História Evil Walks - Capítulo 11


Escrita por: ~ e ~AnaCarolina42

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Sasusaku
Exibições 164
Palavras 4.373
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Só posso pedir desculpas pela demora, mas dessa vez voltamos! Nada mais de demoras hahah.
Boa leitura.

Capítulo 11 - Sentiu a minha falta?


    Acordei no sofá, com uma bola de algodão úmida de álcool sobre o meu nariz e com minha mãe, meu irmão e minha prima a minha volta. Embora esteja confuso e meio tonto, lembro perfeitamente da visão macabra que tive. 

 

 Hinata ameaçava minha mãe, mas ela está ilesa e super preocupada comigo. Isso só me leva a pensar em uma única coisa: Essa maldita quer nos assustar. Ou então eu estou ficando maluco, o que eu devo considerar sem sombra de dúvidas. 

 

- Sakura, busca uma bermuda pra ele vestir. - Minha mãe pediu para a rosada e ela assentiu, foi quando eu me lembrei que estou só de cueca - Filho... - Ela olhou para mim - Querido, você tá melhor? - Minha progenitora está extremamente aflita e isso me deixa péssimo, uma vez que sequer posso contar a verdade - Você ficou pálido, parecia que tinha visto um fantasma, então desmaiou. 

 

- Eu fiquei tonto... - Respirei fundo - Acho que minha pressão caiu. 

 

- Sasuke, você nunca teve essas coisas... - Itachi estranhou.

 

Sakura então chegou com uma bermuda vermelha e me entregou. Levantei para vestir e depois sentei sobre o sofá. 

 

- Acontece, Itachi. - Respondi.

 

- Meu amor, não é melhor ir num médico? - Mamãe indagou docemente e eu gelei. Odeio médicos, odeio hospitais. 

 

- Não precisa, mãe. - Respondi - Fiquei fraco porque vomitei, só isso. 

 

- Tudo bem então. - Soltou um longo suspiro - Vamos dormir. Mas, se você passar mal novamente, vou te levar pro hospital de qualquer jeito. 

 

Assenti. Não vale a pena tentar ir contra a dona Mikoto. 

 

Só espero conseguir ter uma boa noite de sono essa noite. 

 

(....)

 

 - Sakura poderia me ajudar com essas caixas aqui? - Tia Mikoto estava arrumando o quarto de casal onde eu e Sasuke estávamos dormindo antes de ela e meu primo mais velho chegarem. 

 

 - Posso sim, já estou chegando. - Eu estava na cozinha terminando de colocar algumas caixas de coisas velhas que a tia Mikoto havia juntado depois de colocar todos nós para trabalhar desde as cinco e meia da manhã. 

 

Tia Mikoto resolveu colocar todos nós para trabalhar hoje; Segundo ela, parece que desde que chegamos tudo que ela pediu para ser feito foi ignorado completamente. Na verdade sim, ao menos 99% do que ela disse. Pelo menos agora ela disse que, já que passamos um tempão comendo miojo, ela vai mudar nosso hábitos alimentres e não somente isso. Dizendo a tia Mikoto que vai me ensinar a cozinhar coisas diferentes e, de quebra,  o Sasuke vai aprender a lavar a roupa. Não preciso nem dizer que Itachi ficou louco de tanto rir do pobre irmão caçula e que não deixou de fazer algumas brincadeiras, dizendo que ele iria ficar muito lindo de vestidinho e touca de empregadinha. 

 

É claro que o Sasuke xingou o Itachi de todos os nomes possíveis. 

 

- Aqui, querida, poderia levar essa caixa para o porão? - Ela me entregou uma caixa média assim que cheguei no quarto - Acho que esses livros velhos e essas roupas dos antigos moradores eu irei doar para um abrigo, não sei. Por enquanto, pode deixar essa caixa lá. 

 

- Tá bom, tia. Vou levar pra lá. 

 

 Eu não queria ir sozinha até o porão, além de já estar comçeando a anoitecer,  Sasuke e Itachi não estão aqui para poder me ajudar. 

