História Eu ainda te amo - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Eliane Giardini
Personagens Eliane Giardini, Personagens Originais
Exibições 46
Palavras 1.610
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Frente a frente


Fanfic / Fanfiction Eu ainda te amo - Capítulo 8 - Frente a frente

Narrado por Laura 

 Peguei o livro de matemática e fui para o quadro e comecei a copiar, eu me destraia as vezes pensando em Bruno e acabava errando ou trocando os exercícios. Os alunos começaram a resmungar e com razão. 

 - fessora quantas vezes a senhora vai fica nesse numero 3 ? Tá ficando chato já. - Jeferson.

 - desculpa Jeferson eu vou tentar me concentrar mais. De costa para eles. Novamente eu errei. Que ódio !. Apaguei com meu punho e em seguida bate com força contra o quadro. 

 - deixa que eu copio. Olhei e era Natália pegando o giz da minha mão e o livro. 

 - eu vou te atrabalhar! Disse frustrada. - depois eu pego com alguém e copio em casa. Me a sentei na cadeira e comecei a observar Natália escrevendo. Ela é minha filha. Repetia isso em minha mente o tempo todo. Meus olhos começaram a marejarem e eu fechei os mesmos repetindo para mim mesma. " se controla"... Vi que não dava mais para esperar peguei meu celular e o papel com o número do celular do Bruno e salvei seu número, logo em seguida fui no meu whatssaapp e atualizei a lista logo vi a foto dele com uma mulher muito linda ao seu lado , olhei direito e vi que era a Jessica a professora aqui do colégio. 

 - esse canalha tem namorada e ainda deu em cima de mim ? ??. Disse indignada. Ainda bem que os alunos conversavam e Natália não ouviu meu comentário. Mandei um Oi para ele que visualizou e não disse nada. Logo meu celular começou a tocar e era ele.

 - pessoal eu já volto me dêem uns segundos quando voltar agente corrigi os exercícios. Falei saindo da sala, fui direto para o banheiro. 

 - alô.

 - hora hora hora! Quem é viva sempre aparece não é mesmo LAURA ?? Senti um frio na barriga quando ouvi sua voz , ao mesmo tempo fiquei feliz em falar com ele.

 - eu preciso te falar tudo que aconteceu, se você me dar uma chance vai me compreender. Fui disparando a falar

 - acha mesmo que o que você fez tem perdão?

 - acho. Falei baixo.

- você foi uma covarde! Deixou sua filha para trás, isso não tem perdão Ele falava alterado. 

 - eu to tentando falar oque aconteceu mais tô vendo que continua aquele cabeça dura de sempre. Falei alterada.

Ele sorriu sinico. - Quero ver você explicar pra tua filha isso sim.

 - eu vou falar pra ela.

 - mais é claro que você vai. Sua voz soou como ameaça Não gostei nada disso. 

 - escuta aqui eu vou falar na minha hora você não vai se envolver entre agente ! Já que você não quis me escutar ela vai. 

 - você vai esperar o que? Seja qual for a reação dela mais cedo ou mais tarde não vai mudar em nada a raiva dela não irá deminuir minha cara amiga. Ele gargalhava do outro lado da linha. 

 - Quero que ela tenha um sen.mento por mim de filha mesmo sem saber que sou sua mae. 

- em outras palavras voce quer manipular a situação. Ele dizia do outro lado da linha.

- tire suas conclusoes do jeito que quiser eu nao estou nem ai pro que voce pensa de mim meu filho. Disse nervosa e desliguei o celular sem ao menos ouvi-lo. Voltei para a sala e Natália já havia copiado todo o exercício e estava em sua cadeira copiando em seu caderno. Sorri de canto para ela que piscou para mim com um sorriso lindo. - está aonde Natália? - no último exercício. Ela falou concentrada. Quando você terminar me avise pra eu corrigir com vocês. Sentei em minha cadeira. 

 Passado uns minutos Natália me avisou que havia terminado. Me levantei e fui até o quadro olhei para os exercícios cópiados e voltei minha atenção para os alunos. 

 - vocês sabem qual a diferença entre equação de 1 grau e equação de 2 grau né? Uma equação é uma expressão matemática que possui em sua composição incógnitas, coeficientes, expoentes e um sinal de igualdade. As equações são caracterizadas de acordo com o maior expoente de uma das incógnitas. Veja: 2x 1 = 0. O expoente da incógnita x é igual a 1. Dessa forma, essa equação é classificada como do 1º grau. 2x² 2x 6 = 0. Há duas incógnitas x nessa equação, e uma delas possui expoente 2. Essa equação é classificada como do 2º grau. Sabendo disso vamos a atividades aqui no quadro. expliquei para os alunos. Uns me ouviam atentos e outros conversavam.

- Natália e karlla o que vocês estão conversando tem a ver com o conteúdo? Perguntei serena.

- não. Elas me responderam sem graça.

- então faça o favor de prestarem atenção apenas em mim. O foco aqui sou eu não vocês duas, parem de conversas paralelas eu não aceito isso nas minhas aulas e isso serve pra tu da a turma.

