História Eu morro por ti, Lucy - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Gildarts, Lucy, Nalu, Natsu Dragneel
Exibições 68
Palavras 2.378
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


COMO EU DISSE
OIIII GENTEEEE
como é? tudo de bom com vcs? espero que sim
como eu disse sexta sai capitulo e aqui está ele UHUUUU
kkkkk
espero que gostem
desculpem qualquer erro
boa leitura

Capítulo 9 - Minha verdadeira forma


Acordo sentindo que faltava algo. Abro os olhos e olho em volta do meu quarto. Já sei o que falta, Lucy não estava maisali.. Me levanto e vou direto para a casa de banho fazer a higiene. Saiu do meu quarto só com as calças e vou direto para a cozinha, onde vejo uma loira fazendo o pequeno-almoço. Ela estava de costas para mim, logo ainda não deu por minha presença.

Vou ate ela e abraço a sua cintura a assustando

- que susto – disse agarrando o meu braço. Eu começo a dar beijos no seu pescoço. – bom dia

- bom dia para ti também – digo a soltando e indo me sentar, observando-a

“Bom dia para ti também, PERVETIDO”

- droga – digo passando a mão nos meus cabelos.

- que foi? – perguntou se virando para mim

- é que… o Happy ouviu – disse sorrindo torto

- a-a-a-aquilo?- disse corada

- sim, mas só da minha parte

“e eu não falo nada”

- olha eu não tenho culpa que tu entres na minha mente sempre que queres tá bom?

“ai me desculpa se me preocupo contigo”

- entrando na minha mente?

“é”

- falando com o Happy? – perguntou confusa

- sim, não ligues.

- faz as pazes com ele, ele não teve culpa da outra vez –eu levanto a sobrancelha – tá, ele teve um pouco de culpa, mas não vale a pena ficares assim para sempre, e como te disse ontem, nós te perdoamos por nos teres escondido isso, então porque não o perdoas também?

- tudo bem. Eu vou pensar nisso – digo me levantando e dando um selinho nela.

Depois de tomar o pequeno almoço, eu levei a Lucy até casa e assim que entro, vejo um Jude furioso.

- Onde esteve ontem á noite? – perguntou furioso para a Lucy

- Estive em casa do Natsu – disse ela seria passando por ele. Jude olha para mim serio. Assim que Lucy entra na cozinha, ele vem na minha direção

- Afasta-te da minha filha

- Olhe eu…

- Eu sei muito bem quem tu és e quero que te vás embora. Tu só vais magoar a minha filha ficando aqui. – mas que raio…

- como assim sabe quem eu sou? Quem é você? – digo serio o olhando nos olhos

- Natsu, não queres almoçar aqui? – perguntou a Lucy aparecendo na porta que dava acesso á cozinha

- claro com muito gosto – digo passando por ele, sem desviar o meu olhar do dele.

Assim que entro na cozinha vejo Lucy ajudar a Layla a fazer o comer.

- Olá senhora Layla – digo sorrindo

- só Layla – disse olhando para mim sorrindo – já soube que vocês os dois namoram

- o-o quê? – digo surpreso

- é mentira?

- n-não não é – digo sorrindo torto. Eu olho para a Lucy e vejo ela envergonhada – eu só não sabia que você sabia

- vocês namoram!! – disse Jude furioso atrás de mim.

Eu me afastei nas calmas indo em direção da Lucy

É, isto não vai correr bem.

- pai eu… - começou a Lucy, mas Jude a interrompeu

- responda!! – disse quase gritando. Lucy por reflexo agarrou a minha mão.

- sim nós estamos a namorar – disse ela firme. Mas eu sei que ela estava com medo por dentro.

- eu quero que ele saia da minha casa agora – disse apontando para fora da cozinha

- Jude! – repreendeu a Layla

- AGORA! – Gritou e Lucy apertou mais a minha mão

- JUDE!- Gritou Layla

- não é preciso gritarem – digo chamando a atenção dos dois.

- Natsu – disse Lucy se metendo na minha frente.

- mas que gritaria é esta? – disse Laxus aparecendo na cozinha com Sting

- seu pai, não quer aceitar o namoro da tua irmã com o Natsu e agora está a expulsar o Natsu daqui – disse Layla olhando seria

Laxus olha para mim serio, mas depois sorri

- Já não era sem tempo – disse batendo nas minhas costas

- Laxus! – repreendeu Jude

- qual é pai – disse Sting vindo ao meu lado – Lucy já é crescidinha, ela sabe o que está fazendo

- e tu não vais sair daqui, vais almoçar connosco – disse Layla. Credo, não sei porque mas estou a ficar com medo dela

- desculpe, mas eu acho que me vou embora – digo tentando ser serio.

- NÃO – Gritou Lucy agarrando a minha camisola

- Luce…

- tu… tu não podes… - disse chorando. Eu a abraço e baixo o meu rosto até á sua orelha, para que só ela ouvisse

- tem calma, eu volto, prometo. Só que agora não é a melhor altura Luce. – ela nega com a cabeça

- ninguém te vai tirar de mim? – perguntou com voz de choro. O que fez rir um pouco

- ninguém, prometo.

