História Eu te amo? - Capítulo 28


Escrita por: ~

Exibições 122
Palavras 2.514
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


O que estão achando da Fic?
Sugestões?

Bo.leitura!

Capítulo 28 - Eu Não Estou No Seu Final Feliz


Fanfic / Fanfiction Eu te amo? - Capítulo 28 - Eu Não Estou No Seu Final Feliz

Pov Tini Stoessel

Brasil- São Paulo- Ibirapuera

Depois de contar todo o ocorrido pra Nathan e Isabela, eles me convencem a terminar com o Paulo e ficar com o Jorge, quem eu verdadeiramente amo, e é isso o que estou fazendo.. Pois é... Deixo minhas coisas no meu apartamento -que é no mesmo andar do Paulo- pego a chave que ele me deu do apartamento dele e entro no mesmo. Ouço sons de gemidos, sinto uma dor. Não era a Marília, ela estava no Ibira, mas se não era ela, quem seria?

Vou andando lentamente até os gemidos ficarem mais altos. Era no quarto do Paulo. Uma lágrima cai. Abro a porta lentamente e vejo a pior cena do mundo. Lágrimas começam a escorrer. Não podia acreditar. Fiquei parada, ali, olhando a Loira de farmácia chupando o ***** do Paulo. Não podia acreditar, simplesmente não podia. Pisquei varias vezes, mas essa imagem não saia da mente, deixei soltar um soluço e os dois rapidamente olham pra mim, Paulo me olhava como se estivesse visto um fantasma, a Vadiazinha me olhava com um sorriso deespereie. Não fiz nada, as lágrimas estavam caindo sem eu poder controlar, a mulher não estava certa, o Paulo está muito mais errado do que a mulher. Já não basta ter me traido com Marília, ainda vai pra cama com outra traindo nós duas? Ele se levanta colocando uma toalha na cintura, jogando outra pra mulher, mas já era tarde, a magoá havia me dominado, e eu já estava chegando na porta. Não aguentaria olhar na cara dele sem chorar.

Posso ter traído ele, mas isso não justificava que ele podia ir pra cama com qualquer uma.

Paulo: MARTINA!-gritou enquanto eu estava abrindo a porta. Eu nada digo, fico parada no lugar onde estava. Não o olhei, só esperei ele falar. As lágrimas continuaram a cair, mas eu continuei em silêncio, evitando deixar soluços escapar.

Paulo: Nao adianta você chorar por isso. Você também me traia. Eu vi com meus próprios olhos, e aquela menina, é sua filha também?-Ele estava irritado, as palavras dele me machucavam ainda mais. - A traição não doeu tanto quanto ouvir aquela menina te chamando de mãe-Nao consegui me conter, soltei un longo soluço e me virei pra ele. Ele não tinha os vermelhos, não chorava, ao contrário de mim.

Tini: Um filho? -gritei aos prantos- Marília tentou me matar, acabou matando a Stephie, que deixou aquela criança com Jorge, e foi ai que te trai -gritei chorando. Ele me olhava sem nenhuma expressão- E vc pega e engravida a Marília, depois vai pra cama com outra e ainda vem jogar isso na minha cara? -Grito tentando controlar o choro-

Paulo: Você acha que eu vou acreditar que Marília matou uma pessoa? Acho que foi você -debochou. Dou um tapa na cara dele-

Tini: Você não sabe a merda que está fazendo. Você tem uma família completa e eu? Nem mãe, nem pai e nem irmão eu tenho. Eu NUNCA tive o amor de Mãe, mas sua mãe me deu esse amor que nunca tive, e agora o que? Todo esse AMOR vai sumir, vou virar uma vagabunda, uma puta, pra ela e ai, o que vai acontecer? O mundo inteiro vai saber que Você me traiu, e não somente traiu, mas como engravidou outra e vai saber que eu te trai. Mas você acha que eu ligo?-grito tentando segurar as lágrimas e o encaro- Se minha carreira acabar primeiro que a sua, eu juro, por Deus, eu vou fazer da sua vida, um inferno. E me faz um favor, fica longe de mim e vai pro quintos do inferno!- grito e saio batendo a porta, correndo até o meu apartamento, e assim, deixando as lágrimas caírem livres, leves e soltas.

