História Everthing Has Changed - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran, Ellie Goulding, Harry Styles, One Direction, Selena Gomez, Taylor Swift
Personagens Ed Sheeran, Ellie Goulding, Harry Styles, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Selena Gomez, Taylor Swift
Tags Amizade, Ed Sheeran, Família, Romance, Taylor Swift
Visualizações 54
Palavras 3.667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capítulo novooooo!!! Espero que gostem, boa leitura a todos 😊

Capítulo 29 - Capítulo 28


Fanfic / Fanfiction Everthing Has Changed - Capítulo 29 - Capítulo 28

                          P.O.V Edward

  A claridade do dia refletia forte sobre mim, e ao abrir meus olhos devagar, sinto o cansaço e o sono ainda tomarem conta de mim. olhei as horas no relógio que estava posto em cima do criado mudo, e constatei que já passavam das 10:00, respirei fundo e esfreguei os olhos com as mãos. Não sei exatamente que horas voltei pro quarto, só sei, que assim que abri os olhos, os momentos desta madrugada foram os meus primeiros pensamentos do dia.


                  Flashback On


  — Seu beijo tem gosto de brigadeiro… — Disse a Loira de olhos azuis que brincava com meus cabelos enquanto eu a beijava levemente devagar. — O que estava fazendo antes de eu chegar?


  — Brigadeiro! — Ela me olhou com cara de espanto, e eu não resisti em soltar uma pequena risada.


  — Como assim você acorda na madrugada e vai direto para a minha cozinha fazer brigadeiro e não me diz nada?!


  — Como sou um cara legal, deixei um pouco para você, pois sei que você gosta… — Falei ao soltá-la de meus braços e me encaminhar a panela de brigadeiro que estava posta em cima do fogão. — Mas como você reclamou, vou comer tudo sozinho.


  — Ah mas não vai mesmo! — Disse ela — Traz esse negócio aqui! — Ela pediu em um tom autoritário que me fez rir novamente. Peguei a panela de brigadeiro junto com mais uma colher e levei para a loira que continuava sentada sobre a mesa balançando seus pés vagarosamente. Taylor sorriu ao ver a panela cheia de brigadeiro e não resistiu em dar sua primeira colherada.


  — Caramba!! — Disse ela com a boca cheia de brigadeiro — isso está muito bom!!


  — Eu sei… — Fiz questão de também dar uma colherada — Foi feito por mim!! — Ela riu enquanto dava mais uma colherada.


  — Quando aprendeu fazer brigadeiro tão bem? Eu não sabia desse seu novo talento!


  — Eu também não sabia, descobri assim, de repente. — Aproximei-me mais ainda da loira que imediatamente deixou a panela de brigadeiro de lado.


  — Que maravilha de descoberta! — Taylor enlaçou meu pescoço enquanto eu passava meus braços pela sua cintura. — Está animado pra voltar pra Londres? — Ela perguntou.


  — Bastante! — Falei sorrindo de lado — E você?


  — Não muito! — Ela abaixou seu olhar levemente e em seguida voltou a me olhar com um sorriso fraco. — Mas tudo bem! — Seu sorriso era tão fraco que quase não consegui vê-lo, e ao acariciar suas bochechas de leve, logo fiz questão de perguntar:


  — Mas porque? Aconteceu alguma coisa?


  — Não, claro que não… — Disse ela depois de suspirar fundo. — Mas, voltar pra Londres envolve tantas coisas, sabe… Faculdade, estudos, tempos limitados, Ellie Goulding…


  — Como?? — Falei franzindo o cenho sem entender absolutamente nada do que ela estava querendo dizer com a última coisa que ela havia falado.


  — Talvez seja coisa da minha cabeça, mas eu sei que quando voltarmos para Londres ela irá correndo te procurar e se jogar em cima de você novamente. — Disse ela retirando os braços de meu pescoço e em seguida olha para baixo.


  — Swift, ela está com o Niall! Ela nunca faria isso.


  — Vocês ficaram juntos a tanto tempo, e ainda não conhece aquela garota?! — Disse ela cruzando os braços.


  — Tá, Taylor, tá bom!! — Comecei a falar — Mas quer saber? Eu não estou nem aí se ela vai ou não me procurar, tudo que eu mais quero agora é distância daquela garota, ela já não faz mais parte de mim, tudo que um dia eu sentia por ela já não existe mais, e agora, a única coisa que sinto por ela é ódio, raiva, pena…


  — Mesmo? — Disse ela levantando o olhar para mim mais uma vez.


