História Everything has changed (Larry) - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran, Justin Bieber, One Direction
Personagens Ed Sheeran, Harry Styles, Justin Bieber, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Ed Sheeran, Harry, Harry Styles, Josh Devine, Justin, Justin Bieber, Larry, Larry Stylinson, Louis, Louis Tomlinson, Lustin, Ned, Nedsh, Nosh, Zouis
Exibições 38
Palavras 3.605
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha a atualização da madrugada chegando!
Espero que gostem. Sinto que estamos caminhando para um fim, hein.....
Não conseguirei atualizar nos próximos dias, provavelmente eu mando alguma coisa no sábado, mas não é certeza. O trabalho está me lotando de coisas esse fim de semana.


ps: não rolou revisão.

Capítulo 23 - Meu herói


/Ed POV on/

 

Depois que o Harry e o Louis saiu só mandei uma mensagem para o Niall, pedindo para vê-lo. Ele respondeu falando que tinha uma super reunião e não podia me ver. Depois da tal reunião, descobri através do Louis que tudo o que aconteceu com os meninos. Fiquei bem feliz em saber que teria meu irmãozinho morando comigo de novo. Juro, esse um mês, mesmo estando em turnê foi horrível sem o Louis por perto. Mesmo que ele não trabalhe comigo, é bom saber que ele vai estar lá para conversar no fim do dia.

Eu acordei decidido, preciso terminar com ele. Louis tem razão em relação ao Josh e ele. Os dois passam muito tempo juntos e quando, finalmente, eles tem uma folga e podem se curtir, o idiota aqui aparece e atrapalha o casal, prendendo o Niall numa coisa sem muito sentido. Não estou dizendo que não amo o Niall, longe disso. Mas eu realmente acho que ele gosta mais do Josh do que de mim, só não sabe ainda.

 

<flashback on – um mês atrás>

 

            - Tava falando com quem? – perguntei para o Niall, quando ele desligou o telefone.

- Com o Josh. – ele respondeu, sorrindo igual um bobo.

- De novo? – perguntei, me sentando ao lado dele e dando-lhe um beijo nos lábios. – Esse moleque liga toda hora.

- Ah, ele gosta de saber como eu estou. – Niall deu de ombros. – Eles estava perguntando sobre o meu almoço.

- Eu não gosto desse menino. – falei, beijando seu pescoço lentamente. – Ele corre muito atrás de você. Sempre acontece isso.

- Ele é um grande amigo, a gente passa boa parte do ano juntos, em turnê. – ele respondeu e começou a dar atenção aos meus carinhos.

Parei para olhar em seus olhos. Eu sei que ele gosta desse menino. Eu posso sentir.

- Você gosta dele? – perguntei e recebi uma olhada surpresa. Ele não sabia do que eu estava falando.

- Ah, eu te amo, seu bobo. – Niall falou, tirando um pouco de cabelo dos meus olhos. – Não precisa ter ciúmes.

Depois disso ele não conseguiu se concentrar nos nossos carinhos. Pude perceber que ele estava distraído.

 

<flashback off>

 

Logo depois do almoço Niall me ligou falando que estava em casa. Chamei um uber e fui até lá. Não sabia como ter essa conversa, mas eu sabia que precisava acontecer.

Cheguei e o porteiro já estava autorizado a me deixar subir. Sem muitos rodeios, peguei o elevador e fui até a cobertura. Quando sai do elevador e bati na porta, e Niall gritou que estava aberta. Entrei e vi que ele estava sentado no sofá, jogando Fifa no Playstation.

- Oi, amor. – Niall falou, sem tirar os da televisão. – Senta aqui.

Me sentei ao seu lado e esperei que a partida acabasse, em silêncio. Quando isso aconteceu, ele pegou um dos controles e me entregou.

 - Não quero jogar, precisamos conversar. – tirei o controle de sua mão e coloquei tudo na mesa de centro. Ele me observou com atenção. Me ajeitei no sofá, colocando nossos corpos de frente um para o outro. Dei um beijo profundo em seus lábios. – Você  sabe que é muito importante pra mim, né? – falei, colando nossas testas. Ele concordou com a cabeça. – Quero que entenda que isso aqui, que eu estou fazendo é apenas por conta do que eu realmente sinto por você.

- Do que você tá falando? – ele perguntou, confuso.

- Niall, eu acho que a nossa relação está tomando proporções que não são iguais para nós dois. – falei, suspirando e desgrudando nossas testas, mas sem tirar os olhos dos dele. – Não sou capaz de corresponder ao que você acredita ser isso aqui. – apontei para nós dois.

