História Everything You Want - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias WINNER
Personagens Mino
Tags Jinwoo, Kpop, Mino, Seunghoon, Seungyoon, Taehyun, Winner
Exibições 84
Palavras 3.004
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga
Avisos: Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oiii amores 💞💞

Tenho so um pequeno aviso;

esse capítulo eo último reeditado, sou seja, a partir de agora (cap 4 em diante) os capítulos que saírem vão ser novos 💞💞💞

bem acho que é so... espero que gostem

Capítulo 3 - Dream Catcher


2008

**POV MINO ON**

- Podemos ir embora dessa cidade? - Foi a primeira coisa que falei, sem encarar minha mãe.

- Porque você quer muda de cidade amor? - Ela chega perto de mim. - Song Minho olhe para mim. - Ela segura meu rosto.

- E-Eu.. - penso nas palavras certas. - apenas odeio essa cidade. Odeio minha escola. Odeio a s/n.

- Meu amor porque você está assim? - Ela continua segurando meu rosto, e fazendo pequenos gestos de carinho em mim.

- A senhora sempre me falou que devemos amar nossos inimigos, certo? - Segurei suas mãos, e me segurando para não chora.

- Certo e .... - interferir .

- Mas as vezes, e muito difícil mãe. - fechei meus olhos e sentir uma lágrima cai em meu rosto. - As pessoas pedem para ser odiadas, eu juro para senhora que tentei não deixa esse sentimento de ódio me domina.

- Querido, eu não sei o que aconteceu, e sei que você não vai me contar, mas independentemente do que aconteceu, a raiva não faz bem, a mágoa e a pior coisa que a pessoa pode carregar em si. Você pode chorar porque eu estou aqui para te consolar, mais não posso te protege da vida meu amor, ela e cruel as vezes, mas essa crueldade são para ensinar algo a gente.

Eu simplesmente comecei a chora em seu colo, me sentir uma criança de 4 anos, que acabou de caí no chão após correr, e ralou seu joelho.

- Mãe? - Disse um pouco mas calmo.

- Sim meu bebê. - fui me aconchegado em seus braços.

- Eu não quero ir a formatura. - olhei em seus olhos.

- Ela riu - Tudo bem meu amor. - E me deu um beijo na testa.

E naquele dia eu me lembro que depois que terminei de conversa com minha mãe, fui descansa.

Ao longo da semana as vezes minha mãe me falava que a s/n ia atrás de mim, mas eu nao ligava, estava com raiva dela, esse era a única coisa que conseguia sentir por ela.

Semanas depois nos mudamos, no dia da mudança, quando já tinha entrado no carro, vi s/n indo mas uma vezes em casa.

Confesso que minha "raiva" começou a diminuir, Mas ela continuava lá.

A formatura da escola eu vi apenas fotos, Todos hipócritas sorrindo.

Antes de escolhe uma faculdade, pensei bem no que queria. Na verdade demorei 1 ano até escolhe a Medicina e me especializar em pediatria.

Devo fala da minha mãe? Bem ela era (é) uma das pessoas com a alma mas doce eu conheço, era médica e especializada em pediatria... deve ser daí que escolhi essa profissão, queria sabe o por que ela e daquela forma, tão positiva, tão agradável, não estou falando isso porque ela e minha mãe.... ta também estou, mas enfim. Para ela nao existir tempo ruim. Quando eu ficava estressado, ligava para ela, ea mesma me acalmava. Quando eu estava nervoso na véspera da prova, eu ligava para ela é a mesma me fazia esquece do nervosismo. Ela sempre foi uma mãe presente, quando eu e minha irmã éramos menores, minha mãe era pior que uma fêmea defendendo suas crias. Ela trata a gente conforme a idade, Minha mãe, eu amor ela, se pudesse casar com uma mulher seria com ela. Ela e minha heroína.
[... ]

2012

Na faculdade de NY, conhecir a scarlet, ela era divertida, me fazia rir muito, pena que não estudavamos juntos, ela era estudante de cardiologia. Passávamos o tempo que tínhamos livres, juntos. Criamos uma amizade tão forte de homem e mulher, mas se tornou além de uma amizade, um amor.

**Fastback on**

2010

Nos estávamos em uma festa, ela já estava muito bêbada, e convenci ela a volta para casa, depois de muito tentar.

- Como você consegui bebe tanto? - ela estava de apoiando em mim.

- Como você consegui não beber nada? - Ela rir e coloca seu dedo em minha boca.

- Entra e fica quietinha ai, você vai ter uma bela dor de cabeça amanhã. - coloco ela no banco do carona e entro.

