História Everything has changed (Larry) - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran, Justin Bieber, One Direction
Personagens Ed Sheeran, Harry Styles, Justin Bieber, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Ed Sheeran, Harry, Harry Styles, Josh Devine, Justin, Justin Bieber, Larry, Larry Stylinson, Louis, Louis Tomlinson, Lustin, Ned, Nedsh, Nosh, Zouis
Exibições 39
Palavras 1.998
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu ia postar amanhã, mas acho que não terei tempo, então vai hoje mesmo..... Postei sem revisão... Mas vou conferir agora....

Capítulo 22 - Em particular, por favor.


Acordei com o telefone do Harry tocando. Ele me soltou do abraço meio relutante e atendeu.

- Puta que pariu! Tá me zoando? – Harry falou um tanto feliz e ao mesmo tempo decepcionado. – Tô no.... – ele me olhou e sorriu – Tô no Louis, chego em trinta minutos.

Ele desligou o telefone e pulou da cama para começar a se vestir. De repente ele parou e voltou para a cama. Eu ainda estava ali, tentando entender o que estava acontecendo. Ele me deu um beijo.

- Bom dia, meu amor. – ele sorriu – Vem comigo?

- Pra onde? – perguntei.

- Se veste e vem!

Nos vestimos, fizemos nossa higiene pessoal e corremos para fora do quarto. Ed estava sentado no sofá, tomando chá. E se engasgou quando viu Harry saindo do quarto.

- WOW! – ele falou. Nós rimos.

- Não ouviu a gente? – Harry falou para ele, sorrindo malicioso. – Poxa, amor, a gente tem que se esforçar mais. Senão os vizinhos nunca vão saber que eu estou por perto.

Dei um tapa nele. Ed deu risada.

- Agora vamos, porque eu tô morrendo de pressa! – Harry agarrou a minha mão e saiu correndo. – Depois a gente te conta o que aconteceu, Ed!

Dirigimos um tempo e logo paramos em frente a uma casa que eu acho que é do Liam e do Zayn. Harry entrou sem que o segurança o parasse e estacionou ao lado do carro do Niall. Entramos e lá estavam os três e mais quatro homens bem mais velhos que nós.

- E aí? – Harry entrou perguntando e me puxando. – É verdade?

Sentamos no sofá e os meninos olharam pra gente com um sorriso malicioso.

- Sim, estamos juntos de novo. – Harry falou, quando percebeu que todos estavam olhando nossos dedos entrelaçados. – Agora fala logo!

- Bom, nós descobrimos que o Simon está tirando dinheiro de vocês. – Um dos homens falou. E os meninos vibraram. – E achamos uma brecha no contrato que permite que vocês saiam da Modest e passem a ser agenciados pelo Zack. – O homem mostrou os papéis para os meninos e apontou para o Zack, pedindo que ele tomasse a frente.

- Seguinte, gente. – Zack falou, limpando a garganta. – Já entramos em contato com a Modest e o Simon vai ter que pagar boa parte do que pegou de vocês. Mas não queremos que isso seja divulgado. Ok?

Os meninos sorriam como se fossem meninos de 5 anos na Disney. Eu não estava entendendo muito bem. Harry viu minha cara confusa e me apresentou o advogado deles, Ben, e os demais como Arnold, James e Zack, seus novos produtores e empresário. Ele me explicou que estavam suspeitando de serem roubados, principalmente depois que um jornal divulgou quanto a banda ganhava por show. Os quatro descobriram que uma parte do cachê estava indo para uma conta sem nome e que o pessoal da equipe estava recebendo menos do que eles desejavam.

- Isso é ótimo, amor. – falei e Harry me deu um selinho rápido. Olhei para Zack, meio receoso do que ele acharia daquilo.

- Relaxa, o Zack é nosso amigo. – Zayn falou, sorrindo pra mim. – Ele sabe sobre tudo nosso e não vê problema.

Sorri de volta. Eles voltaram a discutir sobre tudo o que aconteceria com a banda. Sobre como a turnê deveria continuar, mas algumas pessoas teriam que ser substituídas, por estarem na maracutáia com o Simon. Os produtores seriam os primeiros, e o assistente pessoal iria junto. Harry sugeriu que eu fosse o assistente novo.

- Harry, você está pedindo isso só pra ficar perto do Louis? – Zack perguntou, com ar de brincadeira.

- Ele era assistente do Ed Sheeran. – Harry respondeu.

- Ok, então. – Zack falou, me olhando. – Louis, você pode cumprir essa função? Lembrando que vai ser pra cuidar de quatro vidas, ao invés de uma.

