História Everything's Gonna Be Alright - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P
Personagens Bang Yongguk, Daehyun, Himchan, Jongup, Youngjae, Zelo
Tags Bap, Drama, Realidade, Yessirproject
Exibições 18
Palavras 4.309
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Luta
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Opa fic do projeto do B.A.P pessoal o tema é "realidade" então uma miga me deu a ideia de falar como eles (B.A.P) viviam e sofriam antes, durante e um pouco depois do processo, a fic é bem dramatica assim, então espero que vocês gostem, se quiserem ouvir alguma musica com essa fic eu sugiro, Save Me, 4:44 AM e Ribbon In The Sky. A fic tambem tem pouco dialogo, só os coloquei mesmo pra fic não ficar muito com textos, mas eu to torcendo que vcs gostem <3


Boa Leitura

Capítulo 1 - Alright


Fanfic / Fanfiction Everything's Gonna Be Alright - Capítulo 1 - Alright

Eu sabia que essa vida seria difícil, ele já tinha me dito isso, mas também me disse para eu seguir em frente e simplesmente tentar entender o que estava acontecendo, mas eu não entendi. No primeiro ano tudo estava perfeito, tínhamos acabado de estrear e conseguimos muita atenção com a nossa musica, certamente ninguém tinha visto um conceito forte igual o nosso, estávamos conseguindo prêmios e fãs rapidamente e isso nos deixava felizes.

Estávamos ganhando o mundo dos humanos e salvando o nosso, mesmo não podendo fazer várias coisas, ainda nos sentíamos felizes, as fãs humanas eram incríveis e especiais conseguiam nos deixar felizes e de bom humor com somente um sorriso, elas são especiais. Nossos esforços iam e viam com recompensar grandes e pequenas, os lançamentos de nossos álbuns saiam rápido, pediam para eu escrever as musicas, as vezes aceitavam, as vezes não...

No primeiro ano trabalhamos bastante, isso era normal, eramos famosos e novos, presas fáceis para os experientes no palco a anos, no primeiro ano fizemos cinco musicas, realmente no primeiro ano tudo estava perfeito, conseguimos fãs por todo lugar, nesse primeiro ano também demos nome a elas, elas eram especiais para gente, mais que namoradas e menos que amigas, elas eram nossas babys, pequenas e esforçadas, sempre preocupadas em nos alegrar e fazer com que nossos sorrisos aparecessem.

No primeiro ano fomos guerreiros que tinham o poder em suas mãos e usavam sem piedade alguma, mas isso acabou se quebrando e sem pensar tudo aquilo por um segundo parou de fazer sentido, falaram para mim "Pare com isso", mas eu nem mesmo tinha começado a perceber o que estava acontecendo e talvez nós seis fossemos os últimos a perceber. Nosso primeiro ano foi uma mistura de felicidade e surpresa, pois sempre tínhamos uma surpresa para todos em pouco tempo e achávamos isso normal, pois éramos novatos porém fortes.

Começamos a ter problemas no segundo ano... Himchan se machucou e não pode promover com a gente, Himchan ficou triste, dizia que seu braço doía sempre, não conseguimos ficar vendo ele como queríamos, mas ele sempre vinha até nós, estávamos trabalhando muito, eu estava trabalhando muito, sempre estava sendo pressionado pelo CEO, fãs e críticos, enquanto todos desejavam a melhora de Himchan eu pensava nas palavras de meu avô.

Enfim ele melhorou e então fomos para a nossa segunda turnê, tudo aquilo era cansativo, mesmo podendo passear as vezes durante a turnê sempre era difícil acorda para fazer isso, muitas vezes ficávamos trancados nos quartos só querendo descansar, nosso sucesso era grande e nosso cansaço também, mas quando subíamos no palco e sentíamos todo o calor dos fãs, tudo mudava. Eles realmente eram a energia do nosso planeta, seus gritos nos davam energia e suas palavras de forças, aquilo era incrível e emocionante, nossas musicas estava chegando ao topo junto com grupos experientes, aquilo era um sonho, mas que de repente se transformou em um pesadelo.       