- O que você quer dizer com isso? – ele perguntou – Nossa relação tá ótima.

- Não, Ni. Não está. – falei – Você sabe que não tá. O seu sonho é ter alguém que te ligue a todo tempo, que fale que te ama. Que seja 100% seu.

Ele sorriu fraco e deu de ombros.

- Mas eu posso sobreviver sem isso, amor. – ele falou, tocando meu rosto.

- Ni.... Você fica bobo sempre que o Josh se mostra o melhor cara do mundo para você. – falei sorrindo e ele fez uma cara chateado, como se desculpasse. – Não estou chateado com isso. De forma alguma. Eu te amo, demais. Mas não acho que eu seja o amor da sua vida.

- Podemos ser o amor um do outro. – ele falou

- Todas as vezes que você me chama de amor, eu sei que é só para firmar o que você acha que é real. – constatei – Não é?

Ele concordou com a cabeça, deu de ombros e virou o rosto para que eu não pudesse olhar em seus olhos. Puxei seu rosto, pelo queixo.

- Eii... – falei baixinho e sorrindo – Somos os melhores amigos, certo? – ele corriu e concordou. – Vivemos uma fase muito legal, mas o Josh te ama muito.

- Isso é tudo por causa da noite passada? - ele perguntou – Porque se for, eu já falei para o Josh que te amo.

- Não é sobre a noite passada, Niall. – falei sério – É por todos os meses que você passa com ele, se divertindo e sendo amado 100% do tempo, e eu apareço na folga e estrago tudo de vocês. Eu saio com meio mundo e me divirto sendo o pegador da galera. Você não pode ser assim.  Porque você não é assim!

Ele sorriu e me deu um selinho. Correspondi e aprofundei o beijo. Amo estar com ele, amo o gosto dele. Mas não o amo como ele merece.

- A pior coisa da minha vida vai ser abrir mão de você. – falei, cortando o beijo. – Mas a melhor coisa vai ser estar por perto, vendo você ser feliz com alguém que te ama igual você é capaz de amar.

Ele sorriu.

- Eu nunca shippei o Josh comigo. – falou, olhando para o teto e sorrindo. – Isso não tem como dar certo. Não é OTP.

- Se você prestar muita atenção, Nosh é mais OTP que Ziam e Larry. – falei, o abraçando de lado e ele me olhou, quase ofendido.

- Como você ousa dizer que algo é mais real que Larry? – ele me fuzilou com os olhos. – Ziam parecer pouco real, em dados momentos, ok! Mas Larry é tão real quanto esse nosso término aqui, querido.  - Começamos a gargalhar. Ele realmente amava esses casais.

- Estamos bem? – perguntei

- Ótimos. – ele sorriu e me deu um beijo na bochecha. – Agora só tenho que saber o que farei da minha vida. – suspirou.

- Você vai ligar para o Josh e vai se resolver. – dei de ombros. – Eu tenho que ir, tenho show hoje. Você vai?

Ele concordou com a cabeça. Sabia que ele e os meninos estariam lá para me prestigiar, eles nunca deixavam de ir.

 

/Ed POV off/

 

Depois de uns 4 rounds, Harry estava exausto, dormindo pesado do meu lado. Eu tinha acabado de acordar, fui até o banheiro, tomei um banho longo, vesti uma de suas roupas e resolvi acorda-lo.

- Harry... – falei baixo e dei um beijo em sua testa – Amor.... – dei-lhe um selinho

- Ah, bom – ele falou arrastado e rouco – Achei que ia ter que acordar com beijinho na testa, como se você fosse minha mãe. – Ele me puxou para deitar em cima dele e aprofundou o beijo.

- Vai tomar banho, vamos nos atrasar para o show do Ed. – falei, cortando o beijo.

- Precisamos mesmo ir? – Harry perguntou e eu fiz que sim com a cabeça. – Mas a gente encontra aquele ruivo todo dia. Se a gente pedir, ele canta aqui, enquanto a gente transa.

- Harry! – dei um tapa em seu braço e ele riu. – Vamos logo! Já pro banho. – me levantei e comecei a bater palminhas, apontando para o banheiro.

- Vem comigo? – ele puxou minha mão, manhoso.

- Não, amor, eu já tomei banho. – respondi, relutante e ele fez biquinho. – Prometo que quando a gente chegar, se houver alguma disposição, eu te recompenso por tomar banho sozinho.

Ele se aproximou, colou nossos corpos de uma maneira que nem a física explica e me deu um beijo sedento. Quando ele cortou o beijo, eu já não lembrava nem meu nome.