- te amo Natsu –disse ela olhando agora nos meus olhos

- eu também te amo. – digo. Ela agarra no meu cachecol e me puxa para um beijo. Paro de a beijar e ela desvia o olhar indo abraçar Laxus. – ei Lucy - a chamo e ela olha para mim e eu sorrio – porque choras?! Eu volto e vou te mostrar uma coisa que tenho a certeza que nunca viste – disse mostrando o meu enorme sorriso. Eu não a queria ver a chorar. Antes de ir embora eu queria ver um sorriso dela. E foi o que fiz. Depois de terminar a frase sorriu para mim e disse que sim.

Eu dou meia volta e vou em direção á porta. Jude estava a observar-me com os olhos todo o tempo. E eu reparei que, quando Lucy gritou que não queria que eu me fosse embora, ele ficou surpreso.

 

Estou agora andando com Happy pela floresta, procurando pelo Gildarts.

“eu estou exausto Natsu”

- droga, ta bem, vamos voltar, tenho que ir buscar a Lucy daqui a pouco

“o que aconteceu na casa dos Heartphilia?”

- entraste na minha mente

“sim, desculpa”

- tudo bem. Jude sabe quem eu sou

“como assim?”

- também não sei bem

“ele sabe do demonio dentro de ti?”

- não sei. Eu espero que não

“e quanto á Lucy?”

- bem, o pai dela descobriu que nós namoramos, ele ficou puto e me expulsou de casa. Lucy não queria que eu fosse embora e chorou de medo

“medo de partires?”

- sim.

“eu acho que ela exagerou. Não era preciso chorar”

- é, mas eu não concordo contigo. Apesar de eu dizer á Lucy que eu não me vou embora, ela ainda teme que eu parta sem ela saber. Ela chorou de medo de me perder.

“ela pensou que tu ias voltar para Dragontail?”

- sim. Lucy me ama, eu sinto isso

“humanos”

- cala a boca.

“nem, venhas com cala a boca. Tu estas apanhadinho por ela desde o dia que a viste. Desde o dia que vieste para o mundo dos humanos”

- é, e acredita que amar é a melhor coisa que podes sentir

“tu tinhas também namoradas lá em Dragontail”

- é, mas nenhuma foi como a Lucy, o que eu sinto por ela é completamente diferente.

“já disse e volto a repetir: humanos”

Eu comecei a rir.

- quando tu amares uma égua, aí quero ver quem vai gozar com quem – disse soltando uma gargalhada

“e vais levar a Lucy para onde?”

Entrarmos em Magnólia e seguimos a rua principal até á casa da Lucy.

 

Assim que cheguei a casa da Lucy a chamei, mas ela não vinha. Desci do Happy e bati na porta.

- Lucy! – a chamei de novo e Layla abriu a porta. Ela parecia preocupada – o que aconteceu?

- Jude a trancou no quarto e eu não consigo o fazer mudar de ideias.

- hm, o quarto da Lucy tem uma janela?

- sim tem

- e dá para ela saltar?

- sim eu penso que sim

- então diga á Lucy para ir á janela. Eu já vou la ter. – digo agarrando as rédeas do Happy e vou para a parte de trás da casa. – Lucy! – a chamei

- Natsu!! – ela me chamou

- salta – digo

- o quê?

- eu apanho te salta

- eu tenho medo e eu não sou doida

- anda logo Lucy – ela hesitou, mas logo se preparou para saltar.

Assim que salta eu a agarro e meto em cima do Happy

- vamos – digo sorrindo. Subo no Happy e corremos para fora dali.

 

Estamos agora no meio da floresta. Só eu e a Lucy.

- tu disseste que me querias mostrar uma coisa – disse ela olhando em volta – o que é?

Eu a solto e afasto-me um pouco

- Natsu?

- tem calma, eu tenho sentido a minha magia ficar cada vez mais forte a cada dia que passa e acho que já te consigo mostrar

- mas mostrar o que?

 

Lucy ON

Eu não estou a entender nada. Natsu faz com que eu fuja de casa, depois traz-me para o meio da floresta e agora diz que quer me mostrar uma coisa?! Não estou a entender nada!

Natsu fecha os olhos e aperta os seus punhos. Um brilho forte apareceu em volta do seu corpo… espera não é um brilho, é fogo… mas o que…

“esse desgraçado vai dar cabo de mim”

Ouvi uma voz, e olho em volta, mas não havia ninguém. Volto a olhar para o Natsu, mas as chamas o cobriam todo.

- Natsu? – eu o chamo mas não obtive resposta. Então algo fez com que as chamas se dissipassem.

Eu meto as mãos em frente da cara para me proteger. Assim que as tiro, eu arregalo os olhos. Natsu, era ele, mas diferente agora.

