História Eu Sei Que Você Me Ama - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Lay, Suho
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol
Exibições 552
Palavras 4.857
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Será que rolou beijo???
Corre pra ler!!

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Eu Sei Que Você Me Ama - Capítulo 4 - Capítulo 4

Eu Sei Que Você Me Ama! – Capítulo IV

 

 

Lentamente Baekhyun abriu os olhos e a visão que teve foi a de Chanyeol com o rosto próximo, muito próximo do seu. O maior tinha o rosto ainda mais lindo visto são de perto e com os olhos fechados como naquele momento, e a respiração lenta e quente dele só deixava as coisas ainda mais... estranhas? Chanyeol iria beijá-lo? Aquilo, no primeiro momento, assustou o Byun, mas tinhoso como só ele era, rapidamente retomou seu autocontrole.

 

- Ouse me beijar e eu sento a mão na tua cara agora! – Baekhyun falou friamente, espantando Chanyeol, que se afastou visivelmente assustado e desconcertado.

- Quem disse que eu ia te beijar? Eu não ia te beijar! Tá loko? – Chanyeol defendeu-se, fingindo pouco-caso para disfarçar sua vergonha de ter sido pego no ato... ou quase no ato.

- Não ia, não? – ironizou Baekhyun, cruzando os braços sobre o peito e olhando atentamente o maior. Tava na cara que ele o beijaria, e aquilo fez o coração do pequeno acelerar muito... e não era só pelo susto.

- Não! Não ia não, senhor! – afirmou Chanyeol decidido, balançando os ombros.

- E o que fazia tão perto do meu rosto? Até onde me consta, tu não sofre da vista, e mesmo assim, não tinha nada no meu rosto pra tu examinar tão de perto – Baekhyun tirou os óculos e olhou desafiadoramente para Chanyeol. Queria ver como se safaria daquela. – Ou tinha? – questionou e ergueu a sobrancelha. É... parece que o jogo mudou, não é mesmo?

- Eu… Eu... – Chanyeol tentava achar alguma justificativa, mas o olhar do Byun não ajudava na busca da desculpa perfeita – Eu só queria ver se você estava vivo realmente! – deu a primeira desculpa que lhe veio à mente, e a mais esfarrapada também. – Só isso!

- Unhum… Sei! – Baekhyun riu, deixando claro que não acreditava nas palavras de Chanyeol – Pensa que nasci ontem, foi?

- Não, meu querido... você nasceu quase dezenove anos atrás, no dia seis de maio para ser mais preciso – Chanyeol respondeu com um sorriso enorme, provando mais uma vez o quanto conhecia o outro, e, mais uma vez, virando o jogo a seu favor. Era tão bom ver Baekhyun com os olhos arregalados e a boca aberta como naquele momento.

- Como é que você sabe o dia que nasci? – Baekhyun indagou espantado. Dos poucos amigos que tinha, um, no máximo dois, sabiam a data do seu aniversário.

- Sabendo, oras! – Chanyeol deu de ombros mais uma vez, sentindo que o vento estava soprando a seu favor novamente, então sorriu. – Baekhyun... Sei tantas coisas sobre você que você nem imagina – falou enquanto se afastava para que Baekhyun saísse do carro.

- Você é algum tipo de psicopata ou coisa parecida? Porque não é possível que alguém que não me conhece saiba tanto sobre mim – Baekhyun ainda não acreditava que Chanyeol soubesse tanto de si. No início achava que era balela, mas sempre que podia, Chanyeol mostrava que sabia realmente muita coisa de si... e coisas que a maioria das pessoas não sabiam.

- Não, Baekhyun, não sou psicopata, até porque não quero matar você... Longe de mim querer isso! – Chanyeol comentou sorridente, enquanto levantava os braços, se espreguiçando. No ato a camisa levantou até a altura do umbigo, algo que não passou despercebido dos olhos atentos do Byun. – E o fato de eu saber muito sobre você, não quer dizer que seja psicopata, muito pelo contrário... A gente só procura se informar sobre aquilo que gosta, certo?

