História Eu odeio ele... Certo? - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Bondage, Colegial, Escolar, Gay, Incesto, Lemon, Longfic, Saga, Slash, Yaoi
Visualizações 122
Palavras 1.710
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Josei, Lemon, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Slash, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Tentando postar esse cap pela 2 vez ;-;
Após a internet finalmente voltar... OLHA QUE VOLTOU TBM!!!!
hohohoho
Então senhoras e senhores, lhes trago um cap novo em folha diretinho do forno :v
Cheguei de ferias hoje e, tirando a ideia de ter que voltar para a escola, estou felizz.
Por falar na escola, por conta dela eu terei que postar apenas um cap por dia.
Psé, a culpem por isso.
Provavelmente será nas segundas.

Então chega de enrolação povo, vão ler.

Capítulo 4 - Cap. 3 - Quem não conhece que te compre!


 

“Fala e vai em direção à porta aonde para e olha para mim
que ainda está parado no mesmo lugar.
“Até amanhã Dy-Dy” diz com uma voz rouca que me faz arrepiar.
Parece que eu realmente não me darei bem com ele...”

 

 

   Eu não tenho certeza do que exatamente, mas estava tendo um sonho bom. Um sonho que não fazia questão de acordar tão cedo. Podia muito bem passar horas ali, dormindo. Foi ai que começo a escutar uma musica.

   k-pop saia de um celular desconhecido me fazendo acordar, e... Sério? K-pop? Conheço o gênero porque era o preferido de Kael, mas sempre a achei incrivelmente irritante.

   Enquanto uma voz fininha e chatinha continuava a sair do celular, sento-me na cama e fico olhando o aparelho que estava colocado estrategicamente ao lado de meu travesseiro.

   Sempre fui mal-humorado quando acordo principalmente quando estou tendo um sonho bom, mas hoje até eu me surpreendi com minhas ações.

   Pego o aparelho e jogo na cama do provável dono que acaba quicando e, por pouco, não cai no chão com tudo. Faço uma cara de decepção. A praga sai do banheiro ainda de pijama e cabelo bagunçado.

 – Bom dia Dy-Dy... – Diz e para tudo oque fazia quando viu o celular quase morto, oque faz a minha ideia se concretizar. – Dy-Dy... Não sabia que era tão nervosinho logo cedo... Quase o matou!

   Dou de ombros e me levanto.

 – Dê logo um jeito nessa musica idiota. E NÃO me chame DISSO.

 – Que cruel Dy-Dy, oque você tem contra k-pop? – Diz o loiro ajoelhado com seu celular na mão, mas apenas o ignorei e fui me arrumar para o primeiro dia de aula...

 

   A ida da escola foi até que tranquila. Meu pai mandou que Logan nos levasse para a escola e acabei por aproveitar isso para conversar sobre os últimos anos... Na verdade, essa seria o rumo da conversa se a PRAGA ao meu lado não intrometesse sempre.

   Quando chegamos à escola eu levei um susto do tamanho daquilo, parecia uma universidade de tão grande. É minha gente, bem vindo ao mundo exagerado dos ricos.

   Logan foi nos deixar na estrada da escola, oque acabou não chamando atenção que achei que chamaria. A verdadeira atenção começou quando loiro saiu do carro.

   MEU SENHOR.

   Oque foi aquilo? Parecia que o próprio Brad Pitt estava ali pela quantidade de gente que fez “rodinha” ao redor de Caleb. A maioria eram garotas, mas também tinham alguns meninos perdidos no monte de gente.

 – Sim, sempre é assim. – Diz Logan soltando uma risada de minha cara de espanto. Continuo o olhando com aquela cara até ser expulso do carro pelo mesmo.

   Saio e ninguém percebe. Todos estavam tão vibrados conversando com a praga que nem me viram, achei bom e fui para a secretaria. Fui certamente é uma palavra muito forte, afinal, logicamente eu tive que pedir ajuda umas quatro vezes já que, uma certa praga, não me ajudou.