Depois que terminamos nossa turnê por Seoul e Japão, logo vi que tinha que escrever as novas musicas para nosso primeiro álbum ficar mais completo, eu já tinha escrito tantas musicas, mas eles queriam algo que não julgasse tanto ou falasse da população e quanto ela era cega, aquilo me irritava e entristecia, eu tinha musicas para o B.A.P inteiro cantar, mas a empresa não as aceitava. E eu não podia me exaltar, não podia demostra como estava irritado por saber que as minhas musicas não são boas o suficiente para eles, então só sai para beber e com isso acabei expondo um pouco a empresa em uma rede social, tive que andar na linhas deles, a empresa estava irritada comigo, por ter feito aquilo, eles sabiam que estavam errados, sabiam que estavam cobrando demais de nós.

Um dia Himchan e Daehyun foram para o hospital e nesse mesmo dia tínhamos uma apresentação, não era para eles terem ido... Não era para eu ter deixado eles tirarem os dois de lá... Naquele mesmo dia Daehyun não conseguiu fazer sua high note, Himchan ficou pior e tivemos que agir normalmente, como se tudo estivesse perfeito, não conseguimos mais dormir ou sentir essa sensação, era cochilo atrás de cochilo, dormindo e acordando dentro de um carro indo para mais outro compromisso, não tínhamos voz, mas sabíamos que algo estava errado.

Quando nosso primeiro álbum foi lançado ficamos felizes com os prêmios, nossos esforços estavam sendo recompensados, era isso que pensávamos, fazia muito tempo que não nos encontrávamos com nossos familiares ou amigos, B.A.P acabou se tornando a minha familia, eu tinha que contar com eles, se não iria enlouquecer com tudo que estava acontecendo, quando pensávamos que teríamos algum descanso, vem a noticia que iriamos para outra turnê. No primeiro ano tudo estava perfeito, no segundo ano ganhamos o mundo, no terceiro tudo mudou, a empresa, equipe, manager, agora não sabíamos aonde estávamos, eu só conseguia conversar com o B.A.P e sentir a dor deles, aquilo era gritante para muito e irrelevante para outros, naquele momento eu me perguntava se nossas fãs percebiam algo.

Queria conversar com Yongnam agora, perguntar se tudo isso é normal, se realmente é assim a vida de um artista, mas eu nem mesmo sabia aonde estava o meu celular, Himchan estava diferente, ele é o mais frágil de nós e o mais atacado também, sempre sofrendo pelas críticas de seu peso, mesmo falando para ele que isso não importava ele continuava dando atenção... O mesmo com Daehyun, reparam bastante em sua voz e a elogiam bastante, pena que isso não é igual com a sua pele, Youngjae falou que gosta da pele de Daehyun e que queria ter uma igual, mas o mesmo só da atenção a criticas, Youngjae já sofreu com isso, no primeiro ano, muitos falavam de seu peso, ele mudou bastante e agora ignora qualquer critica que chega ate ele. Jongup e Zelo nunca ligaram para isso, eles tomam até mesmo as raras criticas como aprendizagens e mesmo cansados ainda contínuavamos as recebendo de todos os lados.

Nossa turnê no segundo ano passou por todos os lugares possíveis, gravamos ate mesmo um novo mv e musica para os fãs o apoio deles é algo incrível, fomos ate mesmo para o Brasil, sempre quisermos ir ate lá, sempre escutamos como eles eram, que são animados, contagiantes e intensos, isso era real, mesmo sofrendo com as coisas que aconteciam, conseguimos aproveitar o máximo com eles, mesmo que só com três musicas conseguimos sentir o calor deles, iriamos voltar, com toda certeza iriamos voltar para eles. Enquanto íamos para outro show ainda na América Latina, Youngjae acabou torcendo o tornozelo, não era para ele ter subido no palco, mas não deixaram... Ameaçaram ele e eu não pude fazer nada... A expressão de dor no rosto dele naquela noite foi intensa, depois disso as mensagens de força de nossos fãs não paravam mais de vir, eles tinham percebido que algo estava muito estranho e isso se confirmou quando voltamos para Seoul e vimos todas em silencio no aeroporto, não conseguimos esconder que o nosso sonho tinha virado pesadelo.

- Elas estão preocupadas...- Himchan diz com o celular na mão, depois de tudo que passamos, um dia no dormitório era lucro.

- Algo esta muito errado... Era para ser assim?- Jongup pergunta com um saco de gelo no joelho e o colocando no tornozelo de Youngjae que fez logo em seguida uma careta de dor.

- Obviamente não...- Daehyun o responde.- Nem mesmo dinheiro eles estão nos dando direito...

- Temos que fazer alguma coisa.- Zelo fala se sentando ao lado de Youngjae.

- Eu posso ir conversar com o CEO, para ver o que esta acontecendo, talvez seja tudo um mal entendido...- Digo e todos me encaram como se eu fosse a solução de tudo.