- Certo... – Baekhyun foi obrigado a concordar com o raciocínio de Chanyeol. Ele estava certo, ia fazer o que?

- Então... se eu procuro saber o máximo sobre você, é porque eu gosto de você – Chanyeol afirmou deixando Baekhyun vermelho.

- Aish! Lá vem você de novo com essa história de gostar de mim – Baekhyun reclamou com o outro e saiu pisando forte. – “Não é possível que Chanyeol goste de mim! ” – pensava consigo, enquanto seguia pra dentro da casa. – “Ele só pode estar de brincadeira comigo. Claro que seria bom ter alguém como ele do meu lado, mas ele não me conhece direito... Mesmo dizendo que sabe muito de mim, ele não sabe da minha realidade... Quando o tempo for passando, ele vai perceber que tudo isso não passa de uma ilusão dele. Ninguém nesse mundo vai querer ficar com alguém como eu” – mesmo que sua visão sobre o outro já tivesse mudado bastante desde o dia anterior, Baekhyun não podia desprezar essa realidade, pois era o que viveu desde sempre e lhe machucava o coração todas as vezes que lembrava daquilo.

- Hei, esquentadinho... espera aí! – Chanyeol chamou assim que viu Baekhyun sair dali apressadamente e entrar na casa. Ele não podia entrar naquele quarto, e de algum modo, sentia que o Byun ia direto pra lá. – Tenho que te contar uma coisa... Você não pode entrar naquele quarto com a porta fechada – falou, mas o outro não deu ouvidos.

 

A passos largos Baekhyun entrou naquela casa que conhecia tão bem. Queria se refugiar em algum lugar, se trancar para que pudesse ficar só com seus pensamentos. Assim que chegou no corredor, viu o quarto maior com a porta e janelas abertas, quando percebeu uma das malas de Chanyeol logo perto da entrada, decidiu entrar no outro, que provavelmente seria o seu naquela estadia.

Ainda ouviu Chanyeol gritando para não fazer aquilo, mas, no alto de sua teimosia, abriu a porta e entrou... e se arrependeu no mesmo instante. Um dos vidros da janela estavam quebrados, o quarto estava cheio de folhas, galhos pequenos, e outras coisas trazidas pelo tufão que havia passado meses antes. Tudo ali dentro estava mofado, e ao sentir aquele cheiro, imediatamente saiu dali, mas era tarde. Quase que instantaneamente começou a sentir os efeitos daquela ação em seu corpo, principalmente na falta de ar que lhe acometera no mesmo instante. Baekhyun era extremamente alérgico... principalmente a mofo.

Sentiu seu corpo se chocar contra o de Chanyeol, que já estava atrás de si e lhe arrastou até o outro quarto, deixando-o sentado na cama e imediatamente pegou sua já conhecida mala, abriu e tirou de dentro a necessaire maior com os remédios, vasculhou até encontrar seu remédio de alergia, destacando imediatamente uma unidade da cartela.

 

- Toma... vou pegar a água – entregou o comprimido a Baekhyun e saiu rapidamente em direção à cozinha, e logo voltou com um copo com água.

- Obrigado! – Baekhyun agradeceu assim que terminou de engolir o comprimido.

- Eu disse pra não entrar naquele quarto, Baekhyun. Custava me ouvir, cabeça dura? – ralhou com o menor enquanto seguia até o outro quarto e fechava a porta, já que o forte vento que passava pelo cômodo “interditado” estava levando o cheiro de mofo para o quarto em que estavam. O cheiro estava incomodando até mesmo Chanyeol, que não tinha qualquer tipo de alergia.

- Mas eu não sabia – Baekhyun defendeu-se, já ofegante.

- Mas eu tentei te alertar... custava me dar ouvidos? – Chanyeol olhou seriamente pra Baekhyun, que instintivamente se encolheu ao se deitar na cama. – Certamente não custava nada, mas quem disse que você liga para o que eu digo, não é mesmo? Você sabe que é extremamente alérgico a essas coisas... eu sei que você é alérgico a várias coisas, principalmente à mofo, acha que a porta estava fechada porquê?

- Desculpa! – foi a única palavra que Baekhyun conseguiu pronunciar.