---------------------------------------------------
***********************************
---------------------------------------------------
****************-------------**************

Pov Jorge Blanco

México- Guadalajara

Jorge Blanco (Pai): Nunca pensei que Martina fosse capaz de trair alguém.

Jorge: Pai... -suspiro-

Sophia: Mama!-diz se referindo a Martina-

Alexandra: O que mais me machuca é como você teve coragem de trair a Sofia, filho. -ela tinha a voz magoada,me senti mal, mas o que podia fazer?-

Jorge: Desculpa -suspirei-

Sophia: Mama!-diz fazendo bico de choro, me levantei para pegar ela e meu celular tocou. Minha mãe pegou Sophia e eu fui para a área mas afastada para poder atender o telefone.

Chamada On

Jorge: Sim?

Xxx: Alo, Jorge Blanco?- era um homem, tinha sotaque brasileiro-

Jorge: Sim, é ele.

Xxx: Ao que sabemos, sua ex noiva morreu, Stephanie Camarena, e achamos a culpada da morte dela. -é como se o mundo estivesse parado. -

Jorge: O-oi?

Xxx: o nome dela é Marília Gabriela, disse que teve ajuda de Mercedes Lambre, Felipe de Oliveira e Luiz Sarmento. - Marília Gabriela. Esse nome ficou passando por minha cabeça, me deixando zonzo-

Jorge: A-aonde eles estão?

Xxx: Na delegacia de São Paulo, capital. Aqui no Brasil.

Jorge: estou indo pra ai -digo e desligo. Volto pra sala onde estava Meu pai, minha mae e minha princesa.

Alexandra: O que aconteceu?

Jorge: Podem ficar com ela?

Alexandra: sim, mas o que aconteceu?

Jorge: Encontraram a culpada da morte de Stephie. Não sei quando volto-digo dando um beijo na testa de Sophia e me despeço de meus pais, indo direto ao aeroporto.

(...)

Ao chegar no Brasil e na delegacia, vejo Martina com os olhos vermelhos, o Castagnoli com uma parte do rosto vermelho, ao seu lado, Caíque, Eduardo e Fernando, ao Lado de Tini, um casal e logo a frente, Marília com um guarda, ela estava algemada e com a cabeça baixa. Vou ate onde estava Tini.

Jorge:  O que aconteceu com você?

O moreno: Não me leve a mal cara, mas acho melhor vocês descutirem isso depois. Estamos na delegacia..

A mulher: Nathan!-exclamou. O tal homem, cujo nome nome é Nathan, revirou os olhos-

Tini: Não.. Ele tem razão -diz com a voz baixa.

Xxx e Zzz: MARTINA! -todos os olham, Martina deixa uma lágrima cair ao ver aqueles dois seres humanos.

----------

Pov Martina Stoessel

Ao ver aqueles dois seres, senti meu coração disparar. Era Francisco e Alexandro. Senti duas lágrimas caírem. E não aguentei, corri ate eles os abraçando.

Alexandro: Me perdoa meu amor, nunca quis te machucar, eu me sinto um lixo -ele dizia com uma voz sofrida. Sinto algo gelado por meus ombros nús percebo que são lágrimas deles. Não consegui dizer nada. Apenas abracei ele mais forte.

Tini: Eu amo vocês -digo baixo somente pra eles escutarem.

Fran: Nós também te amamos, muito. -diz me abraçando forte-

(...)

Juiz: Marília Gabriela você está condenada a prisão por matar a Stephie Camarena, a tentativa de assassinato de Martina Alexandra Stoessel Muzlera. Levando em consideração que Mercedes Lambre, Felipe de Oliveira e Luiz Sarmento também participaram do crime, portanto os quatro estão condenados. Podem levá-los. -sinto uma dor enorme, Marília poderia ter sido tudo, mas não merece criar essa criança na prisão.

Martina: Espera!- digo a um dos guardas, que no caso, estava com Marília. -

Guarda; Não tenho todo o tempo do mundo. -diz sério-

Martina: Posso deixar isso com ela?-digo mostrando um livro e um cordão- Se você quiser revisar o livro, fique a vontade, portanto que depois entregue novamente a ela...