   Assim que peguei os meus horários fui direto para minha primeira aula, que era historia.

   No corredor diferente da entrada, todos olhavam para mim. Provavelmente por eu ser um novato dois meses depois do inicio do ano.

   Isso acabou me fazendo repensar sobre a escola. Como desde pequeno estive na minha (que tem o fundamental e o ensino médio juntos), já tinha me esquecido como era o primeiro dia de aula. Parece que voltarei a ficar sozinho como nas eras que eu não tinha o Kael.

   Fazendo como se eu não ligasse para os olhares curiosos, parei na frente da porta da sala. Solto um longo suspiro para me acalmar. Nunca gostei da escola, imagina está aqui.

   Abro a porta devagarinho e sinto, novamente, o peso de ter todos os olhares em cima de mim. Passo o meu olhar pela sala e encontro quem eu menos gostaria de encontrar.

   A praga acena para mim e me mostra o banco ao seu lado vazio (as mesas são duplas), mas apenas ignoro e me sento um pouco longe dele.

   Quando penso que não, o loiro senta ao meu lado e recebo olhares de todas aquelas meninas que o rodeavam. Um olhar de fúria e ódio. Me levanto e sento na mesa atrás, mas ele me segue de novo.

   Já iria refazer a minha terceira “fuga” dele quando a professora chegou e, infelizmente, me impossibilitando de fazer qualquer coisa.

   Só espero que não sejam lugares marcados...

 – Parece que seremos parceiros Dy-Dy – Disse dando ênfase a “parceiros”.

 – Pensei que fosse um ano mais novo que eu. – Digo Ignorando o loiro completamente e tentando esquecer que ele me chamou daquele apelido na frente de todos.

 – Digamos que eu seja meio... Adiantado. Meu intelecto não era compatível para aquele ano. – Diz de maneira convencida, oque me faz rolar os olhos.

   Tentei entender alguma coisa da aula, mas foi tentativa falha. Não me entendam mal, a professora Nath é muito meiga e sem falar que seu ensino é ótimo, com certeza é a melhor de historia que já tive, mas... Era impossível com alguém que não parava de falar ao seu lado. Nota mental: Nunca se junte com alguém tão sem escrúpulos quanto Caleb.

   Tento fugir da praga nas outras duas aulas, mas era impossível... Sempre que eu pensava ter fugido de certo alguém, ele se encontrava novamente ao meu lado. Ele com certeza era pior que o mestre dos magos... Só faltava as metáforas.

   Quando o sinal finalmente toca avisando a hora do almoço eu fui um dos primeiros a sair. Porque? Digamos que eu tenha sido ARRASTADO para uma mesa no refeitório pela praga. Pobres mulheres das cavernas... Chegando à mesa, os dois únicos presentes ali me olham.

 – Olá galera. - Diz Caleb “animado” me trazendo para perto da mesa.

 – Oi... Quem é esse? – Pergunta um moreno apontando para mim, ou para ser mais exato, entre nós.

   Segui o meu olhar até onde ele estava apontando e entendi. Eu ainda estava de mãos dadas com o loiro, logo retiro minha mão rapidamente, oque causa uma pequena risada na segunda pessoa. Porque Dylan? Porque corar? Esta ficando pior que Katherine.

 – Hum? Ah sim! Esse é meu irmão, Dylan. – Diz e no exato momento uma ruiva se levanta indo em minha frente.

 – Sério!? Não brinca. Não sabia que tinha um irmão Caleb. – Diz apertando minhas bochechas e me fazendo corar um pouco mais.

 – O-oi... – Digo assim que a garota para de me apertar.

   O resto do intervalo foi bastante calmo. Ficamos nós quatro conversando em quando comíamos. Claro que, Caleb falava mais que todos ali. Oque me fez pensar novamente. Ele não se cansa de fingir não?

