História Everything has changed (Larry) - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ed Sheeran, Justin Bieber, One Direction
Personagens Ed Sheeran, Harry Styles, Justin Bieber, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Ed Sheeran, Harry, Harry Styles, Josh Devine, Justin, Justin Bieber, Larry, Larry Stylinson, Louis, Louis Tomlinson, Lustin, Ned, Nedsh, Nosh, Zouis
Visualizações 94
Palavras 1.694
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Só porque não consigo ficar sem postar coisas prontas para vocês! Esse tá curto, porque não tive como escrever mais hoje.
Amanhã eu trabalho o dia todo e no fim de semana também, por isso vão ter que esperar até domingo ou segunda...

Estou mega cansada, por isso ainda não revisei...

Capítulo 24 - Jamais diria não


/Justin POV on/

 

Não acredito que o Louis vai pra Londres. Eu ainda achava que tinha como recupera-lo. Sai daquele quarto de hospital chorando e comecei a dirigir sem rumo. Peguei meu celular e liguei para o último número na minha lista de chamadas recentes. Ed Sheeran.

 

<ligação on>

- Justin? – ele atendeu prontamente

- Ele vai embora! – falei quase gritando

- Eu sei. – ele respondeu.

- Por que você não me contou?

- Justin, sei lá. Acabei de terminar com o Niall, eu achei que estava tudo bem, mas não...

- Ed, eu precisava saber! – um carro buzinou atrás de mim.

- Você tá dirigindo? – ele perguntou – Justin, vai pra casa!

- Não quero!

- Estou indo para lá!

<ligação off>

 

Eu realmente queria ficar dirigindo, mas desde o VMA, percebi que todos os conselhos do Ed andam me ajudando a me manter na linha. Afinal de contas, eu nunca tive grandes amigos, apenas ele e o Louis. Decidi seguir o que ele falou. Virei no primeiro retorno e dirigi até a minha casa.

Quando cheguei lá, vi que Ed já estava sentado na escada, em frente a porta. Desci do carro e corri até ele. O abracei e tive o mesmo abraço de volta.

- Ele vai embora de vez. – falei entre os soluços. – Eu perdi.

- J... – Ed falou, olhando para mim. – Você não perdeu. Você nunca teve o Louis.

Aquelas palavras doíam como lâminas na minha pele.

- Eu trouxe cerveja, vamo entrar e conversar. – ele falou, se abaixando e pegando as sacolas. Entramos em casa e eu me joguei no sofá.

- E o Niall? – perguntei, enquanto ele colocava as cerveja nas geladeiras. Ele não respondeu até chegar no sofá e me dar uma cerveja.

- Ah, meu! – ele falou desanimado, se jogando no sofá – Não sei se consigo falar com o Louis sobre isso, porque agora ele vive com os meninos. Mas eu não gostei de ver o Niall com o Josh.

- Luta por ele! – falei por impulso.

- Justin, não sou igual a você! – ele falou sério – Eu quero que o Niall seja feliz, só não gostei dele estar feliz com alguém sem gracinha igual o Josh, mas daqui uns dias eu tô em turnê e esqueço isso com uma outra pessoa.

Ele tem razão, a melhor parte de estar em turnê é poder esquecer problemas com alguém que não te importa muito.

Ficamos ali, bebendo um pouco e conversando. Acabamos adormecendo no sofá. Ed realmente é meu amigo e ele tinha muito medo que eu acabasse fazendo merda de novo. Fico grato de ter alguém me travando por perto. Já que o Louis estava no hospital e, provavelmente, não vai se importar em me ligar nunca mais. Ok, eu sei que estou sendo dramático. Mas pelo que já vi do Harry, ele não vai deixar que o Louis me ligue.

/Justin POV off/

 

- Amor... Hazz... – chamei baixinho, percebendo que ele estava dormindo na cadeira ao meu lado. Está quase amanhecendo e eu não consigo dormir. – Harry...

Ele se levantou correndo.

- Desculpa, eu dormi. – ele esfregou o rosto. – Eu não devia ter dormido. O que você tá precisando?

Não consigo resistir. Eu tenho o melhor namorado do mundo, não é possível.

- Deita aqui do meu lado? – pedi. Ele se levantou e se sentou na beirada da cama, esperando eu chegar para o lado. Tive um pouco de dificuldade, porque conta dos pontos.

- Tem certeza? – Harry me perguntou, enquanto eu me mexia.

- Por favor, eu preciso de um abraço. – fiz um biquinho. Ele se deitou e eu me ajeitei em seus braços. Ficamos um tempo em silêncio. – Amor... – fiquei receoso de tocar no assunto. – Quero ligar para o Justin, ele saiu apressado. Fiquei preocupado.

- Amor, tá tarde. – ele falou, fazendo carinho no meu cabelo. – Amanhã você liga.

Sorri e concordei. Achei que ele fosse ficar estressado com isso, mas ele apenas aceitou. Pode ser pelo sono, mas ok. Respirei um pouco o seu perfume e fui me acalmando até dormir.

(...)

Acordei com o médico entrando no quarto. Harry se levantou da cama e deu bom dia ao doutor. Depois de me examinar por completo, ele disse que eu poderia ir para casa e estava autorizado a viajar para Londres, contando que não fizesse grandes esforços e fosse no avião mais confortável possível. Imediatamente, Harry ligou para Zack e pediu que um avião fosse alugado para irmos para Londres juntos. Ele concordou sem pestenejar, mas avisou que Louis e eu iríamos sozinhos em um avião e os meninos iriam em outro. Isso era pro caso do Zayn querer fumar durante a viagem, já que eu não podia ficar exposto a nada agressivo.

