História Eu por você e você por mim - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Igneel, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Layla Heartfilia, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel, Sting Eucliffe
Tags Drama, Fairy Tail, Nalu, Romance
Exibições 209
Palavras 1.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shounen, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ooi gente...não demorei muito dessa vez, mas queria ter postado antes, porém estava com bloqueio de criatividade para continuara a historia! Enfim, espero que gostem!
Boa leitura XOXO
Desculpem qualquer erro...

Capítulo 8 - Não é amor, é atração


Fanfic / Fanfiction Eu por você e você por mim - Capítulo 8 - Não é amor, é atração

- ELE DISSE PARA VOCÊ SE APAIXONAR POR ELE?!

- Shiu Levy!! – Eu tapei a boca dela e olhei para os lados confirmando se o rosado não estava por perto. – Não grita, e sim, ele disse... – Dou um suspiro de derrota.

   Já era intervalo e eu estava andando pela escola com a Levy a contando tudo que estava acontecendo com o meu “irmãozinho”, cada historia era um grito diferente.

- Talvez não seja uma missão tão difícil pelo o que eu estou vendo. – Ela diz com uma cara de maliciosa e erguendo as duas sobrancelhas repetidamente.

- Nem pensar, ele é meu irmão...era pra ser pelo menos. Já repeti isso mil vezes. – Reviro os olhos, e realmente, falava toda hora aquilo para ela sempre que insinuava que eu estava gostando do Natsu ou para que o desse uma chance.

- Lucy. – A mesma me para e olha sério. – Você percebeu que em nenhum momento o seu argumento foi “eu não quero ter nada com ele, não gosto dele, ele não tem chances”, a única coisa que ouvi é o fato de vocês serem meio irmãos, que pelo jeito é a única coisa que te impede. – Olho para ela de olhos arregalados.

- Ó-óbvio que esses são motivos também, e-eu só me esqueci de dizer. – O sinal bate e nós vamos para a sala.

   Dirijo-me até o meu lugar e sento na cadeira meio distraída. Fico viajando nos meus pensamentos e quando noto já estamos na terceira aula. Como sempre, minha paranóia gira em torno de um meio irmão de cabelo exótico. Ele consegue ser sempre imprevisível, indecifrável e bipolar. Às vezes me pego pensando se tudo o que o Dragneel fala é verdade, estou ciente que sou só mais um desafio para ele, que a partir do momento que eu me entregar serei jogada fora e tratada como só mais uma conquista de sua extensa lista de pegas, mas não consigo evitar esses pensamentos.

   Não que eu considere me entregar, mas estou confusa com todas as cantadas e investidas mais “românticas”, como me chamar de sereia. Sei que não estou apaixonada pelo Natsu, mas também sei que isso pode acontecer, afinal, ele mesmo disse que faria isso. Possivelmente estou carente, o que justifica esses sentimentos incertos, são conseqüências de toda essa atenção que Natsu direciona a mim, e coopera o fato de ele ser um deus grego.

   Uma bola de papel me tirou de meus pensamentos. Olhei para o lado e o rosado estava me pedindo para abrir.

“Pensando em mim loira?” Revirei os olhos com o bilhete.

“Não se ache tanto, você não é tudo isso!” Joguei a bolinha de volta mirando sua cabeça, o que não de muito certo. Ele abriu e se fez de ofendido colocando a mão no peito, dei uma risada abafada com a cena, afinal estávamos em aula. Recebi o papel de volta.

“Não finja que não gosta do que vê! No dia da piscina quase fiquei constrangido com você fitando toda hora meu corpo...não que eu não tenha fitado o seu...” Corei nível cabelos Erza com o bilhete.

“Idiota, não é assim que irá me conquistar!” Joguei o bilhete para o lado sem conseguir encará-lo, uma vez que ele tinha total razão, era difícil não encarar o corpo definido na medida e perfeito do Dragneel. O papel para na minha mesa e eu o abro.

“O fato de estar vermelha comprova que esta dando certo! Acho que não será tão difícil...” Por Kami-sama, me ajude a não ruborizar ainda mais. Amasso o papel e o jogo de volta sem responder e sem encarar o garoto ao meu lado, por favor Natsu, pare de me provocar. Só escuto uma risadinha e depois um sussurro: - Já disse como fica linda corada?

