História Eu Sei Que Você Me Ama - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Lay, Suho
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol
Exibições 280
Palavras 4.213
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello ~
Atrasado, mas cá estou eu. o/
Bok, gata, como eu tinha dito que faria, terminei agora e aqui está... é teu! <3

E à todos vocês, boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Eu Sei Que Você Me Ama - Capítulo 6 - Capítulo 6

Eu Sei Que Você Me Ama! – Capítulo VI

 

��

 

Baekhyun ainda se mantinha um pouco reticente quanto à proposta de Chanyeol, pois sempre foi muito desconfiado com qualquer pessoa que tentasse alguma aproximação, ainda mais com tão “boas intenções”, como era o caso do grandão. E justamente por ser desconfiado até demais, o Byun demorava um certo tempo para que as pessoas conquistassem sua confiança.

Contudo, um fato, inquestionável, diga-se de passagem, ele precisava levar em consideração...

Conhecendo a mãe que tinha, Chanyeol não iria dedurá-lo para Yejin, pois se o fizesse, Baekhyun certamente sofreria pelo que fez, mas Chanyeol sofreria ainda mais por ter permitido que tal coisa acontecesse. Então, sim! Naquele momento, a palavra do Park funcionava como uma garantia, a garantia de que, se um abrisse a boca, os dois sofreriam. O silêncio era justamente a alma do negócio... daquele negócio, afinal de contas, o que acontece em Vegas, fica em Vegas. E sim! Ali poderia ser apenas uma casa de campo, mas nem por isso, tudo era menos empolgante ou menos emocionante.

 

- Certo, esse é o nosso trato, Baekhyun, e eu te prometo que da minha boca, sua mãe jamais saberá de nada que venha a acontecer aqui – afirmou Chanyeol, passando toda segurança e verdade possível naquela frase, mas nem por isso, deixou de mostrar seu melhor e maior sorriso... aquele que fazia o menor olhar por tempo além do normal.

- Ok! – Baekhyun concordou antes de sorrir, afinal de contas, o sorriso do Park era contagiante.

 

��

 

O Byun estava que não cabia em si. Era difícil conter a euforia crescente dentro de seu peito. Para muitos, aquilo poderia ser uma grande besteira, mas para Baekhyun, aquilo tudo tinha um significado muito, muito grande. Significava que estava rompendo barreiras que antes só sonhava em transpor, mas que naquele momento lhe pareciam tão pequenas e insignificantes graças a Park Chanyeol.

 

- E então... O que você quer fazer em seus primeiros minutos de liberdade? – Chanyeol se sentia feliz por saber que aquela euforia, quase palpável, era tudo graças a si. Sentia-se retomando o controle da situação.

- Pra início... quero mais uma lata de Coca, precisamos brindar! O resto a gente vê depois, porque tempo temos de sobra – Baekhyun respondeu e de imediato levantou na intenção de correr para a cozinha, a fim de pegar mais uma lata, porém não calculou apropriadamente a distância entre seu pé e a pequena mesa de centro e terminou que bateu o dedo mindinho na quina da mesa. – PORRA! – gritou antes de cair no chão, choramingando de dor.

- O que foi, Baekhyun? – preocupado, Chanyeol foi até o outro, que estava caído no chão.

- Bati o dedinho na mesa! – Baekhyun respondeu fazendo bico. – Desculpa, falei palavrão! – aquilo era automático, pois fora condicionado a sempre pedir desculpas quando fazia algo que sua mãe considerava errado. E dizer um palavrão era quase como conjurar um cruciatus.

- Não se desculpe por isso, Baekhyun... Você está livre, esqueceu? – Chanyeol comentou, rindo de leve. – E falar palavrão nessas horas sempre ajuda a aliviar a dor.

- Pior que é verdade – Baekhyun concordou sorrindo fraquinho, mas sem deixar de massagear o dedindo, que estava bem vermelho por conta da pancada.

- Fica aí que vou pegar mais refri pra gente – o Park informou, se levantando.