   Dês que chegamos à escola, sua atuação duplicou. Na casa ou pelo menos nesse dia em que fique lá, geralmente fica apenas calado, estudando e no celular. Fingindo ser um bom filho. Mas na escola ele vive falando. O tempo todo com aquele tom de voz falso, aquele sorriso falso, tudo falso.

   Por falar nisso, não tinha parado para pensar ainda, mas... Por que será que ele faz isso? Ficar fingindo o tempo todo? E porque ele mostrou quem realmente é para mim?

   De vez em quando apareciam grupinhos (sempre, sempre garotas) para falar com Caleb. Luccas e Isabelle (seus nomes) me disseram que isso acontecia por conta de sua personalidade gentil, educada e engraçada, fora a tamanha beleza. Pobres iludidas.

   No exato momento me lembro de uma frase de minha avó.

    “Quem não conhece que te compre!” – Penso.

 

 

   Minhas ultimas três aulas foram diferentes das de Caleb oque acabou sendo meio... Solitário. Não pera! Oque eu acabei de falar aqui? Foram perfeitas... Eu acho.

   Uma coisa é certa, teria sido melhor se não fosse pelos olhares em que eu recebia... Acabei criando um amigo, ele era meio nerd que nem eu e gostava de todas as coisas que eu gostava.

   Assim que tocou, Henri simplesmente sumiu. Ele disse que precisaria fazer algo e foi na frente, mas não voltou. Cheguei até a esperar, mas no fim só fui embora, decepcionado. Parece que ficarei sozinho esse ano...

   Chego a parte da frente do colégio e observo o grupinho do intervalo. Isa e Luccas conversavam calmamente com Caleb que parecia nem ligar com minha ausência. Poderia simplesmente ir a outro lugar e evitar ficar com ele especificadamente, mas não queria ficar sozinho, não neste lugar.

   Apenas passo na frente de um dos bancos onde eles estavam, esperando que alguém me chamasse, mas não aconteceu. Eu sei que ele me viu só não me chamou, praga.

   Sabendo que fazer isso não adiantaria, apenas me sento em um dos bancos, chamando a atenção dos outros dois.

 - Ah, o irmãozinho de Caleb.

 - Sim, o... Qual seu nome mesmo? – Perguntam e eu fico “assustado”, como assim irmãozinho? De novo isso?

 - Meu nome é Dylan e, eu sou o mais velho.

   Neste mesmo momento, todos se calam e começam a rir do nada.

 - Caleb, seu irmão é comediante, certo? – Diz Luccas parando aos poucos de rir.

 - Sei que não parece, mas ele realmente é o mais velho.

 - Você, também? Não pode ser Caleb, ele é muito baixinho. – Diz Isabelle.

   Porque que todos ficam espantados? Nem sou tão baixo assim...

   Passamos algum tempinho ainda jogando conversa fora e, admito. Por mais que ele seja a pessoa mais chata que conheço, seus amigos são legais.

   Isabelle, ou Isa, é ruiva e bonita, sem falar que carismática. Ela tem um costume bizarro de apertar minhas bochechas. Já Luccas, é moreno como o Logan e meio que... Estranho. Realmente não sei no que ele pensa. Mesmo assim, eles são legais.

   Quando Logan chegou para nos buscar, todos nos levantamos e nos despedimos.

 - Até a manha Dylan – Diz Isa, novamente, me apertando. Eu não sou fofo, humanidade!

 - Até tampinha, foi bom lhe conhecer. – Fala com uma batidinha no meu ombro. Mais um apelido para a coleção...

 

 - Oque achou do primeiro deia de aula? – Pergunta meu pai antes de por um garfo de comida na boca.

 - Um saco...

 - Você esta falando serio? Realmente pensei que se daria bem na escola. – Diz, mas não lhe digo mais nada em troca.

   Ele tinha razão, parece que esse primeiro dia não foi tão chato e solitário como esperava.

   Espero que continue assim por um tempo...


Notas Finais


Poxa Dylan, K-pop é legal...

Espero que tenham gostado, e...
Se lembrem, todas as segundas, heim?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...