- Não pode ser um mal entendido de quase 4 anos, por favor vá falar com ele.- Himchan pede e depois de algumas horas fomos dormir.

Daehyun por algum motivo foi um dos últimos a dormir, seu canto na madrugada era o melhor e o pior trazia a nostalgia no começo de nossa carreira e o desespero de agora, se eu tivesse coragem o mandava calar a boca, mas Daehyun parece mais aliviado cantando, dava para ouvir sua voz pelo dormitório inteiro, ate mesmo na minha sala de tortura e negação, vulgo a sala que eu criava musica, depois de algumas horas ele finalmente foi dormir, pois acordei com o silencio da noite um pouco fria. Passei a mão no teclado e me levantei, CEO sempre saía tarde da sua sala, talvez eu consiga ver ele nos corredores da TS, as ruas estavam vazias, nessa madrugada somente um louco para ficar fora de sua cama e com toda certeza eu era esse louco, chegando na empresa olho para o ultimo andar, lá estava a sala do homem que esta por detrás de todo esse sofrimento, não posso dizer que estou tranquilo em ir falar com ele, tenho certeza que o mesmo ainda tem algo contra mim por eu ter atacado sua empresa, mas eu teria que encara-lo por meus dongsaengs que acabaram tendo seus sonhos mutilados por aquele cara.

Subindo ate a sala dele eu sentia a ansiedade me consumir um pouco mais, cada andar que passava era uma batida mais rápida no meu coração, quando o elevador parou no andar da sala dele eu senti meu corpo ficar frio, eu vou ir falar com ele agora, bati em sua porta e ouvi sua voz permitindo a minha entrada, ele levanta a cabeça e quando me vê fica confuso. Realmente não sei por que conversei com ele, foi a mesma coisa de conversar com uma parede, ele não resolveu nada e nem queria, nem mesmo olhou para mim direito enquanto conversa com ele, aquilo me irritou tanto que decidi sair para beber, era a única coisa que eu podia fazer naquela madrugada, quando começou a amanhecer percebi que as pessoas olhavam mais para mim, aquilo era ruim... Fui rapidamente para o dormitório e no caminho pensava o que iria dizer para todos.

- Aonde você estava?- Jongup pergunta se levantando do sofá.

- Com o CEO.- De repente todos apareceram no mesmo momento para ouvir.

- Você não está sóbrio...- Himchan diz depois de um tempo me encarando.

- Mas também não estou bêbado.

- Você não pode ficar bebendo assim toda hora, Bang e se alguma fã te viu assim?

- Ele é adulto e sabem muito bem que ele bebê.- A fala de Youngjae invadia a conversa.

- Sim, mas nessas alturas do campeonato tudo pode ser arriscado.

- Himchan, por favor, não comece uma discussão...- Peço e todos ficam em silencio.

- Yongguk hyung falou com o CEO.- Jongup informa para Himchan que já estava se preparando para retrucar.

- E como foi?- Himchan pareceu esquecer totalmente da nossa quase discussão.

- Uma merda, ele simplesmente não quis me ouvir...- Todos ficaram em silencio junto comigo.

- O que iremos fazer então? Não podemos entrar em greve...- Daehyun diz.

- Não... Mas podemos processa-los.- Todos me olham sem entender bem o que eu estava dizendo, eu estava bêbado de álcool e eles de sono, mas ambos já estavam cansados de tudo.- Podemos processar a TS, falamos que não iremos promover nada até ter nossa parte em tudo e voltar a ser tratados como pessoas.- Todos concordaram, porém, Zelo continuava sem fala.

- Mas Zelo ainda é de menor.- Jongup logo disse quando o silencio tomou a sala.

- Se entrarmos com o processo ele ficara aqui.- Youngjae continou por Jongup.

- Esta tudo bem...- Zelo diz cabisbaixo.

- Nós podemos aguentar um pouco mais ate o final do ano.- Himchan fala e Zelo o olha surpreso.- Não podemos deixar o Zelo aqui.