 

Enquanto o maior seguia até a cozinha, Baekhyun, mesmo sentindo o dedo doer, não conseguia deixar de sorrir. Aos poucos notava que Chanyeol era legal de verdade, não era uma farsa, como ele acreditava tão fervorosamente. Outra coisa que notou também, mas essa não admitiria em voz alta, era que o sorriso do Park era lindo e que ele ficava ainda mais bonito quando sorria.

 

- Tá aqui – entregou mais uma latinha para o Byun e voltou a sentar do seu lado. O dorama já tinha sido pausado, e pelo visto, não voltariam a assisti-lo, pelo menos não naquela noite. – E então... já que falar palavrões alivia, quer falar mais palavrões? – questionou com um sorriso arteiro e grande nos lábios. – Pra ficar mais emocionante ainda, faz de conta que a Yejin tá ali, naquela pilastra, e você vai falar tudo isso pra provocar ela, mas ela não vai fazer nada contra você, porque ela tá toda amarrada e amordaçada.

- Que horror! – exclamou o menor, horrorizado. E nem foi pela proposta, mas foi por imaginá-la naquela situação.

 

Baekhyun mordeu o lábio inferior, uma mania que tinha quando ficava na dúvida entre fazer algo ou não fazer. Olhou para Chanyeol, que o olhava com expectativa e aquele sorriso enorme no rosto. “O que acontece em Vegas, fica em Vegas”, foi o que pensou antes de se sentar na posição de índio e respirar fundo.

 

- E então? – Chanyeol voltou a falar, tentando encorajar o menor. – Vamos fazer o seguinte, eu digo um palavrão e você diz outro, pode ser? O primeiro que ficar sem palavrões na lista, vai pegar mais Coca e limpar toda essa bagunça.

- Fechado! – Baekhyun apenas concordou, sorrindo largamente. A animação de Chanyeol o estava contagiando. Chanyeol o estava contagiando, e isso era estranho, mas um estranho bom.

- Eu começo... – Chanyeol anunciou, dando um gole antes de falar. – Porra!

- Caralho! – Baekhyun falou logo depois.

- Buceta! – o maior rebateu.

- Rola! – o Byun praticamente gritou, gargalhando logo em seguida.

- Pau! – Chanyeol falou logo em seguida, no mesmo tom que o Byun.

- Cu! – exclamou o Byun, mais uma vez.

- Merda! – o Park mal dava tempo de o menor pensar, logo mandava outro.

- ARROMBADO DO CARALHO! – Baekhyun gritou com força, assustando o maior.

- Wow! Esse foi pesado, Baekhyunnie! – Chanyeol se surpreendeu, gargalhando muito em seguida. Ver o menor mais solto era tão bom...

- É que eu sempre quis chamar um certo alguém de arrombado do caralho, sabe?! – confessou o menor. – Na verdade, sempre quis chamar uns alguéns de algumas coisas, mas eu nunca pude por quê você sabe, né?! – nem precisava dizer que não fazia nada daquilo por causa da mãe.

- Então aproveita e arregaça logo essa buceta! – Chanyeol exclamou, abrindo os braços. – Quem foram os filhos da puta que te fizeram mal? Bota pra fuder nesse bando de pau no cu, Baekhyunnie – deu seu último incentivo, e logo soube que acertou pela primeira vez quando o menor abriu o maior e mais lindo sorriso que já tinha visto na vida.

 

Era incrível como o nariz bem afilado do Byun ficava um pouco achatadinho quando sorria, como acontecia naquele momento. Os lábios finos serviam como uma moldura perfeita para aqueles dentinhos pontudos e perfeitamente brancos, enquanto os olhos tão vívidos e brilhantes praticamente sumiam por detrás das pálpebras. Baekhyun era todo lindo.

 

- Ah! Não sei por quem começar! – Baekhyun não conseguia pensar em uma primeira pessoa em quem pudesse direcionar seu ódio.

- Já sei! – mais uma vez, Chanyeol e suas ideias maravilhosas. Pegou o notebook no colo e abriu o navegador, logo colocando na página da rede social, entregando para o Byun. – Entra aqui. Você vai procurar cada um de seus desafetos e falar na “cara”.

 

Mais do que depressa, Baekhyun concordou. Pegou o aparelho, colocou no colo e fez longin. E nem precisou procurar, pois, de cara, viu o primeiro... Luhan.

