História Eu não sou lésbica, Soo! - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Personagens Originais, Seohyun, Sooyoung, Sunny, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Romance, Soosun, Yuri
Exibições 121
Palavras 1.671
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Hentai, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente, me desculpem, mas é tão divertido ver o desespero de vocês. kspljskl

"NÃO, SUNNY!"

É legal ver vocês tão envolvidos com a história, de verdade.

Capítulo 12 - Intrigas. (Primeira parte)


Fanfic / Fanfiction Eu não sou lésbica, Soo! - Capítulo 12 - Intrigas. (Primeira parte)

Yuri POV~

— Por que está fazendo isso? — perguntei, prensando a menor na parede. 

Q-Quero saber s-se você é tão boa quanto dizem, ué. — respondeu, evitando contato visual.

— Hah'. — ri nasalmente. — Sei, sei. — revirei brevemente os olhos, nem um pouco convencida com aquela resposta. — Não me interessam os seus motivos, só quero meu dinheiro. — falei seriamente, segurando seu rosto e fazendo com que olhasse diretamente em meus olhos. — Vai me pagar, né?!

— Eu já disse que vou! — aumentou o tom de voz, irritada. — Só... vamos logo com isso, sim? 

Fiquei quieta, colando meu corpo ao dela e aproveitando para pôr minha perna direita entre as pernas da mesma, encostando meu joelho em sua intimidade e podendo sentir o fino tecido de sua calcinha.

— A-Aahn... — gemeu, fechando os olhos e pendendo a cabeça para trás.

Enquanto esfregava lentamente meu joelho em sua íntima, retirei o cachecol da menor (que, por sinal, nem sabia o motivo d'ela estar usando) e o joguei no chão, podendo notar marcas roxas presentes em seu pescoço. "Eu não vou nem comentar", pensei.

Aproximei meus lábios do pescoço alheio, encostando-os ali e enchendo o local de beijos e lambidas. 

Sua pele era macia, delicada, cheirosa. Viciante, eu diria.

Tratei de movimentar meu joelho um pouco mais rápido, podendo sentir uma pequena umidade surgindo entre as pernas da mais nova.

Ao dar um chupão em seu pescoço, levei um empurrão brusco, caindo de bunda no chão. 

— Mas que porra... O que foi, garota?! — indaguei, estando levemente irritada. 

— Chupão deixa marca! — exclamou em voz alta, bufando. 

— É, eu percebi! — disse ao me levantar, apontando para sua pele marcada.

Sunny ficou quieta, passando a mão sobre o próprio pescoço e abaixando a cabeça.

Suspirei pesadamente, cruzando os braços.

— Vamos fazer o seguinte: eu te chupo, te dou umas dedadas, te faço gozar e fim. Pode ser? — sorri de canto.

Ela então assentiu, aproveitando para levantar a própria saia, deixando sua roupa de baixo à mostra. 

Ao olhar para a estampa da calcinha dela, segurei o riso. 

— Estampa de ursinhos? Não estou surpresa. — comentei, me ajoelhando e me aproximando um pouco mais das pernas da mais baixa. 

Estando com o rosto próximo à vagina de Sun, abaixei rapidamente sua calcinha, removendo-a de vez e jogando-a num canto qualquer.

Sem esperar mais, deslizei a língua por seu clitóris, repetindo o ato mais algumas vezes até enchê-lo com minha saliva. Enquanto o fazia, encarava a menor de modo sacana.

Percebendo que seu líquido estava começando a escorrer pelas coxas, levei o indicador à entrada da mesma e penetrei ali sem dó. 

— AI!!! — gritou. — DEVAGAR, CACETE! — ordenou, acertando um rápido chute em minha cabeça. 

Se eu não precisasse tanto daquela grama, encheria ela de porradas ali mesmo, porém, como não era o caso...

Acariciei minha cabeça e voltei a encarar a face alheia, sorrindo maliciosamente. 

— Garota, isso não vai ficar assim... 

Após dizer aquilo, penetrei sua intimidade com mais um dedo, passando a mover os dois em um "vai e vem" lento. 

Sunny arqueou as costas, tapando o rosto com as duas mãos para abafar seus gemidos. 