E assim fizemos, nós continuamos cada minuto e dia tentando ser forte o bastante para não deixar Zelo, talvez não teria pecado maior do que deixar alguém para trás, nossa situação estava ficando cada vez pior, mas as vezes tinha momentos felizes e esses as vezes vinham com fãs de brinde. Nossas energias já tinham acabado e então a TS nos presenteou com uma viagem para relaxar antes de outra turnê que nem mesmo sabíamos que iria fazer, mas então o aniversário de Zelo chegou, muitos fãs ficaram chateados por ele não ter aparecido, mas tudo isso foi ignorado depois que anunciaram o processo, depois disso tudo ficou mais tranquilo e intenso, a TS tentava de todos os jeitos nos subornar e falar que tínhamos entendido errado, falou ate mesmo que algum terceiro tinha nos influenciado, mas depois de muito tempo passamos o fim de ano com a nossa familia.

Nosso quarto ano seria mais do que diferente e sabíamos que não seria fácil e realmente não foi, as mensagens que recebíamos de força era comovente, não era tão raro se encontrar com os outros membros, não era difícil ter a atenção deles, mas sim todo o resto, a alegria e tranquilidade que tanto queríamos estava ali, porém a atenção que tanto tínhamos estava indo embora de nossas mãos, a TS estava nervosa e desesperada, acabou lançando um grupo novo na hora errada e foi elogiada e criticada, aquilo estava virando algo terrível e a única coisa que eu queria era mostrar a minha musica, mostrar o que estava preso na minha garganta a todo esse tempo. Queria dar essa canção para o meu avô, para mostrar a ele que enfim tinha entendido tudo.

Ninguém conseguia entender o peso que eu carregava sobre mim, mal sabem da mascara que uso e o quão assustadora ela pode ser, depois de ter as minhas musicas negadas acabei trocando a minha paixão por aplausos, escrevi todas com o coração então porque continuo correndo? Os causadores de tudo isso estão de barrigas cheias enquanto nos sofremos com tudo, não tentem me defender, eu prefiro ir embora e voltar para o meu avô, não quero ficar igual eles, não quero fazer ninguém sofrer. Quero os meus dongsaengs felizes, aquilo não era felicidade, podia ser tudo, menos felicidade, a minha musica flui na minha cabeça e fico com vontade de correr para o meu vô
eu sei que não é culpa minha, sei que também devia ter percebido antes, eu sei, eu sei, eu sei... Que também estou desesperado, vão embora, todos vão embora, eu não preciso de pena ou amor, vão embora, lembro das noites que passei sozinho, sem ninguém ao meu lado além do copo de soju ao lado das várias musicas rasgadas no papel, no final era tudo igual, eu só queria viver sem vergonha alguma para os meus hyungs e dongsaengs e os filhos da puta que fizeram esse trauma nem se quer ligam para isso, tentar esquecer isso é como esvaziar poeiras, é impossível. Em uma mão pilulas e na outra a mão dos fãs me ajudando a ficar em pé, quero ir embora e chorar, mas eu sou o meu próprio apoio, essa só é a minha confissão, talvez outra coisa inútil que escrevi, se a sua intensão é ter a minha atenção, ok, porém não vá embora quando eu precisar de apoio, todas essas palavras para mim, agora, são inválidas, todas as noites tenho pesadelos e a dor de lembrar delas é grande, me deixe em paz pois eu só quero fazer as minhas coisas, eu estou bem... Tudo irá ficar bem.

Era isso que iria acontecer, tudo iria ficar bem e nós voltaríamos aos palcos, em meio ano já estávamos novamente dispostos, diferente de nossa negociação com a empresa, era tão difícil entrar em um acordo com ela do que fazer Himchan perceber que realmente estava ótimo com a sua forma física, nós não iriamos ceder e se a TS quisesse seu melhor grupo de volta teria que fazer somente o que pedíamos, ela era tão orgulhosa a ponto de não querer dar para nós o que conseguimos fazer ela ganhar. Nunca descansamos e dormimos tão bem, nem mesmo no primeiro ano conseguimos dormir, Himchan dizia que estava aproveitando essa pausa para comer tudo o que não podia, Daehyun era o que mais dava atenção para nós e os fãs ao mesmo tempo, Youngjae era o que mais saia, não importava com quem, ele já estava andando por ai, Jongup foi o que passou mais tempo com a familia e Zelo com ambos, mesmo assim começamos a sentir saudade de nossas vidas corridas e tudo mais. Eu começava a fazer musicas mais calmamente e sem nenhum extresse e então um dia a TS cedeu, ela se arrependeu?

- O que iremos fazer agora?- Jongup pergunta se arrumando na cadeira da cafetaria.

- Não sabemos se outra empresa irá saber nos promover bem igual a TS...- Daehyun fala.

- Sem contar também que somos os sustento dela.- Himchan informa depois de beber seu café americano.