 

- Bonito... – Chanyeol falou após analisar a foto chinês. Queria completar a frase com um “não mais do que você”, mas sabia que não podia... não ainda.

- Realmente, mas o que ele tem de bonito, tem de ordinário! – Baekhyun iniciou seu relato. Sentia uma euforia enorme tomar conta de si e simplesmente não conseguia mais parar de falar – Esse arrombado, pau no cu, tomou meu namorado, tu acredita nisso? – questionou como se aquilo fosse um dos maiores absurdos do mundo... e era. – Se bem que aquele filho da puta do Sehun não valia uma gota da porra que produzia – divagou consigo mesmo, arrancando alguns risos do maior. – E sabe o que foi pior nisso tudo? Esse viado do Luhan ainda queria pagar de santinho na frente dos outros! Para o colégio inteiro, Luhan era quase um santo, mas a verdade é que ele não valia porra nenhuma. Ele pensa que ninguém sabe, mas ele só passou em educação física, porque fez um oral no professor, eu digo isso por que eu vi ele de joelhos, no depósito da quadra, com a boca no pau do professor Choi... tá que o professor é gato para o caralho, mas mesmo assim, pow! Chupar o cara pra ganhar nota é o cúmulo da putisse! – exclamou por fim, revoltadíssimo.

 

Chanyeol apenas assistia o relato do menor, rindo loucamente do modo como ele falava, mas não deixava de reparar em seus trejeitos. No modo como as sobrancelhas franziam quando falava algum xingamento, ou quando fazia alguns biquinhos, enquanto gesticulava amplamente. Sentia-se sortudo por ver tudo aquilo tão de perto.

 

- Isso sem falar naquela prima, que é tão ordinária quanto ele. AHHH!! Ódio mortal eu tenho daquela vaca lazarenta desgraçada do caralho voador de asas brancas! – apenas despejava tudo sem nem dar tempo pra respirar. Era muita coisa guardada. – Acredita que ela implicava comigo? Aquela rapariga sebosa dizia que eu era certinho demais pra ser verdade, agora não tenho culpa se aquela vadia dava aquele tabaco pra todo mundo... Não era porque ela e o primo eram viciados em coisas roliças e grossas que eu também seria. Mas como aquela quenga também pagava de boa moça, aquele poço de merda do Sehun acreditou nela – Baekhyun apontou para o lado, como se ela estivesse ali. – Velho... que vontade eu tive de mandar aquele bando de filho da puta tomar no cu, mas é aquela coisa, quem gosta de tomar no cu, quando você manda, agradece e vai, então assim... – ergueu os braços e deu de ombros.

 

Chanyeol já estava rindo a partir do arrombado, e quanto mais Baekhyun falava, mais o Park ria. Por sorte estavam sentados no chão, caso contrário cairia do chão, onde estava deitado naquele instante, se contorcendo de tanto rir, sentindo as lágrimas descendo por seu rosto.

 

- Ah! E ainda tinha minha professora de história geral... que cabelo horrível do caralho! Parecia uma buceta de égua branca – e Baekhyun continuava seu desabafo extremamente cômico, soltando todos os xingamentos possíveis e imagináveis sem nem se incomodar com o Park dando tapas e mais tapas no chão. – Sério! Era uma coisa tão tosca, aquele lascão que ela tinha no meio testa, eu via a hora o potro sair dali de dentro – se sentia extremamente bem e o principal... livre.

 

Baekhyun se sentia bem por falar aquelas coisas e não receber sequer um olhar de repreensão por parte do maior. Muito pelo contrário do que deveria fazer, o maior apenas lhe incentivava a continuar e às vezes também xingava, soltando um “puta safada” ou exclamações simples, como, por exemplo “que rapariga!”.

 

- Vai falando que eu trago uma lata pra você – Chanyeol falou antes de ir até cozinha pegar mais uma latinha, já que a que Baekhyun estava, logo acabaria.

 

��

 

Chanyeol estava feliz... muito feliz.