.  .  . 

Sunny POV~

"Como você pode estar fazendo isso?" 

"Enlouqueceu?! Pare!"

"Você não é lésbica, Sunny! Ou é?"

Frases do tipo ecoavam sem parar em minha mente. 

Eu estava mesmo gostando daquilo... Céus, como era bom.

Yul era experiente e habilidosa. Ainda assim, por mais que estivesse me dando bastante prazer, não era como Soo, que podia me levar à loucura com simples toques. 

Droga... por que pensar nela logo agora?!

Àquela altura, três dos dedos da maior já penetravam rapidamente o meu interior; sua língua estimulava meu clitóris, o que me causava uma série de arrepios que parecia não ter fim.

Já não tinha mais controle sobre meu próprio corpo. Minha cintura se movia para frente e para trás rapidamente, incentivando Yuri a continuar.

Meus gemidos? Por mais que eu tentasse abafá-los, não conseguia, eles simplesmente iam escapando dentre meus lábios. 

Levei a destra aos cabelos da morena, bagunçando-os e puxando-os levemente enquanto gemia seu nome e pedia por mais. 

Como eu podia estar tão entregue assim? E logo com Yuri, uma das garotas que eu mais desprezava?

.  .  .

Agora ela havia invertido. 

Sua língua quente explorava cada canto possível do meu interior, enquanto seus dedos estimulavam meu clitóris sem parar. 

A-Aaah...! Não para, Yu... ri... — suplicava entre gemidos incessantes, podendo sentir a língua da maior mover-se com rapidez dentro de mim, fazendo um símbolo de tesoura (?) com seus dois dedos e esfregando meu clitóris entre eles.

Mordendo meu lábio inferior, senti minhas coxas serem arranhadas por Yul, que segurou as mesmas firmemente e apoiou-as sobre seus ombros, passando a esfregar seu rosto entre minhas pernas. 

Já não conseguia aguentar mais de tanto tesão, sentia meu ápice se aproximando... 

.  .  .

Tiffany POV~

— Que demora, Sun... — murmurei. — Você disse que seria rapidinho, garota.

Bufei, revirando os olhos e me levantando em um pulo. 

Desci o restante dos degraus daquela escada, decidindo que iria procurá-la, afinal faziam exatos trinta e cinco minutos que ela havia saído.

.  .  .

Caminhei por alguns minutos, mas nada de Sunny, já estava começando a me preocupar.

Ao passar pela porta da diretoria, escutei a mesma se abrir e me virei em direção ao barulho, dando de cara com SeoHyun, a representante de uma classe vizinha à minha. 

Fiz uma breve reverência à mesma, observando-a se retirar dali. 

Em seguida, quem saiu de lá foi SooYoung, lendo algo em uma folha de papel.

— Ué, o que você fez? — questionei curiosa. 

— Levei uma advertência por ter quebrado a tranca de uma das cabines do banheiro. — deu de ombros, indiferente. 

— Você é fogo... — comentei, rindo baixo e acenando negativamente com a cabeça. 

— É, sou. — riu junto, guardando aquele papel no bolso de sua saia. — Você viu a Sun? 

— Eu estava justamente procurando por ela, quer me ajudar? — sorri levemente. 

— Sim, sim! — assentiu, coçando a nuca e tomando a frente, andando em passos largos. — Eu tenho que falar com ela sobre... sobre um trabalho. — disfarçou. 

Ri com deboche, começando a seguí-la. 

— Você não precisa mentir pra mim, a Sunny me contou sobre vocês duas. — fale itranquilamente, apressando um pouco os passos para poder ficar ao lado da maior. 

Soo então travou, arregalando os olhos e entreabrindo a boca. 

— E-E-Ela contou? — perguntou, demonstrando espanto. 

— Uhum. E também disse que gosta de você. — acrescentei, continuando a andar. — E eu super apoio, viu? Sempre shippei vocês duas. — sorri animadamente ao dizer. 

Foi aí que ela parou de vez. 

— Soo...? — chamei por ela, cutucando sua bochecha. 