- Se eles nos querem de volta, terão que nos tratar como pessoas de agora em diante, pois iremos deixar bem claro que podemos ficar contra eles novamente.- Finalizo e todos concordam com a decisão.

B.A.P iria voltar para TS, isso com certeza iria causar um grande alvoroço, mas realmente nunca pretendemos sair de lá, não demorou muito para as criticas virem, mas elas logo cessaram quando a empresa anunciou a nossa volta, com isso a pressão veio junto, não éramos mais conhecidos como antes e a nossa missão no momento era mudar aquilo, não estávamos mais no primeiro ano quando o mundo dos humanos era nosso,  agora o B.A.P tinha que domina-lo novamente e era isso que iriamos fazer, pegar o nosso mundo e fãs de volta, pois aqueles babys eram nossos. Pois eles e nós eram jovens, selvagens e livres, eu os queria de volta. Logo que voltamos para o palco, tudo ficou mais intenso, conseguimos prêmios e atenção novamente, mas não era a mesma coisa, passamos o final de ano juntos e me senti feliz por estar com eles, no ano seguinte seria o quinto ano do B.A.P e eu vou me esforçar para isso.

E então ele chegou, foi divertido promover com eles, eu me sentia muito bem com aquilo, porém percebia que não conseguia mais dormir como antes e a pouca fome que eu sentia se foi de vez, isso era pelo fato deu sentir que não estou fazendo o suficiente, fomos para turnê e isso consumiu metade do nosso quinto ano, recuperamos nossos fãs e os perdemos também, acabamos ficando ultrapassados? Disseram que não somos mais populares como antes, que muitos grupos novos estão ganhando muita atenção, que devíamos fazer um conceito mais forte como no primeiro e segundo ano, não queriam que fossemos libertos daquilo? Por que pedem para voltarmos então? Dessa vez quem esta fazendo algo errado sou eu, o CEO disse para eu fazer mais musicas e que elas deviam ser fortes, não iriamos promover a próxima musica pois iremos voltar ao primeiro ano. Os shows pelo mundo eram cansativos, nada do que já estávamos acostumados, mas todos sorriam felizes e eu também estava feliz, porém não conseguia demostrar, eu tinha que fazer algo para voltarmos ao topo, algo perfeito, pois somos o Best Absolute Perfect.

A pressão tinha aumentado e desde que voltamos várias coisas me atingiram, eu nunca conseguia dormir e quando conseguia acordava assustado uma hora depois, o meu apetite variava de foraz para três dias sem comer, eu não conseguia pensar em muita coisa além de trabalhar e me esforçar muito, para mim aquilo era sempre pouco, mesmo todos dizendo que estava bom, as vezes eu sentia que ia sufocar, as vezes não conseguia rir com os outros e a vontade de ficar sozinho era maior. Depois de todas essas sensações que eu pensei que tinham sumido a nossa turnê tinha acabado e o nosso tão esperado segundo álbum estava vindo.

- Já faz quanto tempo que você não come?- Jongup pergunta após entrar na sala que eu ainda julgava torturante e emocionante. Ele coloca um prato ao meu lado e nele tinha alguns bolinhos de arroz.

- Eu estou sem fome...- Respondo afastando o prato e voltando a atenção para a melodia da musica a minha frente.

- Já faz um tempo que você não come e também você não deve estar dormindo muito bem...

- Eu estou bem Jongup...- Ele me analisou um pouco e eu senti a minha garganta começar a se fechar lentamente.

- Hum...- Ele se levantou e com isso meu coração disparou.- Himhan hyung!- Ele gritou e foi indo para a porta, a minha vontade foi gritar para ele não fazer isso, Himchan iria dar o maior discurso de todos e eu não queria parar de trabalhar, eu olhei para Jongup e tudo começou a rodar, ele saiu da sala e contigo levou minha respiração, eu estava tendo um ataque de pânico? Esse ataque eu o segurei por tanto tempo para ele vir a tona só agora. Tentei me levantar, mas fui direto para o chão, meu peito doia e eu não conseguia respirar direito, levantei a minha mão e ela tremia, toda aquela sensação era horrível e eu acabei lembrando da morte do meu avô e isso só piorou a minha situação, logo em seguida a sensação do primeiro ano quando fiquei sem ar depois de uma apresentação, todos se machucando ao meu redor e eu não podendo fazer nada, naquele momento eu já não conseguia respirar mais.

