História Eu, tu e Jeon Jungkook - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags 3some, Bts, Jikook, Lemon, Menção Namseok, Menção Vhope, Políamor, Romance, Yaoi, Yoonkook, Yoonkookmin, Yoonmin, Yoonminkook
Visualizações 278
Palavras 6.076
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ANTES DE MAIS NADA EU QUERIA FALAR UNS BANG PROCÊS:

1) esse cap pode ser um tanto monótono ou parado, mas ele é de eXTREMA importância pra tudo que vai acontecer em seguida
2) *não* existe previsão de capítulos menores, infelizmente. Todos eles vão ser muito recheados de detalhes e o mínimo é de 4k (ao menos por enquanto).
3) EU AMO VOCÊS E VOCÊS SÃO MEUS XUXUZINHOS SZ SZ SZ
somos 150!!!!! (tirando alguns fanstasminhas que eu to ligada que tem KKKKKK sz)
eu fico imensamente feliz por cada um de vcs reservar um pouquinho (poucão com esse tanto de palavra KKKK) do tempo de vcs pra ler algo que eu escrevo com carinho sz

boa leitura, espero que gostem ;3

Capítulo 4 - A Proposta pt.1


— Hã? — Jimin perguntou, piscando algumas vezes. — Ménage a quê???

 

Jimin, você vive em que século?? — Tae revirou os olhos. Seu hyung era inteligente para algumas coisas mas para outras ele conseguia ser mais lerdo que uma tartaruguinha. — Ménage à trois. Sabe? Sexo... a três. — completou em tom malicioso.

 

O baixinho automaticamente ficou quieto, tentando formular as palavras devidamente em sua cabeça completamente confusa.

 

“Ménage”; “Sexo”; “Yoongi”; “Jungkook”; “Três”.

 

Jiminie? — perguntou Taehyung, ligeiramente preocupado com o silêncio repentino. — O que aconteceu??

 

— Você pirou o cabeção de vez seu moleque???? — berrou, alto e agudo o suficiente para fazer o ouvido de Tae latejar. A vingança é um prato que se come frio, sr. Kim. — Eu não quero sexo a três nem aqui nem lá na China! Imagina se eu vou deixar outra pessoa encostar em mim e em Yoongi ao mesmo tempo. No dia em que isso acontecer você já pode me internar! — fechou a cara e atirou-se bruscamente no sofá.

 

— Calma Jiminie. — o mais novo tentou o acalmar. O baixinho parecia realmente irritado com sua ideia. — Isso não é nada demais. Pensa só: você mesmo disse que nenhum de vocês sente ciúmes em relação a ele.

 

Mas isso não quer dizer nada. Seria uma traição e nem eu e nem Yoongi queremos uma coisa dessas. — resmungou.

 

Jiminie, abra a sua mente, pelo amor de Deus. — Tae choramingou do outro lado da linha. — Se vocês dois ficarem com a mesma pessoa, no final não será traição. Vocês estarão cientes de tudo. Aliás, nenhum de vocês sente algo que não seja um desejo fervente pelo garotinho da boate e vocês estão cravados em uma rotina que nem noitada juntos tá adiantando. Eu disse pra você que as táticas diferenciadas ajudam e essa é uma delas.

 

O pequeno espremeu os lábios. Não podia mentir dizendo que aquela proposta não era tentadora, no entanto, não achava ético de sua parte sequer pensar em fazer uma coisa dessas com o seu casamento que sempre, desde o namoro, foi baseado na confiança.

 

— Mas... eu não sei o que pode acontecer. — falou cabisbaixo, um certo peso em sua voz. — Se tiver que ser desse jeito não sei se quero mesmo sair da rotina...

 

Não fale desse jeito, Jimin. — suspirou. Estava sendo difícil convencer o mais velho a aceitar o plano. — Faz assim: vai conversando com ele e vê se ele é de confiança. Se for, vai pra parte dois do plano e fala com o Yoongi sobre a ideia e diz que não vai ter sentimentos e nem nada, é só pra... dar uma “apimentadinha” na relação de vocês.

 

— Você por acaso ouviu que eu não quero?

 

Aí depois que ele aceitar você faz a proposta ao garoto.

 

— Tae, você tá me ouvindo?

 

É... acho que vai ser sucesso! Depois me conta o que aconteceu.

 

— Mas Tae —

 

Tchau Jiminie. Beijinhos. — e desligou.

 

Jimin encarou a tela do celular por longos segundos.

 

— Idiota! — praguejou. — Sabe que eu odeio que desliguem na minha cara. — e emburrou-se ainda mais, deitando no sofá e chamando a atenção de sua gatinha preguiçosa que arranhava levemente o tapete da sala.

 

Mi pulou em seu colo rapidamente, aconchegando-se e virando uma bolinha branca de manha e pelos. Jimin sorriu com a imagem doce. Ele realmente amava demais aquele bichinho.

 

Não demorou muito para voltar a pensar na bendita conversa com Tae. Era tão absurdo mas, estranhamente, ao mesmo tempo soava tão bem!

 

Coçou a cabeça levemente, temendo refletir demais sobre o assunto e acabar mudando de opinião.

 

Fez menção em se levantar, porém, sua gatinha foi ainda mais rápida e enroscou-se completamente no peito do mesmo, impossibilitando-o de ir a qualquer lugar que não fosse o outro lado do sofá.

