Podemos ir pra algum outro lugar? Pra podermos conversar mais a vontade?... Eu ia dizer para voltarmos pro campus mas dividimos os quartos aí dificulta um pouco..."

"Claro, podemos ir pra um hotel... O que acha?"- Proponho

"Pode ser"

Pagamos a conta, a qual Anne não deixou que eu pagasse a parte dela, e fomos até o hotel. O hotel não era muito longe do campus e nem muito caro, na outra vez que viemos aqui o dono do hotel falou que já estava acostumado a receber estudantes ali.

Pegamos a chave da suíte e fomos até o terceiro andar, onde ela ficava. Adentramos no quarto e Anne tirou o tênis e se sentou na cama apontando para o espaço vazio em frente a ela para que eu me sentasse também. Tirei o tenis e me sentei passando as mãos nos cabelo.

"Olha... Eu quero que saiba que eu vou te apoiar em qualquer decisão que você tomar..."

"Anne, eu recebi uma proposta de emprego em Nova Iorque... A clínica é especializada principalmente em crianças, uma área que eu gosto trabalhar... Eu quero sua opinião porque somos namorados e você é muito importante para mim, não quero que o que temos acabe... Eu não sei o que fazer..."- Suspiro

"Ei"- Ela chama minha atenção e levanta meu queixo. "Eu te amo! Eu sei que isso é importante para você e por isso eu quero que você vá para Nova Iorque... Não é justo você ficar aqui por minha causa, não posso ser egoísta e pedir isso para você..."

"Mas..."

"Mas nada Gustavo... É o seu sonho, você tem que ir atrás dele... Vamos continuar namorando a distância, sempre que puder eu vou até lá ou você vem para cá... Não vai ser algumas horinhas que vão apagar tudo o que sentimos um pelo outro..."

"Eu te amo. Eu te amo mais que tudo, Anne... Vou sentir muita a sua falta..."

”Ei ei ei... Não vamos falar disso agora, vamos aproveitar o que estamos vivendo... Você tem mais alguns meses aqui, vamos aproveitar ao máximo eles juntos"- Ela diz acariciando meu rosto

Anne cola seus lábios aos meus em um beijo apaixonado que aos poucos se tornou um beijo cheio desejo. Eu não sei se vou conseguir lidar sem sua pele junto a minha mas quero aproveitar cada centímetro da proximidade da mesma enquanto estou aqui.

Anne se senta em meu colo acariciando meus cabelos sem cortar o beijo que estava cada vez mais intenso, sinto meu membro começar a reagir dentro da bermuda e coloco as mãos por baixo de seu vestido acariciando suas costas. Ela separa nossos lábios e me ajuda a retirar seu vestido. Fico admirando sua pele branca contrastando com a lingerie de renda preta que ela usava, seus seios, suas curvas, tudo nela se resumia em perfeição. Passo as mãos por dentro dos seus cabelos loiros e seguro a sua nuca puxando sua boca para perto da minha novamente.

"Isso é injusto sabia?!"- Ela susurra em meu ouvido.- "Eu estou só de calcinha e sutiã e você tá com tudo isso ainda"- Ela diz apontando para mim

Rio fraco e começo a desabotoar minha camisa, botão por botão, apenas para provocar Anne. Quando eu estava na metade, ela revirou os olhos e terminou de desabotoar rapidamente a camisa a jogando em algum canto do quarto. Ela passa as unhas de leve por todo meu peitoral me fazendo arrepiar e soltar um breve gemido.  Anne sai de cima do meu colo e abre o zíper da minha bermuda a puxando para fora do meu corpo, após isso, ela volta a se sentar em meu colo e começa a rebolar em cima do mesmo, nossas intimidades ainda estão separadas por dois pedaços de pano mas sinto sua intimidade úmida roçar contra meu pênis praticamente duro. Enrosco uma das minhas mãos em seus cabelos a puxando para um beijo enquanto a outra mão pressiona sua cintura. Desço com os beijos até seus seios que ainda estavam cobertos pelo sutiã. Antes que eu pudesse fazer algo, Anne soltou seu sutiã e o jogou para longe deixando seus seios mais uma vez livres para mim. Abocanho um de seus seios e começo a chupá-lo intensamente enquanto massageio o outro com a mão, invertendo as posições de vez em quando. Sinto suas unhas arranharem levemente meus ombros o que me dá mais forças para continuar o que estava fazendo. Deito seu corpo para trás com suas pernas ainda enroscadas em minha cintura e beijo o espaço entre seus seios e depois toda a extensão da sua barriga, sua cabeça é jogada para trás enquanto ela solta gemidos abafados. Desenrolo suas pernas a medida que os beijos vão descendo, beijo sua intimidade por cima da renda que a cobria e sua virilha em seguida. Seguro nas alças finas de sua calcinha e a desço com lentidão, após retirar toda ela e a jogar contra o chão, abro um pouco mas as pernas de Anne e posiciono meu dedo em sua entrada, massageio seu clitóris e insiro um dedo, e depois o segundo, em sua intimidade fazendo movimentos delicados. 

"Não se segure me amor"- Digo ao ouvir seus gemidos abafados que se tornam mais altos depois da minha fala

Retiro meus dedos de seu interior e  beijo novamente sua intimidade, conduzo minha língua por toda extensão fazendo movimentos circulares.