 

Aquele Chanyeol em sua frente era bem diferente do que havia conhecido no dia anterior. Esse não era sorridente, sabichão e metido como o outro, era sério e estava… preocupado? Claro que estaria, afinal de contas, estava cuidando do filho da “General” Yejin... uma topada que levasse, Chanyeol seria o culpado.

 

- Da próxima vez, tente ser menos orgulhoso e procure me ouvir – Chanyeol falou mais calmo, e até mesmo carinhoso, mas nem por isso menos sério. – Se falo é pra o seu bem… Eu quero te ver bem, Baekhyun... Isso aqui é pra ser um descanso pra você, pra você aproveitar e se divertir, não pra ficar doente, tomando remédio em cima de remédio. Só que pra isso você precisa me ajudar também.

- Eu sei – Baekhyun respirou fundo. – Desculpa... de verdade – se sentia culpado, pois se tivesse ouvido Chanyeol, não estaria naquela situação. Tinha que reconhecer que havia errado, e errado feio.

- Tá... Só tenta descansar que eu vou rapidinho no mercado comprar algumas coisas e já volto – Chanyeol falou ainda olhando sério pra Baekhyun.

- Vai me deixar aqui sozinho? – choramingou. Baekhyun sempre detestou ficar só, ainda mais quando ficava ofegante como estava naquele momento.

- Mas não tem nada de comer aqui – Chanyeol explicou assim que sentou na beira da cama, sentia vontade de abraçar Baekhyun, mas não podia, sabia que não podia... pelo menos não ainda.

- Então me leva junto! – Baekhyun pediu com as sobrancelhas franzidas e um leve bico de súplica. Bastava se sentir um pouco mal que a manha tomava conta de si completamente.

- Mas você desse jeito e com esse sol quente, não vai te fazer bem – Chanyeol ponderou, queria muito levar Baekhyun junto, inclusive tinha planejado outras coisas quando fossem comprar comida, mas com ele daquele jeito, definitivamente não tinha condições.

- Mas eu não estou doente – Baekhyun falou com a voz um pouco alterada. Simplesmente detestava quando as pessoas o tratavam dessa maneira.

- Mas vai ficar se não se cuidar – Chanyeol rebateu, já tinha sido instruído para ser linha dura com Baekhyun.

- Eu sei me cuidar – afirmou Baekhyun se sentando na cama para poder encarar Chanyeol de frente.

- Não sabe, não! – Chanyeol rebateu a afirmação de Baekhyun, sabia que ele não sabia se cuidar direito, também era por isso que estava lá.

- Quem é você pra dizer se sei ou não? Você não é ninguém pra dizer algo sobre mim. Você não me conhece... acha que sabe tudo sobre mim, mas na verdade não sabe praticamente nada! – Baekhyun falou sem pensar muito. Não gostava de ser tratado como uma criança, por isso sempre ficava irritado e acabava falando demais.

- É... realmente não sei nada mesmo! – mais uma vez, o jeito explosivo e estressado de Baekhyun frustrou Chanyeol, que respirou fundo, buscando se acalmar. – Tudo bem, eu vou te levar junto... agora se algo acontecer, se vire, ok?

- Ok! – Baekhyun aceitou aquela condição de Chanyeol, mesmo sabendo que não teria a menor possibilidade de aquilo dar certo, mas, como era muito cabeça dura e, principalmente, orgulhoso, foi daquele jeito mesmo.

 

Baekhyun seguiu na frente e não viu quando Chanyeol foi à sua necessaire e pegou sua bombinha mais um remédio extra.

 

- E ainda diz que pode se cuidar sozinho – ironizou enquanto seguia Baekhyun, que ao chegar no carro, bateu a porta com toda a força que pode. Se tinha uma coisa que irritava Chanyeol, era que batessem a porta com carro com força. – Hei! Esse menino... na tua casa tem geladeira? – gritou enfezado com a ousadia do outro.

- Tem... mas não é Audi, é uma Brastemp! – Baekhyun respondeu sarcasticamente.

 

Chanyeol não falou nada, apenas terminou de fechar as portas da casa, entrou no carro, acionou o portão da garagem e dirigiu à procura do mercado mais próximo.