 

— Mi! Eu preciso levantar e fazer coisas dentro de casa sabia? — falou impaciente com o bichano, que nem sequer se mexia. — Realmente não vai me deixar sair? — e novamente, nenhum movimento.

 

Jimin suspirou. Estava condenado a passar um tempo sem sair do lugar até que a gata estivesse em sono profundo para tirá-la de seu colo sem que acordasse. 

 

Afinal, até em termos de preguiça Mi era igual a Yoongi.

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

Um mês já havia se passado e Jimin ainda mantinha contato com Jungkook.  Já havia descoberto boa parte de seus gostos pessoais como, por exemplo, a fascinação do mesmo por quadrinhos da Marvel, a sua paixão por dança desde os dez anos de idade e a sua preferência por doces ao invés de salgados. A cada vez que descobria algo novo ele achava Jungkook mais interessante e sentia mais vontade de continuar mantendo contato com ele, afinal, havia muitos anos que não fazia amigos novos e Jungkook estava lhe fazendo um bem danado!

 

É óbvio que ele não quebraria laço nenhum com o garoto por causa de seus pensamentos pecaminosos, porém, estava cada vez mais difícil esquecer ou até mesmo disfarçar seu desejo pelo mais novo.

 

O Park já havia admitido a si mesmo que era um pecador e que estava longe de ir para o céu.

 

O que Jesus disse mesmo? Ah, é: não adulterarás.

 

Ele se sentia um adúltero ao pensar em Jeon de maneira tão quente. Sabia que Yoongi nem desconfiava porque confiava nele plenamente, como sempre foi desde o início do relacionamento, e isso o fazia se sentir ainda pior com toda a situação.

 

Se ele pudesse controlar aqueles pensamentos em específico já teria se livrado daquele problema já no primeiro dia que encontrou com o mais novo ao caminho do Sex Shop e deixou ele entrar em sua casa.

 

Não que ele se arrependesse de alguma coisa, claro que não. Jeon era muito gentil e suas ações não condiziam com promiscuidade e nem nada do tipo – algo extremamente preconceituoso de se pensar só por se ser um dançarino noturno – e isso o aliviava, mas, mesmo assim, os malditos pensamentos não o abandonavam.

 

E podemos afirmar que não melhoraram quando Jungkook, antecipadamente, convidou Yoongi e Jimin para irem ao cinema junto com ele.

 

— Hum... então quer dizer que vai ter cineminha sábado que vem com o crush? — perguntou Tae, malicioso.

 

— Taehyung! — repreendeu o amigo, cruzando os braços e formando seu famoso bico nos lábios. — O meu único crush aqui é o Yoongi. Jungkook não passa nem perto disso!

 

— Não, capaz. Você só fica toda hora disperso pensando nos músculos do seu novo “bff”. — falou debochado, vendo Jimin corar automaticamente. — Vai falar de uma vez com o Yoongi sobre isso. Se fosse com você eu aposto que iria querer que ele fosse ao menos sincero. — ditou sério, olhando nos olhos do mais velho.

 

— Eu sei! — bufou. — Eu sei que eu devo ser sincero com o Yoongi, sei que devo ser sincero com o Jungkook e que devo ser sincero comigo mesmo. Mas, é tão difícil. — abaixou a cabeça tristemente.

 

Tae suspirou. Odiava ver seu hyung tão cabisbaixo como estava nas últimas semanas e, o pior, sempre pelo mesmo motivo: o desejo mal resolvido pelo garoto Jeon e a sensação de traição para com o marido.

 

— Quer saber? — levantou num sobressalto, atraindo a atenção de Jimin. — Eu quero ir nesse cinema com você e com Yoongi. Quero conhecer esse garoto de uma vez por todas e ver o que de tão interessante ele tem! — cruzou os braços.

 

Jimin arregalou os olhos. Taehyung era pirado. E se ele desse um jeito de fazer os três conversarem? Com certeza seria o seu fim e o fim das suas bochechas, que ficariam tão vermelhas e cairiam de seu rosto.

 

Jimin rainha do drama.

 

— C-Como assim? — perguntou nervoso, buscando por um sinal de que o mais novo estava brincando, porém, apenas achou um semblante sério de quem falava mais sério ainda. — M-Mas eu já mostrei uma foto dele pra você! Não tem necessidade de você ir conhece-lo pessoalmente.

 

— Por que você tem tanto medo de que eu conheça ele? Tem algo que você deveria ter me contado e na verdade me escondeu? — insinuou, por mais que tivesse a quase certeza de que não se tratava disso.

 

Jimin suspirou derrotado. — Claro que não, Tae. Você sabe que eu conto absolutamente tudo pra você.

 

— Então não tem problema, não é mesmo? — sorriu convencido, sabendo que já havia ganho a “discussão”. — Eu vou junto e levo o Hoseok comigo. Estávamos pensando em fazer algum programa no fim de semana mesmo. Já aproveitamos. — disse contente.

 

— Não adiantaria negar mesmo... — cochichou, levantando-se junto do outro e o seguindo em direção à cozinha. Todos os domingos eles se reuniam em algum apartamento e faziam maratona clássica de filmes, com direito a pipoca e tudo! — Só queria saber por que você quer tanto vê-lo.