- Não tenhas medo – disse estendendo a mão para mim.

Os braços dele, tinham varias escamas e… nas costas… ele tinha asas

Eu agarro a mão dele e ele puxa a minha delicadamente. Eu dava um passo de cada vez. Ainda tou pasma.

- Natsu…

- sim, esta é a minha verdadeira forma no mundo de onde venho.

- é muito estranho – digo passando as minhas mãos nos braços dele sentindo as escamas, passo as mãos pelos seus ombros até tocar nas asas. As asas são vermelhas e amarelas – são lindas.

- é, eu penso que são iguais ás do meu pai – disse ele as levantando – queres dar uma volta? – ele pergunta se virando para mim – se não for agora só daqui a um mês ou mais tarde até.

- porquê? – perguntei agora olhando para ele

- eu usei muita magia, para te mostrar a minha verdadeira forma de Dragontail… aqui neste mundo a minha verdadeira forma é a humana, por isso é que me custou tanto para me transformar.

- em Dragontail estas sempre nesta forma?

- bem, a maior parte do tempo sim.. e então, queres ir ou não… acredita em mim, tu não te vais arrepender – disse sorrindo

- sim – digo indo até ele

Logo ele começou a voar, eu agarrei-me no colete dele com força, com medo de cair.

- abre os olhos – disse ele.

E assim que os abro olho para baixo

- AAAAH ESTAMOS MUITO ALTO NATSU – disse garrando-me agora ao pescoço dele com força

- hahahaha! Tem calma – disse ele rindo. Eu olho para ele seria – eu disse para abrires os olhos, mas não era para olhares para baixo. Olha á tua volta – eu fiz o que ele me mandou. E assim que olho, vejo a vista mais bonita da minha vida

- é-é lindo – via-se as montanhas, de vários tons de verde, as casas, as aldeias, tudo… era tão lindo, e o rio…

- eu sei, é pena que eu só esteja a ver isto agora, porque com esta vista eu nunca me cansaria de ver – disse ele olhando para mim.

Eu olho para ele, as suas escamas, vão até ao pescoço, vou até lá com as mãos sentindo de novo

- são escamas de dragão, assim como estas asas – disse

E eu olho para as asas, a baterem para cima e para baixo. E comecei a sentir uma sensação na barriga, era de estar a voar

- esta sensação…

- é boa, não é? – eu assenti – isso é o que nós todos sentimos quando voamos, todos os demónios da nossa espécie adoram voar assim como eu. Mas hoje não te poderei mostrar, sinto a minha magia acabar – disse começando a baixar

- tudo bem – disse agarrando o rosto dele – eu te amo

- eu também te amo – disse e beijei-o com todo amor. Ele agarrava a minha nuca aprofundando mais o beijo. Assim que nos separamos em busca de ar, reparei que ele estava na forma humana.

- sentes te fraco?

- um pouco – disse me soltando e se encosta numa arvore – mas não te preocupes, isto já passa

- anda, vamos voltar – disse acompanhando-o até ao Happy.

Mas quando chegamos ao pé do Happy, ele se encontrava no chão.

- HAPPY – dissemos ao mesmo tempo. Corremos os dois até ele.

- Happy, o que aconteceu?... Happy… - vejo ele suspirar – o que aconteceu?... o-oque?....e em minha casa?... consegues te levantar?... – Happy logo se levantou – e porque usou toda a sua magia seu tolo?!.... ta bom, desculpa… mas podias ter avisado… eu também não consigo criar eu esgotei a minha magia… tá eu vou tentar, vamos Lucy, temos que ir rápido

- o quê? Como assim?

- eu não tenho tempo para explicar agora, mas temos que ir

- explica-me o que está acontecendo – disse cruzando os braços.

- Lucy apenas sobe no Happy. Eu estou tentando te proteger ta bom, vamos logo para minha casa.

- mas…

- AGORA – gritou apontando para o Happy. Eu fiquei paralisada, Natsu nunca falou assim comigo… nem com os outros. Seja o que for que Happy lhe contou deve o ter preocupado a serio. Eu devagar vou até ao Happy e subo nele.

Ele me fez lembrar o meu pai, á pouco. Depois de Natsu sair de casa, eu, minha mãe e meus irmãos discutimos com o nosso pai… e ele fartou de gritar. Até que chegou ao ponto de me agarrar no braço com força e me trancar no quarto. Meu Braço ainda me doi um pouco.

Eu não estou acustomada de grite comigo . nunca ninguém tinha gritado comigo antes. E o Natsu foi um bruto mesmo.


Notas Finais


bem... eu não tenho nada a dizer
mas axo k Natsu foi um pouco bruto com a Lucy tenho a certeza k n era preciso ter gritado com ela
mas pronto é vida
escrevam ai nos comentarios o que estao a achar da fic e que perguntas é k ainda têm
eu gosto de as ler todas mesmo k sejam muitas
na proxima sexta sai o proximo
Inté


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...