  — É impressão minha, ou você está com ciúmes? — Sorri de lado para a loira que corou imediatamente ao ouvir minha pergunta.


  — Ciúmes? Eu? Claro que não! — Disse ela dando mais uma colherada na panela de brigadeiro que estava do seu lado. — Eu apenas não suporto aquela garota.


  — Se você não a suporta, Eu muito menos! — Falei enquanto a envolvia mais uma vez em meus braços.  Taylor sorriu lindamente para mim e em seguida fixou seu olhar nos meus olhos enlaçando meu pescoço novamente.


  — Tem certeza que você não vai esquecer de tudo isso? — Ela perguntou ainda me encarando fixamente.


 — Posso saber o motivo dessa pergunta? — perguntei com um meio sorriso nos lábios.


  — Sei lá… — Disse ela abaixando mais uma vez o olhar. — Vai que  você dorme e não lembra de nada disso quando acordar?! — Taylor deu de ombros me fazendo rir de seu comentário hipotético. Peguei uma porção de brigadeiro com meu dedo indicador e me inclinei-me para mais perto dela sujando de propósito o canto de sua boca.


  — Pode ficar tranquila… — Beijei o canto de sua boca para limpar a sujeira que eu próprio havia feito — Não esquecerei desse momento… — Taylor sorriu, e em seguida passou suas pernas envolta de minha cintura.


  — Eu não esquecerei desses momentos… — Ela sussurrou docemente em meu ouvido. — Nem que a minha vida dependesse disso! — Naquele momento, fitei seus olhos azuis mais uma vez, e em fração de segundos, senti o coração disparar de forma impressionante, despertando para um novo sentimento, que até agora eu não tinha certeza se deveria senti-lo. Deslizei minhas mão por suas costas até sua cintura e sem conseguir resistir, a beijei mais uma vez. Era um beijo bom, com gosto de brigadeiro de panela, mas que além disso, me trazia sensações inexplicáveis jamais sentidas por mim, pois além de me fazer querer seguir em frente, também me fazia esquecer tudo ao meu redor, até de onde eu estava. E sinceramente, eu estava adorando isso.


               Flashback Off


  Sorri automaticamente ao lembrar de todos esses momentos, momentos esses que como eu havia dito, não foram capazes de sumir de minha mente.


 Ah,Taylor!!!! Falei em meio a um suspiro. Só você pra me deixar assim! Olhei mais uma vez as horas no celular e vi que marcavam quase 11:00. Assustei-me com o tanto de tempo que passei na cama pensando nos momentos dessa Madrugada, e imediatamente pulei da cama e comecei a me arrumar, A essa altura, já estavam todos me esperando, pois hoje finalmente voltaríamos para Londres, e como nosso vôo saia às 12:30 eu estava mais que atrasado.


                         [...]


  E como eu já havia presumido, todos já estavam me esperando na sala, Murray estava no canto da sala envolvendo Milley pela cintura, pela cara triste dos dois, cheguei na conclusão de que estavam se despedindo, e eu sabia muito bem quão doloroso poderia ser uma despedida. Desci as escadas devagar arrastando minha mala, e ao chegar no meio da Sala, não encontro Taylor entre todos ali. Austin estava sentado no sofá com aquela típica cara de tristeza, provavelmente por saber que sua irmã iria embora novamente, Cris estava em pé encostada no sofá com os braços cruzados, mas quando me viu, veio imediatamente em minha direção.


  É… Eu definitivamente não sou muito boa em despedidas! Disse ela ao chegar perto de mim.


 Muito menos eu!! Dei risada de leve.


  Sabe Ed, Essa madrugada, quando perdi o sono, desci, e fui até a cozinha afim de tomar um pouco de água, mas assim que cheguei lá, vi você e a Taylor… Aos beijos… A Loira abaixou o olhar e encarou o chão. Cris era uma ótima garota, simpática e muito bacana. O fato de machucá-la não estava em meus planos, suspirei fundo e comecei a falar, afim de tentar consertar as coisas.

  

  — Olha Cris, Eu adorei ter saído com você! Adorei te conhecer, e adorei mais ainda o fato de termos ficado juntos, mas acontece, que eu e você não temos nada haver um com o outro. Cuspi tudo para fora e imediatamente arrependi-me de tal coisa.


  Então quer dizer que você e a Taylor tem?! Disse ela com seu olhar decepcionado.


  Cris, por favor, não confunda as coisas!! Falei afim de fazer a garota entender meu ponto de vista.


  Você tem razão! Disse ela suspirando Mas de qualquer forma, vou sentir saudades! Ela sorriu tímida e em seguida me abraçou.