   Isso é jogo sujo. Ele esta exagerando em suas provocações. Por impulso, levanto e saio da sala às pressas, nem escutei a reclamação do professor. Vou ao banheiro e jogo água no rosto, uma tentativa falha de voltar à coloração de pele normal e não parecer um cosplay de tomate.

   Ao abrir a porta dou de cara com alguém e antes de cair igual merda no chão, sou segurada pela cintura. Olho para cima e encontro olhos escuros me encarando.

- Loke! O-oi, hum...O-obrigada por me segurar. – Estou ainda mais corada lembrando o que ocorreu na festa e de como me arrependo.

- Olá loira, não devia estar na aula?

- Te pergunto o mesmo. – Ele dá uma risadinha e percebo que ainda estou sendo segurada pela cintura, a uma distancia meio “perigosa” do ruivo. – P-pode me soltar. Já estou bem. – Sou puxada para mais perto e tento empurrá-lo sem ser brusca, pois não quero ser rude.

- Que tal repetirmos o que aconteceu na festa? – Ele sussurra no meu ouvido e eu o olho incrédula. Quando ia abrir a boca para respondê-lo, Loke é arremessado para trás e cai no chão e atrás do mesmo esta um Natsu com uma carranca na testa.

- N-natsu, o que voc...- Sou impedida de terminar sendo arrastada colégio adentro. Ficamos um tempo andando e eu só me permitido ser levada, perdida nas recentes atitudes do rosinha.

   Sou empurrada para uma parede, olho em volta e percebo estarmos no terraço, sozinhos e encurralada.

- O-o que foi? – Natsu esta me fitando com um olhar não muito amigável, definitivamente estou boiando. Olho para baixo corada com a proximidade.

- Olha para mim. – Sua voz esta irritada e firme. Porque ele esta assim?! Encaro-o e o enfrento com o olhar.

- Por que você esta bravo? – Ele revira os olhos e olha para o lado pensando na resposta. Volta a me encarar e responde.

- O que estava fazendo com o Loke? – tento entender seu olhar e uma luz ilumina minha duvida. Começo a gargalhar e o rosado fica encarando-me com a sobrancelha arqueada.

- Você esta com ciúmes! – Agora é a vez de ele gargalhar. Paro de rir e fico olhando-o com uma cara de deboche. – Não adianta disfarçar rindo Natsu, sua atitude prova que você esta com ci-ú-mes de mim. Ele cessa o riso no mesmo instante e me olha com um olhar penetrante.

- Não se ache tanto Heartfilia. - Ele tenta usar seu charme cochichando no meu ouvido para me desconcentrar, não que não tenha funcionado. Meu coração bate descontroladamente com essa proximidade, só Kami sabe o quanto eu desejo sentir o sabor desses lábios novamente. Não é amor, é atração.

- Contra provas não há argumentos Dragneel. Qual sua justificativa por ter empurrado o Loke? – O encaro desafiadora e ele suspira. – Viu? Ciúmes! – Sou prensada ainda mais na parede, mas dessa vez é com o corpo do Natsu que esta perigosamente colado ao meu, enquanto minhas mãos estão presas pelo pulso acima da minha cabeça, fodeu. 

- Talvez eu esteja com ciúmes mesmo Luce. Você se responsabiliza? – Responsabiliza? O que ele quer dizer com isso? Melhor nem perguntar... Decido provocar a fera um pouco mais.

- Será que o feitiço virou contra o feiticeiro? – Aproximo meu rosto do seu para dizer isso e automaticamente faço uma cara de vencedora. Natsu fita meus lábios que estão consideravelmente perto dos céus. Sinto nossas respirações pesadas e seu hálito quente batendo contra meu rosto.

   Ele encara minha boca e então cochicha com a voz rouca.

- Cala boca... - Meus lábios são tomados em um beijo feroz e necessitado. Cedo no mesmo instante e me entrego à sensação deliciosa que sinto. Nossas línguas em sincronia, assim como nossos batimentos. O beijo antes feroz, agora lento, ambos desfrutando da sensação de prazer, êxtase e de uma mistura de sentimentos. Natsu solta meus pulsos e me aperta minha cintura com as mãos, como se a proximidade não fosse o suficiente, enquanto as minhas vão para sua nuca e puxo-o para mais perto querendo sentir cada parte de seu corpo colado ao meu. Arranho sua nuca e sinto seu corpo arrepiar e escuto um gemido rouco preso em sua garganta. Ele me solta e beija meu pescoço enquanto eu bagunço seu cabelo, inerte na mistura de sensações e emoções.