 

A caixa estava pesada. Será mesmo que  esse monte de coisa velha precisa realmente ir para o porão? Eu nem quis saber... 

 

 Desci as escadas com aquela caixa pesada e pensei duas vezes quando parei de frente para o porão; A porta   estava aberta, então tentei acender a luz, mas não acendeu de jeito nenhum. Pensei que poderia usar isso como desculpa para não levar a caixa. 

 

- Tia! - Gritei do andar de baixo e apenas ouvi um "Diga!" - O porão está com a lâmpada queimada, não é  perigoso descer lá  sem luz? 

 

 - Oh, é mesmo. Eu devia ter colocado algumas lâmpadas na lista de compras que dei aos rapazes. Deixe a caixa em algum lugar aí,  depois eu vejo onde colocarei. 

 

Ela encerrou e eu apenas disse um "Ok", então coloquei a caixa em cima da mesa cozinha. Foi quando percebi que havia algo dentro da caixa, um livro parecido com uma Bíblia. Havia uma fita marcando uma página. 

 

Quando fui abrir o livro, levei um susto com o gato que pulou de repente sobre a mesa.

 

- Ai, Salém, que susto! - Bufei - Onde você estava? Te procuramos o dia inteiro! 

 

O bichano apenas me encarou com a cara de assustado de sempre, o que só me deixou ainda mais curiosa pra saber o que tinha dentro daquela caixa além da Bíblia. Ou se aquilo realmente era uma Bíblia. 

 

Fitei o grande livro por alguns segundos, porém, quando pensei em pegar, ouvi tia Mikoto me chamar novamente. 

 

 Deixei isso para lá e fui caminhando até as escadas. Ouvi o que parecia alguma coisa fazendo um barulho no chão, em seguida uma brisa gélida passou pela janela e isso me fez arrepiar. Senti um calafrio e um pressentimento não muito bom veio à minha cabeça. 

 

Tentei manter a mente limpa e subi as escadas. Estava escuro o corredor, o que me fez ficar ainda mais arrepiada com a situação. 

 

As luzes acenderam, eu dei um pulo de susto, logo ouvi alguns passos e vi o rosto da minha tia na última porta no fim do corredor.

 

- Sakura? Está tudo bem, filha? - Ela parou na porta.

 

- Está sim... - Fui caminhando em sua direção.

 

 - Bom, venha me ajudar aqui nesse quarto. Tem algumas coisas que eu preciso dar  fim. 

 

- Tudo bem. - Assenti. 

 

 Quando pensamos em entrar no quarto, de repente a luz do corredor acabou queimando.  

 

- Ah... Mais uma lâmpada queimada... - Tia Mikoto colocou a mão na cabeça em sinal de desaprovação - Eu sabia que devia ter reforçado ao Fugaku para poder trocar a fiação de energia dessa casa... - Acabei soltando um riso baixo, realmente o tio Fugaku é mestre em cuidar bem de umas coisas, e de outras deixá-las do jeito que estão... - Bom, já que não tem luz, eu vou lá em baixo pegar umas velas, não podemos ficar sem energia aqui em cima. 

 

Por um momento fiquei preocupada, essa queda de luz repentina não é coisa boa... Por mais medo que eu sinta, não posso correr o risco de que algo aconteça com a tia Mikoto nessa casa; Isso pode ser um sinal de que Hinata está aqui, só esperando para dar o bote. 

 

 - Tia, acho melhor eu ir lá para buscar. - Falei - Acho que eu vi umas velas na cozinha. 

 

- Ah, tudo bem, então enquanto você vai lá,  eu vou procurar uma lanterna no meio dessa bagunça. 

 

Quando fiz menção de dar o primeiro passo, do nada, a luz do corredor acendeu. 

 

 - Ué, mas a lâmpada não tinha queimado? - Pensei em voz alta. Logo senti um cheiro horrível de algo queimando. Tapei meu nariz enquanto olhava para a parede. A luz estava acesa, mas não tão forte, pois aparentava ter ficado um pouco preta - Tia, o que a senhora acha que  is... 