Concordei com a cabeça. Cuidar da vida desses aqui seria fácil, fácil.

- Só quero que vocês entendam que seria interessante vender as casas, agora. – Ben, o advogado, falou. – O contrato tem uma brecha, mas mesmo assim vocês terão que pagar multa por quebra. Isso não vai afetar a turnê e nem a relação com os fãs e a gravadora. Apenas precisam pagar a tal multa, que é bem salgada.

- Pela avaliação dos bens de vocês hoje, se vendermos a cobertura, a casa do Harry e essa casa aqui, fica tudo pago. – Arnold falou. – Pensem que se fizerem isso, vocês não precisam mexer nas economias e nem nos bens que adquiriram para suas famílias.

- Mas aí precisamos voltar para Londres? – Zayn perguntou.

- Infelizmente sim. Vocês terão que voltar para lá, pois a gravadora possui casas enormes, que podem acomodar os quatro sem problemas. E, inclusive você, Louis. – Zack falou – O Harry me contou que você está num vai e vem com essa coisa de comprar apartamentos e vender.

Sorri. Eu não acredito que terei que vender tudo de novo. AAAAAAAH! Se posso dar um conselho para o Louis do passado é: “Não inventa de ir naquele estúdio conhecer a bandinha que vai trabalhar com o Ed. Você vai se apaixonar e não vai ter volta!” Ok, eu não falaria isso, porque minha vida sem o Harry seria uma merda. Mas que chatice isso com o meu apartamento.

- Enfim, vamos organizar a venda das casas, pra acontecer o quanto antes. – James falou – Vocês vão voltar para Londres sem alarmar a imprensa. O contrato novo de vocês já está valendo.

- Já? – Harry perguntou. – Mas vocês acabaram de falar que temos que pagar uma multa para o Simon.

- Sim, vocês tem, mas o contrato já está quebrado. – James explicou – Agora só precisamos esperar que tudo seja acertado, mas vocês não são mais fantoches da Modest.

- Zayn, você não faz mais parte da agência da sua ex-namorada. – Arnold piscou para Zayn, que abriu um sorriso que aposto que seria capaz de rasgar seu rosto e deu um beijo em Liam.

- Só uma coisa! – Ben nos chamou a atenção. – Existe uma coisa chamada Cláusula do Pôr-do-Sol, onde vocês não podem falar nada do que rolava no contrato antigo de vocês. Isso é de praxe em todo contrato. Para evitar que segredos sejam soltos a torta e a direita. Portanto, não vamos sair por aí falando tudo o que a Modest fazia de maldadinha com vocês, ok? Caso vocês contem algo da relação de vocês com a empresa, vocês serão processados. Aliás, seremos todos processados. Podem viver livre, sair do armário, fazer suruba.

- Em particular, por favor. – James falou no meio da frase, nos fazendo rir.

- Usar drogas.. – continuou Ben.

- Também em particular – James completou e continuamos rindo e Ben tapou sua boca com a mão. James tirou a mão de Ben de lá e entrelaçou os dedos dele. Só aí, eu vi que ambos usavam alianças iguais. Casados.

- Enfim, sejam vocês mesmos, sem cagar tudo. – Ben falou, e deu língua para James.

Todos concordamos, rindo. Confesso que não sabia que essa cláusula existia, mas já que o Ben falou, podemos ficar de bico calado.

- A banda vai ter que se separar de nós? – Niall perguntou.

- Não, Ni. Seu Josh continua sendo seu baterista. – Zack falou e Niall corou. – Sério que você acha que eu não sei o que acontece com vocês?

Todos rimos. Ben, James, Arnold e Zack se retiraram, avisando que nossa mudança aconteceria em sete dias, quando a turnê recomeçasse. Além disso, ele me disse que passaria na minha casa amanhã para eu assinar o meu contrato de empregado do One Direction, para seguir na estrada com eles. Quando Zayn fechou a porta, após todas as despedidas, a gente não conseguiu controlar. Éramos só gritos e festa. Finalmente, estamos livres. Harry me pegou no colo e me rodou no ar. Nos beijamos como se fosse o primeiro beijo.

- Amor, estamos livres! – Ele falou me olhando nos olhos. – Posso andar com você pra todo lugar e de mãos dadas!

- E melhor, vamos voltar pra Inglaterra! – Zayn gritou nos juntando num abraço em grupo – Chega de tempo quente! Quero meu clima friozinho!

 

(...)