 

— Não precisa sentir ciúmes, Jiminie. — sorriu sugestivo, alcançando o pote com milhos que havia no alto do armário. — Eu não quero roubar seu crush. Hoseok pra mim já tá ótimo.

 

— N-Não estou com ciúme. — cruzou os braços, escorando-se na pia. — Eu apenas estava curioso pra saber porque você quase nunca gosta de conhecer meus amigos.

 

— Mas ele não é só um amigo. Ele é o futuro amor da sua vida e de Yoongi. — caçoou.

 

— Você é tão ridículo. — revirou os olhos, agachando-se para abrir o armário de baixo e pegar uma panela. — Saiba que isso não tem a menor possibilidade de acontecer.

 

— Eu não sei de nada, na verdade. — colocou as pipocas dentro do recipiente para serem estouradas, junto do óleo de cozinha. — Saiba que você que nada é impossível.

 

Jimin bufou, saindo do local e voltando para a sala. Queria escolher um filme bom para assistirem, mas, ao revirar o site de filmes em sua TV, a maioria das opções que apareciam para si eram romances clichês e semelhantes ao gênero.

 

Optou por esperar Tae voltar e simplesmente deitou relaxadamente no sofá.

 

Lembrou-se brevemente da rotina. Soava errado o tanto que eles haviam mudado. Yoongi costumava ser mais carinhoso e Jimin costumava ser mais compreensivo. Admitia que eles pareciam dois adolescentes amadores que não sabiam o que fazer em um relacionamento.

 

Foi retirado de seus devaneios com Taehyung, que se atirou do seu lado e colocou a vasilha transbordando as pipocas por todos os lados no meio de ambos, sorrindo e pegando o controle de sua mão.

 

— Vamos começar a maratona!

 

— Só não suje meu chão com esses milhos, obrigado. — resmungou, enfiando boa parte das pipocas na boca.

 

E foi naquele momento que uma guerra de pipocas se iniciou e um Jimin furioso teve que juntar todas as casquinhas do chão, se segurando ao máximo para não fazer seu melhor amigo engolir cada uma delas.

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

A semana passou rastejando. Yoongi havia aceitado a proposta de sair no sábado e Jimin informou o mais novo de que teriam companhia. Jungkook achou ótimo e lhe disse que levaria uma pessoa também, o que resultou em um Jimin mais nervoso ainda.

 

Qual a outra coisa que Jesus disse mesmo? Ah, é: não cobiçarás nada do teu próximo.

 

E se Jungkook tivesse namorado ou namorada? Claro que o mesmo já havia dito que estava solteiro, porém, o sentimento de medo e frustração estava ali.

 

Oh, céus, Jimin era realmente um pecador!

 

Ouviu o bipe de seu celular, já sabendo quem era.

 

— O que você quer, Tae? — atendeu impaciente.

 

Ai que horror, Jimin. Não fala assim comigo! — o mais baixo remexeu a perna irritado. — Você já tá pronto?

 

Não. — mordeu o lábio inferior. — Eu tô nervoso, Tae. O que eu faço quando eles estiverem no mesmo lugar de novo?? — perguntou exasperado.

 

— Tá tudo bem aí, Jiminie? — perguntou Yoongi do lado de fora do banheiro, preocupado com o jeito alto que o marido falava. — Precisa de alguma coisa?

 

— Não meu amor, tá tudo bem! — disse alto o suficiente para o outro, ouvindo um “tá bom” em resposta. Voltou a colocar o celular na orelha, ouvindo um risinho do outro lado da linha. — Do que você tá rindo?

 

Do quanto você e Yoongi são fofos juntos. — sorriu, sabendo que havia desarmado um Jimin desesperado.

 

E o mesmo sorriu, muito contente com o elogio.

 

— Obrigado Tae. — respondeu todo bobinho, olhando para baixo e com as bochechas vermelhas.

 

De nada. Agora se arruma de uma vez que eu quero ver seu crush ainda hoje. Beijos. — e desligou sem mais nem menos.

 

Para normal Taehyung não servia.

 

Resolveu tomar seu banho de uma vez, entrando no box, ligando o chuveiro e sentindo todos os seus músculos relaxarem embaixo da água quentinha. Afastou os pensamentos dos dois homens por alguns momentos, pensando na semana de trabalho na escola. Foi produtivo, no entanto, as crianças estavam lhe dando cada vez mais trabalho por serem muito agitadas e por preferir trabalhar com os maiores.

 

Não que ele não gostasse dos pequenos; amava seus alunos demais, porém, sentia que seu método de ensino era um tanto dificultoso para eles, afinal, desde o início de sua faculdade ele se focava mais nos adolescentes.

 

Claro que ele não seria tão egoísta trocando de turmas e deixando seus pequeninos desamparados e sem professor. Apenas mudaria de turno se a escola contratasse outra pessoa que fosse especializada, senão, aquela nem era uma opção.

 

Terminou sua ducha e se enrolou numa toalha felpuda, apressando-se em secar o chão do banheiro antes de ir para o quarto e se vestir rápido. Eram quase oito horas da noite e a sessão começaria dali vinte minutos. Yoongi já estava pronto e o esperava na sala.

 

Colocou um perfume docinho, arrumou o cabelo do jeitinho que gostava e pegou sua carteira que continha sua identidade e o dinheiro para o ingresso, rumando para a sala.