Baekhyun por sua vez ainda estava ofegante. Sabia muito bem que tinha sido por sua causa, mas queria mostrar à Chanyeol que podia se cuidar sozinho, e por isso mesmo que não deixou transparecer seu estado, que não era lá dos melhores, mas, por sorte, o remédio já estava fazendo efeito.  

Enquanto isso, Chanyeol estava atento e a qualquer reação suspeita de Baekhyun, já teria os remédios em mãos para atendê-lo, caso precisasse.

 

 

O percurso até o mercado foi rápido e tranquilo, tirando o fato de que por onde passavam, chamavam a atenção de todos, tanto pela beleza do veículo, quanto do motorista e passageiro, que não estava com uma cara lá muito boa.

 

- Poderia ter escolhido um carro mais discreto, não acha? – Baekhyun questionou repentinamente.

- Oi? – Chanyeol não entendeu o sentido daquele questionamento do outro. – O que tem de errado com esse carro?

- Com o carro nada, mas acontece que todos estão olhando pra nós – chamar atenção era algo que Baekhyun não gostava.

- E daí? Se o povo olha é por que gosta e acha bonito... então não vejo nada demais nisso – Chanyeol deu de ombros voltando a atenção para a estrada.

- Mas não se esqueça que o feio e o ridículo também chamam atenção, sabichão – Baekhyun alfinetou.

- O que não se aplica a nós dois, certamente – e, mais uma vez, o Park rebateu a gracinha do menor com maestria.

- Tu gosta mesmo de chamar atenção, né? – Baekhyun olhou atravessado pra Chanyeol, que se divertia enquanto passava devagar pelas ruas e as pessoas olhavam.

- Não digo que gosto de chamar atenção, mas também não me incomoda que as pessoas me olhem – Chanyeol falou a verdade, afinal de contas, de tanto trabalhar como modelo, já estava acostumado a ter vários olhares direcionados a si. – Deixa esse povo olhar… é como eu te disse, se olham, é porque gostam do que estão vendo.

- Mais é muito metido, viu?! – Baekhyun revirou os olhos, balançando a cabeça em negativa pelo comportamento do outro.

- E você é um reclamão! – Chanyeol falou rindo em seguida. Era bom ter um diálogo com Baekhyun, mesmo que não fosse lá um diálogo muito normal, mas já era um grande avanço.

- Reclamão, eu? – Baekhyun questionou ofendido.

- Sim, você! – Chanyeol apontou para Baekhyun. – Poderia, pelo menos, me agradecer por ter trazido você nesse caríssimo esportivo de luxo, mas não, tem que reclamar! Será que não sabe reconhecer, valorizar e aproveitar as oportunidades maravilhosas que a vida te dá? Por acaso tu tem noção de quantas pessoas queriam estar no seu lugar?

- Espera! – Baekhyun abriu a janela, colocou a cabeça de fora, olhou para todos os lados depois voltou para dentro e olhou pra Chanyeol – Não vi ninguém dizendo que queria estar no meu lugar.

- Aish! Ranzinza! – bufou Chanyeol.

- Eu não sou ranzinza! – Baekhyun defendeu-se, cruzando os braços sobre o peito e fazendo bico.

- É sim! Só faz reclamar e reclamar, oush! Cara mal agradecido da poxa... A pessoa faz de tudo pra agradar, dá tudo do bom e do melhor e o outro parece que não percebe, só reclama – Chanyeol resmungou.

- Yah! Eu também não sou assim, tá? – Baekhyun falou quando percebeu que tinha realmente passado um pouco do limite.

- Não mesmo, é pior! Se eu soubesse que você ia reclamar tanto, eu tinha vindo com um chevet, não… Melhor… Um fusca, sabe qual é? Daqueles bem velhos? Que o motor faz um barulho desgraçado e que todo mundo ouve a um quilômetro de distância? E a pessoa ainda sai fedendo a gasolina? Acho que um desse o senhor gostaria, não é? – falava enquanto se preparava pra estacionar o veículo.