Antes de ir para casa, liguei para a minha mãe e conversei com ela pelo facetime. Depois de longos minutos, ela aceita que estou bem e concordamos que ela tem que me visitar em Londres, pra ter certeza. Harry conversa com ela durante alguns minutos, enquanto a enfermeira vem para tirar todos os tubos que estão em mim.

Me levantou e começo a trocar de roupa, com a ajuda de Harry, quando termino de me vestir, me sento na cama novamente. Harry me entrega meu celular e olho para ele como se estivesse perguntando o motivo daquele gesto.

- Você ainda não ligou para o Justin. – ele me falou – Lembra que disse que estava preocupado?

- Você não vai ficar bravo? – pergunto

- Amor, eu não costumo ficar estressado, você sabe. – ele disse dando de ombros. – Aquele dia eu estava no meu limite.

Pego o celular e ligo para Justin. Ele demora a atender e quando o faz, ele tem a voz bem sonolenta.

<ligação on>

- Te acordei, né? – perguntei receoso.

- Sim, mas não tem problema. – ele fala, carinhoso e não consigo deixar de sorrir. Olho para Harry, para ver se ele está me observando e percebo que ele está prestando atenção no canal de fofoca, que está falando de nós dois.

- J, você veio aqui ontem e eu não ti... – comecei

- Relaxa, Louis. – ele falou – Só me interessa saber que você está bem.

- Acabei de ter alta e vou para Londres amanhã. – falo com calma – Desculpa ter que fazer tudo de última hora.

- Amor... Quer dizer, Louis. – ele se corrige rapidamente – Eu decidi que não vou mais me importar com você. Cansei, ok?

- J... – sinto meu olhos começam a marejar – Eu jamais deixarei de me importar com você.

- A gente não tem porque se importar um com o outro, ok? – ele falou ríspido. Sei que aquilo era só pra me atingir, e ele estava conseguindo. – Estou aqui com o único amigo que me resta, o Ed. Tchau, Tomlinson.

<ligação off>

Ele desligou o telefone e eu me desmanchei em lágrimas. Harry só começou a prestar atenção em mim, quando eu estava soluçando. Ele veio e me abraçou. Expliquei o que tínhamos falado na ligação e ele ficou com raiva do Justin, mas não expressou muito o que estava sentindo.

(...)

No dia seguinte, Harry e eu pegamos o jatinho particular a caminho de Londres. Eu já conseguia andar normalmente, mas não podia fazer nenhum esforço. Nos sentamos lado a lado, em um dos sofás, e assim que o avião decolou, Harry começou a beijar meu pescoço, deixando algumas marcas ali.

- Amor, eu não posso fazer grandes esforços, você sabe. – falo, manhoso. Harry começa a rir.

- Pode deixar que eu cuido do esforço. – Harry continua beijando meu pescoço.

- Hazz, sério, eu não vou conseguir manter meu repouso assim. – falo entre gemidos, quando ele coloca a mão dentro da minha calça.

- Ok, só vou resolver essa situação aqui, porque é maldade te deixar assim, certo? – ele fala sorrindo, abaixando minha calça e abocanhando meu pênis. Apenas seguro sua cabeça e guio seus movimentos. Não demoro a me desmanchar em sua boca. Ele sobe e me beija. Sinto meu gosto, junto do  gosto estonteante de seus lábios. Aquele homem me enlouquece.

Ele se senta do meu lado e percebo o volume em sua calça. Sei que não posso deixá-lo daquele jeito. Seria maldade. Coloco a mão dentro de sua calça e começo a massagear sua ereção. Faço isso até o momento que ele geme alto e se derrama em minhas mãos e em sua cueca.

Seguimos o voo, nos beijando e nos tocando uma hora ou outra. Chegando lá, Harry não admite que eu vá para a casa do Ed. Por isso me instalo na 1D House, como eles passaram a chamar a mansão que Zack alugou para eles em Chelsea, o bairro nobre da cidade.

- Amor, ainda acho que posso ir para casa do Ed, afinal de contas, vou morar lá. – falo, enquanto me jogo na cama.

- Primeiro, se movimenta com calma. Porque esse corpo aí, que você carrega pra lá e pra cá, vale ouro pra mim. – ele fala, se aproximando e deitando ao meu lado. – Segundo, vem cá. Ele pegou a minha mão e me levou até a varanda enorme que tinha no quarto dele. Vi que o lugar estava decorado com luzes de natal, e haviam pétalas de flores por todo lado. No meio da varanda, algumas almofadas estavam cuidadosamente colocadas em volta de uma mesa posta para o jantar. Fiquei maravilhado.

- Harry.... – eu não tinha palavras para me explicar ali. Ele me abraçou por trás.

- Lembra que quando eu sofri o acidente, e nós brigamos no hospital, eu te falei que nunca tinha te pedido em namoro? – ele falou e eu concordei, meio que não fazendo questão de lembrar daquele dia, mas ok.

- Pois bem.... – ele deu a volta e ficou de frente pra mim, me abraçou pela cintura – Louis Tomlinson, quer ser meu namorado?

Eu o abracei pelo pescoço e o puxei para um beijo que foi longo e nos deixou tontos. Cortei o beijo e colei nossas testas.

- Preciso responder? – perguntei.

- Ah, precisa... – ele falou rindo. – Eu não mandei fazer isso tudo aqui pra nada.

- Te amo e jamais diria não. – falo e ele abre o sorriso mais lindo do mundo e me beijou.  

 

 


Notas Finais


E aí? Fofura pura? Desespero? Ed e Justin? Será?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...