 

— Você está muito lindo. — sorriu quando recebeu o elogio. — Eu tenho muita sorte de ter um marido tão bonito e tão cheiroso só pra mim, sabia? — enlaçou o menor pela cintura e cheirou seu pescoço, se deliciando com o perfume que sempre gostou.

 

— Você que está. — olhou nos olhos do amado, ambos transbordando sentimento, e trocaram um selar rápido antes de se dirigirem à saída do apartamento, Yoongi se sentindo orgulhoso ao ver o mais novo passando a chave devidamente na porta.

 

Depois de muito tempo insistindo para o mesmo trancá-las ele já nem precisava pedir.

 

— Vamos a pé? — perguntou ao mais velho, que já passava o braço pelos seus ombros enquanto ambos desciam as escadas a mesmos passos. — O cinema que o Jeon escolheu é a quinze minutos daqui.

 

— Nós vamos chegar em cima da hora, mas, não acho que tenha problema. — sorriu. — Vamos sim.

 

Ele estava aliviado por Yoongi ter aceitado. Sabia que Jungkook era ansioso e pontual e que, provavelmente, já estaria lá.

 

Ir andando significava ter menos tempo de conversar antes do filme iniciar, ou seja, menos ele passaria vergonha e menos se sentiria desconfortável. Touché!

 

Contudo, parecia que o universo não estava muito a favor dele naquela noite. Pelo menos era nítido que Taehyung não estava.

 

— Oi casalzinho vinte!

 

Jimin sobressaltou-se com o susto. Faziam no máximo três minutos que haviam saído do prédio e seu dongsaeng bobão já estava lhe seguindo e importunando.

 

E o pior ainda: de carro.

 

— Por que estão indo a pé? — Hoseok perguntou confuso do lado do motorista.

 

— A-Ah, nós queríamos andar um pouco e aproveitar um pouco a noite, sabe? Sozinhos e tal. — deu ênfase no “sozinhos”.

 

— E também porque o shopping fica bem perto. Não vimos a necessidade de ir de carro. — respondeu o mais velho, dando de ombros.

 

Taehyung sorriu, já entendendo tudo.

 

Agradecia aos céus por conhecer Jimin como a palma da sua mão.

 

— Mas vocês vão chegar muito atrasados, e como já estamos aqui, nós podemos dar uma carona. — disse, com sua melhor expressão de inocência, porém, o sorriso continuava sugestivo.

 

Taehyung jogava sujo.

 

— Não precisa! — Jimin arregalou os olhos. — Nós chegamos lá a tempo. — completou, puxando o braço de Yoongi que já se encontrava confuso.

 

— Ah, que é isso Jiminie. Vamos lá. Você sabe que eu e Tae não aceitamos não como resposta.

 

Em seguida Hoseok parou o carro e destravou as portas traseiras, fazendo o sangue de Jimin gelar mais do que já estava.

 

— Vamos lá, amor. Nós aproveitamos o ar puro da noite outra hora. — brincou Yoongi, puxando o mais novo pela mão e fazendo-o entrar no carro, seguido de si.

 

Jimin olhou o melhor amigo da onça – apelidinho que faria questão de usar com o maior pelo resto de seus dias – pelo espelho retrovisor e só desejou dar um soco em seu belo rosto.

 

Maldito seja Kim Taehyung e sua carona.

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

Jimin corria para o banheiro junto com Taehyung, este que ria descontroladamente e alto o suficiente para todas as pessoas que estavam na volta deles os olhassem assustadas.

 

Passou com tudo pela porta que dava aos sanitários, atirando Taehyung para dentro também e o pegando pela gola da camisa.

 

— O que deu em você para ser tão gentil de uma hora pra outra!?!? — perguntou furioso, arrancando ainda mais risadas de seu melhor amigo.

 

— Ah, Jiminie, você sabe que eu sou assim naturalmente. — zombou com seu melhor sorriso divertido.

 

Taehyung era aquele típico amigo que dava o empurrãozinho para as coisas mágicas acontecerem, contudo, era sempre um pouco mais forte do que o esperado e acabava fazendo as pessoas tropeçarem no caminho, tamanha a força do empurrão.

 

E o empurrado sempre era Jimin.

 

— Por que ofereceu carona pra eles?? Eles já estavam pertinho daqui. Iam chegar rapidinho! Mas você tinha que me fazer quase ter uma síncope dentro do carro! — resmungou frustrado, lembrando da sensação de carro apertado e dele mesmo sendo praticamente esmagado no meio de Yoongi e Jungkook.

 

Era realmente cômico para qualquer pessoa que estivesse no banco da frente – especificamente Taehyung –, mas, para Jimin, era como estar no inferno sendo espremido por dois demônios.

 

Ficou tudo tão abafado que ele achava que a qualquer momento poderia se atirar da janela daquele carro, contudo, a sensação de estar tão pertinho dos dois ao mesmo tempo foi boa demais e ele estava considerando a possibilidade de ficar quietinho naquele carro até chegarem ao destino.

 

— Ei, relaxa. — alertou, tirando as mãozinhas pequenas e quase nocivas de sua camisa favorita. — Você não deveria estar tão estressado assim. Eu te ajudei, ao menos me agradeça.