- Tão extremista e dramático – cantarolou Baekhyun, zombando do outro.

- Dramático, eu? Jamais, meu querido! – Chanyeol se defendeu. – Você que é um mal-agradecido, o que é muito diferente, ok?!

- Unhum! Sei... – o Byun falou, revirando os olhos.

- Sabe mesmo, só não admite por que o orgulho é imenso – Chanyeol reclamou.

- Só não é maior que suas orelhas – Baekhyun rebateu na hora.

- Aí que você se engana – Chanyeol sorriu, sacana – Existe algo bem maior que as orelhas.

- E o que seria? – questionou o menor, mas Chanyeol não respondeu, apenas olhou o Byun e riu.

 

Assim que estacionou no local reservado para esta finalidade, Chanyeol desceu junto com Baekhyun e entrou no estabelecimento, que não era tão grande, mas tinha o suficiente para o que pretendia comprar ali.

Chanyeol pegou um carrinho de compras e seguiu para o primeiro corredor, sendo seguido por Baekhyun, que, por sorte, estava menos ofegante, mas a todo instante pigarreava. Com uma pequena lista em mãos, Chanyeol ia pegando os produtos e colocando no carrinho, tudo sem deixar de observar Baekhyun, que quando viu o outro o observando tanto, protestou.

 

- Porque me olha tanto, hein? – Baekhyun questionou contrariado.

- Porque eu gosto de te olhar, não posso? – Chanyeol respondeu com uma pergunta, que veio acompanhada de um sorriso arteiro. Sabia que declarações como esta, deixavam Baekhyun vermelho de vergonha.

- Não! Não pode! – Baekhyun respondeu virando o rosto para o outro lado, não queria que Chanyeol o visse constrangido.

- Então fure meus olhos! – provocou Chanyeol.

- Boa ideia, quem sabe assim não me olha mais e me esquece – Baekhyun estreitou os olhos.

- Impossível! – Chanyeol respondeu, seguro. – Porque mesmo se eu ficar cego, seu rosto permanecerá eternamente em minha memória.

- Chanyeol, para que tá feio! – Baekhyun falou revirando os olhos. – Declarações românticas no supermercado é tipo… O cúmulo da inconveniência numa tentativa falha de romantismo! Como a pessoa consegue falar uma coisa dessa na sessão dos detergentes? – perguntou a si mesmo, num resmungo.

- Então quer que eu prepare um jantarzinho romântico pra nós dois? Assim seria mais apropriado para minhas declarações românticas, o que acha? – Chanyeol perguntou sorridente.

- Unhum! No dia que uma galinha falar, aí você faz esse jantar, ok?! – ironizou Baekhyun.

- Não seja por isso… quer que eu ligue pra Hyuna? É uma amiga minha, mas você só vai precisar falar com ela uma vez – Chanyeol falou enquanto tirava o celular do bolso. – Aquela ali só não é mais galinha, porque não tem penas, nem põe ovos.

- Ha, ha, ha… De tão engraçado que você é tô até chorando de rir, olha – sério, Baekhyun passou os dedos nos olhos como se limpasse as lágrimas imaginárias que caíam de seus olhos.

- Aish! Depois que chamo de ranzinza ele acha ruim – foi à vez de Chanyeol revirar os olhos.

 

Logo depois, Chanyeol voltou sua concentração para o que tinha de comprar, e assim que terminou, foi até a ala das guloseimas, e, sorridente, pegou vários pacotes de Doritos e colocou no carrinho. Praticamente todos os que estavam na prateleira.

 

- Pra que tantos Doritos, hein? – indagou Baekhyun, assustado com aquela quantidade. Deveria ter uns vinte ou mais.

- Pra comer, né?! – Chanyeol respondeu como se fosse a coisa mais óbvia do mundo. – A menos que você tenha outro uso para o Doritos.

- Que é pra comer eu sei, né, dââ! – Baekhyun fechou a mão e bateu na testa.

- Então se sabe por que pergunta, dââ?! – Chanyeol repetiu os gestos de Baekhyun.

- Perguntei por que acho muito pra uma pessoa só comer, entendeu? – explicou Baekhyun.

