História Eu sou você, e você é eu? AN?! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Doce, Amor Doce Castiel, Cassy, Castiel, Ruivo, Tomate, Troca De Corpo
Exibições 182
Palavras 1.140
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura!!

Capítulo 1 - Puta merda.


- CASTIEEL! - gritei morrendo de raiva indo ate a varanda olhando pra sua calçada. - VOCÊ ME PAGA!

O filha da rapariga me mandou um beijo no ar rindo, e logo ligou sua moto sumindo da minha vista.

Que filho da puta!

Entrei em casa vermelha de raiva.

- Aquele desgraçado! - resmunguei enquanto limpava os desenhos ridículos que aquele ser fez em mim enquanto eu dormia.

Fala sério, qual pessoa de 17 anos desenha um pinto na cara da outra?! É um infantil mesmo.

Mais vai ter volta, e eu vou devolver agora!

Troquei de roupas pois tinha acabado de acordar. Fui até o armário pegando uns aperitivos pra cachorros. 

Saí de casa, pulando a cerca que ficava entre a minha casa e a dele.

Assim que entrei no seu quintal, o Dragon veio pra cima de mim rosnando, joguei o aperitivo pra ele que logo focou sua atenção na comida.

O tomate tem que melhorar a segurança aqui.

Destranquei a porta dos fundos com a cópia da chave que eu fiz da dele quando roubei a original, e entrei no cômodo.

- Que merda de sujeira é essa? - perguntei sozinha apertando o nariz tentando abafa o mal cheiro que eu sentia daquela casa.

A quanto tempo aquele ser não dá uma faxina aqui?

Inguinorei a bagunça da cozinha e fui direto a sala achando o que eu queria em cima do sofá.

A guitarra.

Peguei uma tesoura que surgiu de Nárnia e rapidamente cortei as cordas de sua guitarra.

Nem pense que estou pegando pesado, aquela praga já me fez bem pior.

Saí dali rindo, queria ver a reação dele ao ver as cordas de sua preciosa guitarra.

Corri até meu banheiro pra tomar um Banho rápido. Por causa daquele imbecil eu estou atrasada.

(...)

- Pode falar... Foi com quem a noite? - perguntou a Rosa assim que cheguei na escola ofegante.

- Oi? - perguntei desentendida.

- Roupa amassada, cabelo bagunçado.. - sorriu maliciosa.

- Ata. - bufei. - Isso se chama, Castiel Collins! - bufei novamente.

- Oh My Gody! Então vocês finalmente admitiram que se ama e dormiram juntos?! - fiz uma careta.

- Dormi com aquela praga? Que nojo, nem fodendo!

- Então por que você está desarrumada?

- por que aquele infeliz me fez perder tempo com suas gracinhas! 

- Ah... - revirou os olhos. - Vocês continuam com isso?

- Ele que me provoca, Rosalya! - cruzei os braços indignada.

- Pois eu ainda acho que vocês se amam! - Eu a olhei mortalmente.

- Tão jovem e já que morrer Rosa?

- Tá bom, tá bom! Retiro o que Disse! -riu. - Vamos, a terceira aula ja vai começar!

Fui pra sala junto com ela, ainda bem que ele não estuda aqui. Se é que ele estuda né.

(...)

Tava voltando da escola tranquilamente... Mentira, tava com um sorriso cínico no rosto. Pois sabia que o trouxa ja estaria me esperando pra tirar satisfações.

E meu sorriso so aumentou após o ver em frente sua casa com a guitarra em mãos e uma expressão de dar medo, se eu tivesse medo. Claro.

- Você. - ele veio ate mim pisando fortemente. - Dá pra me explicar?! - mostrou a guitarra.

- Se eu te contar, você não acredita! - fiz cara de preocupação. - Eu tava móh felizona lá na minha, limpando os desenhos magníficos que você fez em meu rosto, aí um ET chamado Ginásio Cláudio invadiu sua casa! Acredita? E eu como uma boa vizinha fui tentar expulsar ele, mais aí - 

- CHEGA! - ele interrompeu meu maravilhoso e criativo discurso. - GAROTA, VOCÊ MECHEU NA MINHA GUITARRA! MINHA. GUITARRA. SABE O TAMANHO DA VONTADE QUE EU TOU DE BATER EM VOCÊ?! - gritou fechando os punhos, como se ele estivesse se segurando pra não me bater. Pena que eu não tenho medo desse estressadinho.

