História Eva - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Carla Tsukinami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shin Tsukinami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Ação, Diabolik Lovers, Mistério, Romance
Visualizações 86
Palavras 1.161
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


YOOOO TO MUITO ATRASADA, MAS TO AQUI!! Espero que gostem do capítulo, mesmo sendo curtinho.

Capítulo 16 - Pesadelos


Fanfic / Fanfiction Eva - Capítulo 16 - Pesadelos

Passei o dia na casa dos dois irmãos, até meu pai me ligar.

- Filha? Onde você está? – ele não estava preocupado. – Você passou mal na escola, me ligaram para autorização de um remédio, posso saber o que aconteceu??

- Eu estava enjoada, e minha pressão abaixou, não foi nada, eu estou bem agora. – eu falava calma para transmitir meu bem estar.

- Volta pra casa antes das 22h ok? – eu fiquei em silêncio por um momento.

- O Senhor vai estar em casa? – ele não respondeu. – Você sabe que eu não posso ficar sozinha... – ele continuava em silêncio.

- Eu vou chegar amanhã filha, você não pode se esforçar um pouquinho? – senti uma raiva tremenda, mas eu engoli.

- Sim senhor.... – suspirei. – Posso chamar alguém pra ficar comigo?

- ‘Ta bom. – ele suspirou cansado. – Te vejo amanhã, boa noite meu amor, te amo, se cuida. Juízo viu! – eu ri.

- Boa noite papa, também o amo! – desliguei e observei os meninos dormindo no sofá e sorri.

Eu peguei minhas coisas e deixei um bilhete aos dois me despedindo, e fui para casa de táxi. O carro me deixou no portão de casa, eu paguei e fui entrando em casa quieta, me joguei no jardim depois de cumprimentar meus funcionários.

- Pra quem eu ligo...? – eu murmurei e encarei os contatos no meu celular. – Kou deve estar num Show, Yuuma provavelmente está no jardim, Ruki não quero ver nem pintado de ouro, Azusa... – eu pensei seriamente em ligar pra ele, mas não liguei. – Ele vai chamar os irmãos, o babaca vai vim...melhor não. – olhei outro contato. – Laito, você viria me socorrer..? – eu ri e desisti.

Fui para meu quarto e me joguei na cama, e pensei rindo que nem idiota.

- Que os pesadelos comecem...

Juro que tentei dormir, mas cada vez que eu fechava os olhos lembrava da violência e do abuso de quando eu era menor, por um momento eu cochilei, depois eu acordei gritando, olhei para o lado e eu chorei baixinho

Demorei até me recuperar, e peguei meu celular e liguei para Kou.

- Alô? – eu com certeza acordei ele.

- Kou..? – minha voz tremia.

- Ma-san?! O que aconteceu?! – eu respirei fundo, mas eu comecei a chorar.

- Por favor, você pode vir aqui? – eu dei o maior ênfase possível em você pois eu só queria ele comigo, mas nenhum dos irmãos.

- Estou indo ai! – ele desligou o telefone e fiquei só o esperando.

Depois de uns quinze minutos, a campainha tocou eu me arrastei até o andar de baixo, e abri a porta, eu me joguei aos braços do loiro chorando, eu estava apavorada. O garoto fechou a porta e me pegou no colo me levando para o meu quarto.

- Obrigada por vir... – ele estava ali comigo fazia horas, eu devia ter manchado a camisa dele inteira de lágrimas.

- Minha neko-chan eu viria de qualquer maneira. – ele sorria e acariciava meus cabelos com tanto afeto e amor.

Eu contei todos meus pesadelos, mas eu ainda não tinha contado sobre Ruki, eu não queria magoa-lo.

- Kou, eu não te contei uma coisa, mas eu sei que vai ficar muito bravo, e muito decepcionado comigo... – ele me olhou e riu.

- Eu nunca ficaria bravo ou decepcionado com você pequena. – quando eu contei para o garoto, ele me olhava confuso e não entendia. – Por que...?

- Eu não sei! Eu sou uma idiota por fazer isso, eu sei que esta bravo comigo, e ainda quebrei a cara depois. – ele me olhou curioso.

- Como assim quebrou a cara? – ele não entendia, ai eu contei para o garoto o que eu tinha visto hoje. – Ele é um casanova! É claro que ele ia fazer algo assim, Tch!! – o loiro estava bravo.

- Não fica bravo com ele, foi minha culpa... – eu deitei a cabeça no peito dele. – Ruki é sua família... – falar em família me doía o coração.

Kou ficou quieto e concordou e beijou minha testa, eu comecei a pegar no sono com todo as carícias em meus cabelos, mas não consegui dormir. O loiro dormiu, eu fiquei cantarolando para ele como eu fazia antigamente.

Quando Kou acordou de manhã eu estava lendo um livro, ele sorriu e me abraçou forte, eu sorri e o abracei de volta, ficamos alguns minutos assim, e o loiro não queria levantar da cama.

- Kou! Temos que ir para escola amor! – eu ria e ele levantou emburrado com os cabelos todo bagunçados, estava uma graça. – Vai tomar banho. – peguei a mochila que ele havia levado e dei para ele.

- To indo, to indo – ele pegou a mochila e foi andando como zumbi até o banheiro.

Eu desci fiz o café e dois lanches, e subi para o meu quarto, abri a porta as a fechei bruscamente, Kou estava só de boxer meu rosto queimava de vergonha, ele se trocou e abriu a porta ainda com a camisa aberta, ele não conseguia abotoar, eu sempre achei uma graça.

- Deixa eu abotoar.. – eu abotoei sua camisa e ele ficou me olhando coradinho, acho que ele tinha acabado de acordar praticamente. – Pronto bebê! – eu falei brincando quando olhei para seu rosto senti um calor em meus lábios.

Kou havia acabado de me beijar?!! Meu rosto ficou mais vermelho que tudo, foi aí que ele se separou de mim vermelho.

- E-eu...Não foi minha intenção! Foi impulso!! – o garoto balançou a cabeça confuso e riu de nervoso coçando a nuca. – Desculpa neko-chan... – nos olhamos e começamos a rir.

Um momento que era para ser embaraçoso virou algo engraçado para nós dois, tínhamos vários desse momentos quando éramos crianças, eu empurrei de leve seu peito rindo.

- Vai tomar seu café, eu já desço. – eu entrei dentro do quarto e ele foi descendo mas parou nas escadas me olhando. – Vai logo!

- Se demorar eu volta pra te beijar de novo ta ouvindo! – eu cai na gargalhada com ele.

Tomei meu banho e desci as escadas e ele já tinha comido, eu sorri, e comi um pouco, e dei o lanche pra ele e peguei o meu, fomos de carro até a escola, meu motorista nos levou.

Chegamos na escola e o loiro já tinha sido cercado pela meninas, e eu fui andando pra sala, me sentei no meu lugar, e logo senti braço rodear meu pescoço e olhei Shin.

- Bom dia meu lobinho! – ele me olhava bravinho.

- Você não pode ir embora e só deixar um bilhete!! - eu ri e o abracei.

- Isso é verdade, nos preocupamos! – me virei e olhei Carla.

- Desculpa, desculpa, não faço mais pai e mãe... – eu ri alto os olhando, os dois fizeram o mesmo.

Poucos minutos depois a aula começou, e a professora decidiu que seria uma ótima ideia mudar o map de sal, e me colocou sentada com Reiji, eu gostava de sentar com o meu lobinho loiro, mas seria divertido encher o saco do megane-san.


Notas Finais


Demorei pra cacete, mas ta ai um capítulo morceguinhas♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...