Sentia que a distância que antes existia entre eles, já tinha diminuído bastante, e aquilo era muito bom. Chanyeol bem sabia o quanto Baekhyun sofria nas mãos de Yejin, pois o menor sempre foi muito reprimido por ter a saúde frágil. Cresceu tendo mais “Não” do que “Sim” como resposta aos seus pedidos, e queria, de alguma maneira ajudá-lo, e foi justamente pensando nisso que fez aquela proposta. Mas ele ficaria de olho, pois não poderia relaxar muito com a saúde de Baekhyun, caso contrário, sua cabeça rolaria.

 

��

 

Chanyeol foi até a cozinha, pegou mais duas latinhas na geladeira, na volta, encontrou Baekhyun devidamente sentado com a vasilha cheia de Doritos no colo. O Byun podia não saber, mas ele conseguia ser provocante até quando não queria. Uma coisa era qualquer mero mortal comendo Doritos, outra, completamente diferente, era Byun Baekhyun que, vez ou outra, levava a ponta do dedo sujo aos lábios, naturalmente avermelhados, chupando até deixar tudo limpo. Era errado imaginar aquela boquinha linda a lhe chupar o pênis? Era! Mas Chanyeol conseguia evitar? Não!

Balançando a cabeça na tentativa de tirar aqueles pensamentos de sua cabeça, entregou a latinha já aberta ao Byun, sentou ao seu lado e voltou a assistir o drama. Vez ou outra, as mãos se encontravam enquanto iam até a vasilha pegar mais um dos triângulos salgados. No início até houve um certo constrangimento por parte dos dois, mas depois da quarta vez, Baekhyun simplesmente implicava com o maior, tirando a mão alheia da vasilha para poder pegar mais. O Park até tentava reclamar, mas como resistir àquele sorriso arteiro, retangular e repleto de dentinhos pontudos e brancos?

E tudo estava na paz até o momento em que Chanyeol notou que Baekhyun tinha no rosto uma expressão estranha, e ainda dava algumas batidinhas no peito com a mão fechada. Parecia passar mal. De imediato pensou que o menor estivesse engasgado e logo se alarmou, pois faltou às aulas de primeiros socorros na época do colégio.

 

- O que foi, Baekhyun, tá se sentindo mal? Tá engasgado? – Chanyeol questionou e o viu balançar a cabeça em negativa. – Tá com vontade de vomitar? – já estava ficando preocupado, pois Baekhyun continuava com aquela expressão estranha. – O que foi, Baekhyun, me diz! O que você tem? – questionou, mais alarmado ainda.

 

E antes que tomasse qualquer atitude ante àquela situação, leia-se olhar para os céus, levantar os braços e pedir clemência, a resposta veio em forma de arroto. Sim! Um fraco, rápido e singelo arroto, o que fez Chanyeol rir bastante, pois a cara de realização de Baekhyun era incrível, e sua risada ao final era melhor ainda.

 

- Aigo! Não acredito que tu fez esse espanto todo por causa de um arrotinho fuleiro desses? – desdenhou o Park.

- Tá querendo comparar, é? – questionou Baekhyun, ainda rindo bastante. – Ao contrário de você, que é um cavalo batizado puro sangue, eu nunca tive liberdade pra fazer esse tipo de coisa em casa – defendeu-se. – Sou apenas um mero iniciante no mundo das porquices, enquanto você já é soberano.

- Yah! Também não é assim, tá?! Não me ofende – Chanyeol se defendeu, empurrando o menor com os ombros.

- Eu tô começando agora, Chanyeol, tu já é profissional! Não tem como comparar nós dois – Baekhyun não notou, mas depois daquela frase, o sorriso no rosto do Park foi enorme e iluminado.

 

Aquela era a primeira vez que o menor se referia a si com tanta intimidade e naturalidade, e aquilo lhe pareceu tão certo... tão bom. Chanyeol sentiu o coração acelerar um pouco, mas sabia que não podia apressar as coisas entre eles.

 

- Baekhyun... quer que eu te ensine a arrotar? – Chanyeol indagou repentinamente. Preferiu deixar sua felicidade e o motivo dela de lado, pois não queria que o Byun recuasse mais nem um passo.

