História Eu acho que te amo, mas não sei o que é amar. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila Cabello, Diário, Lauren Jauregui
Exibições 20
Palavras 2.470
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Dia 24.11.2016


Fanfic / Fanfiction Eu acho que te amo, mas não sei o que é amar. - Capítulo 8 - Dia 24.11.2016

Oie. Acho que estou começando a expor meus sentimentos e isso é muito bom, é isso que eu pretendia desde o começo.

Quem diria, Camila fazendo isso. Nunca imaginei. Eu não sou romântica, não gosto nem sequer de filmes de romance. Livros de romance me entediam e não acho fofo pedidos de namoro ou casamento. Mas aqui estou eu, me aventurando a contar a minha história de uma paixão perdidamente ardente, mas nada correspondida (eu acho). Minha história de uma paixão mais do que proibida. Digo proibida porque não é tão simples assim gostar de alguém do mesmo sexo.

Eu não consigo imaginar quantas pessoas continuariam do meu lado se eu decidisse ser aberta com minha sexualidade, por isso prefiro mantê-la escondida por enquanto, até porque não tenho certeza sobre ela.

Dinah e Lauren (não a Jauregui) sabem que eu já beijei uma menina, mas para elas pode ter sido só um beijo. Eu não expliquei nada. O caso se deu assim: Eu fui numa festa no meio do mês passado, uma festa na qual eu bebi muita mistura e dei meu terceiro PT. Como eu disse, eu bebi muita coisa que nem sabia o que era e fiquei mais do que alta em pouquíssimo tempo. Enquanto eu não tinha começado a vomitar, eu passeava pra lá e pra cá, conversando com todo mundo que eu via pela frente. Em certo momento eu estava onde o pessoal estava dançando. Todo mundo me empurrava enquanto eu tentava conversar com uma amiga da Lauren. A menina se apresentou e trocamos algumas palavras, mas o assunto morreu porque ela parecia desconfortável comigo ali, então eu me virei para ir embora, quando uma menina do 2ºB (a mesma que dizem ter ficado com a Jauregui) se aproximou de mim e chamou mais duas meninas que estavam próximas, ela queria perguntar algo.

Dinah e uma menina da sala do B se viraram e eu fiquei aguardando a pergunta. Ela o fez:

        - Vocês já beijaram uma menina?

Todas responderam sim. Eu me lembro vagamente de na hora pensar: eu vou falar a verdade e dane-se.

Depois de falar, a menina disse:

        - A Dinah eu sabia, mas não pensei que você tivesse. – Disse apontando pra mim.

        - Claro que já. É bom. – Eu complementei acenando positivamente com a cabeça,tenho quase certeza que minha cara estava de abobalhada.

        - Você já? – Dinah me virou pelo ombro. Eu ria por conta da bebida, não entendendo porque todos estavam duvidando.

        - Sim. – E fui andando para qualquer outro lugar.

Eu quase não lembro de nada daquela festa, apenas alguns momentos. Eu até cheguei a cogitar que talvez tivesse sonhado com essa confissão, mas no dia seguinte Dinah estava sentada atrás de mim e eu virei para conversar com ela. Lauren sentou perto e nós três conversamos da festa até que Dinah disse:

        - Eu descobri coisas nessa festa que nunca imaginei. – Eu inocente perguntei:

        - Que coisas?

        - Coisas suas, por exemplo.

        - Eu? O que eu falei? – Me dei por desentendida, vai que não era o que eu estava pensando ser.

        - A Lucy perguntou algo para a gente. Tava eu, tu e a Iglesias.

        - A Lucy perguntou pra você também se já tinham beijado uma menina?

        - Ela perguntou pra ti?

        - Sim. – Lauren disse. – Acho que ela estava afim de ficar com alguma menina.

        - Deve ser. Eu fiquei sabendo de uma coisa sobre ela.

E então ela nos contou que Lucy tinha ficado, não nessa festa, com uma menina amiga dela que namorava. Depois descobri que Lucy, na festa, havia ficado com uma menina do terceiro ano.

        - Gente. – Eu disse depois de descobrir tudo isso.

        - É. Sei que não imaginava que a Lindsey (a quarta menina que estava dançando) já tivesse beijado, mas ela falou sim, todas falamos. – Dinah olhou para mim, como que esperando por explicações.

        - Eu sabia que ela já tinha dado selinho, mas não sei se ela já pegou no hard mesmo.

        - E você? – Dinah perguntou.

        - Eu o quê?

        - Já beijou mesmo?

        - É Camilinha, já ficou com menina mesmo? – Lauren escrevia qualquer coisa num papel e perguntou bem mais calma do que Dinah.

Dinah estava com alguma tensão, nos ombros e no jeito de falar.

        - Já. – Dei de ombros, afinal não era uma informação de extrema importância. Dinah estava fazendo tempestade em copo d’água.

Foi assim que elas duas descobriram, além de Lucy (que me lembrou nesse mesmo dia sobre eu ter falado, me olhando de um jeito sugestivo, como se falando: mandou bem. Eu deveria ter perguntado pra ela naquela hora se ela também já tinha. Mataria de vez a dúvida quanto a ela e Lauren, além de eu poder saber algo que ela sabia sobre isso. Me sinto em desvantagem até hoje) e Lindsey, se é que ela se lembra.

