História Eu Preciso De Você - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Escolat, Revelaçoes, Romance, Solidão
Visualizações 25
Palavras 1.566
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero Que Gostem♡

Capítulo 1 - Sempre A Mesma Coisa


Fanfic / Fanfiction Eu Preciso De Você - Capítulo 1 - Sempre A Mesma Coisa

Kouta On

Me chamo Kouta, Kouta Tsumi e tenho 18 anos. Atualmente moro sozinho, em um apartamento não muito luxuoso. Trabalho em uma lanchonete, não ganho muito, mais tenho dinheiro pelo menos para comer e pagar esse hotel. Isso aconteceu por alguns motivos, que eu prefiro não lembrar. Mais, posso dizer que perdi as coisas mais importantes da minha vida inteira. E uma delas foi minha culpa, toda minha:

Flash Black On

- Kouta não consigo me mexer

- Tudo bem logo a ambulância vai chegar,  vai ficar tudo bem certo?

- Tudo bem...

- Esta sentindo algo? Esta doendo?

- Não sinto nada

- Que bom...

- Kouta...ainda vai querer brincar comigo?

- Claro que sim, somos melhores amigos não é mesmo?

- Mais...Mais e seu eu morrer?

- Não diga besteiras, você vai ficar bem

- Kouta, me promete uma coisa?

- Claro, oque?

- Se eu morrer, me esqueça

Flash Black Off

Droga, sempre que penso nisso, me sinto mais culpado ainda. Acho que nunca comprirei essa promessa. As vezes bate uma solidão, em saber que estou sozinho. Aposto que ninguem se importa comigo, talvez nem saiba que existo.

Ouvi um barulho, era o alarme. Bati nele e o mesmo parou, aquele barulho é irritante. Me levantei e começei a andar, esfregando os olhos:

- Ai merda!

Bati o dedo mindinho na perna da cama. Cai no chão segurando o mesmo, estava doendo muito. Me levantei pulando em uma perna, quando ia descer as escadas escorreguei no degrau e ja sabe né. Sai bolando escada abaixo, tacando a cabeça no chão la embaixo:

- Que belo dia

Segurei na parede e começei me levantar devagar, logo ouvindo um estralo. Peguei na minha cabeça, e só senti o galo. Como sou uma cara de sorte. Fui até a geladeira, mais não tinha gelo. Peguei uma garrafa mesmo e coloquei nele, me sentei na cadeira respirando fundo. Hoje terei que merendar na escola, não tenho dinheiro para comprar comida. Larguei a garrafa na mesa, indo ao banheiro. Fiz minha higiene e sai ja vestido. Ir para escola é chato, gosto de estudar, mais quem vai pra lá sei não viu. Não entendo, vão apenas para bagunçar. Por que não ficam em casa? Ficam fazendo molecagens, xingando os outros e dando em cima das meninas, sinceramente, é perda de tempo. Coloquei o capuz e sai de casa. Sabe, sou meio antisocial, prefiro ficar na minha, lendo ou escutando musica. Mesmo fazendo isso ainda sou criticado, oque acaba sendo mais chato ainda. O escolar parou, nunca gostei de ir mais hoje estou muito cansado para ir andando até la:

- Olha o estranho chegou! - todos riram

Me sentei perto de uma menina, mais a mesma saiu e se sentou em outro banco. Não sem oque epes tem comigo, ficam sempre me evitando e me dando piadinhas. A cada dia sinto mais vontade ainda de se afastar de tudo, e principalmente, de todos. O escolar parou, ia descer quando um daqueles moleques jogou em minha um pão. Apenas o joguei fora e desci. As vezes me pergunto, por que não faço nada? Poderia reagir, bater, mais não fico cado e aguento tudo. Nesses dias ja tive vontade de me matar, me enforcar talvez ou pular do predio. Mais algo me dizia para não fazer isso, agora estou a procura de um motivo para não morrer. Ja na escola ouvi vozes, e sei que é sobre a minha pessoa:

- Ele é tão esquisito

- Estranho na area

- Vamos sair de perto

- Nossa que cara nerd

Vi que todos se afastavam quando me aproximava. As vezes fico triste, não tenho nenhum amigo, apenas o meu chefe. As vezes so queria que tudo fosse diferente. Nenhuma menina gosta de mim, não tenho amigos, nâo ando em grupos eu não sou nada. Segui para sala, logo o sinal bateu e todos entraram:

- Olha o estranho aqui

- Vamos ver oque ele tem aqui

Pegou minha bouça e derrubou, peguei e juntei rapido. Logo começaram a atirar bolinhas de papel em mim:

- O fracassado!

- Idiota, ta fazendo oque aqui

- Vocês dois saiam da sala

Olhei e era a professora, chegou bem na hora:

- Droga

- Você vai ver nerd

Me sentei direito na cadeira, coloquei o capuz e o fone de ouvido. Não estou com vontade de estudar hoje, não estou com vontade de viver. 