- É o que? – Baekhyun riu alto daquela proposta. Chanyeol não cansava de surpreendê-lo, e de alguma maneira, aquilo era bom. Chanyeol era incomum demais, e de maneira alguma aquilo era negativo.

- Qual é, Baekhyun, se é pra fazer, que faça a coisa direito, como se deve realmente fazer, entendeu?! Se você quer arrotar, tem que arrotar como macho de verdade, não soltar esse arrotinho de mocinha virgem, recatada e do lar que você soltou agora – Chanyeol desdenhou de Baekhyun.

- Arrotar como macho de verdade? – ainda rindo, Baekhyun repetiu as palavras do outro. – Sério isso?!

- É! – afirmou Chanyeol, com um sorriso tão grande quanto. – Tem que ser viril, entende?! Honrar o pau que você tem no meio das pernas!

- Então me mostra como se faz, Óh! Senhor Macho Alfa da melhor linhagem... Rei do Arroto viril – Baekhyun pediu, erguendo os braços numa falsa “adoração”.

- É o seguinte, pequeno gafanhoto. Primeiro de tudo, respire fundo, certo?! Pra arrotar bem, é preciso ter um diafragma bem treinado. Depois disso, beba o máximo de refri que conseguir... e então espere. Um dos grandes segredos na sublime arte do arroto está nessa parte, você precisa esperar a alquimia acontecer nas entranhas, saca?! Daí, quando você sentir que o bicho quer ser liberto, o... – Chanyeol falou indicando, com a mão, o trajeto do gás da bebida faria do estômago à boca.

- O Poltergeist? – todo risonho, Baekhyun completou a frase.

- Isso! – apontou para Baekhyun com o indicador, rindo alto em seguida. – Quando você sentir que ele quer se libertar, simplesmente abra a boca e deixe sair, entendeu?! Não reprima, deixe que ele faz todo o resto... Se preferir, ainda pode forçar um pouco que aí a coisa fica mais emocionante ainda! Mas tem que ter cuidado, senão você vai acabar golfando!

 

Olhou o menor, que após fazer careta de novo, assentiu, mostrando que tinha entendido tudo perfeitamente, antes de respirar fundo e soltar o ar pelos pulmões.

 

- Eu realmente não acredito que vou fazer uma coisa dessas, mas tudo bem – Baekhyun falou consigo mesmo, tentando não pensar no quão constrangedora e absurda era aquela situação, mas já que estava na chuva...

- Vai, Baekhyun! – Chanyeol incentivou o mais novo com algumas batidinhas nas costas.

 

Baekhyun abriu outra lata de refrigerante, respirou fundo, e fez como Chanyeol o havia instruído. Bebeu o máximo que conseguiu de uma vez só, fez careta ao final do ato, esperou um pouco até sentir a pressão do gás da bebida, deu mais algumas batidinhas no peito, e deixou o gás sair, fazendo aquele som característico do arroto soar pela sala.

O arroto durou aproximadamente quatro segundos, e ao final dele, tanto Baekhyun quanto Chanyeol caíram um para cada lado no chão, enquanto riam descontroladamente.

 

- Olha ai! Tá aprendendo a arrotar feito um macho de verdade... Bate! – Chanyeol falou erguendo a mão pra Baekhyun, que logo bateu na mão do mais velho, entrelaçando os dedos e foi então que ele percebeu como a mão do Park era tão maior que a sua, e também percebeu como elas se encaixavam tão bem...

 

A partir de que momento passou a se dar tão bem com Chanyeol? A partir de que momento estavam tão íntimos? A partir de que momento filho da puta seu coração tinha começado a acelerar só pelo fato de estar tão próximo ao Park e de mãos dadas com ele? Espera... porque ainda estavam de mãos dadas?

 

- Er... Vou tentar mais uma vez – Baekhyun desconversou, soltando a mão do maior e bebendo mais um pouco do líquido preto, na tentativa de esquecer aquele momento, no mínimo estranho.

- Baekhyunnie, cê já brincou de verdade ou consequência?

- Tais querendo brincar disso não, né? – Baekhyun sabia que sim, mas ainda tinha esperanças de que não. Definitivamente, Park Chanyeol tinha a incrível capacidade de lhe surpreender.