Além delas, no domingo, entre a segunda das descobertas e a festa doida, uma menina que tinha ido na festa comigo, Carmen, me perguntou se eu era bi por conta de um episódio que eu comentava com ela da festa pelo celular.

A troca de mensagens foi assim: Eu contava para ela sobre o que eu lembrava do começo da festa, enquanto eu estava lá em cima com ela, com a Jauregui e com uma amiga da Carmen.

        - Eu lembro que tava tu e tua amiga encostada no canto e eu tava do lado de vocês. Ai estávamos conversando quando Jauregui chegou me pedindo para encher o copo com a garrafa que estava no meu pé. Eu alcancei a garrafa e a afastei dela. Lembra que era uma mureta e tals.

        - É eu lembro disso. Ela ficou pedindo a bebida pra você e falando que era dela.

        - Sim. E então ela virou pra vocês duas e perguntou quem era.

        - Sim. Nunca pensei que fosse falar com ela. Ela chegou assim: Quem são vocês? Aí eu falei nossos nomes enquanto apontava para mim e minha amiga. Então ela soltou: Ah, eu não gosto de vocês.

        - Ela tava muito bêbada.

        - Sim. Então eu disse: Não é com a gente que você tem problema, é com a Tiffani.

Tiffani é a menina do nono ano que havia mandado a indireta no twitter de que a outra menina tinha ficado com Brad durante uma das festas.

        - Ela voltou a rir e virou pra tu. – Carmen mandou.

        - Sim, isso mesmo. Aí ela voltou a querer a bebida e eu continuei brincando com ela. Ela então falou: tá de graça é Camilinha? Quer um beijo meu? E eu ri e respondi: não, obrigada. Ela: eu não ia te dar mesmo. Agora me dá a garrafa. Aí continuamos nessa até que ela reclamou que queria ir no banheiro e eu fui com ela.

        - Eu me lembro de você saindo puxando ela pra descer as escadas, mas não me lembro disso do beijo.

        - Ela tava bêbada.

        - Mas você beijaria?

        - Ela namora e tudo mais.

        - Sem contar que não acho que a proposta tenha sido séria.

        - Claro que não foi. Jauregui nunca fala sério, ainda mais bêbada desse jeito.

Foi assim que eu me convenci a não ficar remoendo esse episódio. Eu tentava a todo custo não ficar pensando na reação dela se eu respondesse que queria.

        - Tu é bi? Sim, sou bem direta. Foda-se.

Eu ri, mesmo que ela não pudesse ouvir minha risada, e respondi:

        - Tá tudo bem. Bom, eu pego o que tiver pela frente, basicamente.

        - Boa.

        - E você?

        - Eu sou hétero mesmo.

        - Hum. – E a conversa no whats continuou. Porém eu pedi para que Carmen não comentasse nada, pois seria melhor que o povo da escola não começasse a falar merda. Ela prometeu que não falaria nada. E assim seguiu, acho que ninguém mais sabe de algo na escola sobre isso. 

Eu tenho juntado evidências que talvez Lauren tenha um gosto por meninas e embora não sejam muito sólidas, eu creio serem satisfatórias.

Aqui vão: No dia que eu contei para Jauregui tudo que eu sabia sobre Brad, ela se abriu comigo. Estávamos conversando quando o assunto de que ela sabia que era desejada por vários chegou. Eu tinha dado uma leve pontada no assunto “autoestima baixa” coisa que ela não aceitou como verdadeira. Então ela começou a soltar uns nomes, meninos que eu conheço, que são considerados gatos. Então ela disse:

        - Eu já fiquei com a mina mais desejada do Ilíadas (uma escola famosa por aqui, enorme) inteiro, acha mesmo que não sei que posso ficar com quem quiser? – Ela estava contando nos dedos e lembro de ver ela balançando o mindinho para frente e para trás enquanto falava isso.

Eu não sei se ela quis falar mina mesmo, ou se embolou as palavras. Nem sei se escutei direito ou meu ouvido que escutou o que queria, sei que é isso que acredito toda vez que reviso aquela conversa.

Eu, na mesma conversa, também tinha falado que todo mundo acreditava que ela já tinha ficado com metade do mundo e ela:

        - Quer saber com quantas pessoas eu fiquei de verdade?

        - Sim, chuta aí.

        - Treze. – Eu devo ter olhado com uma cara mais surpresa que o normal, ela se recostou na cadeira, confirmando com a cabeça convictamente. – Sim, só treze.

        - Mentira. Treze é muito pouco para os que eu sei que já ficou.

        - O povo fala demais. – Isso é verdade, mas não acredito que tenha sido só treze. – Treze pessoas, foi isso. – Ela usou o termo pessoas, outra coisa peculiar.

Bom, não vou falar o quanto eu discordo que esse número seja verdadeiro, a vida é  dela e eu nunca vi problema nenhum no número de pessoas que alguém fica. Se Jauregui vê a ponto de esconder a verdade, isso é com ela.