  Também vou sentir saudades falei ao retribuir seu abraço Pode acreditar. Cris sorriu e abaixou seu olhar, em seguida, me aproximei-me de Austin e sentei junto a ele no sofá. Cris continuava a me encarar com um meio sorriso no rosto enquanto se aconchegar no sofá a nossa frente. Fiquei feliz em saber que ela havia me entendido e que agora poderíamos ser amigos sem nenhum ressentimento. Sorri para ela que também sorria para mim com seu olhar amigável, até que sinto meu celular vibrar dentro de meu bolso me libertando finalmente daquele pensamento. Tirei o celular do bolso e chequei o número no visor. “Número Desconhecido.” Era tudo que aparecia na tela do celular, e mesmo com uma pitada de curiosidade, fiz questão de atender.


  Alô!! Falei ao atender o celular ainda sentado no sofá.


  Fico muito feliz em saber que sua estadia aí em Nova York está te trazendo benefícios profissionais. Parabéns pelo show, você e sua amiguinha são os assuntos mais comentados na Internet. Disse a voz do outro lado da linha me fazendo sentir um misto de raiva e desconforto ao reconhecer a voz que agora soava um tanto irritante. Imediatamente decido sair do meio dos outros e abrir a porta da frente afim de ir até o jardim.


  Que bom que esteja feliz por mim, só espero que também esteja feliz por você mesma! Falei seco esperando uma resposta do mesmo nível.


  Estaria mais feliz se você deixasse o seu orgulho de lado e se abrisse para que pudéssemos conversar em paz.Apertei o celular com força em minhas mãos e por fim respirei fundo tentando me conter.


  Sinto muito, Ellie,mas prefiro mil vezes manter meu orgulho do que conversar com você! falei sem dó nem piedade.


  Que pena, porque tenho toda a certeza que o assunto vai te agradar muito. — Ela falava incrivelmente calma, com um tom de voz baixo e suave, mas irritante ao mesmo tempo, que fez imediatamente surgir em mim uma faísca de curiosidade. Resisti a curiosidade e continuei com minha posição contrária, não existe coisa boa vinda de Ellie Goulding, e eu mais do que ninguém sabia perfeitamente disso.


   Me poupe dos seus assuntos irrelevantes, Ellie, você não percebeu que eu agora mais do que nunca, quero distância de você? Falei tentando ser o mais calmo possível.


  Você diz isso porque está longe, Baby! Mas não se preocupe, vou esperar você voltar pra Londres, aí você perceberá perfeitamente, que ainda me ama, e que não consegue ficar longe por muito tempo.A garota de voz irritante finalizou sua fala com um suspiro Audível.


  Você está muito enganada, Sabia? A única coisa que eu sinto por você é raiva, desprezo, e talvez um pouquinho de pena.


   Nossa!! quanta revolta!! — Disse ela irônica O que eu fiz pra você me odiar tanto? — Imediatamente apertei meus olhos com força me segurando mais uma vez para não explodir. Respirei fundo apertei o celular com força em minhas mãos.


  Será mesmo que terei que refrescar sua memória? Respondi tentando ser sarcástico, que não foi muito difícil, pois a raiva que eu sentia me fazia querer atirar o celular longe.


  Ok, Já vi que você não quer mesmo conversar! Ela suspirou mais uma vez


  Finalmente percebeu! Falei ríspido.


  Tudo bem então, só espero que você tenha a total certeza do que você quer!Disse ela em um tom derrotado.


  Claro, Ellie, Eu tenho toda a certeza do que quero. E principalmente sobre meus sentimentos, no qual já estão totalmente resolvidos. Soltei sem pensar duas vezes, e por fim me preparei para encerrar a ligação.


   Como assim, Ed? Você está com outra? Perguntou ela antes que eu pudesse desligar.


  Adeus, Ellie, e vê se me esquece, por favor!! Falei por fim e afastei o celular do ouvido.


  Ed… Me responde!!... Ed… Foi o que ouvi antes de finalmente encerrar a ligação. Respirei fundo mais uma vez e abaixei a cabeça, ela parecia uma espécie de perseguição em meu subconsciente, e eu mais do que nunca tinha medo, muito medo, de que essa perseguição nunca acabasse.


               P.O.V Taylor


  Você como sempre arrebatando o coração dos mais lindos garotos… Dizia Selena me fazendo rir enquanto me ajudava a terminar de fazer minha mala.


  Eu não arrebatei o coração de ninguém, Sel, antes se eu tivesse conseguido. Sorri tímida para ela e em seguida fechei minha mala e me preparei para descer.