- Você parece meu pai falando. - Ela se joga em cima de mim rapidamente.

- Scarlet?

- O que foi? - ela olha em meus olhos.

- Você está bêbada.

- Isso não impedir de beija meu melhor amigo.

Ela segura minha camisa e me puxa para mas perto dela, eu não reagir, a final eu queria também.

- Song Minho?

- Eu rir- Sim.

- Se eu te beija.... a nossa amizade não vai ser mas como.... - Não deixo ela termina sua frase.

Coloco seu corpo bem perto do meu e a beijo só nos separarmos para conseguir mas fôlego.

Scarlet sentou em cima de mim, fiquei tão surpreso com sua atitude mas não a rejeitei, ela tirou rapidamente sua blusa mostrou seus peitos fartos, e voltamos a nos beija.

- Vamos para trás do Banco? - pergunto a ela.

Scarlet como resposta me puxou para parte de trás do pequeno carro, e tirou seu short.

- Mino, isso é injusto. - Ela olha para mim que ainda estava com todas as peças de roupa, enquanto ela apenas de calcinha e sutiã.

Quando passei para parte de trás, tirei minha camisa e minha calça, ela fica ainda mas animada quando viu meu menbro ireto, em seguida me puxou novamente ao seu encontro, e começou a chupa meu pescoço e foi descendo até chega em meu membro. Ela me chupou como ninguém nunca me chupou antes, depois de me satisfazer, resolvi da um pouco de prazer a ela. Segurei suas duas mãos para trás e comecei a desce minha língua quente em seu corpo até chega em sua intimidade que estava molhada, ela se contorcia se segurando para não gemer.
- S-Song M-Minho...... por f-favor, não estou a-aguentado.

Parei de chupala e levantei meus beijos até sua boca fazendo a prova o seu gosto, ela segurou meu cabelo e ficou em cima de mim.

Naquele momento eu precisava dela, sentir ela por dentro.

Coloquei meu menbro na intimidade dela e ela começou a cavalgar lentamente em cima dele, ao passar do tempo ela acelerou, eu mordia meus lábios para não gemer.

Segurei sua cintura e com apenas um simples movimento, coloquei ela de quatro segurando seu cabelo.

Meti dois dedos na intimidade dela, fazendo ela gozar novamente, coloquei meu membro nela e comecei a dar estalcadas fortes, rapidas e profundas, ela começa a geme meu nome, pouco tempo depois supremos a nossa necessidade, eu do corpo dela e ela do meu.
[... ]

**Flashback off**

Naquela noite, vi um lado da Scarlet que eu nunca vou esquece, e prefiro esse lado dela, ela me deixa louco, Alguns meses depois começamos a namorar.

No dia mas importante ela estava la me apoiando, me olhando com orgulho, naquele dia eu tive a certeza que queria ela do meu lado.

Mas isso mudou, ela mudou, tudo o que eu pensava sofre ela mudou.
[...]

**POV MINO OFF**
-

2015

**POV S/N on**

"Não conseguir ignorar aquele homem na minha frente, apenas me segurei para não o agarra, Eu tenho que ser forte, mas a carne e franca"


- S/n? acorda s/n! - Suk tocou em meu ombro, me assustando.

- hm? mas.... - fico meio confusa

- O maior rir da cara que eu fiz - Amo você estava sonhando... era comigo? - ele ergue um lado de sua sobrancelha.

fico sem graça, e tento muda de assunto.

- ah... - esfrego os olhos- ja chegamos?

- A muito tempo. - ele se espreguiçar no banco.

- porque você nao me chamou suk?

- E mas interessante te ver dormindo. - ele sai de dentro do carro e abrir a porta pra mim.

-

- So você mesmo Suk para fica ate tarde jogando. - Apoio minha cabeça em seu ombro.

- sem você, como eu vou me distrair a não ser jogando? - ele fala com um tom malicioso.

- Você esta muito animado pra quem acordou cedo. -olho nos olhos dele.

- E porque eu tenho uma coisa pra te dá. - ele beija minha testa

chegamos ao seu apartamento, as luzes estavam apagadas da tal, nao fazia sentido ja que era 09h da manha.

- Eita porque tanto mistério? - falo curiosa.

- Bom e que....

~ Meu celular toca ~

- E que? - tento fazer ele termina a frase.

- Não vai atender? - ele aponta pro meu celular que estava em minha mãos.

- Nao deve ser nada importante, olho para mesma.

- Mas e se for? você sabe que eu nao gosto de ser o motivo de voce nao fazer algo. - fala sério.