- Quem disse que eu vou comer só? – Chanyeol sorriu pra Baekhyun antes de continuar. – Aqui tem pra mim e pra você! – não poupava esforços em demonstrar o quanto queria agradar o mais novo.

- E quem te disse que eu gosto de comer Doritos? – Baekhyun questionou cruzando os braços.

- Você não gosta? – Chanyeol perguntou, visivelmente impressionado, e ficou ainda mais quando o viu afirmar. – Tipo... até hoje não conheci uma única pessoa que não goste de Doritos.

- Pra você ver como não sabe tudo sobre mim – com um sorriso radiante, Baekhyun comentou aquele fato como se fosse uma grande vitória sobre Chanyeol.

- Mas em momento algum eu disse que sei tudo sobre você – Chanyeol se defendeu calmamente. – Eu disse que sei muito sobre você, não que sei tudo… entenda, pequeno gafanhoto, existe uma linha tênue entre saber tudo e saber muito, entendeu? – piscou para o mais novo.

- Aish! Eu já disse que tu é muito metido? – Baekhyun questionou contrariado por ter “perdido” mais uma.

- Já! – Chanyeol respondeu sorridente.

 

Baekhyun ainda fez careta, tentando pensar em algo que afetasse Chanyeol, mas nada em que pensava parecia afetá-lo, muito pelo contrário, o divertia ainda mais, então, sem muito lutar, saiu de perto do outro, pisando forte. Decidiu que esperaria por ele no carro. Preferia ficar longe, mas tranquilo, do que perto de Chanyeol, e tendo raiva.

Ao longe, do lado de fora, Chanyeol podia ver a cara emburrada de Baekhyun, e isso só o deixava ainda mais adorável. A grande verdade era que Chanyeol estava, simplesmente, adorando cada minuto que passava perto daquele garoto estressadinho e briguento que, cada vez mais, ganhava seu coração, que já era dele há um bom tempo.

Ainda pegou uns três pacotes de latinhas de Coca-Cola, e finalmente foi passar as compras no caixa, de onde observava Baekhyun, e sempre que este olhava pra si, um sorriso brotava em seu rosto. Como poderia alguém ser tão lindo daquele jeito? Estava perdidamente apaixonado e não fazia a menor questão em esconder.

Com a ajuda de um dos encarregados do estabelecimento, Chanyeol colocou o que havia comprado no carro, já que Baekhyun se recusou a lhe ajudar.

 

- Ajuda é sempre bem-vinda, sabia?! – Chanyeol falou assim que entrou no carro. Estava claro que só queria brincar com Baekhyun.

- É mesmo? – Baekhyun perguntou irônico.

- É! – Chanyeol afirmou seguro.

- Então me ajude com seu silêncio que da próxima eu te ajudo com as compras, pode ser? – Baekhyun pediu rispidamente.

- Ok! – Chanyeol não escondeu sua frustração com aquela “cortada” que tinha acabado de levar, apenas queria interagir com Baekhyun, mas ao que tudo indicava, esse não era desejo dele, então, não mais insistiria. Somente ficou sério e se concentrou na estrada, inclusive estava mais rápido do que na ida.

 

Baekhyun notou a mudança no outro, porém, manteve-se impassível. No fundo se recriminou, porque estava mais do que claro que aquele era o jeito de Chanyeol, brincalhão por natureza, mas Baekhyun, no alto de seu gênio difícil, não deixou transparecer seu arrependimento, apenas deixou como estava. Por sorte o remédio estava fazendo efeito efetivamente, e já se sentia bem melhor, embora estivesse com sono, mas quanto a isso resolveria quando chegasse na casa, pois estava disposto a dormir, ou, pelo menos, tirar um cochilo básico.

 

 

Assim que Chanyeol estacionou o carro, Baekhyun desceu e seguiu direto para o quarto, onde apenas se jogou na cama e apagou segundos depois.