 

 - SENTIU A MINHA FALTA? 

 

Meu coração pareceu ter parado... meus olhos arregalaram... um frio extremo junto com uma tremedeira absurda se fez presente. Meu corpo não me respondeu por um instante... 

 

 Eu me virei e a vi, com aquele olhar macabro, os cabelos lisos e escuros jogados para frente e cobrindo parte do rosto, as vestes brancas, o sorriso maquiavélico estampado nos lábios. 

 

Isso é uma ameaça, com certeza é. 

 

Soltei um grito tão alto que na hora a luz acabou ficando ainda mais clara, e a lâmpada, estourando. 

 

 Caí no chão e novamente  o corredor ficou escuro.

 

- Sakura!! - Ouvi a voz da tia Mikoto - O  que houve, aconteceu alguma coisa? - Eu estava com a vista embaçada e remexia a cabeça para ver se conseguia voltar ao normal  - Por que gritou dessa forma? 

 

 - Pensei ter visto algo, mas foi só um susto. - Levantei-me com a ajuda da minha tia, olhei para o corredor e vi que a luz havia estabilizado - A Luz voltou. - Comentei. 

 

 - A Luz havia apagado? - Ela perguntou.

 

 - Não, não, a lâmpada tinha queimado, a senhora tinha até falado do tio Fugaku, sobre a fiação de luz que precisa de uns reparos. 

 

Tia Mikoto me olhou desconfiada. 

 

 - Não, filha, eu não disse nada disso, apenas pedi que deixasse a caixa com as coisas  lá no porão, mas já que você disse que não havia luz por causa da lâmpada queimada eu disse para deixar lá na cozinha mesmo. Em nenhum momento eu falei sobre fiações ou sobre a lâmpada do corredor estar queimada. 

 

 Meu queixo caiu, quase foi parar no chão. 

 

Como assim? Isso pode? Seria mais uma alucinação? Mil perguntas...

 

- Ah...  mesmo? - Falei um pouco sem jeito e minha tia me ajudou a levantar.

 

- O que está havendo? Por que disse que lâmpada do corredor voltou a acender? Ela havia queimado? 

 

- Mãe, chegamos!  - Ouvi a voz de Sasuke e agradeci mentalmente por ele e Itachi terem chegado. 

 

- Eles chegaram. É melhor irmos lá pra baixo. - Falei. 

 

A morena pareceu não querer engolir aquela história,  mas acenou a cabeça. Descemos para ver se eles realmente trouxeram o que a tia Mikoto pediu. 

 

Realmente, eles trouxeram... Muita verdura, muita fruta,  nada de massas e essas coisas que Sasuke e eu estávamos comendo. 

 

- Sakura, hoje eu vou ensinar você a cozinhar. Vocês vão parar de comer besteira e vão se alimentar  melhor. E amanhã, Sasuke, você vai aprender a lavar suas próprias cuecas, e ai de vocês se eu voltar aqui e as coisas estiverem do jeito que estavam antes. 

 

 Itachi começou a rir do irmão que sequer sabe mexer na maquina de lavar e que agora vai passar a lavar as próprias roupas, o que não passou despercebido pela tia Mikoto, que acabou falando que ele fará a mesma coisa quando chegar em casa. 

 

O que aprendemos com isso? Que nunca devemos zoar com irmãos. Pelo menos não quando a mãe estiver por perto. 

 

A noite seguiu tranquila, pelo menos isso...  Tia Mikoto me colocou para cozinhar, mas quem fez o trabalho quase todo foi ela. Conhecendo minha tia como eu, tenho certeza de que ela vai fazer de tudo para que eu aprenda a fazer pelo menos feijão, pois eu confesso que não sei mexer com panela de pressão. 

 

Até que comemos bem, tirando a grande variedade de verduras e legumes que foram colocados à mesa, sem falar das frutas como sobremesa;  Eu tenho a certeza absoluta de que iremos realmente passar alguns apertos com a  Tia Mikoto na nossa vida durante esses dias, pois ela nos faz comer justamente as frutas e verduras que não gostamos, parece que faz de propósito. 