- Qual o problema? – questionou, já voltando para a sala com as latinhas em mãos.

- Como assim, qual o problema, Park Chanyeol? – o Byun replicou a pergunta, como se aquilo fosse um absurdo sem precedentes. – Isso é tão coisa de ensino médio... – fez cara de nojinho.

- Unhum... tu terminou o ensino médio tem nem seis meses, então não paga de universitário que tu ainda tá fazendo cursinho de línguas e teu curso só começa no ano que vem – Chanyeol rebateu, sarcástico.

- E como que tu sabe disso? – Baekhyun se assustou com aquela informação. Apenas seus pais, Kyungsoo e Yixing sabiam daquele fato.

- Vai querer jogar verdade ou consequência ou não? – Chanyeol tentou desviar o assunto.

- Ok, eu começo – Baekhyun determinou. – Qual cê quer?

- Verdade! – o Park respondeu, entregando a latinha ao menor.

- Como sabe tanto sobre a minha vida? – questionou de cara, antes de abrir a latinha.

- Tenho meus informantes – Chanyeol respondeu, sorridente.

- E quem são? – o Byun questionou de novo.

- Uma pergunta por vez, e agora é a minha, pequeno gafanhoto – informou, piscando para o Byun. – Você perdeu a virgindade com esse tal de Sehun?

- Como que tu faz pergunta se não sabe o que eu ia escolher? – Baekhyun colocou as mãos na cintura ao perguntar.

- Você tem medo das consequências – o maior respondeu com convicção, e, por desaforo, ainda mandou uma piscadela pra o outro, que apenas revirou os olhos, bufando em seguida.

- Foi! – Baekhyun admitiu. – Eu perdi a virgindade com ele.

- Tiveram outros caras depois dele? – Chanyeol não conseguiu conter a pergunta.

- Uma pergunta por vez, e agora é a minha, gafanhoto gigante – o Byun informou em seu melhor tom irônico, gargalhando com vontade quando o maior protestou. – Verdade ou consequência?

- Verdade, sempre! – resolveu abrir a própria latinha, que já estava começando a pingar no chão, de dão gelada que estava.

- Se você já teve algum namorado, ou namorados, poderia falar sobre ele ou eles? – Baekhyun perguntou, sorrindo vitorioso por sua pergunta tão ampla. – Tá ligado que não pode apenas dizer que sim, não é? A resposta tem que ser ampla – apontou para o maior, que apenas deu um tapa fraco em sua mão.

- Porque eu já me arrependi de ter começado essa merda? – perguntou a si mesmo.

- Se fudeu, playboy! – o menor zombou.

- Hey! Desde quando tu ficou tão escrotinho assim? – Chanyeol questionou numa falsa revolta.

- Desde que você me deu essa liberdade pra fazer coisas que nunca fiz antes – Baekhyun respondeu antes de tomar um longo gole do refrigerante.

- Saiba que com essa liberdade toda, você também pode ficar nu, tá?! – Chanyeol piscou antes de fazer o mesmo. – Juro como não vou reclamar disso... nem em um milhão de anos!

- Unhum... Nos teus pensamentos, quem sabe – o menor rebateu. Já não ficava tão intimidado nem tão tímido perto de Chanyeol. Na verdade, sentia os olhares predadores do maior em sua direção e não estava achando ruim aquilo, mas a brincadeira estava ficando boa.

- Ah! Nos meus pensamentos ficar nu é o de menos, perto do que eu já pensei – Chanyeol não perdeu a pose. Amava aquele joguinho do menor, e estava adorando jogá-lo.

- Posso saber o que tem pensado comigo? – questionou, desconfiado.

- A pergunta era se eu já tive algum namorado e se posso falar dele, nem tente me ludibriar, pequeno gafanhoto – Chanyeol falou e deu um peteleco leve na testa do menor. – Mas sim! Eu não sei se você notou, mas eu sou gay, e já tive um namorado chamado Jongdae, namoramos por dois anos, mas... uns seis meses atrás ele simplesmente acabou comigo, sem me dar qualquer explicação – terminou a resposta e respirou fundo.