 

- Tão lindo, mas também tão bravo... – Chanyeol comentou consigo mesmo enquanto, da porta, observava Baekhyun, que dormia tranquilamente na cama. – Mas não se preocupe... domarei essa fera, ou não me chamo Park Chanyeol. Apenas espere, Baekhyun, e logo, logo, estará em meus braços... É uma promessa! – estava seguro de que conseguiria aquilo, mas para o momento não podia fazer nada, então se concentrou em dar uma geral na casa.

 

Sozinho, Chanyeol lavou os banheiros, limpou a sala, cozinha e também a área de serviços. Lavou a área externa, e colocou a piscina para encher, pois queria tomar banho no dia seguinte. Juntou algumas folhas caídas pelo chão e as colocou num saco de plástico.

Por fim, foi até o banheiro, queria tomar um banho urgente, pois estava bastante suado. Lembrou do quarto desativado, mas deste se encarregaria no dia seguinte, pois estava muito sujo e temia que, caso abrisse a porta, isso prejudicasse Baekhyun, que já não estava tão bem.

Entrou no banheiro e tirou as roupas, no box, girou o registro, e logo sentiu a água morna caindo por sobre seus ombros, lhe relaxando imediatamente. Depois de um dia tão intenso, era tudo o que mais precisava. Lavou seu corpo sem pressa, pegou uma toalha se enxugou, trocou de roupas ali mesmo e voltou para a cozinha, onde pegou um pacote de salgadinho e duas latinhas de Coca-Cola, para, por fim, ir até a televisão, onde sintonizou em um canal de filmes, e só então poder descansar como pretendia.

 

 

Estava frio, sentia um frio intenso lhe atacar, já estava encolhido, porém nada fazia aquele frio passar. Ainda sonolento, passou as mãos pela cama, tateando, tentando achar algo que lhe esquentasse, porém não achou nada, então abriu os olhos. Estava tudo escuro, e só de perceber isso, o medo tomou conta, então, mais do que depressa, procurou o abajur, ligando sua luz imediatamente. Respirou fundo quando pode enxergar todo o quarto.

Olhou para os lados e constatou, estava realmente sozinho ali, mas uma coisa lhe chamou a atenção, na verdade, uma risada que vinha da sala, e que certamente era de Chanyeol, já que ali só estavam eles dois. Ao ouvir Chanyeol rindo, foi inevitável não rir também, a risada do outro era muito engraçada e contagiante. Baekhyun ficou curioso para saber o porquê de o outro rir tanto, e movido pela curiosidade, foi até a sala e lá o encontrou sentado no sofá, com os pés sobre a pequena mesa de centro, em seu colo, um pacote de Doritos, e do lado, outro pacote já vazio e quatro latas de Coca-Cola também vazias.

Logo de cara ficou surpreso com a quantidade de refrigerante que o maior tinha bebido, mas preferiu não comentar, apenas passou direto para a cozinha, queria apenas beber água. Quando chegou onde queria, algo lhe fez paralisar, pois de onde estava, pode ouvir com perfeição o arroto que Chanyeol soltou da sala. E ficou chocado com a potência.

 

- CAVALO BATIZADO! – Baekhyun gritou da cozinha.

- OI? – indagou Chanyeol da sala – O QUE DISSE?

- Cavalo batizado! – Baekhyun repetiu assim que chegou à sala.

- Posso saber o motivo do elogio? – questionou Chanyeol, ainda sem entender o porquê daquilo.

- Esse arroto monstruoso – sim, Baekhyun estava chocado demais com aquilo.

- E o que tem meu arroto? – num claro sinal de dúvida, Chanyeol ergueu os braços.

- É nojento! – Baekhyun fez careta.

- Meu querido... depois de cinco latas de Coca-Cola, eu tinha que liberar o poltergeist que estava preso dentro de mim – explicou Chanyeol, sem entender aquela revolta do outro.

- Isso é nojento... é falta de educação fazer essas coisas, ainda mais desse jeito – Baekhyun ainda estava impressionado com aquilo. Se algum dia Chanyeol acreditou ter a imagem de um príncipe encantado, depois daquilo, era bom ele esquecer.