 

Depois do jantar, após lavar tudo e deixar algumas caixas na sala, tia Mikoto deu  essa "limpeza" finalmente por encerrada. Já era quase nove da noite  quando fomos dormir, nem devo comentar que Sasuke ficou puto pela mãe dele ter nos mandado ir dormir nesse horário. 

 

 (...)

 

 - Sasuke, me ajuda com essas caixas? - Ouvi Sakura me pedindo ajuda enquanto eu descia as escadas. 

 

- Espera aí. - Deixei meu celular no sofá e fui ajudá-la. - Nossa... O que que minha mãe tanto colocou nessas caixas? 

 

 - Não sei o que ela achou no sótão e jogou nas caixas, mas tem  muita bugiganga, roupas velhas, livros... 

 

 Coloquei as caixas perto da geladeira e fui ao encontro de Sakura que parece  não aguentar mais ser escrava da minha mãe. 

 

 - Sasuke! - Ouvi minha mãe gritar lá de cima. 

 

- Ela tá te chamando, vai lá. - Sakura pegou uma das caixas para levar pro porão, já que Itachi está lá.

 

 Ela estava com medo de ter que descer até lá  no escuro, então minha mãe nos fez comprar várias lâmpadas para poder colocar lá.

 

Subi as escadas, eu tô tão cansado que só de pensar no que mais minha mãe pode estar fazendo já me dá arrepios. 

 

Estamos de pé desde cinco e pouco da manhã, minha mãe nos acordou de madrugada pra ajudar a terminar essa faxina. 

 

Para que tudo isso? 

 

 - Mãe! - Chamei.

 

- Que foi, filho? - Ela perguntou.

 

- Eu que pergunto, a senhora me chamou. 

 

- Não. - Ela me encarou com os olhos confusos - Eu não te chamei em momento algum... 

 

Só pode ser piada... Ela me chamou sim, eu escutei e a Sakura também. O que está acontecendo é que, no mínimo, a minha mãe está começando a ficar caduca. 

 

- Tsc... - Revirei os olhos - Tem certeza? 

 

- Eu saberia se tivesse chamado, filho. 

 

- Tudo bem... - Suspirei - Vou voltar lá pra baixo. 

 

 Desci as escadas, voltei para a cozinha e continuei ajudando  Sakura e Itachi a colocar as caixas dentro do porão. 

 

Pra minha sorte, Itachi fez uma faxina básica no porão antes de começarmos a deixar as caixas lá, uma vez que eu sou alérgico a poeira. 

 

Ainda assim, com todo o cuidado da minha mãe para que eu ajudasse na faxina sem atacar minha alergia, passei a noite espirrando e não dormi quase nada. 

 

 - Sakura!! - Minha mãe chamou.

 

 Agora sim, ela chamou em alto e bom som. Eu não tô ficando louco. 

 

 - Já volto... - Sakura saiu correndo.

 

- Itachi, a mãe já está ficando caduca? - Indaguei e Itachi me olhou confuso.

 

- Óbvio que não, Sasuke. Não acha que ela tá nova demais pra isso? - Itachi colocou uma das caixas em um canto no chão - O que tá havendo? 

 

- Ah, nada... Deixa pra lá. - Dei de ombros e subi as escadas, saindo do porão e indo para a cozinha. 

 

- Volta aqui, Sasuke! - Ouvi Itachi me chamar e depois ouvi vários palavrões. Ele deixou cair todas as caixas que havia colocado lá - Me espera, Sasuke! Que história é essa da mãe estar ficando caduca?  - Ele gritou.

 

 Voltei para a sala e Sakura descia as escadas com uma expressão confusa, assim como a minha. 

 

- Que foi, Sakura? - Perguntei.

 

- Ah... - Ela pensou por alguns segundos - Nada não... 

 

- Nem vem, pode ir falando. - Falei.

 

- É  que... Sua mãe me chamou e quando eu fui ver o que era, ela disse que não tinha me chamado. Eu fiquei perdida, ela disse que você fez a mesma coisa... 