 

A verdade era que falar de Jongdae ainda doía em Chanyeol, pois ainda não conseguia entender as razões dele para que tivesse feito aquilo consigo. Vendo a mudança do maior, Baekhyun se deu conta da cagada estratosférica que tinha dado; ainda pensou em dizer algo que pudesse consolá-lo, mas quando abriu a boca, no lugar de palavras de consolo saiu um longo e sonoro arroto, mais cavalar, inclusive, que os do maior.

 

- PUTA QUE PARIU, BAEKHYUN! – exclamou antes de se jogar no chão e gargalhar, deixando o menor envergonhado, pois nem ele mesmo acreditava no que tinha acabado de “produzir”.

 

Mas por outro lado, Baekhyun se sentiu extremamente bem por não ver mais aquela tristeza momentânea no rosto de Chanyeol. Viu, naquele pouco tempo, que ele era muito mais bonito sorrindo do que sério ou triste. Viu que mesmo com seu ego amplamente inflado, ainda existia ali um menino sapeca... e era bom conhecer aquele outro lado dele, não negaria jamais, só não admitiria.

 

– Que arroto do caralho foi esse? Puta merda, me superou! – ditou ainda deitado.

- O aluno sabe que obteve sucesso pleno quando supera seu mestre – Baekhyun falou todo pomposo, enquanto era aplaudido pelo maior.

- Pois, só por causa disso, vou pegar mais coca e vamos fazer um duelo de titãs – Chanyeol determinou, já se colocando de pé.

 

E naquela atividade, se é que isso pode ser chamado de atividade, ficaram até que suas respectivas latinhas acabassem. Como o esperado, a continuação do dorama ficaria para o dia seguinte, quem sabe, já que Baekhyun queria usar de sua tão sonhada liberdade para fazer algo que nunca lhe fora permitido... tomar banho de piscina à noite.

De início Chanyeol não queria deixar, mas bastou o Byun fazer um charminho que logo recebeu carta branca, mas com a promessa de que o banho duraria, no máximo, uma hora, pois já estava ficando tarde. Claro que Baekhyun topou de cara, e por aquele motivo, correu até o quarto, procurando em sua bolsa a sunga. Pegou a primeira que encontrou e correu para o banheiro.

 

��

 

Na sala, Chanyeol terminava de limpar toda a bagunça feita por eles quando viu o menor passar por si trajando apenas uma sunga preta... foi impossível não olhar. Era tremendamente impossível não reparar em todos os detalhes possíveis naquele momento. A pele era clarinha e com algumas pintinhas, pelos corporais eram poucos. A cintura era um pouco fininha, o quadril um pouco largo. O bumbum, redondo e durinho, as coxas... uma perdição. A sunga era tão apertada que Chanyeol podia ver até mesmo a forma como as bolas do Byun estavam perfeitamente acomodadas bem abaixo de seu membro, que estava lindo, apontando para cima, do mesmo jeito que os nadadores fazem.

Definitivamente, Byun Baekhyun era a perdição de Park Chanyeol.

 

CONTINUA...


Notas Finais


Façam suas apostas, porque é a partir de agora que o jogo começa!
E aí, amores meus, gostaram? O cap atrasou pelo simples fato de que eu travei... simples assim, mas aqui está ele.
Não se preocupem que o próximo tá na metade, então vai ser mais fácil terminar, mas, por conta da correria que é final de ano, não vou dar data pra postar, ok?!

Também quero agradecer a todos que têm comentado, isso tudo me dá força pra escrever mais e mais. E também dizer que estou muito feliz pelos 244 favoritos. Cês são umas belezura!!
E agradeçam a Bok, porque se não fosse por ela, era bem capaz de essa att só sair em 2017! Kkkkkkk

Ah... Acredito que mais 4 caps e a fic acaba.
Sim, é triste, eu sei, mas depois dessa tem outra, fiquem tranquilos que tem mais ChanBaek vindo pela frente! o/
Caso queiram falar comigo, perguntar sobre as próximas att, ou até mesmo pedir spoiler... @Mr_DyoKim
Vejo vocês lá?

Yehet!! o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...