- Vê só, Baekhyun... estamos só eu e você nessa casa... acha mesmo que vou ficar ligando pra etiqueta? Fala sério! – Chanyeol falou assim que se levantou do sofá e recolheu a sujeira. – Antes que fale alguma coisa, saiba que sei me portar muito bem em qualquer ambiente, tá?! Tive aulas de etiqueta, inclusive, mas eu tô longe de todo mundo, tô aqui pra relaxar e depois de beber essa quantidade enorme de Coca, acha mesmo que eu ia seguir regras de etiqueta pra soltar um arroto? – parou em frente a Baekhyun. – Não mesmo, viu?!

- Por isso que eu disse que você é um cavalo – Baekhyun afirmou revirando os olhos.

- Se está tentando me ofender me chamando de cavalo… saiba que um dos meus apelidos é, justamente, cavalo – Chanyeol piscou pra Baekhyun se seguiu para a cozinha.

- Por causa do arroto? – indagou Baekhyun, inocentemente.

- Não! – respondeu Chanyeol.

- E é por causa do que, então? – Baekhyun estava curioso para saber o motivo daquele apelido do outro. Chanyeol ainda abriu a boca para responder, mas se calou e deixou uma risada alta escapar.

 

- Um dia você saberá – foi a única coisa que falou ao Byun antes de jogar tudo no lixo e seguir para o banheiro, deixando Baekhyun confuso.

 

Baekhyun ficou na cozinha preparando algo para comer enquanto Chanyeol estava no banheiro. Logo depois o viu entrando no cômodo e deixando o remédio para que tomasse e então depois saiu de novo, deixando Baekhyun mais uma vez sozinho.

O mais novo preparou um sanduíche rápido para comer, não estava com muita fome, ainda estava com bastante sono por conta do remédio, por isso, comeu rapidamente, deixou o que sujou sobre a pia. Tomou seu remédio e foi até o quarto, onde encontrou Chanyeol só de cueca box preta, fato que lhe fez perder a respiração por alguns segundos, enquanto, paralisado, olhava o outro, que notou sua presença, mas agiu naturalmente.

 

- O que foi? – questionou Chanyeol.

- O que você tá fazendo aqui? – depois de um tempo, Baekhyun voltou a reagir.

- Vou dormir, oras! – Baekhyun respondeu o óbvio.

- Na minha cama? – Baekhyun tinha os olhos arregalados.

- Unhum! – Chanyeol confirmou aquilo, colocando os braços atrás da cabeça.

- Não mesmo! – Baekhyun protestou.

- Não mesmo uma ova! – Chanyeol cortou o que quer que Baekhyun pretendesse falar – O outro quarto não tem a mínima condição de abrigar ninguém, e o aquecedor da sala não funciona direito. Não sei se você não percebeu, mas a noite faz um frio monstro... sem contar que o sofá é pequeno e não é confortável.

- Então vou ter que dormir na mesma cama que você? – Baekhyun queria apenas uma confirmação.

- Qual o problema?

- TODOS! – Baekhyun respondeu abrindo os braços.

- Sinto te informar, filhinho, mas eu vou dormir nessa cama sim! – Chanyeol respondeu sério. Podia sim, fazer muita coisa por Baekhyun, mas aquilo já era abuso. – Se não quiser dividir a cama comigo, vá você dormir na sala… Ah... E só pra te deixar ciente de uma coisa... Eu só durmo de cueca, espero que não se incomode, tá?! – Chanyeol sorriu pra Baekhyun e se ajeitou na cama, ficando de costas para o menor, que apenas lhe olhava chocado.

 

CONTINUA...


Notas Finais


É... não rolou beijo!! Hahahahaha
Mas e esse final? Será que alguém vai dormir no sofá?? Eu certamente não iria!! XD
E assim se acaba mais um capítulo de "Eu sei que você me ama"... E pra quem achou ruim o fato de não ter rolado beijo, deixa de drama, porque EU SEI QUE VOCÊ ME AMA do mesmo jeito!! U_U

E foi isso, gente. Gostaram?
O que cês acham que vai acontecer no próximo?
Por falar nele, será att será dia 1 de novembro.
Também quero agradecer todos os comentários e favoritos novos.
Vocês são foda!! <333

Vejo vocês lá?

Yehet!! o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...