História Eu Te Amodeio - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carrossel
Tags Carmiel, Carrossel, Ciriquina, Daléria, Jorgerida, Kobi, Laudriano, Marilina, Paulicia
Exibições 385
Palavras 1.134
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpeeeeem
Já era pra eu ter postado a um tempão, mas minha internet está de mal humor.
E o capítulo está pequeno porque eu me perdi total na por causa do tal do horário de verão.
Gente, eu tenho que ir responder uma atividade, mas vou TENTAR postar mais dois capítulos ainda hoje, porque eu estou muuuuito feliz com os quase 3 mil Views.
Amanhã já começam minhas aulas, mas vou tentar postar mais de dois capítulos por dia.
Boa leitura <3

Capítulo 16 - Eu estou apaixonad... por você - Maratona E2V 3x


Pov’s Marcelina

Eu estava sentada no chão do quarto, encostada na porta, esperando a poeira baixar para poder descer, ainda escutava gritos do tipo: “Marcelina, você me paga! ”; “eu vou me vingar! ”, etc. Eu sabia que eles iriam se vingar, já estava preparada.

Depois de uns minutos, a gritaria acabou, pensei: “ eles devem estar aprontando alguma. ” Resolvi abrir a porta e ver se estava acontecendo alguma coisa. Abri a porta e coloquei a cabeça para fora, olhei para um lado e para o outro. Nada! Resolvi sair.

Cheguei na escada e olhei para a baixo, estavam todos vendo tv e comendo marshmallows na maior tranquilidade desse mundo. Desci a escada até o último degrau.

. – Oi. – Falei.

. – Eai, mana, chega mais. – Paulo falou.

. – É, Marce, ta passando um filme mó legal. – Mário falou.

. – Vem amiga. – Majo chamou e bateu em um espaço entre ela e a Valéria, pedindo para eu sentar ali.

Achei super estranho ali, mas ignorei e me sentei onde a Majo havia mandado. Estava passando “O Preço do Amanhã”, realmente é um filme incrível. (A: Recomendo, um dos meus filmes favoritos.)

Ficamos uns 10 minutos assistindo em silêncio, eu já havia me acostumado com aquela situação estranha de eles não tentarem fazer nada para se vingar, até que vi Paulo, que estava sentado ao lado da Alicia, pegar o celular e ligar em direção a mim, mas pensei que ele estava tentando pegar sinal, então continuei vendo o filme.

. – Marce. – Alicia me chamou e eu olhei para ela um segundo antes de ela jogar uma coisa preta em mim.

Quando percebi que era uma aranha comecei a gritar e pular feito uma doida.

. – Tira! Tira! Mata! Mataaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! – Eu tenho aracnofobia.

Todos estavam rindo de mim, e só aí me toquei que Paulo não estava tentando pegar sinal, ele estava me filmando, e aquilo era uma aranha de borracha, mas mesmo assim aquela coisa me dava arrepios.

. – Seus idiotas. – Falei parando de gritar e fazendo cara de choro.

Paulo desligou a câmera, pegou a aranha do chão e entregou a Alicia, que jogou em qualquer canto da sala. Alicia pegou a caderneta que estava ao lado da televisão e anotou alguma coisa.

. – Os pontos vão para quem der a ideia, sendo assim, Marce está com 1 e Paulo também. – Ela falou.

 

Pov’s Maria Joaquina

Terminamos de assistir ao filme às 21:30, e com ele tinha ido metade dos lanches que preparamos. Resolvemos ir dormir, já que amanhã acordaríamos cedo para a aula, e como estava todo mundo junto, iria demorar mais do que o normal, então teríamos que acordar mais cedo ainda para dar tempo.

Não podíamos deixar a sala bagunçada, então arrumamos tudo: lavamos os pratos e talheres que usamos; varremos o chão sala; colocamos a mesinha de centro no lugar e colocamos nela, as coisas que tinha antes de tirarmos.