Estávamos na casa do Harry. Realmente era um lugar lindo, com uma vista maravilhosa. Não acredito que teremos que vender. Mas ok, se é pelo em da banda, eu fico tranquilo. Liguei para o Ed e expliquei o que tinha acontecido. Ele ficou muito feliz, principalmente porque eu iria para Londres, ficar perto dele. Ed me ofereceu sua casa e eu disse que com certeza moraria com ele. Afinal de contas, não acho que seja a hora de morar com o Harry.

Nos sentamos no sofá e ele ficou me olhando, como se estivesse observando cada detalhe.

- O que foi? – perguntei desconcertado.

- Amor, lembra do dia do VMA? – concordei com a cabeça. – Você começou a passar mal quando eu estava cantando. Corri no camarim e você estava vomitando. – Ele continuou falando. – O que aconteceu?

- Ah, sempre que eu fico nervoso, começo a vomitar sem motivo. – dei de ombros. – Só isso.

- Não quer ir ao médico? – Harry falou, chegando mais perto. – Pode ser algo mais grave.

- Tipo gravidez? – falei brincando. – Não sei se você foi na aula de biologia, mas dois iguais não fazem baby, amor.

- Babacão! – ele me deu um tapa no braço. – Eu tô falando sério.

- Prometo que se eu vomitar de novo, eu vou ao médico, ok. – falei me aproximando dele. – Agora vamos estrear essa casa, antes de vender?

Ele sorriu malicioso e começou a me beijar com sede. Sentei em seu colo e tirei a camisa, vendo que ele repetiu o movimento. Num único e rápido movimento, Harry me jogou no sofá e se deitou por cima de mim, distribuindo beijos no meu pescoço. Gemi de leve. Ele colocou a mão dentro da minha cueca e começou a me massagear. Puxei seu rosto para um beijo. Podia sentir que nossas línguas estavam explorando cada espacinho da boca um do outro. Ele me pegou no colo e senti que sua ereção estava bem avantajada.

- Vamos para o quarto, porque a Gemma chega hoje. – ele falou, cortando o beijo.

- Você não disse que morava com uma garota, Styles. – falei brincando.

- Ela é linda, mas é insuportável e só vem uma vez por mês. – ele falou rindo e voltou a me beijar. Desci de seu colo e subimos para o seu quarto.

Joguei Harry na cama e arranquei sua calça e boxer. Peguei seu pênis e o massageei por um tempo. Vendo-o gemer alto, de olhos fechados. Abocanhei a ereção e brinquei ali por um tempo.

- Amor, não aguento mais. – Harry falou gemido. – Quero você, por favor!

- Você me quer? – perguntei e ele abriu os olhos e me olhou com os olhos de cachorro que se perde da mudança. – Dentro de você?

Só recebi um aceno de cabeça como resposta, seguido de um gemido. Não demorei para colocá-lo de quatro. Comecei a passar os dedos e a língua em sua entrada. Ele implorava pelo meu toque. Coloquei um dedo e comecei a brincar ali. Com o tempo percebi que podia colocar mais um e depois mais um. Quando Harry já estava rebolando e implorando por mim, decidi que era hora de estar dentro dele. Até porque eu não aguentava mais. Tirei minha calça e cueca e adentrei Harry. Os gemidos altos enchiam o ambiente. Eu só conseguia falar seu nome e assim mesmo as palavras saiam desconexas. Chegamos no nosso clímax. Me joguei na cama, ao lado dele, que perdeu as forças e caiu também.

Harry se inclinou para o meu lado e me deu um beijo no rosto e depois nos lábios. Ele agarrou o meu pênis e começou a massagear. Gemi em resposta.

- Não sei se tenho forças para o round 2.  – falei

- Não precisa fazer nenhum esforço, amor. – Harry falou, distribuindo beijos no meu corpo. Eu faço tudo. E fez mesmo, me encheu de prazer mais uma vez.

Esse homem não existe.

 


Notas Finais


E essa coisa do Simon? O que acharam?
Sei que falei que ia colocar duas bombas nesse capítulo, mas preferi deixar a outra pra depois.
Na moral, se eu fosse o Louis, parava de comprar apartamento.

Enfim, me digam o que acharam....

ps: Ah, Cláusula do Pôr-do-Sol (Sunset Clause) existe mesmo. Todos os contratos tem. Ela não funciona exatamente como o explicado aí, mas é quase. Tanto que os meninos tiveram um período de um ano na deles, que eu acho que acaba agora, em dezembro... Fanfic também é cultura.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...