- Sempre tenho disposição para você, baby. – ele falou mais rouco do que o normal, tentando recuperar o fôlego que ele também perdeu durante o beijo.

 

(...)

Liguei para os meninos para ver como iríamos para o show. Niall disse que ia conversar com o Josh antes de ir e provavelmente, se tudo corresse bem, os dois iriam juntos. Liam e Zayn pediram para buscarmos eles. Depois de muito enrolar, Harry estava pronto. Passamos na minha casa, para eu trocar de roupa. Seria coisa rápida, porque eu já estava de banho tomado e perfeitamente arrumado.

Eu não precisava me preocupar muito com os nossos passes vip’s porque além de saber que os nomes estariam na portaria, eu conhecia todos na produção. Entrar ali foi como voltar para casa. Pude cumprimentar todos da equipe, conhecia cada pessoa naquele bastidor.

Posamos para a imprensa, no corredor geral, apenas para marcar presença. Alguns já sabiam do contrato dos meninos e do escândalo que estava por vir em relação ao Simon. Mas as maiores perguntas se dirigiam ao jeito como Harry e eu estávamos nos comportando, já que nossas mãos não desgrudavam. Não respondemos nada. Afinal de contas, a gente não entende muito bem como funciona aquela parada de silêncio e o Harry odeia expor a própria vida.

Já no camarim, Ed veio nos receber, percebendo que Niall não estava conosco.

- Ele disse que tinha que conversar com o Josh – Zayn falou – Provavelmente ele quer resolver alguma questão da noite passada.

- Ah, ele não falou para vocês? – Ed perguntou e todos negamos. – Terminamos. Bom, decidimos parar a palhaçada de fica e não compromete.

Ninguém podia acreditar, mas Ed explicou como ele sempre soube do Josh e como ele não queria perder o Niall, mas nunca o amou de verdade. Achei uma atitude linda do Ed em dar espaço para o Niall ser realmente amado por alguém que lhe quer bem.

 

/Niall POV on/

Toquei a campainha três vezes, até o Josh finalmente abrir. Pude ver que seus olhos estavam inchados com sinal de choro.

- O que você tá fazendo aqui? – ele perguntou – Veio me beijar e falar que não me ama? De novo?

- Terminei com o Ed. – falei olhando para o chão. Eu não conseguia olhar em seus olhos. – Ele disse que não me ama como eu o amo. – Não faço ideia de porque eu comecei a chorar. Senti Josh me puxar para um abraço apertado. Pude sentir que molhei sua camiseta. Entramos no apartamento e ele me sentou no sofá, ao lado dele. Pude ver que Fifa estava pausado na TV dele e dei um riso fraco.

- Ni... – ele falou e eu segurei seus lábios com o dedo indicador.

- Deixa eu falar? – pedi e Josh concordou. – Eu não sei o que sinto por você, mas sei que vai além de amizade. Depois de conversar com o Ed, percebi que realmente o amo de uma maneira doce, mas não é plena. Estou disposto a estar com você, mas não quero te machucar, por isso estou sendo verdadeiro e dizendo que estou confuso.

Olhei nos seus olhos e ele abriu um sorriso que me encantou. Eu devo amar esse baterista, né? Porque o aperto que meu peito sente quando penso que posso machucá-lo, não pode ser normal. Não aguentei e tratei de beijar aquela boca risonha. O beijo foi profundo e apaixonado. Paramos quando nos faltou ar e ele colou nossas testas.

- Vamos para o show? – ele falou sorrindo e eu fiquei confuso. Confesso que pensei que ele não ia querer ver o Ed, não depois do chororô de ontem. – Que foi? Ele ainda é seu amigo, né?

Concordei com a cabeça, e ele se levantou, indo até o quarto, aparentemente, para se trocar. Eu levantei e o segui. Ele tirou a roupa sem pudor nenhum e eu não pude evitar, mas mordi o lábio inferior. Josh me olhou e riu, vindo até mim.

- Quando a gente voltar pra cá, prometo que isso aqui. – ele apontou para si mesmo – Vai ser só seu.

- É bom que isso aí, seja só meu durante o show também, senhor Devine! – falei brincando e ele me deu um selinho. – Tem certeza que quer ir ao show?

- Vocês ainda são amigos, eu sei que você adora o show dele. – ele falou, enquanto vestia a calça e procurava uma camiseta. – E eu preciso muito ir ao drive-thru antes!

- Agora você falou a minha língua! – respondi – Vamos comer!