 

 -  Sim, mas você a ouviu me chamar! Como isso pode acontecer? 

 

Sakura ficou calada por muito tempo, isso me deixou muito irritado. Ela parece tensa e eu não sei o que está havendo, mas isso não parece ser coisa boa.

 

- Sakura, fala alguma coisa, eu já estou ficando irritado.

 

 - Sasuke... Eu não te disse isso antes... Mas eu vi... - Ela começou a gaguejar - Hinata apareceu ontem... - A Haruno me olhou assustada.

 

 De novo essa tal mulher... Isso não existe, essa porra não existe... Não existe e nem nunca existiu! Não pode existir... Não pode ser real. 

 

 - Sakura... Para. - Falei e ela tentou argumentar - Essa mulher não existe. Cara, eu entendo sua crença, mas isso não é  real, essas coisas não existem.

 

- Então me explica isso!. - Ela abaixou a gola da blusa.

 

 Sua pele está arranhada como se tivesse batido muito forte em algum lugar, sem falar nas marcas roxas. De uns tempos para cá, Sakura vem evitando roupas decotadas, não só por causa do clima -uma vez que dentro de casa não costuma fazer frio-, mas para esconder as marcas em sua pele. 

 

- Sakura... 

 

 - Hinata apareceu diante dos meus olhos e me assustou. Ela falou comigo, eu escutei perfeitamente ela perguntar se eu senti falta dela e depois a lâmpada estourou quando eu gritei. - Ela falou baixo - Eu vi os cacos caírem no chão, eu desmaiei e quando acordei estava tudo normal. - Ela ajeitou a gola da blusa - A tia Mikoto sequer viu. Tudo não passou de uma ilusão, mas foi real demais. 

 

 Não é possível. Não pode ser possível. Eu não aceito isso! 

 

- Sakura, minha mãe e o Itachi vão começar a achar que nós estamos loucos. Por favor, pare de tocar nesse assunto. 

 

- Não dá pra parar de tocar nesse assunto, porra! Não dá, porque essa coisa maligna está brincando conosco e se divertindo com tudo! - Embora Sakura falasse baixo, era quase palpável sua raiva  e vontade de explodir - Você sabe que não é loucura porque você viu também. Você foi possuído por alguma coisa e quase me matou! Você quase morreu também, então para de agir como se tudo isso não passasse de coisa da nossa cabeça! 

 

- Sakura... - Suspirei, tentando me acalmar - Só enquanto minha mãe e meu irmão estiverem aqui. Por favor, sem paranóia.

 

Sakura quer o quê? Que eu diga pra minha mãe que tem um fantasma aqui dentro? Ela me mandaria pra um sanatório. Talvez minha mãe não, mas meu pai sim. Ele é ateu como eu e com certeza não vai acreditar nisso. 

 

Há dias eu tento me convencer de que isso não passa de alucinação, de coisas da minha cabeça, mas não dá. Eu não quero acreditar. Eu não posso acreditar. 

 

 (...)

 

O dia passou como um vento, e apesar de Sasuke negar até a morte que tudo que está acontecendo é causado pela Hinata, eu ainda acredito que tem tudo a ver com ela, assim como os meus machucados. 

 

Ficamos confusos várias vezes, tia Mikoto nos chamava e grande parte das vezes ela dizia que não,  e outras vezes até se irritava. No final, ficávamos tão confusos que eu não sabia mais o que era que estava acontecendo. 

 

 No final da tarde, cansada de ficar correndo para um lado e para o outro, parei no corredor para poder respirar um pouco, pois isso tudo me deixou sem fôlego. A mania de limpeza da minha tia é pior que a da minha mãe, mas eu compreendo que ela sempre foi assim por causa das alergias de Sasuke, já que o rapaz não pode chegar perto de poeira que já fica espirrando feito um louco. Ele só entrou no porão para ajudar com as caixas depois que Itachi  deu uma geral lá e tirou a poeira. 

 

- Ai... Cansei... - Falei - Essa casa é grande demais... 