Guarda: Ok, somente?-concordo-

Marília: Não precisa fazer tudo isso por mim, Martina.-disse baixo.

Martina: eu sei que você esta arrependida, Marília. Eu ouvi sua conversa com a Mercedes. Mas você esta grávida, não pode ficar aqui. Mas me garante uma coisa?- ela diz que sim com a cabeça- Assim que sair daqui, vá atrás do Paulo, vocês merecem ser felizes- sorrio triste e ela concorda, dou o cordão a ela. É um cordão especial. Me dá sorte. Acho que sei o que fazer, mas primeiramente, vou atrás de minha familia.

Xxx: MEU AMOR!-gritou uma mulher morena correndo ate Jorge. Senti uma lagrima cair ao ver ela beijar ele e ele retribuir. - Advinha Advinha!!!

Jorge: O que?-Diz sorrindo. Nesse momento, eu, Paulo, Nathan, Caique, Eduardo, Fernando, Isabela, Fran e papai olhavamos aquela cena.

Sofia: Eu estou grávida!- gritou sorrindo. Me viro de costas, tentando disfarçar a dor que sentia, ficando de frente a Isabela.

Isabela: Ele não te merece -Me acolheu. Sorrio triste. Acho que Jorge encontrou seu final feliz. E eu, não estou nele.

---------

12 horas depois.

Pov Narradora

Tini- Brasil- São Paulo-Apartamento- Quarto.

Tini: Depois de toda a loucura da minha infância e de toda a revira-volta que minha vida deu, perdi o contato com a maioria das pessoas que me conheciam quando eu não era "descolada"  o suficiente para ser vista como alguém legal.  E que se danem.  Muitas dessas pessoas nunca somaram nada na minha vida.  Pelo contrário,  só subtraíram.

Uma coisa que ficou muito óbvia para mim com o passar do tempo: se você é uma pessoa do bem e não faz mal a ninguém,  cedo ou mais tarde a vida sorri para você.  Pode demorar,  mais mas existe recompensa para todo e qualquer sofrimento que você passou,  está passando ou passará.  Amoroso,  por exemplo.  você pode ter apostado todas as suas fichas em alguém que acreditou que era a pessoa certa.  Que se esse negócio de alma gêmea for real,  ela é a sua.  Mas acabou que só você pensava assim.

A pessoa pode até ter feito planos com você,  mas no fundo sabia que você não era a metade da laranja dela.  Porque a gente sempre sabe quando não é.  Mas tenta fingir mesmo assim. Até encontrar alguém que combine o suficiente com a gente para ficar velhinho ao nosso lado. Ou não.  Mas todos procuram alguém com quem construir uma história linda.  Seja ela duradoura ou não. (Infelizmente,  a maioria não é.  Mas tudo bem,  gente se vira no meio do caminho...) -Diz Tini, lendo o primeiro livro de Kéfera Buchmann, capitulo nove, primeiro ao terceiro parágrafo, página 91.

Longe dali

Paulo- Brasil- Sao Paulo- Apartamento- Sala-

Continuação do livro, 5inco Minutos

Paulo: Se voce apostou suas fichas na pessoa errada, tudo bem. Vai sofrere chorar e se lamentar e achar que vai morrer. Sim. Você vai.  Vai achar que sem aquela pessoa os seus dias serão cinza para sempre e não conseguirá caminhar sozinho com as próprias pernas. 
Bem,  tenho uma noticia você vai sobreviver.

Ninguém nunca morreu de amor.  Não que seja do nosso conhecimento, ne?  Se já,  esse alguém morreu bem morto morrido morridinho,  corpo está escondido até hoje.  E relacionamento não deu certo porque... Porque não oras. Não adianta ficar se perguntando o que deu errado no meio do caminho. Porque quando as coisas são feitas para dar certo, elas simplesmente dão. E muitas vezes não tem uma razão para estar dando certo. Então por que teria uma razão para para ter dado tão errado? Certo?

