História Everything Is Different - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Block B
Personagens B-Bomb, Jaehyo, Kyung, P.O., Personagens Originais, Taeil, U-Kwon, Zico
Tags Block B, Jaehyo, Ukwon, U-kwon, Zico
Visualizações 16
Palavras 1.520
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Incesto, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Everything Is Different - Capítulo 6 - Capítulo 6

- O que é que eu tenho que saber? – Perguntei eu, bastante confusa sobre a conversa do Chani.

- Bem… eu não sei ser de outra forma com as pessoas, portanto vou direto ao assunto. – Disse ele e eu assenti. – O Jaehyo é meu pai e a tua mãe também é minha mãe. Ou seja… nós somos irmãos… de sangue… do sangue da mãe e do pai… ao contrário de ti com o Kyung e o Taeil que é apenas por parte da mãe.

- Espera… o quê? Explica-me tudo, por favor…

- Dois anos depois de tu teres nascido, a Minah ficou grávida outra vez, de mim, mas como o filho era do Jaehyo e não era do Zico e ela desta vez não queria ter que fingir que o filho era do Zico, ela deciciu ir para o estrangeiro. Disse a toda a gente que ia trabalhar, mas no entanto o ano que esteve no estrangeiro foi durante o tempo da minha gravidez e mais uns meses. Eu tenho vivido sempre com o Jaehyo e desde sempre que soube a verdade. A Minah ia visitar-me às vezes para ver como eu estava, levava-me presentes e ficava algum tempo comigo… hmmm… eu não sei o que estás a sentir neste momento S/n, mas a culpa não é minha…

- A culpa não é tua, Chani… disso podes ter a certeza… a culpa é da Minah, que não foi capaz de ficar quieta apenas com o Zico… em vez disso teve que se envolver com o próprio tio… e por causa disso nasceram duas crianças…

- Ontem… quando apareci na tua casa… eu quis contar-te logo… mas o Jaehyo e a Minah disseram que ninguém podia saber disto… no entanto, depois de ver as tuas atitudes comigo eu percebi que não te podia enganar… não podia viver numa mentira, estou cansado disso.

- As minhas atitudes contigo?

- Sim. Foste bastante simpática comigo, passaste o tempo todo a falar comigo como se nos conhecessemos à imenso tempo.

- Bem… a verdade é que eu não costumo ser assim com as pessoas… especialmente com aqueles que acabei de conhecer… mas não sei o que aconteceu contigo. Apenas me senti de forma diferente, eu sabia que podia confiar em ti e algo em mim me disse que eu não devia ser rude nem má contigo. Afinal de contas parece que esse sentimento que eu tinha provavelmente era o facto de sermos irmãos. Sendo assim, a conversa que a mãe me fez agora faz todo o sentido. Ela começou a perguntar-me as coisas que tu me tinhas dito, estava chata… agora entendo o porquê.

- Ela teve medo que eu te contasse alguma coisa.

- É… mas agora eu já sei as coisas… - Disse eu tentando sorrir para Chani. Sinto-me uma porcaria por dentro, no entanto, por fora estou a sorrir… nem acredito que a minha mãe foi capaz de fazer isto… gostava de entender porque raio eu me continuo a surpreender com as atitudes dela… já devia saber que tudo é possível.

- Bem, eu vou deixar-te surfar. – Disse Chani. Ele aproximou-se e deu-me um beijo na cara. – Vemo-nos depois?

- Claro. Adeus Chani, fica bem!

Ele afastou-se e no momento em que já não nos podíamos ver um ao outro, eu desatei a chorar que nem uma criança. Estou nervosa, não sei como lidar com tanta coisa ao mesmo tempo. Aiii, quando é que são 8:20 para o B-Bomb chegar? Ao menos quando estiver com ele posso-me distrair…

Continuei a chorar durante mais um tempo e de repente senti a presença de alguém ao pé de mim.

- S/n.

Assim que ouvi a sua voz, senti algo diferente. Nem preciso de me virar para saber que é ele, o meu tio…

- O que vieste aqui fazer? – Perguntei eu.

- Estás a chorar? – Perguntou ele, tentando fazer com que eu me virasse para ele.

- Pára!

- S/n, o que aconteceu? Alguém te fez mal? Magoaram-te?

- Sai daqui, eu não quero falar contigo.

Ukwon agarrou-me no braço e em vez de fazer o que eu disse e ir embora, puxou-me para ele e deu-me um abraço. Eu estava estática, mas mesmo assim permiti-me chorar ainda mais. A certa altura comecei a bater no peito dele enquanto falava entre os soluços e as lágrimas que me caiam da cara. Ukwon olhava para mim, espantado, mas não me impediu de lhe bater.