- Bang?- Ouvi a porta se abrir e depois a voz de Himchan ele veio rápido, mas para mim aquilo pareceu uma eternidade.- Bang?!- Ele correu ate mim e se ajoelhou no chão na minha frente.- Ok...- Ele colocou as mãos nos meus ombros e me levantou um pouco para olhar para ele.- Você está suando frio e tremendo... Quer algo?

- Preciso respirar...- Digo com dificuldade e Himchan se afasta um pouco de mim. E isso só acaba piorando pois o vejo com uma tipóia no braço que faz com que o meu coração dispare e o peito aperte mais ainda.- Não! Venha aqui!- Ele veio rápido e sem pensar me abraçou.- Acho que estou tendo um ataque de pânico... Tudo o que consigo pensar é em lembrar de vocês se machucando sem eu poder fazer nada...

- Pense em coisas boas, pense nos fãs, nos prêmios e risadas que demos nesses 5 anos, em como ficamos felizes no nosso primeiro concerto e no primeiro show depois do processo, vamos lembrar das crianças que ajudamos doando coisas e dinheiro para ONGs e como as nossas babys ajudaram... Lembre das risadas Bang...- Aquilo fazia a minha respiração voltar ao poucos, mas eu continuava tremendo e obviamente estava pálido, a dor no peito e o coração acelerados ainda estavam presentes.

- Esta funcionando...- Digo encorajando Himchan e a mim mesmo a falar mais.

- Ok... Pense também nas viagens e lugares que visitamos e quantas coisas compramos lá!

- Eu não consigo parar de tremer... Isso não é normal...

- É sim, você não é anormal ou algo assim, você é o incrível líder do B.A.P.

- Ok... Eu preciso de espaço agora...- Himchan se afastou, mas dessa vez nem tanto. Eu estava conseguindo acalmar o meu coração, o nó na garganta estava sumindo, mas a tremedeira ainda continuava presente.

- Que tal você comer um pouco?- Eu levanto a minha cabeça para seguir Himchan e percebo que a tontura também parou.

- Não estou com fome...- Himchan abriu um sorriso e pegou o prato que Jongup trouxe para mim.

- Bom, sei que você talvez pensa que a gente não se importa com você, mas já percebemos esses seus ataques a tempos, só você que não percebia isso Yongguk...- E então tudo parou, eu agora só conseguia pensar o quanto era grato por ter aquelas pessoas na minha vida.

- Ta bom, eu vou comer...- Me sentei melhor no chão e peguei o prato das mãos de Himchan.

- Estou aqui para te ouvir enquanto você come tranquilamente.- Himchan sempre inesperado, mas era isso que eu queria, falar o que estava preso na minha garganta a 5 anos.

Pouco tempo depois aos poucos, todos os membros começaram a entrar na sala, se fosse a alguns momentos atrás eu não estaria nada bem, naquela noite eu consegui conversar com eles, todos eles, sem medo de verem o quão em pânico e desesperado eu estava o único problema naquele momento era a minha participação no nosso segundo álbum, conversamos por horas e ficou decidido que eu iria participar das gravações, porém não iria promover com eles, tentei negociar com os membros para pelo menos eu ir nos fansign, mas nada feito, realmente estavam preocupados comigo. Eu consegui gravar o mv sem causar muitos problemas, tive que ter menos foco para não ficar tão ansioso com a pressão de sair bem, depois que terminamos de gravar tudo, fui para casa, já tinha passado no hospital no começo do ano e sozinho já sabendo o que me esperava e fui forçado a ir novamente, as recomendações foram remédios e psicoterapia,
mesmo estando protegido em casa ainda estava ansioso pelo B.A.P,  Yongnam e Natasha me levavam para fazer coisas divertidas e comer e sempre que dava eu parava para ver as apresentações e coisas que e os membros participavam.

E então ali estava eu, sentado no sofá vendo eles ganhando prêmios e me agradecendo por todos, eu estava feliz vendo tudo aquilo, Himchan era engraçado como líder, a minha terapia era ver eles sorrindo e saber que torciam por mim, eu era a pessoa mais sortuda por conviver com aqueles 5, eles me alegravam e eu não percebia isso. No quinto ano eu estava descansando para estar disposto e imbatível no sexto ano, um novo Bang Yongguk estava por vir e esse com certeza seria mais forte, por ele, pelo B.A.P e pelos fãs, porque realmente, sem dor sem ganho.
 


Notas Finais


Espero que tenham gosta e todo o resto <3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...