História Eu estou aqui para você MY LADY - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Exibições 93
Palavras 1.071
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Escolar, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 15 - Nova realidade


Abri os olhos, acordando por pequenos raios de luz na minha cara. Franzi a testa ao lembrar de tudo o que eu teria que fazer hoje. Me espreguicei, bocejando e me levantei para fazer minhas higienes matinais. Assim que acabei fui até o quarto de minha mãe e lhe dei um beijo na testa.

_bom dia mãe!

 Ela abriu os olhos levemente e sorriu ao me reconhecer.

_desculpe mãe. Não era minha intenção acorda-la. Pode voltar a dormir. Vou preparar mais chá para você e pegar o seu remédio. _disse. De repente sentindo ela apertar de leve o meu pulso.

_Marinette, você é uma menina de ouro. Pode levar seus irmãos para a creche hoje? _perguntou.

_claro _sorri _vai ser um prazer mãe!

 Ela me deu um beijo na testa de despedida e se aconchegou para voltar a dormir.

 Saí do seu quarto e fui até o de meus irmãos. Eu tenho dois irmãos, gêmeos, Maria e Marion, eles têm cinco anos de idade. Como nossa mãe está com câncer ou como dizemos a eles “doentinha” eu é quem estou trabalhando no lugar dela na mansão Agreste, que por sinal é onde nós moramos, mas não se enganem, moramos no sótão, que não é nem um pouco pequeno.

 O trabalho da minha mãe era o de chef de cozinha dos Agrestes, mas agora sou eu quem trabalho para eles. A família Agreste é formada por quatro membros, a Sra. Agreste Amélie, o Sr. Agreste Gabriel e seus dois filhos Adrien e Félix. Os dois irmãos são bem próximos, mas as vezes vejo que Adrien se sente meio excluído da família, Félix é o filho perfeitinho tira notas boas, nunca saí de casa, pois fica o tempo todo enterrado nos livros e é o modelo de seu pai, ele nunca chega atrasado nos ensaios nem nada, Félix é frio e egoísta. Por outro lado Adrien é muito preocupado com a família, especialmente com sua mãe, a mesma está muito doente então fica o dia todo enfiada no quarto, assim como minha mãe, Adrien vive chegando atrasado nos ensaios fotográficos, por querer ficar o tempo todo com a mãe, suas notas que antes eram inteiramente dez, agora estão de sete a nove, o que deixaria muitos jovens felizes, mas não Adrien. Sempre que ele vai entregar o boletim para seu pai recebe uma bronca, parecida como um “você não deve se contentar com essas notas sendo que você pode tirar dez!”. E nem apoio da mãe ele pode receber direito, pois a mesma está com a voz fraca e não consegue falar direito.

 O pior é que eles descontam tudo isso em mim. Na escola enquanto todas as meninas se jogam neles eu procuro me afastar, mas eles sempre me alcançam, Félix despensa as meninas apenas ignorando-as, como se elas nem existissem, Adrien odeia principalmente dar autógrafos, mas o faz mesmo assim, para ver se seu pai sente orgulho dele pelo menos uma vez na vida. Quando se afastam das garotas e me encontram sozinha eles começam a me xingar, me insultar, me humilhar e me agredir verbalmente. Apenas nisso eles se unem. O pior é que eu apenas ignoro, não conto a ninguém, pois se minha mãe souber vai querer me mudar de escola e vai querer que nós nos mudemos de “casa”, se o diretor ou os professores souberem vão falar com os pais deles, que por sua vez iriam exigir a minha expulsão, por falar mentiras sobre os filhos deles, afinal mesmo se o grande Gabriel Agreste acreditasse ele não iria aceitar, pois isso viraria motivo de fofoca na mídia. Entretanto eu tenho uma vantagem, eles não sabem que sou eu quem cozinha para eles e que sou eu quem cuida da mãe deles. Sim, sou eu quem compra os remédios da Sra. Agreste e garante que ela se sinta o mais confortável possível o dia todo.

 Finalmente encontro aqueles pestinhas indo para a cama.

_ei, o que é que vocês estão fazendo? _perguntei.

_estamos indo dormir. _disse Maria com sua doce voz de criança com sono.

_nada disso, já está na hora de vocês se arrumarem para irem na creche, afinal o que foi que vocês ficaram fazendo a noite inteirinha, heim, posso saber? _disse fazendo uma falsa cara de brava e batendo o pé no chão repetidas vezes.

_é que nós ficamos escutando o barulho de novo e ficamos com medo... _disse Marion.

 Havia me esquecido desse “pequeno” detalhe. O Sr. Gabriel chega bêbado as vezes e quando isso acontece ele sempre vai agredir Adrien. Meus irmãos têm o azar de terem o quarto bem em cima de onde as agressões acontecem. Depois de agredido Adrien começa a chorar e a soluçar. Meus irmãos por serem muito novos ainda e não verem maldade no mundo não desconfiam do que acontece de verdade.

_certo... bom, vão se arrumar. Vou preparar um café com leite carregado para vocês não dormirem e assim que chegarem, que eu sei que vocês estarão exaustos, vocês podem ir dormir um pouco no meu quarto, mas só um pouco, se vocês dormirem o dia todo vão acabar perdendo o sono a noite e então vão ficar desregulados.

_certo... _responderam enquanto coçavam os olhinhos de sono indo ao caminho do banheiro.

_muito bem, Marinette. Agora só falta você ir fazer o café da manhã para todo mundo _pensei murmurando.

 Depois de fazer o café da manhã de todos, dar os remédios para a Sra. Agreste e para minha mãe e, por fim garantir que meus irmãos fossem para a creche fui até o colégio e dei de cara com a Alya.

_Marinette, você ainda não respondeu. Stephan, Damon, Maxon, Aspen, Ren, Kishan, Patch ou Jace? _perguntou.

 Já fazia um bom tempo que ela estava me precionando para saber quem é o melhor dentre eles.

_já te disse Alya. Eu não sei, todos eles têm personalidades diferentes. Três são príncipes encantados, educados lindos e chemosos. Os outros são bad boys.

_já te disse, você tem que escolher. _quando eu ia responder o sinal, que indicava o início das aulas tocou.

_Alya vai indo na frente. Esqueci meu caderno no armário.

_tá, mas não demore.

 Fui andando pelos corredores vazios da escola, até finalmente encontrar o meu armáio, mas assim que fui abri-lo fui surpreendida por alguém me presando na parede. Já até sabia quem era.

_já faz tempo não é, My Lady? _disse no meu ouvido.

 

   

                       CONTINUA...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...