  Como não? Perguntou ela me seguindo enquanto eu caminhava pelos corredores arrastando minha mala. Você ficou com o Ed ontem!!


  O fato de eu ter ficado com ele não significa que eu arrebatei o coração dele.


   Mas tenho certeza que ele arrebatou o seu, não é? Selena me olhou de canto de olho e sorriu maliciosa.


   Estarei mentindo se eu te dissesse que não! Sorri incontrolavelmente ao lembrar com detalhes dos momentos de ontem.


  Eu Espero e torço com todo o meu coração que tudo dê certo entre vocês. Selena me abraçou de lado me fazendo sentir-me grata por todo o seu apoio, eu iria sentir falta disso.


  Obrigada amiga! Não sei o que eu faria sem o seu apoio! Retribui seu abraço e continuamos andando em direção as escadas para o andar de baixo. Ao chegar lá em baixo, Cris veio correndo até mim e me abraçou forte, como se não quisesse mais me soltar, e ao se apartar de meu abraço logo percebo seus olhos cheios de lágrimas, Eu iria sentir sua falta, não só dela, mas de Milley e Selena também, minhas amigas eram sem dúvida insubstituíveis.


  Meu pai, juntamente com Tio Elton, já estavam nos esperando lá fora para nos levar ao aeroporto. olhei ao meu redor e não encontrei Ed na Sala, talvez estivesse lá em cima ainda, mas minhas dúvidas acabaram quando vejo Ed entrar na sala, ele estava no jardim falando ao celular, talvez com sua mãe, claro, para a avisar que chegaríamos em Londres logo logo, mas continuei com minhas dúvidas ao observar o Ruivo sentar no sofá todo cabisbaixo. Aproximei-me dele devagar e sentei-me ao seu lado.


  Pronto pra voltar pra Londres? falei sorrindo tentando puxar assunto. Ele mal me olhou, e ainda com a cabeça baixa assentiu positivamente. Não falei nada, talvez ele não estivesse afim de conversar agora por tudo que aconteceu conosco nessa madrugada, ou talvez por ainda estar rodeado de pessoas, ele não gostava de se abrir em uma conversa quando estava perto de muita gente, Ed sempre teve esse comportamento discreto. Entendi seu ponto de vista e optei por deixá-lo quieto, uma hora ou outra nós acabaríamos conversando.


  Depois de nos despedir de nossos amigos, Meu pai nos leva até o aeroporto, ao chegar-mos lá, fizemos todos os procedimentos necessários e em seguida sentamos para esperar nosso vôo ser chamado. Ed continuava calado, sentado com a cabeça baixa, aquilo me preocupava, pois depois do que aconteceu conosco, eu achei que ele seria ao menos um pouco mais gentil, não entendia o motivo dele estar tão quieto, e sem falar que ele não havia nem sequer olhado em meu rosto em Nenhum momento.


  Nosso vôo foi anunciado, e ao terminarmos de nos despedir de meu pai e meu tio, logo nos encaminhamos ao portão de embarque. Minutos depois, já estávamos em nossas poltronas dentro do avião na espera da decolagem, e quando o avião finalmente decolou, olhei para Ed e observei mais uma vez seu semblante quieto. Achei que ele teria aquele típico ataque de medo de altura, mas ele não se manifestou em Nenhum momento. Talvez ele tenha superado seu medo de altura, talvez esteja preocupado com alguma coisa, tão preocupado que nem teve tempo de sentir medo de altura, talvez ele só esteja cansado desejando chegar em Londres o mais rápido possível, ou talvez ele esteja triste por ter que deixar para trás os amigos que havia feito em New York. Sei lá… são tantas suposições, e nenhuma resposta concreta.


                      [...]


  O tempo passou calmamente, e quando finalmente nos demos conta, já havíamos chegado no aeroporto de Londres. Descemos do avião e em seguida nos encaminhamos para pegar nossas malas na esteira. Eu já me sentia totalmente ignorada, Ed passava por mim e nem me olhava, nem sequer falava comigo. O que será que aconteceu? Será que o problema sou eu? Será que fiz algo de errado? Eram tantas as perguntas que se formavam em minha mente.


  Murray!! Chamei Murray enquanto Ed esperava a esteira trazer sua mala. O que houve com o Ed? Porque está tão quieto? Falei baixinho para o Ruivo não me ouvir.