 

— Me ajudou a passar vergonha?? Você tem o dom de me deixar constrangido, isso não é possível! — disse nervoso, passando os dedos por entre os fios bagunçados

 

— Ai, Jimin. Para de cu doce e aceita de uma vez que você precisa daqueles dois de uma vez na sua cama! — resmungou sem nem um pingo de vergonha na cara.

 

— Não fale essas coisas como se fosse a verdade absoluta! — revirou os olhos, a face ruborizada pela vergonha e pelas palavras do outro.

 

— Hyung, sério. — segurou as duas mãos de Jimin novamente, olhando no fundo de seus olhos, já farto de tanta conversa e poucas atitudes. — Eu sei que você ama Yoongi e eu sei que Yoongi também te ama. O amor de vocês é realmente lindo e eu tenho certeza que vocês têm mais dez anos de casamento e união pela frente, então, pelo amor de Deus: para como esse drama terrível e fala com o seu marido de uma vez! Tá escrito na sua testa “Eu quero foder com Jeon Jungkook e com Min Yoongi, mas é ao mesmo tempo hein” e se você não falar o Yoongi vai perceber, porque se tem uma coisa que ele não é, essa coisa é burro. Já passou pela sua cabeça que ele também pode sentir atração pelo garoto?? O Jungkook é lindo e tem um corpo que só Jesus na causa, eu reparei! — falou dramaticamente, arrancando uma risada do mais velho. — Sério. Mesmo que você não queira falar sobre isso hoje, apenas deixa rolar os sentimentos e as ações. Essa noite é de vocês três. — e sorriu, um sorriso que ele sabia que Jimin precisava.

 

Ele ficou sem palavras para tudo o que Tae lhe disse. Talvez o melhor amigo não falasse sempre besteiras e fosse sensato de vez em quando.

 

— Você tem razão, Tae. — sorriu de volta.

 

— É claro que eu tenho! — disse convencido, colocando as mãos na cintura. — Eu sempre estou coberto de razão.

 

— Tá, não exagera.

 

Ambos riram um pouco antes de saírem do banheiro e voltarem para o quarto andar, onde se localizava o cinema e onde os outros meninos estavam.

 

Jimin estava seguro após a conversa no banheiro com Tae, arriscava dizer que estava até mais seguro do que nunca.

 

Contudo, foi só até ele avistar Jungkook e Yoongi conversando animadamente como grandes amigos que seu coração deu um pulo e ele quis correr de volta para o banheiro do shopping e não sair nunca mais de lá.

 

Desde quando ele havia virado uma garotinha adolescente de dorama mesmo?

 

— Tae, sabe aquela história toda de “você tem razão” e “agora eu tô bem de boa”? — perguntou baixinho enquanto se aproximavam cada vez mais de suas duas mortes. — Então, não está mais. Vamos simplesmente sair daqui e ir pra outro lugar e deixar eles se divertirem sozinhos no cinema?

 

— Você tá brincando!? — parou bruscamente. — Não vamos embora de jeito nenhum e você vai consertar essa sua vida ainda hoje! — falou rude, pegando em seu pulso e o puxando sem muito cuidado.

 

Jimin ficou confuso com a mudança de comportamento do mais novo, no entanto, não precisou nem perguntar o porquê. Bastou olhar na mesma direção que o acastanhado e ver Hoseok no maior papo com o amigo que Jungkook levou junto ao passeio.

 

Suspirou cansado; Tae ficava assustador com ciúmes.

 

— Olá, Jung Hoseok. — disse asperamente ao finalmente se aproximar, cruzando os braços e dando um sorrisinho falso.

 

— Oh, já voltou do banheiro amor? — sorriu inocente.

 

— Não, ainda tô lá, não está vendo? — sua fala foi carregada de ironia, fazendo o Jung arregalar os olhos e o outro garoto ao seu lado mexer as mãos envergonhado.

 

O ar ficou pesado no local, então, Jungkook resolveu intervir.

 

— Acho que ainda não apresentei vocês, Jimin-hyung. — sorriu pequeno para o mais velho, puxando a mão do amigo e o trazendo para perto de si. — Esse é o Namjoon, um ex-colega da boate.

 

O mais alto sorriu, mostrando suas covinhas bonitas para Jimin, que devolveu o ato à altura, com seu adorável eye smile.

 

— Bom, nós devíamos ir comprar os ingressos de uma vez antes que a fila aumente. — Yoongi alertou, entrelaçando a mão de Jimin com seus dedos e o puxando delicadamente para seu lado.

 

— Vamos! — respondeu Hoseok animado, saltitando na frente de todos, inclusive de um Taehyung emburrado que já estava preparado para o ignorar pelo resto da noite.

 

Entraram na fila que moveu-se rapidamente. Haviam poucos filmes bons em cartaz, por isso, apesar de Jungkook ter insistido o tempo inteiro para que assistissem o filme de super-heróis, optaram pelo remake de um clássico, porém, que apenas Yoongi havia visto.

 

Quando entraram na sala de cinema, ficaram organizados da seguinte maneira: Taehyung, Hoseok, Namjoon, Jungkook, Jimin e Yoongi.

 

Impressionantemente o filme mal havia começado e tudo já estava começando a desandar.

 

Hoseok passou quase o tempo todo tentando agradar a Taehyung, recebendo um gelo gigantesco, e Jimin queria simplesmente morrer por estar com as duas pessoas que mais mexiam consigo ao seu ladinho.