Quando acabamos eram 22:15, estávamos todos suados, então resolvemos tomar banho. Na casa tinham 4 banheiros: um no quarto da Alicia; um no quarto da irmã da Alicia; um no quarto de hóspedes; e um na parte de baixo da casa, para os visitantes, então tomamos banho de 4 em 4: Alicia, Paulo, Valéria e Marcelina; Eu, Jorge, Daniel e Cirilo; Jaime, Laura, Adriano e Thiago; Thiana, Mário, Carmen, Margarida e Davi; Bibi e Kokimoto. Já saíamos do banheiro vestidos em nossos pijamas, pois não tinha nem cabimento todo mundo se vestir no mesmo quarto, credo.

Acabamos às 23:00, e enfim, fomos deitar, e deitamos como tínhamos sidos sorteados, no caso, eu e o Cirilo. Senti que precisava tomar coragem e falar tudo que eu sentia ali, naquele momento. Estávamos um de costas para o outro.

. – Cirilo? – Chamei ainda de costas.

. – Sim? – Ele se virou para mim, então me virei também.

. – Podemos conversar? – Pedi.

. – Claro que sim. – Ele confirmou. – O que foi?

. – É que já tem um tempo que quero te falar isso, mas não tenho coragem o suficiente. – Confessei.

. – Pode falar, não tenha medo. – Ele disso olhando em meus olhos.

. – Promete não falar nada até que eu termine? – Pedi.

. – Sim. – Ele confirmou, então eu respirei fundo.

. – Bom, não é segredo para ninguém, muito menos para mim, que no passado, até um ano e meio ou dois anos atrás, eu te esnobava e fazia de tudo para que você ficasse o mais longe possível de mim, por conta da sua cor, ou da sua classe financeira, que a um tempo está bem melhor, graças a Deus, mas nunca chegou aos pés da minha, e eu achava que pessoas normais, ou prestáveis eram aquelas que eram tão ricas quanto, ou até mais do que eu, ou no mínimo, aquelas que tinham o tom de pele igual ou parecido com o meu, e você não era assim, e ainda não é, mas eu cresci e eu percebi que nada disso importa, eu percebi tudo que eu pensava sobre você era mentira, eu percebi que você nunca foi pior ou menos importante do que eu, na verdade, você sempre foi mil vezes melhor, porque você tem orgulho de si mesmo, e do jeito como age com as outras pessoas, sejam elas diferentes ou iguais a você. – Dei uma pausa para enxugar as lágrimas que agora escorriam dos meus olhos. – Olha, o que eu estou tentando dizer é que você é uma das melhores pessoas que eu conheci em toda a minha vida, desde a minha infância, e agora na minha adolescência, Cirilo, eu te acho incrível, você tem talentos maravilhosos, e um coração gigante, onde sempre tem lugar para mais um. Você é fofo, carinhoso, e sabe perdoar tanto quanto sabe amar. Cirilo, você é lindo, é engraçado e extrovertido, sabe a hora certa de brincar e a hora certa de falar sério, sabe separar as coisas, sabe dar os melhores conselhos, sabe quando dizer a verdade, mesmo que ela machuque as vezes, mas você diz, mesmo que ela acabe te prejudicando, ou prejudicando alguém que você ame muito, mas você diz, porque você sabe, eu não sei como, mas você consegue saber quando essa verdade, lá na frente, fará bem para quem ela foi dita. Você sabe quando é necessário mentir, mesmo que te prejudique, mas se você sabe que será o melhor para alguém que você ama, você o faz sem medo. Eu quero te dizer que eu amo esse seu jeito de ser, eu amo quando você sorri, e eu amo quando você diz coisas nada haver só para ver alguém sorri. Eu sei, você pode não saber, mas eu sei que desde pequenos você era apaixonado por mim, e acredite ou não, eu estou torcendo para que você ainda me ame, porque eu estou apaixonada por você, Cirilo Rivera.  


Notas Finais


Até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...