História Eu, Meu Irmão e Ela - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~Rebecca_James

Postado
Categorias Originais
Exibições 27
Palavras 1.050
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Boa tarde, coisinhas lindas da minha vida! ❤
Trago aqui o segundo capítulo, mas antes, quero deixar um aviso: o capítulo conta com fortes emoções! Portanto, preparem o coração, pois a partir deste capítulo, a história começa a se desenvolver, e a ter mais emoção.
Ah, e, por favor, leiam as notas finais.
Boa leitura ❤

Capítulo 2 - Exames...


Fanfic / Fanfiction Eu, Meu Irmão e Ela - Capítulo 2 - Exames...

Luíza

– Mãe? – A chamo após visualizar sua bolsa pendurada no cabideiro, o que comprovava que ela estava em casa, o que era estranho, visto que numa hora dessas era para ela estar trabalhando.

Nenhuma resposta. Suspiro fundo. Às vezes ela pode ter esquecido de levar a bolsa para o trabalho...

Como estava morrendo de fome, decido ir até a cozinha. No caminho até o cômodo, passo pelo banheiro, e vejo a porta entreaberta. Franzo a testa ao me lembrar que a deixei fechada antes de ir para o trabalho. Adentro o banheiro para saber o que estava acontecendo, e sinto o coração parar por um mísero segundo ao ver mamãe debruçada sobre o vaso, quase que o abraçando, enquanto vomitava muito.

Me aproximo dela. Não sabia o que dizer ou como agir. 

– Mãe... está tudo bem? – Pergunto gaguejando. Que pergunta idiota, né? Como que ela ia estar bem, se estava vomitando até o que não tinha?

Quando o vômito cessa, ela levanta a cabeça e me encara.

– Está sim, filha... é só um mal-estar. – E, antes que pudesse dizer mais uma coisa, ela volta a vomitar. Me aproximo mais e seguro seus cabelos com as minhas mãos, para que os fios não corressem o risco de se sujarem com o vômito. 

 

Mamãe ficou uns 15 minutos vomitando, sem parar. Depois da crise de vômito cessar, ainda ficamos um tempinho no banheiro, porque caso ela sentisse ânsia, já estaria perto do vaso para pôr os "bofes" para fora. Depois de ela dizer mais ou menos umas mil vezes que estava bem e que tudo aquilo não passava de um mal-estar, nos retiramos do banheiro e fomos até a cozinha.

– Quer comer alguma coisa? – Pergunto.

– Não, filha. – Ela responde com a voz bem fraca. Só pela aparência e pelas olheiras profundas em seu rosto, já dá para adivinhar que ela não está nada bem. Mas agora, ouvindo sua voz que está praticamente inaudível, percebo o quanto ela está mal.

– Você tem que se alimentar, mãe. Senão vai parar no hospital. – Digo preocupada.

– Eu sei, Luíza. Não se preocupe, eu vou comer mais tarde. Mas agora não posso. Acabei de vomitar, se comer, corro o risco de pôr pra fora novamente. – Ela diz.

Suspiro fundo e me viro para preparar minha refeição. Não vou cobrar nenhuma explicação dela agora, porque ela não está conseguindo nem falar direito. Mas se ela pensa que vai me enganar, ela está pensando errado. Eu sei que não é apenas um mal-estar. E eu vou descobrir o que ela tem por bem ou por mal.

 

Wellington

– O ganhador do papel do personagem Douglas é... – O apresentador encara o papel com o nome do vencedor por uns instantes, fazendo mais suspense.

– Fala logo! – Henrique, que estava ao meu lado, diz. Não sei se era impressão minha, mas ele parecia estar bem nervoso.

– É você mesmo, meu jovem. – O apresentador dá um sorriso. – Henrique Tavares. – Diz, lendo o nome que estava escrito no papel que segurava.

– E-eu? – Henrique gagueja, surpreso.

– Sim! Parabéns, meu caro! – O apresentador diz animado.

Alguns bateram palma, outros foram cumprimentá-lo e parabenizá-lo, outros sorriram felizes por ele e outros ficaram tristes por terem perdido. Eu faço parte desses que se entristeceram. Mas, como eu sou um irmão muito bonzinho, eu vou fazer a minha parte.

– Parabéns, irmão. – Digo, sorrindo falso. Henrique é tão bobo – ou se faz – que pensou que eu realmente estava feliz por ele. Mas é melhor assim.

Vai se iludindo, Henrique. O mundo dá voltas, e em uma delas, esse papel vai ser meu.

 

**

– Como assim ele desistiu do papel? – Pergunta o diretor da novela. Aproveitando que o Henrique demora mais que uma mulher para se arrumar, decidi dar uma voltinha pela cidade. E, olha só, eu vim parar aqui! O Henrique está tão atrasado, que acho que desistiu do papel. O lado bom de ser meu irmão, é que eu aviso tudo com antecipação.

Tá, admito que o Henrique não desistiu do papel. Eu que estou inventando isso. Eu não queria fazer uma coisa dessas com o meu próprio irmão, mas é que eu realmente quero ter a honra de interpretar com a Luíza todos os dias.

– Pois é... ele estava tão feliz, e de uma hora para a outra desistiu... mas o Henrique é assim mesmo. Vê que não está preparado em cima da hora. Ser ator e protagonista é uma novidade para ele, e ele não se sente preparado ainda, entende? – Minto.

– Eu não me sinto preparado, eu já estou preparado! – Henrique diz, adentrando o local.

Ferrou, é a única coisa que eu consegui pensar.

– Henrique? – Pergunta o diretor.

– Olá, diretor. – Henrique sorri simpático. – E o que você está fazendo aqui, Wellington? Aliás, eu te ouvi falando mentiras a meu respeito. Será que eu ouvi direito ou estou com problema de audição? – Ele pergunta.

 

Luíza

Esperei meu estômago realizar a digestão do pequeno pedaço de bolo acompanhado de um copo de achocolatado que comi, e fui dormir. Havia acordado de madrugada para trabalhar, e não tive a chance de dormir durante o dia. Então estou aproveitando agora.

Acordei com o barulho de mamãe vomitando e dando descarga várias vezes no banheiro, para o vômito descer. E desde então não consegui recuperar o sono.

– Oi! – Cumprimento mamãe ao adentrar a sala.

– Oi, filha. – Ela sorri fraco. 

Conversamos sobre vários assuntos do dia a dia, até que decido tocar em um assunto sério.

– Mãe, a senhora passou mal de novo, é? – Perguntei.

– Sim... meu estômago não aceitou bem a refeição que fiz de tarde. – Ela desvia o olhar para a televisão, que estava desligada.

– Você tem passado muito mal ultimamente, mãe. A senhora está com alguma coisa, alguma doença? – Perguntei preocupada.

– Eu estou bem, filha. – Ela diz, mas sem responder à minha pergunta.

– E aqueles exames que você fez no hospital? – Pergunto.

– Os de ontem? O resultado não saiu ainda. – Sua voz estava estranha.

– Tô falando dos exames que você fez semana passada. – Digo.

– Ah... o que tem? – Ela pergunta bem estranha.

– Eu quero saber o resultado. – Digo séria.

– São exames de rotina. Está tudo bem comigo. – Ela responde mais estranha ainda, e caminha até o banheiro. Não demorou muito para escutá-la vomitando novamente. Fecho os olhos com força e tampo os ouvidos. Estava cansada de ouvi-la vomitando todo santo dia.


Notas Finais


Sigam o Twitter da fanfic: https://twitter.com/fanficEMIeE
O que acharam do capítulo, amores?
O que será que a mãe da Luíza tem?
Beijoos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...