História Eu odeio amar você...♡ - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Yaoi
Visualizações 10
Palavras 1.773
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Intaum neh? Ignorem por eu ter demorado de postar
Na verdade, a lerda aqui, já tinha feito o capítulo
Mas sem querer, eu apaguei :'3
Ou seja,
tive que fazer tudo de novo
Mil desculpaaas ;~;
Beijinhooos!

Capítulo 7 - Só um bolo



(Eu): V-Vai...dormir...

(Haru): Só se me pedir pra parar...~

É bom que esse garoto pare...imediatamente. Isso me deixa excitado, por algum motivo. Merda... 

(Eu): P-Para...você...está com febre...

Ele suspira pesado, e volta com a cabeça em meu ombro. Bom...acho que agora vamos dormir. Fecho meu olhos, e finalmente consigo dormir.

 

• • •

Horas Depois...

• • •

 

Já fazia um certo tempo, eu já tinha acordado. Na verdade, nem sei se dormi direito. Essa noite, falando sério, foi bem mais cansativa do que o normal. Não era assim antes, ou pelo menos eu acho. Ele dormiu bem pelo que parece. Choveu um pouco essa noite, e acho que fez frio também, não sei. Meu corpo está gelado, e minhas mãos frias, mas sinceramente não senti esse frio todo. Não dormi coberto, passei a noite no sofá, pensativo, e sem fazer absolutamente nada. Só sei que fiquei muito preocupado, ele tremia um pouco a noite. Seria um pesadelo? Talvez o frio?

Já eram exatamente 6 da manhã. Eu sei que ele não irá para o colégio por conta febre, e que não há necessidade alguma de acordar mais cedo. Mas eu meio que passei mal... Ou algo parecido mais cedo, mas já estou melhor. A dor de cabeça é tão forte... Como isso aconteceu? Também não sei, afinal nem comi nada... Literalmente. Talvez isso tudo esteja sendo causado porque realmente não estou comendo direito.

Escuto um bocejo fofo e doce vindo do quarto. Levanto-me do sofá, indo até o quarto, curioso. O pequeno acordou cedo hoje, hein? Abro a porta de leve para não assusta-lo, logo vejo o mesmo esboçar um sorriso fofo e doce. Coçava seus pequenos olhos com as costas da mão, de uma forma tão fofa! Aproximo-me, e logo vou sentando ao seu lado. Ele se espreguiçava de forma tão adorável.

(Haru): Bom dia...!

(Eu): Bom dia... Vamos levantar?

(Haru): Vamos dormir mais um pouco!

(Eu): Hahaha... Vou trazer o café da manhã.

Levanto-me aos poucos, e vou caminhando para fora do quarto, indo até a cozinha. O que posso preparar para ele? Alguma coisa leve? Não sei... Na verdade nem sei se comia muito até antes de não ter ninguém aqui. Isso é tão estranho. Preparei então um simples Asagohan, e assim que terminei, levei para o quarto. Coloquei perto na cama. Ele não estava na cama.

Ele estava no banheiro, fazendo suas higienes, e tomando banho por sinal. Escutava o barulho da água. Pego suas roupas, e claro a toalha, logo vou a levando para o banheiro. Bato na porta três vezes. Acabo entrando, afinal a porta estava aberta, e não tinha nenhum aviso dizendo para NÃO entrar. Vejo-o de forma tímida, tomando um banho na banheira. Logo meu coração começa a acelerar, e claro, sinto meu rosto esquentar na hora.

Ele se assusta, ficando corado. Esconde seu rosto, se virando para o lado, tentando se esconder, o deixando ainda mais fofo. Chego mais perto, e entrego o sabonete, que estava um pouco longe para ele. Que garoto fofo!! Pego em seu queixo virando seu rosto para o meu. Dou uma leve lambida em seus lábios, o deixando mais vermelho que antes.

Eu até daria um banho dele, mas...não acho que seja necessário. Afasto-me, e o deixo tomar banho. Podíamos sair hoje, talvez ir até o cinema? Eu realmente não sei o que é namorar, afinal, nunca tive uma namorada. Merda, não é assim que se tem um relacionamento. Deito-me de cara no sofá. O que eu faço? Definitivamente estou ferrado. Sou péssimo quando se trata de sentimentos, sem dúvidas!