Ja estava na hora de sair, peguei minhas coisas quando passei pela porta me bateram:

- Eu falei nerdizinho

- Hum..tive um ideia

Eles me pegaram e me arrastaram até o banheiro, ja sabia ate oque iria acontecer. Abriram a porta e enfiaram minha cabeça na privada. Eu so queria revidar, me defender, mais não conseguia. Depois de um tempo me soltaram, e sairam rindo. Senti meus olhos arderem, droga como eu sou um idiota. Peguei meus oculos que estavam molhado, e o enxuguei rapido. Sai do banheiro e fui a procura de minha bouça, quando olhei. Meu lapis estava quebrado, meu caderno rasgado e riscado, minha bouça tambem estava acabada. E agora? Como vou pagar isso? Fiquei com tanto odio, fiquei com raiva. Deixei os mesmo ali mesmo no chão, meu fone de ouvido ja nem prestava mais, coloquei o capuz e sai. Ouvi varias pessoas rindo, principalmente aqueles que fizeram isso comigo. Olhei no relogio, estava atrasado, tenho que correr esta na hora do trabalho. Não vai dar para esperar o escolar, ele vai demorar para chegar. Corri o mais rapido que pude, não posso perder esse emprego. Cheguei la bem na hora, que bom. Entrei e vi Kaito, meu chefe:

- Ei oque ouve com você?

- Não se preocupe

Corri pro banheiro, lavei meu rosto e me ageitei. Sai e vi Kaito:

- Eles fizeram denovo não foi?

- Nâo é nada demais 

- Por que não se defende?

- Ate eu me pergunto isso, mais esquece vou trabalhar

Ouvi o barulho, algum cliente chegou. Peguei a caderneta e fui atende-lo:

- Boa tarde oque vai querer?

Quando olhei, meus olhos brilharam. Ela era bela, seu cabelo bem amarelinho era tão bonita. Sua pela branquinha e sua bochechas rosadas, não canso de dizer o quanro ela era linda:

- Só um café por favor

- T-ta 

Por que eu gaguejei? Eu to louco concerteza, so pode ser isso. Voltei ate o balcâo e vi que Kaito me observava:

- Oque foi? -perguntei

-  Nada nâo, mais eu vi uns corações e...

- Para, ela quer café vai lá

- Tabom - disse com um sorriso

Ele tambem esta louco, eu achei ela bonita mais não estou apaixonado por ela. Outro cliente veio, atendi o mesmo e falei para Kaito. Peguei o café e fui ate a moça:

- Aqui esta

- Obrigada

Me afastei e voltei para perto de Kaito, quando ouvi:

- Olha o estranho

- Oi gatinha

Não acredito que nem no meu trabalho estou livre desses idiotas:

- Kouta...

- Tudo bem.. - disse respirando fundo para kaito

Peguei a caderneta e fui ate o mesmo:

- Oque querem?

- Empregadinha me tras um suquinho tabom - disse e todos riram

- Ah eu quero que você traga agúa

- Eu quero que traga batatinha e suma da nossa vista

Estou com odio desses risos, piadinhas eles não me deixam em paz. Kaito preparou tudo e me deu:

- Deixa que eu vou entregar

- Tudo bem é meu trabalho

Peguei e coloquei na mesa dos mesmo:

- Ta faltando o Capchup e a maionese empregada

Oque eu não faço pelo trabalho não é mesmo? Peguei e coloquei na mesa com certa força:

- ei, ei respeite os clientes 

- Vai ser punido por isso

Um deles pegaram o copo de suco e jogaram, logo mais dois jogaram Capchup e maionese:

- Pronto é para você aprender

- Ah toma gorgeta me lembrei que você não tem dinheiro o suficiente para se sustentar não é mesmo? - disse com uma nota de cem nas mãos

Peguei a nota rasguei e joguei no copo de agúa:

- Nâo recebo dinheiro de babaca

- Oque vocé disse? - falou o loiro se levantando

Eu poderia ser espancado ali mesmo mais eu não estava aguentando mais:

- Ei calma ai, calma Kouta vai la para dentro

- Eu vou te matar estranho, foi por isso que seus pais te deixaram

Joguei a caderneta e entrei la para dentro. Que raiva deles, logo vi Kaito vindo ate mim:

- Eles ja foram. Vai para casa tambem vai descansar

- Tudo bem, vou so guardar as coisas.

Sai e peguei os pratos que um casal de velhinhos deixaram ali com o dinheiro em cima da mesa. Lavei eles e ja ia embora, estava com muita raiva. Eles nem sabem oque aconteceu, não sabem de nada e ficam falando as coisa:

- Olha eu sei que...

- Desculpa mas não preciso de ninguem falando nada

Não vi quem havia falado, apenas sai dali rapido. Estava chuvendo, parei um pouco mais não estava nem ligando se ia me molhar ou não:

- Eu tenho uma gurda chuva, quer?

- Não obrigado

Disse rapido e sai na chuva mesmo. Sei que fui grosso mais se eu ficasse talvez fosse fazer mais perguntas e eu iria perder a cabeça. Agora eu so quero ficar sozinho, como sempre fiz nessa vida toda.

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...