 

Ele queria dar a mão para Jungkook ao mesmo tempo que queria que Yoongi o abraçasse pelos ombros e fizesse um carinho gostoso em sua nuca, do jeitinho que só ele sabia fazer.

 

— Hyung... — o mais novo o tirou de seus pensamentos com a voz rouca, arrepiando-o levemente. — Você acha que eles vão ficar juntos no final? — perguntou, agora olhando para Jimin.

 

— Eu não sei, Jeon. — sorriu, olhando para a face do maior e admirando brevemente cada traço bonito antes de voltar a atenção ao filme e apertar levemente a mão de seu marido. — Mas eu espero que sim... mal começou e eles já aparentam ser perfeitos um pro outro.

 

— Eu também acho. — respondeu num sussurro, esbarrando acidentalmente sua mão no dedo mindinho do seu hyung. — Oh, desculpe Jimin-ah. — pediu em mesmo tom, para não incomodar as outras pessoas da sala.

 

— Não precisa pedir desculpas. — respondeu, entrelaçando seu dedo mindinho ao do mais novo e sorrindo com a expressão levemente surpresa do dongsaeng.

 

Ele se sentia confortável com ambos os toques em suas mãos. Era como se algo a mais esquentasse dentro de si, algo que ele ainda não havia sentido até então.

 

Olhou de cantinho para cada um deles e sorriu com a visão: Yoongi estava concentrado no filme e com a testa levemente franzida e a outra mão apoiando seu queixo. Jungkook estava concentrado também, contudo, seus olhos brilhavam como os de uma criança curiosa descobrindo algo pela primeira vez.

 

Eram tão fofos que Jimin queria morder cada uma das bochechas e sussurrar o quanto eram lindos, mas, infelizmente foi tirado de seus pensamentos fofinhos por uma movimentação brusca nas poltronas do lado.

 

Basicamente Hoseok havia cansado de tentar ganhar a atenção do noivo e virou-se para conversar com Namjoon, visto que tinham várias coisas em comum, despertando ainda mais o lado sanguinário de Taehyung. O mesmo ao se levantar para “ir ao banheiro” derrubou metade do balde de pipoca doce e melecada de caramelo em cima dos dois, sem aparentar nenhum arrependimento.

 

— O que deu em você, Taehyung!? — perguntou alto, ganhando vários pedidos de silêncio em troca.

 

— Não grita comigo que eu não sou obrigado a aturar desaforo, Jung Hoseok! — e virou as costas saindo rápido da sala, já sentindo as lágrimas acumularem-se no canto de seus olhos.

 

— Ah droga... — Hoseok murmurou, tentando miseravelmente limpar-se de toda a calda grudenta que caiu em cima de si. — Desculpe... — pediu baixinho ao mais alto, que apenas sorriu e balançou a cabeça afirmativamente. — Eu... eu acho melhor ir ver o que aconteceu. — riu baixinho, fazendo uma curta reverência ao mais novo e já se levantando. — Nos falamos outra hora, certo?

 

— Claro. — respondeu contente, as covinhas em evidência.

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

 

Jimin estava indignado com a atitude infantil que Taehyung teve na sala de cinema. Estava chegando à conclusão de que nunca teria um passeio normal com ninguém. Bom, talvez o problema mesmo fosse ele.

 

Acabaram por não saber o final do filme; saíram mais cedo para procurar pelos idiotas brigões e pagadores de mico – apelidinho novo que faria questão de chamar o casal pelo resto de sua vida.

 

Jungkook ficou chateado, afinal, queria descobrir se o casal principal ficaria junto no fim, mas, se seu hyung pedia alguma coisa com tanto jeitinho ele prontamente obedeceria.

 

— Foi uma pena não termos ficado até o final. — comentou cabisbaixo mas logo abrindo seu melhor sorriso. — Mas apesar disso foi muito divertido. Obrigado hyungs! — e abraçou os dois ao mesmo tempo.

 

— Nós que agradecemos por ter nos convidado, Jeon. — Yoongi respondeu, afagando minimamente as costas do dongsaeng.

 

Quando Jeon se separou de ambos, Yoongi lembrou de algo, puxando-o pela mão novamente e sussurrando algo em seu ouvido e recebendo um olhar feliz em troca.

 

— É sério?? — perguntou animado, atiçando a curiosidade de Jimin.

 

— Sim. — respondeu sorrindo.

 

— Eu sabia! — comemorou sutilmente com a mão, disfarçando e tentando parecer maduro. — Bom, vejo vocês outra hora. Ainda tenho que levar o Namjoon até a porta da casa. — riu baixinho. — Até mais, hyungs. — e abanou, colocando a mão no ombro de Namjoon, que também acenou aos dois.

 

Jimin riu, virando-se para Yoongi, entrelaçando ambas as mãos e já começando a andar para a saída.

 

— Vamos procurar pelo Hobi e pelo Tae? — perguntou o mais velho, acariciando levemente a mão do dongsaeng com o polegar.

 

— Acho que não vai ser preciso. Vamos até onde o carro está estacionado.

 

— Por que Tae estava daquele jeito?

 

— É por causa do Namjoon. — suspirou. — Tae não sabe lidar com ciúmes e sempre acaba fazendo alguma bobagem.