 

• • •

Horas Depois...

• • •

 

Estava quase dormindo, ao ouvir sua voz, abro os olhos, e acordo. Já era um pouco de tarde, talvez umas 15h00min horas, por aí. Olhei no relógio, e sim, eu estava certo, eram exatamente 15h34min...

Talvez já fosse meio tarde, mas ainda sim, eu ainda conseguia sentir uma alegria vinda de dentro de mim. Talvez, seja, porque foi ele que me acordou. Sento-me no sofá, e logo ele se senta ao meu lado, com um sorriso meio forçado. Sua expressão, era a séria, mas aquele sorriso, o deixava fofo, mesmo parecendo forçado.

Solto uma risada, quando o vejo corar, assim que aperto suas bochechas, que adorável.

(Haru): Não gosto quando faz isso.

(Eu): Você fica um amorzinho, tão fofo.

Digo rindo. Admito que sua expressão era engraçada. Vou em direção ao telefone, logo vou fazendo uma ligação. Infelizmente, ela não atende. Ah, claro, havia me esquecido. Vou correndo até a cozinha, logo para a geladeira, e ele me olha curioso, com aqueles olhos brilhando de curiosidade. O que o deixa mais fofo ainda, é o seu pijama de panda, que era extremamente fofo. Logo volto com o bolo em minhas mãos. Coloco-o em cima da mesa, e o mais novo vem correndo animado.

Ele parecia gostar do bolo. Estava comendo aquele delicioso bolo, com os olhos.

(Eu): Gostou? Fiz pra você!

(Haru): K-Kaito...

(Eu): Hum...?

Ele se aproximou, logo envolvendo seus braços em volta do meu pescoço, me fazendo corar, e muito. Meu coração estava batendo muito rápido, em disparada. O que aquele garoto estava fazendo? Ele me dá um beijo calmo, delicado, e inocente. Assim que separamos nossos lábios, o olhava surpreso, quase sem entender a situação.

Realmente, ele é tão fofo, que quase não dá para acreditar que faria algo assim. Logo minha expressão de espanto, e surpresa, se tornou uma expressão alegre e sorridente. Seguro em sua cintura, com um sorriso alegre.

(Eu): Fico feliz que gostou.

Ele fez uma pausa, olhando profundamente, PROFUNDAMENTE, em meus olhos, me dando até um pouco de medo, falando a verdade. Pela primeira vez, esse garoto faz um sorriso gentil, e um tanto sincero. Logo nos afastamos, e se sentamos á mesa. Começamos a comer o bolo. Estava até que uma delícia, mas também, não fui eu que fiz.

Observava como ele comia. Era de uma forma delicada, e elegante, quase idêntica a um príncipe. Começo a experimentar também. A cada mordida, sentia um sabor maravilhoso vindo daquele bolo. Céus, nem dá para acreditar que esse bolo veio de uma loja simples. Eu preciso urgentemente de aprender a preparar, e confeitar bolos dessa maneira. Porque, além desse sabor magnífico, o bolo foi tão bem confeitado. Mas também, o que se esperar da senhora Belly?

Uma senhorinha de idade, que prepara bolos perfeitos. Eu literalmente a considero como avó, pena que nenhuma das vezes de que tentou me ensinar algo deu muito certo (Se é que alguma coisa deu certo aquele dia, não?).

Depois de um tempo, e depois de comer vários pedaços de bolo, Haru já estava cheio. E eu? Não comi quase nada, apenas um a dois pedaços, afinal, nunca fui fã de doces, por mais que o bolo estivesse muito bom, e eu adoraria provar mais, porém... É estranho talvez, mas quase sempre que acabo muito comendo muito doce, sinto dor de barriga, ou acabo passando mal. Nem sei se dessa vez vou aguentar. Haru estava morto de sono.