   Sei lá, ele tá assim desde manhã. Deve ter tido uma noite mal dormida, ou algo do tipo. Murray não sabia exatamente nada do que aconteceu conosco nessa madrugada, deduzi que Ed ainda não havia contado pra ele, E pra falar a verdade, eu achava bem melhor assim. Mas o fato dele ter tido uma noite mal dormida não entrava em minha mente, eu sabia que o problema não era isso. Talvez, o problema esteja em mim, quem sabe eu não seja o motivo disso tudo?!


  Depois de pegar  nossas malas, saímos do aeroporto a fim de pegarmos um táxi, Murray e Ed me acompanharam até em casa, quando descemos do carro, Os meninos me ajudaram com minhas malas até a porta de minha casa. Paramos enfrente a ela e então decido agradecê-los por terem a gentileza de me acompanharem até em casa.


  Obrigada por terem me acompanhado, meninos! Vocês são uns amores! Falei sorrindo para os dois a minha frente.


  Não precisa agradecer, Loirinha! É pra isso que servem os amigos não é? Murray sorriu docemente para mim.


  Para momentos de ajuda? Perguntei


  Não… Disse Murray Para carregar as malas um do outro.Cai na risada ao ouvir o comentário de Murray, não importa onde ele estivesse, Em Londres ou em Nova York, ele sempre continuava sendo o Murray. Continuei dando risada, até ver Ed também abrir um sorriso, um sorriso fraco, mas ao menos foi um sorriso. Deixa eu levar isso lá pra dentro. Murray pegou minhas malas e em seguida entrou com elas dentro de minha casa, restando apenas Ed e Eu do lado de fora. Olhei para o Ruivo a minha frente que me encarava com um meio sorriso no rosto, tentei sorrir para ele, mas ao lembrar que ele havia me ignorado durante o dia inteiro, logo faço questão de desfazer meus sorriso. Respiro fundo, e então tento puxar assunto.


  Finalmente chegamos em Londres, agora nossas rotinas voltam ao normal.


  Chega de Festas em casas de praias. Disse ele sorrindo sem mostrar os dentes. Finalmente um sorriso decente.


  E de shows no Madson Square Garden O sorriso de Ed aumentou ainda mais, e ainda cabisbaixo teve a gentileza de levantar seu olhar para mim.


  Essas foram as melhores semanas de toda a minha vida! Disse ele ao se aproximar ainda mais de mim. Sorri incontrolavelmente para ele, mas ainda observando o seu semblante nada agradável, logo fiz questão de perguntar:


  Ed, O que você tem?


  Como assim? Ele perguntou fingindo não estar entendo nada.


  Você me ignorou o dia inteiro, tentei falar com você, tentei conversar, mas você simplesmente fugiu de mim. Ele abaixou o olhar mais uma vez, e em seguida, respirou fundo.


  Eu estou bem, Ok? Não precisa se preocupar. Disse ele em um tom chateado e nem um pouco afim de tocar naquele assunto. Imediatamente, entendi que o problema era realmente eu, e que ele estava mesmo me ignorando. mas como? Porque? Depois de tudo que rolou entre a gente nessa madrugada? era assim que ele me tratava?


  Ok então, Desculpa por tentar dialogar com você! Falei nem um pouco feliz com o jeito que ele estava me tratando nesse dia.


  Taylor, Me desculpa, Eu… Ele tentou se redimir, talvez se dando conta do babaca que estava sendo. Mas, sem que ele continuasse a falar, logo faço questão de interrompê-lo.


  Não, não precisa pedir desculpas. Eu já entendi Edward, já entendi que pra você não passei de uma mera diversão na madrugada. Falei finalmente ao desengasgar tudo de minha garganta.


  O que?... Swizzle… Claro que não!! Eu só… Neste momento, Murray chega novamente onde estávamos, e mais uma vez decido interrompê-lo.


  Passar bem, Edward! Falei por fim. e sem que ele pudesse falar algo a mais, decidi entrar e fechar a porta com força.


  Entrei devagar na sala vazia de minha casa, e automaticamente as lembranças vieram à minha frente. Eu estava com raiva, raiva por ter acreditado quando ele havia falado que não iria esquecer dos nossos momentos. E mesmo que ele não tivesse esquecido, Ed fez a pior coisa que um garoto como ele poderia fazer, ignorou arduamente tudo que rolou entre nós. Isso me doeu, doeu fundo, e sem que eu me desse conta, me vi deitada no sofá abraçando uma almofada ao derramar lágrimas de ilusões por todo o meu rosto. 

Notas Finais


Eita gente!! Tadinha da Taylor 😐 como será que isso vai acabar? Comentem aí, o que vocês acharam. 😊 críticas e sugestões também são bem vindas 😊 bjnhs e até a próximo capítulo 😊


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...