- O que você esta fazendo comigo Lu-ce? – Ele pergunta beijando meu pescoço e em um sussurro rouco. Não consigo responder, nunca estive tão excitada. Sinto mordias leves em meu pescoço e gemo varias vezes em forma de suspiro.

   Natsu me ergue e entrelaço minhas pernas em sua cintura, sentindo o quanto ele esta excitado pelo volume em suas pernas. Automaticamente aperto minhas pernas e nossas intimidades se chocam provocando um gemido preso em ambos. O rosado ataca minha boca ferozmente demonstrando o quanto esta animado.

   Antes de prolongar mais, somos surpreendidos pelo barulho do sinal indicando que é hora de ir pra casa. Ele finaliza o beijo sugando meu lábio e me desce. Antes de ter qualquer reação e me recuperar, sou arrastada escola adentro. Minha capacidade de associar o que esta acontecendo parece que se extinguiu, só consigo me concentrar em como estou quente nos lugares que ele tocava... Deus eu sinto tanto desejo por aquele garoto.

   Deixo-me ser levada, fomos para sala e ele pegou nossas bolsas e depois para o carro. O caminho foi em um total silêncio, exceto meu peito batendo igual louco, ou por nervosismo ou por curiosidade do que o Natsu esta pretendendo. Chegamos em casa e quando eu abro a porta sou puxada pela cintura.

- Agora podemos continuar. – E novamente minha boca é invadida.

- Natsu, Lucy, já chegaram? – Meu corpo gela. Soltamos-nos imediatamente antes de aprofundar o beijo e eu tento me acalmar, em vão. Minha mãe aparece na sala agindo normalmente, graças a Kami ela não viu nada.

- Mãe! Você já chegou em casa? – Ela trabalha com o Igneel na empresa dele. Geralmente voltam de noite.

- Estou arrumando minhas coisas. Eu e o Igneel vamos viajar em lula de mel e se casar na mesma.

- Mas então não vamos ver o casamento? – Não acredito que não vou estar presente em um momento tão importante.

- Luce, nossos pais querem curtir depois do casório, não vamos atrapalhar não é? Nós ficamos bem aqui em casa...

- Tem razão... Tudo bem mãe, boa viagem e tirem muitas fotos. – Abraço a mesma e ela retribui junto com um enorme sorriso.

- Vou tirar sim, acho que nosso casamento será no pico de alguma montanha ou algo assim. – Ela não bate bem, penso com uma gota na cabeça, pelo menos achou alguém tão estranho quanto, já que futuro marido aceitou essa idéia. Solto-a do abraço e ela vai indo em direção a escada, mas antes pergunto:

- Mãe, vai ficar quanto tempo fora?

- Duas semanas querida. – Ela sobe a escada e escuto a porta do quarto fechar. Tudo bem, eu sobrevivo de boa até lá.

- Vou adorar passar duas semanas sozinho contigo irmãzinha. – Um frio subiu minha espinha e eu me recordo que Natsu estará comigo, e nós...bem...ele vai querer continuar o que começamos.

   O encaro e me deparo com um lindo rosto e um risinho malicioso estampado no rosto no mesmo. Meu coração perde uma batida imaginando o que pode acontecer debaixo do mesmo teto desse garoto. Kami-sama, por favor, me ajude.


Notas Finais


E é isso...espero que tenham curtido o momento Nalu, eu gostei e não gostei da descrição dos pegas deles hahahahah. Eu fiz a sinopse de uma fanfic Fairy Tail que to querendo começar, me deem a opiniao de vcs sobre, me digam se leriam ou nao por favor.
Obrigada por ler
Até mais XOXO
-Sinopse:
Eles pensavam que o destino cooperava para o amor que emanava dos dois, tão jovens e já sentiam o sentimento puro que muitos adultos desejam, mas nunca encontram. Ainda não sabiam o que era, mas uma viagem e uma despedida deixou tudo claro: “Demore o tempo que for, mas quando eu te encontrar eu vou te amar com todas as minhas forças e não te soltar nunca mais”. Porém dói muito quando o conto de fadas começa a desmoronar, e eles irão conhecer essa dor. Dois jovens, uma promessa e um destino cruel.

”Alguém me perguntou se eu conhecia você e um milhão de memórias passaram na minha mente antes de eu responder: - Não mais...”

Me digam se esta boa ou uma merda kkkkkkk obg <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...