Como disse nao me substimem.

- fui clara jeferson? Ironizei no " jeferson".

- hooo fessora sim senhora.

- haaaaaaaa que bom.  

Narrado por Natália

depois desse sabão ela  Ela começou a resolver as equações com muita calma e tranquilidade. Nao fiquei chateada por ela ter brigado com agente pois ela falou com amor mesmo sendo dura.

Ela resolvia as equações bem de vagar mesmo assim eu não estava entendendo quase nada.

 - professora ainda não entendi a 2.ela voltou e explicou dinovo mais de vagar ainda. Eu fingi que entendi para não demorar ainda mais  lembrei que tinha o ensaio. Logo ela corrigiu tudo e liberou a turma para ensaiar.  

Troxemos a caixa de som e o DVD da escola.

E logo começamos a passar os passos para os alunos.

Nos divertimos a besa, erramos caiamos e tava uma comédia.

A professora Laura não parava de ri. Hoje foi a primeira vez que a vejo gargalhando.

- tá rindo né dona Laura. Rafael falou a olhando num tom de brincadeira.

Laura assentiu com a cabeça.

- Quero ver a senhora fazer. Rafael foi até o encontro de Laura e a puxou para ficar no meio da gente especialmente na primeira fila.

-  meu amigo eu fiz balé desde criança acha mesmo que não sei dança? 

E não é que a danada pegou o ritmo rápido? 

Estávamos nos divertindo e isso foi fantástico nos divertimos pra cáralho. 

Após o ensaio Íamos para casa eu estava morrendo  de fome. 

Enquanto eu colocava meus materiais dentro da minha mochila Laura  se aproximou de mim e perguntou Se meu Pai me busca depois da aula eu neguei com a cabeça e ela me chamou para ir com ela e eu aceitei. Eu gostei da Laura e também queria entender o motivo do chorodela quando viu meu pai.

- entrei em seu carro e fui a guiando até minha casa. Ao chegar na frente da minha residência Laura sorriu para mim e perguntou se eu queria aulas particulares de matemática pois ela viu como sou péssima. eu aceitei e  ela disse que não iria me cobrar nada. Achei ela muito legal então a convidei para almoçar comigo, tia Maria já deve está terminando o almoço. Eu disse que papai não viria almoçar em casa. Eu menti na verdade ele sempre almoça em casa 12:30 e volta 13:15 para o hospital.

Eu insistir e ela por fim aceitou.

Entramos em casa, fomos direto para a cozinha. Tia Maria estava nas panelas.

- humm mm mm que delicia ! Eu amo frango ao molho branco.

Maria gargalhou.

- quem é ela filha? Maria falava olhando para a Laura que sorria.

- eu sou Laura sogueli. Disse estendendo a mão para Maria que apertou a mesma com muita simpatia.

Enquanto eu e a Laura nos servia na mesa perguntei ela sobre ela e meu pai. Porque meu pai perguntou seu nome com muita raiva e porque ela chorou daquele jeito no banheiro. Ela me pediu um tempo pra me contar e eu aceitei. 

Nosso assunto foi mudando de rumo e conversávamos sobre vários assuntos.

Ouvi umas pisadas na sala vindo de encontro a cozinha. Olhei para a Laura pois já sabia que era papai.

Ele apareceu na cozinha  e Laura o encarou e rapidamente me olhou reprovativa. Fiz cara de quem não sabia mais não fui muito convincente. 

- Laura sogueli!  O que devo a honra da sua visita?

Ela bebeu seu copo de suco. Parecia muito nervosa.

- tudo bem com você Bruno. Então sente aí com a gente, sirva - se.

Laura falava com uma pitada de ironia.


Narrado por Bruno

-Cara de pau ! Sinica ! A xingava de tudo quanto é nome em minha mente.

Sentei a mesa me servi enquanto ambas saboreava aquela comida muito convidativa.

Enquanto fazia meu prato, olha para Laura que estava linda, o tempo só a fez bem.Tinha um ar superior uma beleza sem igual. 

Terminamos de almoçar e o silêncio se fazia presente entre nós.

- bom Natália obrigada pelo convite mais eu já vou indo. Ela se levantou.

Apenas a Observei.

- fique mais por favor. Natália insistiu.

- realmente não posso. Mais vou te passar meu número e se você quiser ir na minha casa vai ser muito bem vinda. Laura falava olhando para mim.

Eu não vou me colocar entre as duas pois são mãe e filha, o destino trouxe Laura de volta e só Deus sabe o motivo. Sei que Natália sente falta de uma mãe e quem sou eu para impedir que as duas se vejam.

Natália levou Laura até o portão enquanto eu ficava na cozinha ainda sentado pensado nas nossas vidas. Eu aceito Laura  na vida da Natália mais quero distância dessa mulher. Eu odeio ela com toda a minha força. Ela me fez sofre e me humilhou perante minha família e amigos. Jamais perdoaria ela.




Notas Finais


Até 2017😜😎😅


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...