- Ah é? - sorri cínica. - VOCÊ DESENHOU UM PINTO NO MEU ROSTO, CARALHO! VOCÊ COMEÇOU, SÓ DEVOLVI! - gritei já alterada.

- NÃO PRECISAVA PEGAR TÃO PESADO!

Eu já ia meter a mão na cara dele se uma veia um tanto estranha aparece do nada.

Eta, trem fei.

- Vocês não cansam? - porra até a voz é feia.

- Cansam de quê?! - perguntamos juntos encarando a velha com raiva. Corre veia, a coisa tá feia aqui.

- De ficarem discutindo? - como ela é calma..

- Não sei, pergunta pra esse idiota se ele não cansa de me encher? - cruzei os braços.

- Escuta aqui, garota.. -

- Já pararam pra pensar como é a vida um do outro? - ela o interrompeu.

- HAHAHA, a dela deve ser ótima. Uma filhinha do papai. - o ruivo trouxa debochou.

- Fala sério garoto. - resmunguei.

- Cuidado... As vezes a pessoa pode ter mais problemas que você mesmo... - ela se afastou com um sorriso estranho no rosto.

- Essa aí é brizada de pedra. - comentei sozinha com o senho franzido.

- Né, não? - ele me olhou, eu já tinha esquecido dele ali. - Quê que eu ainda tou fazendo aqui? - resmungou entrando em sua casa.

- Essa aí, é outro brizado de pedra. - neguei com a cabeça.

Entrei em casa indo direto pra cozinha vendo minha mãe olhar o forno.

- Eai, mãe. - falei chamando sua atenção.

- Ah, oi filha. - sorriu. - Ouvi uma gritaria lá fora, aconteceu alguma coisa?

- Castiel sendo trouxa, eu querendo bater nele, veia doida, de sempre. - dei de ombros sentando na  cadeira.

- Entendi... Pera. - franziu o senho. - Velha doida? Essa é nova.

- Só uma doida aí, nada de mais.

Olhei o forno morrendo de fome, mais levamos um susto ao ver meu pai chagando caindo na cozinha.

Ele estava bêbado, como sempre.

Levantei da mesa pegando minha mochila e indo pro meu quarto.

Não quero ver essa discussão, perdi a fome.

Entrei no meu quarto suspirando, será que isso nunca vai mudar?

Tomei um banho tentando inguinorar o barulho ds voz da minha mãe que vinha lá de baixo. O que falta Agora? Ele começa a nós agredir? Por sorte isso nunca aconteceu.

Me joguei na cama, vamos inguinore o que ta acontecendo la embaixo e dorma.

Depois de um bom tempo, adormerci.

(...)

Que merda de fedo é esse? Mijei na cama? Não, só pode.

Abri os olhos com certa dificuldade, desde quando meu quarto é preto? 

Não, tá errado. Desde quando eu tenho pôsteres de bandas?

Levantei da cama vermelha, nunca tinha visto os ângulos daqui de cima. Eu cresci? Ou as coisas encolheram?

Olhei pra frente e me deparei com um espelho grande.

CARALHO.

QUE PORRA É ESSE?

 Puta que me pariu de quatro numa banheira de Toddynho!

Esse é o corpo do Castiel?!

Por que eu tou no corpo daquela praga?!

Me dei um tapa pra ver se eu tava sonhando.

- Aii, caralho. - reclamei de dor, a mão dele é pesada.

Mano, quê que ta acontecendo?

Isso é o apocalipse, né? Diz que é um sonho, ou melhor, um pesadelo!

Mais se eu tou no corpo do Castiel, ele deve...

- BEATRIZ!! - ouvi uma voz fina me chamar, e essa voz é minha! Quer dizer... É dele, mais continua minha. AN?!



Notas Finais


Oooi, tudo bom? Tou aki sem sono nenhum e essa Fic surgiu da minha cabeça.

Espero que tenha gostado desse tipo de Fanfic, ate amanhã!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...