Outra coisa é o jeito despojado que ela fala sobre mulheres. Como por exemplo chamar mulheres ou meninas de gostosas. Isso não é comum. Quando uma menina hétero elogia outra mulher, ela fala bonita, linda ou elogios mais inocentes, mas não gostosa.

Não do jeito que ela fala. Eu reparo isso pelas outras, porque eu também falo gostosa, não tem como comparar comigo. Uma menina hétero, se chama outra de gostosa, fala de um jeito desconfortável. Eu reparo nos músculos do maxilar retesando, como se ela só estivesse elogiando daquele jeito porque sabe que é o esperado para a situação.

Mas isso não acontece com Jauregui. Ela elogia como se fosse a coisa mais comum. Comenta de algumas mulheres que vão na academia que ela frequenta. Fala livremente sobre o tamanho da bunda e das coxas e sem vergonha diz que não tem como não observar aquela “raba toda se mexendo”. Esse é outro ponto que eu reparei. Posso estar exagerando, mas não são comentários muito héteros.

Eu lembro de um dia, durante a aula de filosofia, a professora falar que não sabia como uma menina consegue gostar de outra. Soou meio preconceituoso, mas ninguém comentou nada. A professora estava sentada na frente de Jauregui e eu estava um pouco distante, mas tinha livre visão da situação. Jauregui se mexeu um pouco pra frente na cadeira e perguntou:

        - Professora, a senhora nunca teve vontade?

        - Eu não. – Ela estava achando graça de tudo aquilo. – Mulher pra mim sempre quis longe.

        - Não é tão ruim.

        - O quê?

        - Beijar uma.

        - Você sabe?

        - Claro que sei. É tão bom quanto com meninos.

Eu estava lendo e só olhava de vez em quando, eu estava naquela época que não me importava muito com ela. Não tenho certeza absoluta que todas as palavras saíram assim, mas eu sei que esse papo rolou.

Ela pode estar só exagerando nessa “experiência” toda dela, pode ser que ela só tenha ficado com uma menina, mas eu tenho quase certeza que ela já ficou com alguma.

Mas, ao mesmo tempo, ela fala com certo desgosto sobre algumas coisas relacionadas a esse universo. Por exemplo, no dia que eu fui na casa dela, assim que almoçamos uma amiga dela, lésbica (que inclusive namora), mandou algumas mensagens para ela. Ela pegou, viu que era essa menina e disse:

        - O que será que ela quer?

        - Deve ser importante, responde. – Eu disse isso pois imaginei que pela pergunta elas não se falassem muito pela internet.

        - Ela deve tá querendo me dar uns beijos.

        - Deve ser sim. – Eu meneei a cabeça.

      - Credo, Deus me livre. – Brincou, risada essa que não acompanhei.

      - Ela namora. – Eu concluí revirando os olhos.

        - E daí?

        - E daí que quando uma pessoa assume um namoro, o esperado é que ela só queira beijar a pessoa que ela está namorando. É o certo. – Eu nem me lembrei de Brad naquela hora. Ela não olhava para mim, estava respondendo a menina. Ela não falou nada e o assunto morreu.

Mais um episódio: Eu não sei se comentei, mas Brad mudou de escola no início desse ano. Agora ele estuda na cidade vizinha a que ele mora. Como eu, ou seja, ele estuda na minha cidade. Eu vou mudar de escola nesse meu último ano letivo e vou para a mesma escola que Brad. Enquanto estávamos comentando disso, Lauren disse:

        - Você vai pra sala do Brad, a sala das lésbicas. – Eu revirei os olhos.

        - Como se todas as meninas da sala fossem mesmo homossexuais. Não é nada provável.

        - É sério. O Brad me contou. – Eu novamente fiz cara de desinteressada e ela deve ter entendido que não estava afim de falar disso. – Mentira. Você deve cair na sala dos inteligentes. – E o assunto seguiu.

Outro dia ela bateu na mesma tecla de uma sala com 100% das meninas homossexuais e uma amiga nossa escutou. Entrando no assunto ela disse:

        - Ixi, será que a Camilinha vai virar lésbica lá? Ou será que vai se cortarw Porque naquela escola é só o que as meninas fazem.

Nem eu nem Jauregui respondemos. Eu não vi necessidade nenhuma de responder, mas não sei porque Lauren não aproveitou a brincadeira para me zuar mais uma vez com isso de “sala lésbica”.

Deixo bem claro que não acredito nem por um segundo nisso. Acho que Brad só inventou isso para que ela nunca questione as “amizades” dele com as meninas. Assim que ele entrou, começou a adicionar muitas meninas. Meninas realmente maravilhosas que se forem mesmo homossexuais, o mundo está ficando cada vez melhor. Enfim, eu acho que ele só falou que todas são lésbicas para que Lauren não ficasse implicando com ele. Assim tirava o dele da reta.

Contei tudo isso e não falei nada sobre o que pretendia quando escrevi ontem, me perdoe. Eu precisaria fazer esses relatos de qualquer jeito, mesmo. Até amanhã.

-20h06min.


Notas Finais


Obrigada por ler e espero que tenha gostado.
Tudo de bom sempre e até o próximo :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...