- Tudo bem.

olho para meu celular, penso um pouco e nos ultimos toques resolvo atender.

- Pós nao? - me retiro da entrada do apartamento de suk, e me dirigo ate uma janela de vidro que la continha.

- ELA O QUE? - Digo sem reação.

suk se assusta com o meu grito e vai ate aonde eu estava.

- S/N? o que foi? - ele diz sem entender o que esta acontecendo.

Olho nos olhos de suk, e o abraço, naquele momento nem isso me confortava.

- Me empresta seu carro? - Digo limpando minhas lagrimas.

- tá toma. - ele me entrega as chaves. - Mas o que esta acontecendo?

pego as chaves das mãos de suk, e paro em frente ao elevador esperando o maldito aparecer, depois de alguns minutos, ele aparece e vou para a garagem, deixando suk só.

** POV S/N OFF**

Ao sai do hospital, s/n deixou seu trabalho em ordem.... bom era o que parecia. Após sua retirada, o quadro de uma das pacientes tinha se agravado muito rápido.

A criança estava ficando sem ar e não tinha médicos por perto, nao porque eram irresponsáveis, mas porque eles estavao trocando de turno aquele momento.

Na tentativa de pedir ajuda, ela cai da cama, Dr. mino que estava passando perto do local viu a cena, e fez os primeiros socorros, ele colocou a crianças no braço, e chamou ajuda.

- Você sabe conta carneirinhos? - o Dr tenta distraí a criança.

Ela apenas balançar a cabeça afirmando que sabia.

Mino segura sua mão e começa conta com a criança.

- 1 Carneirinho
2 Carneirinhos - ela da um leve sorriso
3 Carneirinhos
4 Carneirinhos - seus olhos começam a fecha.
5 Carneirinhos
6 Carneirinhos - a criança apenas fecha seus olhos.

Mino por um momento sorrir pensando que de fato a crianças estava dormindo de verdade, mas depois de alguns estantes, ele checa a respiração da garota, e nada, nem uma expiração de seu nariz.

A reação de Mino foi de tristeza, homens choram, eles tem sentimentos como de qualquer outro, ele naquele momento se sentiu arrasado, não pode fazer muita coisa em relação a criança, já que ela não estava em seus cuidados, o que ela tinha estava muito além do que mino podia ajuda.

O Socorro chegou, mas era tarde de mais, as infermeiras que la estavao ficaram também muito triste.

Uma mulher que do nada chegou na sala ficando de joelhos no lado do corpo da criança;

- Me perdoa meu anjinho, eu não estava aqui pra te proteger. - Ela se culpava, segurando a mão da criança.

- Você e o que parente ou conhecida dela? - O homem fala de cabeça baixa.

- S-Sou a medica r-responsável por ela.

S/n e ele foram afastadas do corpo para que ia para uma autópsia.

- Doutores quero fala com ambos depois. - O diretor fala saindo da sala.

Quando s/n estava saindo da sala, Mino a puxa pelo braço, e a preciona na porta.

- Por sua culpa essa criança morreu, que tipo de médica e você? Você e uma irresponsável, acha que ser médica e brinca com uma de suas bonecas? - Ele dizia revoltado.

S/n foi pega de surpresa por essa situação, estava muito vulnerável, mas por fora se mostrava forte.

- Olha aqui novato, não aceito que você fala assim de mim. Você nem se quer me conhece, chegou ontem é já está tirando conclusões erradas. Trabalho aqui a muito mas tempo que você, amo essas crianças, faço tudo por elas. Por mim eu ficava 24h com elas, mas infelizmente não permitem. Se você tivesse um pouco de consciência, pensaria antes de fala qualquer merda. Com licença. - s/n sai do quarto.

Mino ficou surpreso com a resposta, mas depois se achou um tremendo idiota por te falado aquilo.

s/n foi na sua fala e se trancou, se sentou no chao, com suas costas perto da porta, sua máscara de ser a mas forte no momento, acabou caindo. Se desmontando em lágrimas, uma das coisas que ela estava preocupada era com a família da criança.
Você pegou seu celular e mandou uma mensagem para a mãe da criança que no momento ainda não sabia de nada, no texto s/n pedia para a família ir até o hospital.
[...]

**flashback on**

- Querido você acha que esse hospital e de confiança? - A mulher diz

- Bem, sempre me falaram muito bem aqui, e essa médica que vai cuida da nossa filha me parece ser uma pessoa muito boa no que faz.

Os pais da pequena então colocaram toda a sua confiança no hospital e principalmente em s/n.

