História Exact Match - Capítulo 11


Escrita por: ~

Visualizações 1.463
Palavras 4.553
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei e MUITO SOFT!! Essa fanfic me deixa muito soft!! Aaaaffff como eu amo exact match.

Gente, e se eu contar que eu achei que essa fic iria ser o maior flop? Que ninguém iria se interessar e gostar dela. Achei real. Mas me surpreendi com a receptividade que ela sempre tem, é inclusive muito cobrada as att por aí kkk

Fico muito feliz que gostem dela, eu também amo esse plot, meu bebê. Mesmo que tenha um medo horrendo de perder a mão nele.

Enfim! Preciso falar dessa capa, tão vendo como é linda???? Nunca fiz uma capa tão condizente com uma fanfic na vida! Ela é toda laranja igual o cabelo do Jimin, e tem jk todo fofo e sério! aaaaaaaaaaa

Espero que gostem do capítulo!! Uma ótima leitura para vocês.

Beijos de uma Tia Carol morta de apaixonada em Tóquio porque ainda não superei o vídeo de hoje!!

Capítulo 11 - Números não conseguirão provar, nem desmentir


— Então… — Hoseok começou depois dos dois já estarem caminhando a alguns minutos em silêncio. — Eu não comentei nada sobre isso ainda, mesmo já tendo se passado algumas semanas…

— Vai direto ao ponto, Hoseok. — Sim, o Jung conseguia divagar muito em torno de um único ponto. E não, Jungkook não tinha paciência para isso, ficava nervoso e ansioso demais.

— Aish, você não muda mesmo. Sempre sem paciência comigo. — Sorriu de canto, desviou o olhar para baixo e foi colocando as mãos nos bolsos, encolhendo os ombros sentindo um pouco de frio. — Enfim, diga aqui ao seu amigo, como é a sensação e experiência de estar namorando, Jeon Jungkook? — Jeon estalou a língua no céu da boca e abaixou a cabeça tentando esconder o quanto estava envergonhado e corando com aquela pergunta. — Ah! Você ficou com vergonha? É por que está apaixonadinho? — Levou rapidamente a mão direita até o rosto, tocando a ponta do nariz com as costa dela enquanto o amigo lhe sacudia pelos ombros. Jungkook ria mesmo sendo uma brincadeira que usualmente o deixaria chateado, mas não conseguia, só de lembrar daquele assunto os sorrisos ficavam impossíveis de ser contidos.

— Nós não namoramos, Hobi. — Afirmou convicto, mas com uma pontinha de decepção na voz que, talvez, somente Hoseok estivesse percebendo..

— Então o que é? — Se aproximou batendo o seu próprio ombro no dele novamente querendo puxar alguma brincadeira e dissipar aquele ar chateado, talvez preocupado de Jungkook.— Estão de tico-tico no fubá? — Aquela expressão era tão bizarra e totalmente não inesperada que arrancou uma risada alta do Jeon. Tão bem humorado quanto o Jung nunca havia visto na vida.

— Eu não sei dizer. — Deu de ombros e sorriu contido, somente com os lábios. — Como vocês chamariam? — Levou as duas mãos inquietas aos bolsos tentando controlá-las um pouco. — Ficando? Saindo? Se curtindo? Nos conhecendo melhor?

— Todas as quatro opções. — Continuavam andando pelo campus, já estava anoitecendo. Hoseok estava indo ao estacionamento, pegar seu carro para ir embora; já Jungkook, bem, ele estava indo finalmente encontrar Jimin. — Mas eu nunca pensei que você fosse ceder ao cenourinha. Por mais que gostasse da ideia na minha mente, desde que o conheci.

— Por quê? Por que achou que eu não fosse “ceder” a ele? — Hoseok riu. Hum, talvez desmemoriamento fosse sintoma dos apaixonados.

— Ora “por quê?”. Você vivia xingando ele. Esqueceu, foi? — Ah disso Jeon se lembrava, e muito bem. Às vezes até com certo constrangimento por hoje se pegar tendo sentimentos e pensamentos tão diferentes dos de antes em relação ao Park. — Jimin sempre te intimidou muito, e você o queria longe por serem muito diferentes, e não saber lidar com ele.