Eu sempre procuro ser positiva em relação a tudo que acontece comigo,  seja algo bom ou ruim.  Já passei muitos anos da minha vida sendo negativa e me botando para baixo diariamente.  Cansei de dificultar tanto isso de ser feliz. Sou feliz e pronto,  porra. Sempre tento pensar positivamente. Se não deu certo com tal pessoa, vai dar certo com outra. E se não der certo com essa,  vai dar certo de algum jeito e ponto. 

Dito e feito. A coisa funciona mais ou menos assim mesmo.  Até hoje,  quando um relacionamento meu chega ao fim, eu me desespero,  mas ao mesmo tempo uma certeza muito grande invade meu peito me dizendo: "Ei,  relaxa. 
Tá tudo certo, era para dar errado com ele mesmo".  E aí eu sigo em frente. Ou pelo menos tento.  E não existe tempo definido para curar um coração partido.  Não tem receita, infelizmente.

Pov Narradora

Jorge Blanco

Brasil- Sao Paulo- Hotel- Cama-

Continuação do livro- 5inco minutos.

Jorge: Sabe aquela velha frase que você ouvia da sua avó?"o tempo é o melhor remédio"? Vou te talar: sua avo tinha razão. Essa é a segunda única certeza nossa vida.  A primeira é morte. Prefiro pensar que tudo pelo que passamos serve de experiência. É como  um jogo de videogame: quanto mais você joga, melhor você fica. Mais experiencia você ganha. Ou seja, a vida é tipo um jogo de videogame. (Só não da para sair pulando montanhas po aí. Se morrer uma vez ja era.  Nao tem botão reset )

O que eu dizer é que,  no fim,  todo sofrimento vale a pena. Sei que soa meio estranho dizer isso, mas são as situações tristes. estamos felizes,  estamos felizes e ponto final.  Não refletimos sobre porque estamos alegres. São os momentos tristes que exigem nosso lado racional e nos fazem ver como certas situações têm volta e outras, não. Que devemos cuidado tomar cuidado com o que dizemos e fazemos para alguém. E o tempo, novamente, o tempo. Sim,  ele é o melhor remédio de todos!

Se o seu sofrimento for profissional, vale o mesmo. Levante a cabeça e siga em frente de qualquer jeito. Chorar por te perdido um emprego ou não ter na faculdade que você entrado queria tanto não vai levar alugar nenhum. Chore, lógico. Tenha seu período de luto em respeito por você mesmo. Acho péssima essa nossa tendência de querer passar por cima do luto, de querer ficar bem de uma hora para outra. Porque não é assim que funciona. Algumas coisas machucam profundamente, e a gente sofre mesmo. Não tem como exigir uma melhora absurda do nada!  Então sofra se deu errado. Mas não deixe o luto durar o resto da sua vida, transformando você em uma pessoa amarga. 

Pov Narradora

Marília Gabriela- Prisão-

Continuação do Livro- 5inco minutos

Marilia: Deu errado uma vez. Pode dar errado a segunda, mas pode dar certo também. Ou seja,  tudo sempre tem cinqüenta por cento de chance de acontecer. Outro defeito que nós, seres humanos,  temos é essa mania chata de achar que sabemos o que precisamos de fato. Quando na verdade só estamos atrás de muitas coisas porque as queremos, sem saber o porquê. Não sabemos se aquela decisão vai nos fazer cem por cento felizes de fato. A gente só supõe. Achar que vai ser feliz é uma coisa. Ter certeza de que vai,  ninguém tem.


Pode parecer confortável demais minha postura, mas prefiro deixar tudo na mão desse negócio que eu chamo de destino. Tem gente que não acredita, tudo bem. Eu acredito que cada um tem o seu. Se não fosse assim, a gente teria domínio sobre tudo cem por cento do tempo. E o destino dos outros também influencia o nosso. Então se o seu chefe te despediu, foi porque no destino dele está escrito que ele teria outro funcionário que não seria você. E no seu destino,  que você seria mais feliz trabalhando em outro lugar. Ou você vai trabalhar em outro lugar muito ruim,  mas que pode te abrir portas para outro emprego muito bom.  E assim segue esse negócio que a gente chama de vida.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*

Tini, Jorge, Paulo e Marília: Essa mulher tem razão, se não deu certo, não posso ficar se lamentando. A vida segue. Preciso seguir em frente. Com ou sem ele/ela.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...