— AAAAAAH, ELA GOSTA DE MIM! — gritou, começando a dar vários pulinhos. — AAAAI, MEU CU! 

Mesmo estando surpresa — e também um pouco assustada — com a reação alheia, sorri abertamente e comecei a pular junto com ela.

— AAAAI, NOSSO CU! — gritei, logo parando de pular feito uma maluca. — Vamos achar a Sun e marcar o dia do casamento de vocês. — ri nasalmente, tomando liberdade para puxar a mais velha pelo braço, correndo com ela em direção aos corredores. 

.  .  .

Após vários minutos procurando Sunny sem ter sucesso, paramos na frente das escadas de antes. O sinal da saída estava prestes a tocar, faltavam poucos minutos.

— Será que ela foi embora? — perguntou SooYoung, arfando um pouco devido ao cansaço. 

— Eu acho difícil. — respondi, sentindo minha mão começar a formigar.

Estava com um pressentimento ruim, mas decidi não comentar isso com Soo para não preocupá-la ainda mais.

Enquanto pensava nos possíveis lugares onde Sun poderia estar, me veio uma repentina vontade de fazer xixi. 

— Aish, quero mijar. — falei, tentando descontrair aquele clima meio tenso. — Vem comigo? Aí você pode me mostrar a tranca que quebrou. — pisquei um olho para a mais velha, me dirigindo ao banheiro mais próximo sem nem ao menos esperar sua resposta. 

Antes que pudesse sair daquele corredor, senti duas mãos pousarem sobre meus ombros, me puxando de volta. 

— A tranca quebrada está no outro banheiro, queridinha. — riu baixo, segurando em meu pulso e me guiando até o local. 

.  .  .

Tivemos que dar outra volta na escola. 

Ao ver a porta do banheiro, corri em direção à mesma e me lancei em sua direção, batendo bruscamente contra o objeto. 

— AI! — reclamei. — Trancada...? 

Ergui uma sobrancelha, sentindo aquele formigamento ressurgir em minha mão.

Estreitando os olhos, encostei a orelha na porta e me surpreendi com o que ouvi.

Gemidos...?

— Se machucou? — questionou Soo, se aproximando da porta. 

— Shhhh!!! — adverti-a. — Ouve! — sussurrei baixinho, apontando para a porta. 

Ela então fez como lhe foi ordenado, encostando a orelha na porta e erguendo as sobrancelhas. 

Ambas olhamo-nos, um semblante surgiu em nosso rosto, era como se uma perguntasse à outra "Quem será?". 

SooYoung sorriu de canto, apontando para o pé e desviando o olhar para a tranca da porta. 

— Não, não, não! — sussurrei, movendo minhas mãos de modo frenético. 

No entando, meu pedido foi ignorado.

A maior me empurrou levemente para o lado, ficando na frente da porta e preparando-se para dar um chute.

Aquela sensação de adrenalina fazia com que minha bexiga quisesse explodir. 

.  .  .

E de repente PÁH!, um chute certeiro foi dado na tranca da porta. 

Queria fugir para me esconder, mas estava prestes a mijar nas calças.

Me levantei rapidamente, abrindo a porta com um soco e correndo até uma das cabines daquele banheiro.

Antes que chegasse, pude notar uma cena um tanto... inusitada.

Duas garotas de pouca roupa deitadas uma em cima da outra. 

Não eram garotas aleatórias, eram...

— Sunny, Yuri...? — minha voz enrouqueceu na hora. Mal podia acreditar no que meus olhos estavam vendo. 

E ambas me encaravam boquiabertas, sem ação, aparentemente tão assustadas quanto eu.

Não demorou muito para que SooYoung também entrasse e as visse. 

Seus olhos estavam arregalados e sua boca formava um perfeito "o". 

As lágrimas simplesmente escorreram pelos olhos dela, enquanto Sunny e Yuri continuavam daquela forma, petrificadas.

Não sei se foi devido ao espanto, mas minha bexiga simplesmente cedeu, deixando a urina descer por minhas pernas e manchar meu uniforme. 

Amiga, o que você fez...?

 


Notas Finais


Tá, não é divertido, eu tô com pena da Soo. ;_;


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...