 

- Que isso, priminha... Cansada? - Itachi se aproximou. Ele carrega uma caixa grande que parece bem pesada, provavelmente levará para o porão junto com as outras. 

 

 - Tá ficando cansativo. O que tanto a tia Mikoto achou nessa casa para fazer essa limpeza master? - Indaguei praticamente sem fôlego. 

 

Quem mais se safou foi o Sasuke, uma vez que se livrou de varrer e tirar a poeira dos móveis por conta da alergia, mas ainda assim tá trabalhando pra caramba. 

 

- Sakura! - Ouvi minha tia gritar... De novo.

 

- Diga! - Gritei de volta. 

 

- Vem aqui pra me ajudar com as últimas caixas. 

 

 Suspirei pesado e vi meu primo Itachi sair de fininho, ainda por cima rindo. 

 

Ainda bem que o Salém deu um sossego e não fica o tempo todo atrás de mim, pois isso seria um incômodo. Em compensação, o gato fica o tempo todo parado de frente para a porta do porão... Não sei até que ponto isso é bom. 

 

 - Sakura? - Ouvi Sasuke chegando com mais uma caixa. 

 

De onde diabos saiu tanta caixa? Ou melhor, de onde saiu tanta tralha? 

 

 - O que foi? Seu chato... - Reclamei. Toda essa arrumação tá me deixando esgotada e irritada com tudo. 

 

- Só queria te dizer que a última caixa tá muito pesada, espera eu levar essas aqui que eu vou te ajudar. - Ele falou.

 

- Beleza... Até lá eu consigo respirar uns segundinhos. 

 

Consegui enrolar minha tia por alguns minutos até Sasuke voltar. Usei a desculpa de que havia dado um mau jeito no ombro após pegar a penúltima caixa e ela acabou chamando o Sasuke.

 

A última caixa estava realmente pesada, Sasuke e eu caminhamos com dificuldade até que, por um momento, de repente, o corredor acabou ficando escuro. 

 

- Ué... - Sasuke falou risonho - Coloca no chão. - Concordei e então colocamos a caixa no chão. 

 

- O que será que tá havendo? - Andei até a janela e percebi que o tempo fechou - Vai chover. - Comentei desanimada. Limpamos toda a varanda e agora todo aquele trabalho vai ter sido em vão. 

 

- Parece que sim, as nuvens estão bem carregadas... 

 

- Meu Deus do céu, as roupas no varal!  - Ouvi a tia Mikoto abrir a porta e sair correndo feito uma bala - Itachi! Itachi! Me ajuda com essas roupas, moleque! - Sasuke eu ficamos parados e olhamos um pra cara do outro. 

 

A chuva ainda nem começou e minha tia já tá nesse desespero todo... Essa é a tia Mikoto. 

 

- Essa  minha mãe. - Ele falou com aquela pontada de vergonha... Mães...

 

De repente, por um momento eu acabei ouvindo passos e vi um vulto no meio do corredor. 

 

- Sasuke! - Chamei o rapaz que olhava pela janela. 

 

- Que foi? - Ele se aproximou mais de mim. 

 

- Não tô gostando disso... 

 

- Que foi, por que está com essa cara? 

 

- Acho que vi algo. - Falei ofegante - Acho... Acho que é  ela, Sasuke. - Olhei para ele com medo. 

 

 - Sakura... - Ele negava, Sasuke insistia em falar que não era possível. 

 

Ele teima em aceitar os fatos, teima em admitir que isso tudo vai contra todas as crenças dele de que Deus não existe e demônios são meros personagens de filmes de terror. 

 

 - Sasuke, eu não estou mentindo, eu não estou brincando. - Segurei firme na gola de sua camisa - Presta atenção... - Olhei para ele com muita raiva e medo - Se acontecer algo nessa casa, você e eu somos testemunhas desses fenômenos. Você quer ver sua mãe morta aqui? - Segurei com mais força a gola da camisa azul e falei sussurrando bem perto de seu rosto - Pare de tentar tampar o sol com a peneira. Pare de fingir que não tem nada acontecendo aqui. O pior cego é aquele que não quer ver, Sasuke. 