- S/n… - Disse ele. Nesse momento a sua voz doce fez com que eu tomasse conta da realidade. Parei de lhe bater e olhei para ele. – O que aconteceu?

- Ganhei um irmão. – Disse eu. – O Chani é meu irmão, filho da Minah e do Jaehyo.

- Quê?

- Dois anos depois de eu ter nascido ela ficou grávida outra vez, só que como não queria fingir que o Zico seria o pai de outra criança, foi para o estrangeiro… e é isso… o Chani passou a vida inteira com o Jaehyo e a Minah ia visitá-lo de vez em quando. Ou seja… há pelo menos 17 anos que a Minah mãe mantém um relacionamento com o Jaehyo… mesmo por baixo do nariz do Zico… ele anda a ser enganado à 17 anos! Ainda hoje de manhã eu a vi aos beijos com o Jaehyo! Será que ela enlouqueceu de vez? Não pensa nas consequências dos seus atos? Ele é tio dela! Qual é o problema dela afinal? Não lhe bastava uma filha e teve que ter outro? Não bastou ter uma filha fora do casamento? Teve que continuar a trair o Zico? De facto… o Zico merece muito melhor…

- Eu não sei o que te diga… não sabia de nada disso… parece que afinal não conheço a minha irmã tão bem quanto pensava…

- Pois, aparentemente não… mas agora… o que é que estás aqui a fazer?

- Eu segui-te. Saíste de casa antes das 7:30… a um sábado… acho que não é normal.

- Para mim é, eu passo o tempo todo fora de casa. E dispenso que me sigam. – Disse eu. Ia continuar a falar, mas B-bomb chegou ao pé de mim e de Ukwon nesse momento. Ele tinha uns calções de praia, estava em tronco nu e segurava na prancha com uma mão e com a outra o equipamento de surf. Ukwon olhou para ele e pareceu não gostar do que viu.

- Olá… - Disse B-Bomb um pouco envergonhado, mas também curioso em relação à pessoa que estava comigo.

- Olá, eu sou o U…

- É o meu tio Ukwon. – Disse eu, interrompendo o mais velho. Sabia que ele ia ocultar o facto de ser meu tio e eu não queria isso. Tenho que me mentalizar que ele é meu tio e tenho que o tratar como tal, e ele também tem que se mentalizar da mesma coisa. – Bem, vamos B-bomb?

- Claro, estou sempre pronto para surfar S/n. – Disse B-bomb com um sorriso nos lábios. Sorri também e voltei-me para Ukwon.

- Vai para casa. – Disse eu. – E não me sigas mais vez nenhuma, já não sou nenhuma criança.

Ukwon suspirou, olhou uma vez mais para B-bomb e depois foi embora.

- Teu tio? – Perguntou o meu melhor amigo. – Parece demasiado novo.

- É uma história complicada… - Disse eu.

- Tu não estás completamente bem, eu sei disso, portanto já sabes que não te vou deixar ir surfar dessa maneira… ainda cais da prancha ou algo assim. Além disso, são apenas 8:25, tenho tempo para ouvir o que tens a dizer…

Eu e B-bomb sentámo-nos na areia da praia. Contei-lhe a forma como conheci Ukwon e o que senti nesse momento, contei-lhe o jantar, o facto de ter descoberto que Ukwon é meu tio, o beijo que nós demos e contei-lhe também o que o Chani me disse. No final de tudo, eu tinha a cara cheia de lágrimas novamente e B-bomb estava chocado com tanta informação.

- Hm… eu sei o que te fazer. – Disse B-bomb. – Tens alguma coisa planeada para hoje?

- Nop.

- Ótimo, vais passar o dia comigo e depois há noite encontramo-nos com o Pyo e vamos à tal festa.

- Hmm, isso quer dizer que hoje é um dia daqueles? – Perguntei eu, dando ênfase no “daqueles”

- Claro, a minha melhor amiga está com problemas e nada melhor para resolver isso do que distrairmo-nos. E tu sabes como eu sou, arranjo várias formas de distração.

- Eu sei, eu sei… e já estou a adorar as tuas ideias.

- Vais gostar porque eu sei que gostas de adrenalina. Mas agora… vamos surfar porque já está na hora.

B-bomb piscou-me o olho e vestiu o equipamento. Eu fiz o mesmo enquanto conversava com ele. É interessante o facto de ele conseguir sempre animar-me, ele ouve todos os meus problemas, dá-me concelhos e tenta que eu não pense nessas coisas. Adoro o meu melhor amigo e não o trocava por mais ninguém.

Agarrámos nas nossas pranchas e fomos surfar como se não houvesse amanhã. Isto é apenas o começo do nosso dia, tenho a certeza.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...