— Realmente…

— Fico feliz de, por ele, você ter passado por cima de todas as suas convenções sobre relacionamentos matematicamente perfeitos. — O Jung parou seus passos, ficando bem de frente para Jungkook e segurou em seus ombros, o sorrindo ternamente e olhando em seus olhos. — Escuta Jungkook, vocês podem ser extremamente diferentes, você todo organizado e certinho, e Jimin uma completa confusão. Mas estão felizes juntos. Eu consigo ver de longe. Sejam felizes, não se importem com mais nada.

 

Hoseok o deixou sozinho sem nem mesmo se despedir, deixando apenas um rastro de sorriso. Jungkook nunca entendeu mas ele gostava de fazer isso, era como se quisesse sempre deixar algo no ar. Pensava que Hoseok queria que as pessoas ficassem com um gostinho no paladar, uma pulga atrás da orelha querendo mais da sua companhia e presença, provocando todos a pensar em si. E definitivamente dava certo.

Mas daquela vez seu efeito foi um pouco mais profundo. Jeon não ficou pensando em Hoseok propriamente dito, ele se pegou refletindo muito mais no que ele havia dito. Já estava com pouco mais de um mês desde que ele e Jimin tiveram seu primeiro encontro, seu primeiro beijo, seguraram as mãos pela primeira vez.

Naquele momento pareceu como se um feitiço estivesse sobre ele, ou que um véu finalmente havia caído de seus olhos. Jungkook, até então não estava pensando, nem por um segundo sequer, nas suas diferenças com Jimin, aquelas que o fazia querer manter o ruivo tão longe antes de tudo aquilo começar. E só esse fato já era assustadoramente surpreendente. Parecia até que todas, cada uma delas, simplesmente haviam deixado de existir no momento em seus lábios se tocaram a primeira vez.

E não é como se ele tivesse passado a se perguntar que tipo loucura estava cometendo; ou como conseguia ficar perto e beijar, tratar tão carinhosamente e ser tocado por alguém que até tempos atrás sequer tinha paciência de mantê-lo por perto, o homem que era a pessoa que mais lhe tirava do sério entre todas as outras que conhecia. Muito pelo contrário.

De repente, Jungkook ele sentiu um medo muito grande de que Jimin fosse o afastar.

Meio atordoado e nervoso, apressou os passos até o bloco onde estava indo encontrar o Park, que não fazia ideia de que Jungkook estava indo o esperar, era uma surpresa. Jeon passou duas semanas um tanto turbulentas com provas e trabalhos; já Jimin ficou muito ocupado com ensaios e exames também, mal tiveram tempo para algo juntos que não fosse no final de semana, que já havia sido cinco dias antes. Estava com saudades de sentir a mãozinha de Jimin na sua, aspirar o perfume daquele cabelo, que hoje achava a cor mais linda do mundo. E depois daqueles pensamentos que o ocorreram estava desesperado para ter o ruivo de novo em seus braços.

Andava de um lado para o outro, encarando o chão, ansioso, preso em um universo só seu junto a suas dúvidas. Se dividia entre continuar lá ou entrar no prédio; alimentava o pensamento de que Jimin ainda estava lá dentro no auditório e o de que ele já havia ido embora. Os alunos que passavam o encaravam estranhando todo seu comportamento, talvez até estivessem com medo.

Tudo era exatamente como na primeira vez que ele esteve ali, mesmo que as razões hoje fossem diferentes.

 

— Jungkook! — A voz, aquela bendita voz que reconheceria em qualquer lugar do mundo, chegou aos seus ouvidos e ele retirou o dedo que mordia nervosamente a ponta de entre os dentes e se virou na direção em que ele vinha. Se sentia como se arrastado de um pesadelo para a realidade. Ou arrastado da realidade para dentro de um sonho. Não deu tempo para fazer muita coisa, só de segurar o corpo de Jimin que se jogava em cima de si. Ele parecia muito animado e feliz. — Você veio me buscar? — Perguntou depois de deixar-lhe um longo selinho nos lábios. Ah que estava com tanta saudades de fazer aquilo.

— Jimin! — Jungkook o repreendeu timidamente ao colocá-lo no chão de volta. — As pessoas estão olhando. — Falou baixinho para que ele não chegasse a entender mal o que estava querendo dizer. Mas ele jamais entenderia, podia parecer um tanto absurdo para alguns, mas já o conhecia suficientemente bem para compreender isso.

— Eu sei, amor, desculpa. — Sorriu fofamente e o agarrou pelo tronco o puxando para perto de si mais uma vez. — É que eu fiquei tão feliz em te ver que não me aguentei. Estava com tantas saudades de você.