Seus olhos fechavam e abriam, estava quase dormindo em pé. Logo vai cochilando aos poucos, quase caindo da cadeira, porém consigo o segurar. O pego no colo, o levando para seu quarto, o deitando devagar, e de forma gentil em sua cama. Ele estava dormindo, de forma tão fofa. Seus lábios estavam entre abertos, sentia como se eles me chamassem. AAAAAH! Que tentação. Mas, como qualquer outra pessoa normal, TOTALMENTE NORMAL, vou me segurar, e ignorar isso, e fingir que não vi nada.

Fico observando por alguns segundos. Coloco minha mão em seu pescoço, e sim, ainda estava com febre. Por sorte, não estava tão forte como antes, até que melhorou um pouquinho. Começo a lembrar das cenas de ontem. Um ódio subiu, me dominando por completo. Suspiro pesado, e o olho, meio triste, porém feliz, já que pelo menos, ele está bem.

Saio do quarto, e logo indo até a mesa. Um pouco bagunçada, cheia de farelos e alguns bagaços, pratos, e claro, quem vai arrumar? EU! Me sinto como um pai agora, Hahaha! E o Haru como... Meu baby? AAAAAAH! Não devo pensar em coisas assim, não mesmo.

Pego os pratos, e logo vou os levando para a pia. Minhas férias acabam em breve, ou seja, vou voltar a trabalhar. Então, terei que deixar o Haru sozinho...

Só de pensar nisso, dói um pouco. Eu amo ficar perto dele, e pelo jeito, vou ficar desacostumado! Passar uma parte do meu tempo com o Haru, é bom, confesso. Mesmo sendo sério, meio fechado, grosso, é um amorzinho.

 

• • •

Minutos Depois...

• • •

 

Termino com os pratos, e vou até o sofá, literalmente me jogando nele, e claro, com o celular na mão. Começo a procurar algumas coisas, talvez legais para se fazer, mas sem vitória. Logo depois das minhas “Reclamações”, recebo a mensagem tão esperada, a Tia Beth, perguntando sobre o Haru, e como ele estava.

 

Tia Beth: Como estão meus dois bebês?

Eu: Tia....?

Tia Beth: Querido, você, e o meu pequeno estão bem?

Eu: Sim, ele só está com um pouco de febre, mas já tomou o chá, e está bem, e dormindo, obviamente.

Tia Beth: Estão se dando bem, não? Quando era aqui, ele demorava séculos para dormir. E pior, odiava tomar chá, ás vezes eu tinha que brigar, até me sentia como uma mãe, Kkkkk

Eu: Wow, sério? Até que ele não tá dando tanto trabalho assim.

Tia Beth: Viu? Estava certa sobre deixar Haru com você! Mas, me diga de forma sincera...

Eu: O que?

 

Ela deu uma pequena pausa, o que me deixou um pouco assustado.

 

Tia Beth: Vocês...não fizeram nada, não é?

 

Senti algo entalar em minha garganta, quase morria engasgado. Estava quase para morrer, como posso dizer isso pra ela? Não me diga...como ela sabe? AAAH!

 

Tia Beth: Sr. Kaito, me responda, por favor.

Eu: Claro que não, porque acha que faríamos algo do tipo?

Tia Beth: Apenas pensei que, bom, enfim, Boa noite.

 

Suspiro aliviado. Como eu iria contar algo assim pra ela? Falar sobre isso, é...constrangedor. Nós...fizemos, não foi? Realmente não sei como contar pra ela, isso sem dúvidas, seria altamente ESTRANHO. Me levanto, e logo vou indo até a geladeira. Tomo um pouco de leite, puro, e frio. Logo assim que termino, vou ao meu quarto. Tiro minha blusa, e logo vou me jogando na cama, sem mais nem menos. Uma pequena dor de cabeça acaba surgindo.

 

Só quero descansar um pouco, por algum motivo, sinto um aperto no peito. É algo forte, e doloroso. Sinto um mau pressentimento...

 

Só espero que consiga dormir...

 

 


Notas Finais


Então, espero que tenham gostado~
;u;
DESCULPAAAAS
Podem me bater agora (se kiserem neh?)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...