 

- O que vocês estão fazendo? - Ouvi a voz de Itachi no final do corredor, então Sasuke e eu olhamos para ele - Que isso, hein, Sakura? Parece até que queria dar um beijo no meu irmãozinho. - Ele falou dando um riso safado e isso fez com que eu empurrasse Sasuke para longe.

 

 - O que você tá falando, Itachi? Sasuke é meu primo, somos como irmãos. Eu só tô falando pra ele..... - Gaguejei um pouco - ... pra ele parar de ser trouxa por causa de uma menina da escola. 

 

 Itachi se aproximou de mim enquanto Sasuke se levantava do chão. 

 

 - Ah, então por isso todas aquelas camisinhas... Você tá ficando com alguém de verdade, é? - Indagou irônico - Ou elas estão lá só pra fazer de conta que você transa? - Ele riu alto.

 

Ele achou as camisinhas?

 

 - É  isso mesmo... - Concordei - Mas o seu irmão é um trouxa! - Encarei o mais novo com um ar de desaprovação - Sabe, eu tento abrir os olhos do Sasuke, mas ele parece não querer enxergar o que acontece. 

 

- Sério? - Itachi ria a ponto de perder o fôlego - Meu irmão tá de quatro por alguém? 

 

 - Sofrendo por mulher? Vá se foder! - Sasuke gritou - E para de dar corda pro Itachi, Sakura! 

 

- Ele não quer admitir. No mínimo levou chifre! - Brincou o moreno mais velho. 

 

- Vai tomar no seu rabo, Itachi! - Sasuke mostrou o dedo do meio - O único corno aqui é você. 

 

- Sasuke, olha o palavreado! - Repreendi. Não que Sasuke não diga palavrões, mas a mãe dele está aqui e não vai gostar caso ouça isso. 

 

- Aquelas camisinhas devem ser de enfeite. No mínimo o bebê aí nem tirou o rótulo de fabricação ainda.

 

- Itachi, ninguém te perguntou nada! - Sasuke rebateu. 

 

Começamos a discutir e isso até que foi engraçado, porém... Acabei ouvindo um barulho de uma das portas que se fechou com força. De repente o corredor ficou completamente escuro -mais do que já estava-, tia Mikoto entrou correndo com as roupas e nos deu uma bela de uma bronca antes de entrar pra um dos quartos. 

 

- Ah, quer saber, vão se ferrar. - Falei enfurecida. 

 

Dei as costas para os dois Uchiha,  mas ouvi um outro barulho, esse  era um trovão. Me assustei tanto que acabei dando um pulo e soltando um grito.

 

- Ué, assustou? - Sasuke questionou. 

 

Começou a dar relâmpagos e trovões. As luzes do corredor acenderam para nossa surpresa.

 

 - Ainda com aquele medo besta de chuva? - Itachi riu.

 

 - Eu? Medo? - Ri  irônica - Bobagem. Só me pegou de surpresa. - Foi quando, do nada, todas as luzes da casa se apagaram. Um vento muito forte começou e todas as janelas começaram a fazer barulho - Até parece que um ventinho desses vai me fazer medo, Itachi. 

 

Virei minha cara com um sorriso debochado e o vidro da janela à minha frente acabou estourando fortemente. Acabei voando para longe com aquele impacto, deixando Sasuke e Itachi pasmos.

 

O impacto me arremessou contra a parede, Sasuke e Itachi correram em minha direção, porém, quando me levantei algo ficou estranho. Os dois ficaram pálidos e me olharam com os olhos arregalados.

 

 Senti algo no meu cabelo e quando olhei, percebi que uma mecha estava flutuando; Senti um arrepio horrível em meu corpo, mas foi rápido demais... Uma força brutal me puxou com toda violência pelo cabelo, me fazendo flutuar. Eu soltei o maior grito que eu pude, deixando Sasuke e Itachi pasmos ali e gritando meu nome. 

 

 

 

 

 

 

    

 

     


Notas Finais


E agora, o que vai acontecer?
Comentários?
Bjs ;****


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...