 

— Ah, sim.

 

— O que falou ao Jungkook àquela hora? — perguntou curioso, um sorriso pequeno nos lábios.

 

— Eu contei a ele o final do filme. Ele estava tão animado por isso que eu não resisti e acabei dando spoiler. — riu, acompanhado de Jimin.

 

O baixinho estava encantado e não sabia exatamente o porquê. A ideia de que Jungkook e Yoongi pudessem ser amigos como ele e o mais novo parecia tão bom!

 

Foram de mãos dadas e em silêncio até aonde o carro de Hoseok deveria estar estacionado e, à medida que iam se aproximando, notaram os vidros completamente embaçados e pequenos solavancos na parte de trás do automóvel.

 

Foi inevitável para Yoongi segurar o riso, assim como foi inevitável para Jimin não avermelhar ao constatar o que os seus dois amigos estavam fazendo dentro do carro e ainda por cima no estacionamento do shopping.

 

— Esses dois não tem vergonha na cara mesmo! — o mais velho tentava parar de rir mas não conseguia. — Me sinto um pai orgulhoso. — e riu ainda mais alto.

 

— Fale baixo! Eles vão saber que estamos aqui. — murmurou Jimin, completamente constrangido. — Vamos embora Yoonie. — pegou na mão do outro, que prontamente o acompanhou.

 

— Se você pedir desse jeitinho eu não resisto. — sussurrou safado no pé do ouvido alheio. — Podíamos aderir ao movimento dos dois paspalhos no carro e fazer as pazes do melhor jeito, o que acha? — e abraçou possessivamente a cintura do dongsaeng.

 

Jimin arfou pelo aperto, porém, novamente seu cérebro entrou em conflito. Yoongi o abraçava, mas, não era apenas no toque dele que pensava no momento.

 

Se sentiu o pior dos piores e, delicadamente, tirou a mão de Yoongi de sua cintura, entrelaçando-a à sua própria.

 

— Vamos pra casa. — disse, a voz levemente falha.

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

*

 

 

— Tá bom, Jimin. Já chega! Pode ir falando o que está acontecendo. — posicionou-se em frente ao mais novo, com os dois braços cruzados, mostrando que não encerraria aquele assunto sem uma resposta que não fosse plausível.

 

Yoongi já havia notado que o marido estava mais avoado, porém, naquela noite do cinema isso se comprovou fortemente, fazendo o Min se preocupar com o comportamento estranho do menor.

 

Jimin era animadinho, falante e sorria constantemente. Se ele ficava quieto demais era porque alguma coisa estava errada e disso ele não tinha dúvida.

 

— Do que está falando, Yoonie? — perguntou, tentando fazer-se de desentendido e falhando miseravelmente, visto que Yoongi era uma das pessoas que mais lhe conheciam e sabiam o que se passava consigo.

 

— Eu não tô brincando, Jimin. Eu estou preocupado, poxa! — resmungou, ajoelhando-se entre as pernas abertas do dongsaeng que estava sentado no sofá. — Eu vejo que você não está bem e já não é de hoje. Me conta, vai.

 

Jimin engoliu em seco. Estava ali a sua oportunidade de falar com o marido sobre Jungkook e lhe deixar a par de toda a situação, mas por que era tão difícil?

 

Desde quando havia se tornado tão medroso?

 

E-Eu não sei se consigo... — e deixou a frase morrer ao que seu maxilar já começava a tremelicar.

 

— Meu amor, você sabe que sempre pode confiar em mim. — pegou nas mãos alheias, sentindo-as suar frio e tremerem de leve. Jimin estava claramente nervoso, o que aumentava a preocupação do marido. — Antes de namorados e maridos nós somos amigos. Pode me contar. Foi o diretor da escola de novo? O trabalho está difícil? — beijou as duas palmas úmidas brevemente, olhando nos olhos do baixinho novamente.

 

— Não... — murmurou.

 

— Então o que é?

 

Jimin suspirou. Contou até dez mentalmente e, quando terminou, retomou a contagem, apenas por segurança. Estava com tanto medo de Yoongi ficar bravo e brigar com ele...

 

Respirou fundo, olhando nos olhos do amado.

 

Era a hora.

 

— Yoonie... você sabe que eu sinto a maior das atrações por você, mas... — seu olhar vacilou por segundos, porém, logo o retomou às orbes escuras do Min que o encarava intensamente. — Ultimamente e-eu ando sentindo essa mesma atração por uma outra pessoa também. — engoliu em seco, sentindo a garganta ressecada, seu coração parecendo querer sair para fora do peito de tão descompassado. — E eu me sinto muito mal por não sentir ela por você, Yoonie. Me desculpa. — completou com a voz embargada, abaixando a cabeça por não conseguir mais sustentar o olhar.

 

Yoongi ficou em silencio por alguns segundos, não conseguindo pensar em muita coisa perante àquelas palavras.

 

— E quem é essa pessoa? — perguntou baixo, já ouvindo o choro baixinho de desespero de seu dongsaeng.

 

— É o Jungkook.

 

O mais velho não diria estar surpreso, realmente não estava.

 

Ele não estava bravo, chateado e muito menos se sentia traído com aquilo, porém, sua cabeça não conseguia absorver tudo muito bem.