Assim que Anne gozou, ela mudou de posição ficando por cima de mim. Meu membro já estava bastante evidente na cueca devido sua ereção. Anne ficou alguns segundo analisando a situação, acho que pensava no que iria fazer, ela retirou minha cueca muito devagar me fazendo pensar em cada centímetro que ela descia. Após tirar toda a minha cueca, ela passou a mão por toda a extensão do meu pênis fazendo movimentos contínuos lentos. Seus lábios beijaram com delicadeza meu membro e seus movimentos lentos me enlouqueciam, eu só pensava em como queria acelerar tudo aquilo e estar dentro dela. Anne apoiou os pés na cama e começo a descer e rebolar em cima do meu pênis, algumas vezes ela chegava a encontrar sua intimidade e/ou bunda nele, outras mal chegava perto. Ela sorria maliciosamente, sua intenção era me provocar e ver até onde eu aguentaria, no entanto eu já estava em meu limite. Enquanto ela descia e subia mais uma vez, peguei em sua mão e rapidamente a puxei fazendo a mesma cair sobre meu corpo.

"Seja um menino bonzinho, Gustavo"- Ela sussurra em meu ouvido

Anne apoia suas mãos em meu peitoral e continua com movimentos ameaçadores de penetração até finalmente segurar meu membro e inserir ele em sua intimidade. Apoio minhas mãos em sua cintura aumentando a intensidade de suas reboladas. Anne beija meu pescoço e deposita um chupão no mesmo, ela sai de cima do meu membro e inverto nossas posições ficando por cima dela. Insiro meu membro dentro dela e aos poucos vou aumentando o ritmo das estocadas, seus seios subiam e desciam em um movimento sincronizado durante as investidas. Chegamos ao ápice juntos e gozo em seu interior. Relaxo e deito ao lado de Anne na cama. Ela apoia sua cabeça em meu peitoral enquanto tentamos normalizar nossas respirações. Depois de alguns minutos em silêncio, Anne se levanta da cama.

"Vou tomar um banho... Você vai depois de mim?"- Ela pergunta e eu assinto

Escuto o barulho da água caindo do chuveiro e não consigo me controlar, Anne havia deixado a porta um pouco aberta então me levanto devagar e entro no banheiro com cuidado. Abro o box e o fecho ficando naquele pequeno quadrado com Anne.

"Você não ia depois?"- Ela pergunta

"Ia..."- A beijo fazendo com que a mensagem de um passo para trás ficando totalmente embaixo do chuveiro

"Gustavo! Não queria ter molhado o cabelo!"- Ela resmunga e solta o coque que tinha feito

"Desculpa meu amor"- Beijo seu pescoço

Anne sorri de lado e a prenso na parede, intensificando nossos beijos. Uma de minhas mãos acaricia seus seios enquanto a outra estimula sua intimidade e as mãos de Anne acariciam meu membro na mesma intensidade. Levanto um pouco seu corpo e insiro meu membro em seu interior fazendo Anne gemer meu nome. Começo com movimentos calmos, mas antes que eu possa aumentá-los, ela se afasta e desliga o chuveiro. Anne puxa uma toalha e seca o excesso da água que tinha em seu corpo mandando eu fazer o mesmo. Assine ir me seco e saio do box, ela pula em meu colo e entrelaça as pernas em minha cintura, ando com ela de volta para a cama e a deito na mesma. Anne se vira ficando de quatro, apoio um joelho e um pé na cama e penetro em sua intimidade. Deposito um tapa fraco em sua bunda e ela geme. Suas mãos apertam os lençóis enquanto aumento o ritmo, quando estou quase gozando novamente Anne se afasta de meu membro e se vira ficando de frente para mim. Ela envolve meu membro com seus lábios e começa a chupar rapidamente, seguro em seus cabelos para ajudar no movimento mas recebo olhar reprovador dela e a solto. Quando chego ao meia ápice de novo puxo sua cabeça rapidamente para trás e gozo em seus seios desnudos. Anne puxa uma toalha e limpa o líquido.

"Anne, você vai me matar desse jeito..."- Suspiro e ela sorri vitoriosa

"Posso tomar meu banho agora?"- Ela pergunta

"Não senhora..."

A deito na cama e dirijo meus lábios diretamente para sua intimidade, onde deposito pequenos beijos, puxo seus lábios vaginais com os dentes sem machucá-la e começo os movimentos circulares com a linha por toda sua intimidade, a chupo e insiro novamente meus dedos em sua entrada. Após alguns minutos com aqueles movimentos, retiro meus dedos e encaixo meu membro sem nenhum aviso prévio. Começo com as estocadas enquanto o ar do quarto novamente é composto de gemidos. Anne goza e eu invisto mais um pouco até chegar em meu ápice. Deito ao seu lado e sorrio.

"Eu te amo Anne Burdett e não to falando isso porque acabamos de transar duas vezes... Eu realmente te amo..."

"Eu te amo Gustavo Mazzaropi"- Ela se vira em minha direção e me dá um beijo composto de paixão, companheismo, amizade, desejo e amor.


Notas Finais


Oii de novo!
Comentem o que vocês acharam!!! É muito importante quando vocês expressam o que pensam, dá até mais ânimo para continuar!
Beijão! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...