— Mas nós nos vimos ontem a noite, e hoje pela manhã. — Jungkook sorriu enquanto continuavam andando, agora um pouco afastados, um ao lado do outro. — Moramos na mesma casa.

— Ah não é a mesma coisa. Você sabe. — desfez o bico nos lábios e sorriu na direção dele, os olhos se apertando e a bochecha ficando corada. Meu Deus, como Jimin era lindo. — Obrigado por ter vindo me buscar.

— Ah que é isso. — Jungkook coçou a cabeça sem jeito, desviando o olhar para o outro lado tentando esconder as bochechas coradas. — Minha aula acabou mais tarde, então resolvi aproveitar e passar aqui. — Falou timidamente, mas abaixou a cabeça e sorriu prendendo o riso pela cara que Jimin lhe lançava. Ok, não conseguia mentir para ele mesmo. — Tudo bem, eu quis fazer uma surpresa e fiquei esperando seu horário de saída do ensaio. — Se rendeu e Jimin sorriu, apertando os olhinhos e chocou seu corpo contra o Jungkook animado e explodindo de felicidade. Tinha como conseguir ficar mais feliz?

— Não é por nada não, mas eu tenho  o melhor namorado do mundo. — Naquele instante, o corpo do Jeon, que já dava os passos lentos em direção à república em que moravam, travou, estagnou no lugar. Espera aí, havia entendido direito? Tinha realmente ouvido a palavra “namorado”?

— Na-namorado? — Gaguejou, engoliu em seco e estava quase ficando sem ar de nervosismo. Por aquilo não esperava mesmo.

— É. — Jimin falou tranquilamente. — Desde o momento em que eu só quero, saio e beijo você, nós estamos namorando. — Então parou na sua frente, cruzou os braços sobre o peito e apertou os olhos, tentando criar uma postura intimidante.— Ou você está vendo outra pessoa Jeon Jungkook?

 

Jungkook não sabia o que responder, tudo aquilo era novo para si então sempre deixou a cargo de que Jimin determinar o ritmo com que iam, o guiar já que era o mais experiente dos dois. Então também deixava a cargo dele determinar que tipo de relacionamento tinham. E se ele dizia que eram namorados, então eram namorados. E isso o deixava feliz em proporções que nem cabiam dentro de si.

Olhou para um lado e outro, se aproveitou da região mais isolada e escura por onde passavam ainda dentro da universidade. Sorriu de canto e respirou fundo reunindo coragem para cometer aquela ousada. Caminhou na direção de Jimin, segurou a mão dele com a sua esquerda, entrelaçaram os dedos e com a outra livre, o pegou pela cintura e empurrando até que as costas dele chocassem gentilmente com a parede do prédio que havia ali.

Não tirava os olhos dos de seu namorado, mesmo sabendo que deveria estar muito vermelho pois sentia a sua pele arder. Jimin o olhava, os olhos sorriam, os lábios também e o corpo todo tremia de ansiedade por seu próximo movimento e atitude.

 

— Eu só penso em um ruivo danado, lindo, chamado Park Jimin. — Falou quase sussurrando, como se fosse um segredo confessado. Borboletas voaram pelo interior do Park, e ele se sentia muito bobo, porém ainda mais feliz.

— Que bom, porque esse ruivo só pensa em Jeon Jungkook.

 

E se beijaram ali mesmo. As mãos de Jimin viajavam pela nuca e costas de Jungkook, enquanto as dele seguravam carinhosamente, porém firmes, em sua cintura. Em um mês ele havia melhorado muito, estava bem menos tímido, cheio de atitudes nos beijos, permitindo e até querendo amassos mais quentes e sabendo comandar. O que só deixava Jimin ainda mais derretido e envolvido.

O Park não tinha a menor pressa com o tempo do Jeon, mas provar de cada passo da evolução dele mexia muito consigo.

A língua de Jungkook deslizou pela de Jimin e ele gostou daquilo, muito. Arriscou demonstrar que queria mais, e recebeu uma chupada do mais novo, que arriscou e muito naquela atitude, mas que acertou em cheio pois arrancou do ruivo um grunhido, além de um arrepio gostoso se espalhando por todo o seu corpo.

Aquele garoto estava ficando muito bom. Que bom que todos os beijos dele eram só seus.