 

Ele não conseguiu dizer nada enquanto Jimin continuava em sua frente, encolhidinho e esperando por um grito ou uma briga feia que marcaria o fatídico final do casamento de ambos.

 

Nada disso veio. Diferente do esperado, Yoongi apenas levantou-se e, ainda segurando as palmas pequenas, falou:

 

— Vamos deitar... você deve estar cansado.

 

O mais novo não recusou, deixou ser levado pela mão até o quarto de ambos, ainda com as lágrimas nos olhos.

 

Deitaram-se lentamente e do jeito que estavam, um de frente pro outro, Yoongi o olhando e Jimin desviando o próprio olhar. Ele ainda esperava uma explosão de gritos e raiva por conta do que havia dito. Estava surpreso e não conseguia dizer nada, por mais que quisesse.

 

— Por que não me contou antes? — perguntou Yoongi, a voz mansa.

 

— Eu não sei... — sussurrou, logo sentindo uma carícia gostosa lhe atingir a bochecha esquerda. — Acho que tive muito medo de te perder. Sei que é errado e tentei reprimir. Mas... — já sentia as lágrimas voltando, contudo, Yoongi se apressou e lhe puxou pela cintura para um abraço aconchegante. — Me desculpa, amor.

 

— Você não precisa se desculpar. — separou-os brevemente, secando as pouquinhas lágrimas teimosas que insistiram em escapar dos olhos de seu dongsaeng. — Essas coisas a gente não consegue escolher ou prever. Foi assim com a gente, lembra? — e sorriu doce.

 

— Mas é diferente, Yoonie. Com a gente era amor de verdade e eu estou estragando dez anos por causa de uma coisa que é tão errada... — fungou, afundando o rosto no pescoço do marido. Estava se sentindo tão culpado.

 

— Você não está. Eu não estou bravo com você e não precisa chorar. — beijou-lhe a testa. A verdade era que Yoongi nem sabia o porquê de estar agindo daquele jeito, porém, lhe parecia tão certo que apenas decidiu seguir suas ações. — É por isso que você não queria que eu te tocasse?

 

— Eu queria muito que você me tocasse Yoonie, mas eu não conseguia porque não pensava apenas no seu toque. — foi sincero.

 

— Entendo. — quer dizer... ao menos tentava. — E o que você pretende fazer sobre isso? — acariciou os fios castanhos do baixinho, ouvindo-o suspirar profundamente. Era fato que seus carinhos ainda permaneciam sendo os melhores.

 

— Eu não sei. — murmurou manhoso com ao cafuné.

 

Jimin e Yoongi eram um casal, um time, e escolher qualquer coisa sem o mais velho estava fora de questão.

 

Pensaria em uma solução enquanto ainda se sentia levemente entorpecido pelas ações de Yoongi. Foi muito inesperado e isso fez sua mente borbulhar.

 

Com os pensamentos a mil e o coração inquieto ele cutucou o marido que, rapidamente, havia pegado no sono.

 

— Yoonie. — duas cutucadas. — Yoonie... — mais três cutucas. — Yoonie! Acorde que eu preciso falar com você. — resmungou, cutucando o mais velho ainda mais rápido, num ritmo incessante.

 

O maior foi puxado de seu quinto sono por cutucadas nada amigáveis, mas quando viu o rostinho animado de Jimin apenas acenou com a cabeça, demonstrando que o ouvia.

 

— Eu acho que nós temos uma solução. — murmurou incerto, vendo a expressão do marido tornar-se mais interessada. Mordeu o lábio inferior inconscientemente, demonstrando o seu total nervosismo. E Yoongi reparou. — M-Mas não sei se você vai aceitar. Foi uma ideia boba do Tae...

 

— Pode falar. — respirou fundo, preparando-se mentalmente para o que Jimin falaria. Sabendo que se era de Taehyung, coisa boa não deveria ser.

 

— Tae sugeriu que...

 

— Que o quê?

 

— Aish! Que o convidássemos pra praticar sexo a três ou ménage sei lá a quê! — ditou rápido e com as bochechas completamente rubras.

 

Yoongi arregalou os olhos. Que raio de ideia era aquela!?

 

— Você está com raiva de mim agora, não é? — perguntou o menor em tom triste.

 

Era aquele o momento dramático em que Yoongi se levantaria da cama, surtaria, tiraria todas as próprias roupas de dentro do roupeiro e as guardaria numa mala para pegar o próximo voo para um lugar bem distante de Jimin.

 

O maior analisou a situação por um tempo, pensando no que deveria responder.

 

Jimin já estava a ponto de sair daquela cama e se trancar no banheiro e chorar até desidratar quando, surpreendentemente, ouviu as palavras calmas de Yoongi:

 

Quando quer falar com ele?


Notas Finais


yoongi aceitou de primeirona POR ESSA VCS NÃO ESPERAVAM!
é sério. desde o início era pro Yoongi ser fácil e vão ter explicações do porquê.
ficou parado né? eu particularmente achei algumas partes meio pombo, tentei encurtar, mas não deu.
quem não tiver muita paciência me perdoe.
ESPERO QUE VCS TENHAM GOSTADO MEUS CHEIROS e desculpem a demora ;-;
eu sou mesmo MT lerda </333
( edesculpem qualquer erro. eu revisei mas deve ter passado algo. corrijo logo mais sz)

beijinhos e até *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...