Saímos dando risadas e nos beijando de tempos em tempos. As coisas com o Ed costumavam ser apenas carnais. Não conseguíamos passar mais de trinta minutos juntos, sem transar. Mas com Josh é diferente, ele realmente curte estar comigo, conversar, comer, transar, tocar, se divertir, comer de novo. Enfim, eu e Josh sempre nos comportamos como namorados. Como eu nunca percebi isso?

 

/Niall POV off/

 

Já estávamos em nosso camarote privado, esperando o show começar quando Niall chegou de mãos dadas com o Josh. Sorrimos para os dois, já entendendo o que havia acontecido. Harry foi até o casal e os abraçou.

- OTP! OTP! OTP! Obrigada, Deus! – Harry imitou o sotaque irlandês de Niall, que caiu na gargalhada. – O que? Não é assim que você faz? – Harry perguntou.

- Isso mesmo! – Niall falou. – Mas esse OTP aqui, eu nem sabia que eu shippava!

- Ah, para! – falei – Todos shippamos Nosh!

Josh estava visivelmente sem graça, principalmente porque os meninos, eu e todo o resto da banda do One Direction que decidiu vir ao show, concordou que eles eram o OTP supremo.

(...)

O show começou e, como sempre, foi fantástico. Num determinado momento, Ed anunciou que havia escrito uma música nesta tarde e era sobre uma pessoa muito especial para ele. Ele começou a tocar a música que ele chamou de “Wake Me Up”. Todos sabíamos que era para Niall, que chorou bastante no braços do Josh enquanto o Ed tocava no palco. A música era doce e parecia uma declaração de amor e uma despedida ao mesmo tempo. Josh não pareceu sentir ciúme, e apenas consolou Niall, o quanto ele precisou.

Todos dividimos carícias durante o show, mas aparentemente a imprensa não tinha acesso aos camarotes, ou seja, não vimos flashes e lentes direcionados à nós. Isso era ótimo.

Depois do show, tomamos algumas cervejas e drinks no camarim e cada um foi para sua casa. Deixamos Liam e Zayn em casa e os dois começaram a se atracar antes mesmo de abrir a porta. Rimos e seguimos o caminho. Harry me deu a mão, entrelaçando nossos dedos.

- Sua casa ou minha casa? – perguntou.

- Su.... – interrompi o que estava falando para encostar o carro no acostamento e descer correndo. Precisava vomitar. Harry desceu correndo, e ficou do meu lado, enquanto eu vomitava. Me levantei e senti uma pontada no abdômen, que me impossibilitou de continuar em pé. Cai no chão.

- Amor! – Harry falou, me pegando no colo – O que você tá sentindo?

- Não sei, mas tá doendo muito. – apontei pra uma área na minha barriga. Harry me pegou no colo e me colocou no banco do carona no carro. Ele deu a volta no veículo e arrancou, direto para o hospital. No caminho ele tentou entender o que eu estava sentindo, mas eu não conseguia explicar. Chegando no hospital, ele gritou por socorro e os médicos me colocaram em uma maca e me levaram para o centro cirúrgico. Antes que as portas fechassem, vi Harry derramar algumas lágrimas.

- Fica bem! – ele gritou e eu acenti. – Te amo! – foi a última coisa que ouvi, antes de estar muito distante dele.

Horas depois acordei, já no quarto do hospital, com alguns fios e tubos ligados à mim. Harry estava do meu lado, segurando a minha mão. Zayn e Ed estavam sentados no pé da cama, cada um com uma mão em uma das minhas pernas. Liam, Niall e Josh estavam encostados na parede mais próxima da cama.

- O que aconteceu? – tentei levantar e senti uma leve pontada no abdômen. Harry me segurou. Levantei a veste do hospital e vi que estava com um curativo.

- Seu apêndice estourou. – Harry falou baixo. – Você não tinha percebido que vinha sentindo dores no apêndice, amor?

Neguei com a cabeça, tentando me lembrar do meu último mês, desde que comecei a vomitar bastante. Lembro de sentir uma dor na barriga, mas sempre achei que fosse por conta do mau estar estomacal.

- Existem casos raros, onde o apêndice pode dar sinal de inflamação por muitas semanas, até realmente ser algo grave. – Ed falou, fazendo carinho na minha perna. – Mas quando os sinais aparecem, você pode acabar morrendo. – Ele sorriu fraco, escondendo as lágrimas.

- Ainda bem que o Harry correu para o hospital com você. – Niall falou, encostado na parede. Olhei para o Harry que sorria, entre as lágrimas. Fiz um leve carinho em seu rosto.

- Obrigado. – falei baixo. Ainda estou tonto da anestesia. – Meu herói.

- Herói? – ele falou rindo. – Eu quase morri de medo.