**flashback off**

Você se recompôs, o pesadelo ainda não tinha acabado. S/n seguiu até uma parte do hospital pouco visitada, era rodeado de flores, tinha uma vista muito bonita para a cidade. Ela então ficou pensando em tudo o que ocorreu, até os pais da criança chegar.

- Doutora? Me falaram que a senhorita ia esta aqui... - O pai fica em silêncio- Tudo bem com a nossa filha?

S/n ficou de cabeça baixa de Costa para os pais, pensando em como ia dá a péssima notícia.

- M-Me perdoem. - s/n já falava com os olhos cheios de lágrimas.

- Nao estou entendendo... - A mãe diz.

O lugar por alguns minutos estava com um silêncio total, mas você tinha que conta logo a verdade.

- O... Q-Quadro da sua filha - fechou os olhos e contínuo falando - Piorou no começo da manhã e... 'Deus me ajude' - diz em um sussurro- ela chegou a óbito.

- O que? Não, não você está enganada. Minha filha não- Ela rir sem graça. - Querido diga a ela que ela está enganada. - O choro estava em sua garganta.

- Você tem certeza? - o homem falou só para ver se s/n estava enganada.

Ela balançou a cabeça afirmando a pergunta do homem.

- COMO VOCÊ DEIXOU ISSO ACONTECE? SUA MÉDICA DE MERDA, IRRESPONSÁVEL. - Ela veio para cima da s/n, que por si escorregou e caiu no chão. - PESSOAS COMO VOCÊ NÃO MERECEM VIVE. - Ela começa a da chutes. - ISSO É PARA VOCÊ APRENDER A NÃO BRINCA COM A VIDA DOS OUTROS, SUA IDIOTA.

- Aigoo isso não vai dá em nada. - O marido segura sua mulher. - Vamos la em baixo, se acalma.

- ACALMA??? - ela para e começa a chora- como você me pede acalma? A nossa filha morreu.... - depois de quase 5 minutos chorando Ela para e respira fundo. - Mas a senhora s/n pode ter certeza de uma coisa...que Você vai leva um belo de um processo, isso vai. E eu vou fazer de tudo pra te coloca na cadeia. - Ela cospe na direção da mulher.

S/n ficou jogada no chão, não queria se levanta, ela achou que mereceu apanhar.

- S/n? - Suk aparece lhe procurando.

Você se encolheu tentando se esconde dele mas sem sucesso.

- O que aconteceu com você? - Ele diz ajoelhado no chão, pegando em sua mão.

- rs so que esquece esse dia suk. - Olha para o céu, que não estava mas um tempo agradável.

- Vamos pra casa, vou cuida de você! - Ele te ajuda a levantar e te leva para casa.
[...]

~ 4 meses depois ~ **POV S/N on**

Fui afastada do meu emprego por 6 meses, eles alegaram que foi imprudência minha, eu fiquei de mãos atadas, ou era aceita ser afastada.... ou corre o risco de perde meu diploma, apesar de tudo eu tento esquece disso tudo.

Suk me deu uma força enorme, que só me fez perceber o quando eu precisava dele, com isso marcamos a dada de casamento; na metade de 2016. Parece esta muito longe... só que não.

- você tem certeza que vai fica bem sozinha? - minha mãe fala pelo Skype

- Vou sim, beijos - e desligo.

Ôh mulher interesseira, ficou sabendo que marcamos a data do casamento e todo dia me liga, acho que ela quer ter certeza que não vou desmarcar tudo.

- Era ela de novo? - Suk sai do quarto.

- Infelizmente - Me jogo no sofá.

- Não fala assim, ela e sua mãe. - ele joga seu corpo no lado do meu.

- Se você soubesse da metade de toda essa história... - selo nossos lábios.

- E nem quero saber. Mais enfim... o que vamos fazer hoje? - Diz empolgado

- Vamos fazer um jantar - Me viro para a direção dele e fico em cima do seu abdômen - so eu - dou um leve beijo nele - e você - esse agora foi mais demorado.

- Janta s/n? - Diz meio desinteressado

- Porque? Você tem outra daquelas reuniões, super... mega... ultra importante? - digo de deboche

- E se eu tive? Começou a me regra? - ele me empurra e sai da sala.

- Ora.... o que eu falei de errado? - so sigo ele com os olhos. - Ok sr estressado.

-

- Vou sai - suk surgir do nada

- ok - digo ríspida

E então ele me deixa sonha, a noite... mais uma vez.

Notas Finais


vocês confiam no suk??

o que acharam?

no próximo capítulo que tal forcarmos mas no casal mino e scarlet?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...