- Heróis tem medo. – Liam falou sorrindo. – Essa é a parte legal deles. Lutam contra o medo pelo que amam.

Harry sorriu e se inclinou para me dar um selinho.

- Bom, agora que você acordou, nós vamos para casa. Porque virar a noite aqui não foi fácil. – Josh falou, pegando a mão de Niall. – Vamos, baby?

Niall apenas concordou com a cabeça. Observei a reação de Ed ao ouvir Josh chamando Niall de “baby” e pude ver um nariz torcendo ali.

- Nós também vamos. – Zayn falou – Vocês vão ficar bem sozinhos? – Ele olhou para mim e para o Harry. Eu assenti com a cabeça. Não tem como eu ficar mal com o Harry por perto.

Liam e Zayn se retiraram e Ed ainda ficou mais alguns minutos, afirmando que eu podia ligar para ele a qualquer momento. Ele me contou que já tinha avisado para minha mãe que estava tudo bem e que ela estava ansiosa para me ver. Prometi que na manhã seguinte, Harry ligaria para ela e nos falaríamos por vídeo. Quando Ed saiu, Harry fechou a porta e voltou a se sentar ao lado da cama.

- Amor, dorme. – ele falou baixinho, fazendo carinho nos meus cabelos. – Você deve estar cansado.

- Me dá um beijo? – pedi. Ele, sem nem pensar duas vezes, depositou um beijo nos meus lábios. Começou lento e doce, mas logo se tornou algo mais profundo e com vontade. Nenhum analgésico faz aquilo.

Harry ligou a TV e encontramos um canal onde estavam passando alguns programas britânicos, que nós amamos. Zack ligou para saber se eu estava bem, logo depois Ben e James fizeram o mesmo. Arnold não ligou, mas apareceu com uma caixa de chocolates e ficou cinco minutos ali, conversando a toa com a gente.  Os meninos não podem estar em melhores mãos.

Já estava anoitecendo, Harry tinha conseguido cochilar um pouco, mas agora estava, novamente, sentado ao meu lado. Algumas enfermeiras vieram até o quarto, duas para pedir autógrafos e fotos ao Harry, que foi super simpático, e duas para me dar os medicamentos que o médico prescrever. Depois disso, pedimos para não sermos mais incomodados, a não ser que fossem familiares e amigos. Era melhor assim, mesmo sabendo que o Harry ama seus fãs, não era o momento. 

Por voltar das 19 horas, Harry estava terminando de me ajudar com o jantar, quando a porta abriu. Olhamos para ver quem era, pois não estávamos esperando visitas. Podiam ser os meninos, mas eles disseram que não iriam incomodar pelo resto do dia. Foi aí que Justin entrou no quarto. Harry se levantou na mesma hora, sério.

- Lou, como você tá? – Justin correu até a cama, ignorando a presença do Harry.

- J... – fechei os olhos quando ele tocou meu rosto. Assim que abri os olhos encontrei um par de olhos verdes me olhando com ódio.

- Liguei para o Ed, pra saber como anda a vida e ele me contou. – ele me olhava dos pés a cabeça. – Foi só o apêndice mesmo?

- Sim, foi só isso. – Harry falou, quebrando o silêncio e se fazendo presente. Justin olhou para ele e suspirou.

- Ainda bem que você estava com ele. – Justin falou, nos pegando de surpresa.

- Sim....- Harry falou, estudando Justin. – Ainda bem.

- Você precisa de alguma coisa? – Justin parou de olhar para Harry e voltou a atenção a mim. – Minha turnê tá acontecendo na Califórnia agora, posso fazer o que estiver ao meu alcance.

- Vamos embora pra Londres em alguns dias. – Harry falou e Justin se assustou. – Ele receberá cuidados em casa, em Londres.

- Como assim? – Justin me perguntou.

- Eu vou embora com o Harry, J... – falei calmo – Agora sou assistente do 1D e além disso, a gente tem que ficar juntos.

Justin se afastou da cama devagar. Como se eu tivesse o mandado sair. Ele caminhou até a porta, negando com a cabeça.

- Eu achei que ainda tinha chance. – ele falou olhando para cima, parecendo que falava consigo mesmo. – Tchau, Lou.

Justin saiu e Harry foi até a porta e trancou a mesma.

- Ok.... – ele falou, olhando para mim. – Isso foi estranho.

- Ah, para. – ri fraco – Ele é meu amigo, antes de tudo.

Harry riu e voltou a se sentar do meu lado, me ajudando a jantar. 


Notas Finais


E aí? Muita coisa aconteceu! O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...