 

 

Depois que realmente o encontrou, Jungkook não teve mais coragem de tocar no assunto de suas diferenças com Jimin. De alguma forma sobrenatural ele sentia que trazer aquela sua insegurança à tona trairia alguma espécie de humor ruim para todo aquele clima gostoso que ele e o Park estavam tendo.

Aquela noite de sexta havia sido tão boa! Assistiram filme no sofá da sala enquanto comiam pizza até caírem no sono por ali mesmo. Conversaram sobre frivolidades da vida, riram enquanto faziam café para tentarem ficar mais tempo acordado juntos, e Jimin ainda o convenceu a dançar uma música imaginária lenta, juntinha, no meio da cozinha; arriscando baterem na mesa, quebrar os copos e pratos enquanto riam, giravam e trocavam beijos ora inocentes, ora devotados demais ao prazer dos dois.

Porém desde que havia acordado no sábado aquele assunto rondava sua mente. Não queria perder Jimin, não queria ele longe de si, não mais. Ele definitivamente havia colorido todos os seus dias com aquele laranja inconfundível dos seus cabelos, preenchido a sua seriedade com seus sorrisos, penetrado sua muralha de isolamento com seus toques que o faziam arrepiar e querer sempre mais.

Jimin já era parte dos seus dias, cada um deles ao seu lado era mais brilhantes, coloridos e felizes. E mesmo Jungkook sendo bem quem era, não conseguia mais se ver sem aquilo. Somente o pensamento o dava terror.

E ali sozinho, dentro do seu quero matutava consigo mesmo o que podia fazer para trazer Jimin para ainda mais próximo, ao invés de afastá-lo que era o seu maior medo. Temia que quem viesse a ficar saturados e incomodado com as diferenças dos dois fosse justamente o Park.

Seu ruivo gostava de sair, brincar, conversar com amigos e ir a festas. Amava dançar, fazer barulho, chamar atenção, dormir tarde e até tarde; era meio descuidado, bagunceiro e só um pouquinho desleixado. Já Jungkook preferia mil vezes ficar em casa, na companhia da sua cama, comutador e animes. Gostava de passar despercebido e ficar na sua. Além de que era completamente satisfeito em ter na sua vida somente o melhor amigo, Hoseok e, agora, o namorado Jimin.

E eis que no último mês Jimin abriu mão de muitas das coisas que gostava de fazer para poder acompanhar Jeon naquilo que ele gostava.

Desde que começaram a ir ele não havia ido a uma festa sequer, ou uma saída com os amigos, além das que dava normalmente após as aulas na faculdade. Seus fins de semana foram todos dedicados a ficar de mãos dadas com Jungkook dentro de casa, ou em algum programa mais íntimo dos dois.

E Jeon jamais pediu por nada disso, nunca! Ele não seria capaz de pedir a Jimin que escolhesse entre fazer o que gostava ou ficar com ele. Sequer havia insinuado algo do tipo, logo aquilo era algo que partia totalmente da vontade de Jimin. E os motivos disso ele nem se preocupou em parar pensar e refletir sobre, simplesmente decidiu que iria agradecer, retribuir tudo o que ele fazia por si. Além de tentar mostrar o quanto ele significava para si.

Agora participaria mais do mundo que Jimin. Da vida que Jimin gostava de viver. Estava decidido.

 

— Jungkook! —  A porta arrebentou com um ruivo muito sorridente e saltitante entrando por ela. — Eu entrei! Eu entrei! — Mais uma vez ele pulou em cima de si, que estava sentado na beira da cama, e caíram os dois para trás deitados. — Amor, eu entrei! Eu entrei!

— Parabéns! Mas...entrou aonde? — Os dois começaram a rir enquanto Jimin respirava um pouco, tentando conseguir recuperar o fôlego, só para conseguir falar

— Eu entrei para a companhia de dançarinos que me inscrevi. Ah que eu queria tanto entrar! — Uma onda de animação e felicidade invadiu o corpo de Jungkook, só de ver Jimin daquela forma, e ele se sentiu ainda mais feliz do que o próprio Park. O agarrou com força contra seu corpo em um abraço apertado.

— Parabéns, meu amor. — O abraçava com muita força mesmo. — Eu estou tão feliz por feliz por você.

— A gente precisa comemorar, Jungkook! — ele pulava pelo quarto todo completamente inquieto. Jungkook nunca havia visto o namorado tão animado assim, chegava a ser um pouco assustador já que ele mesmo era muito calmo. Vai ter uma festa hoje, você aceita ir comigo? — Os olhos de Jimin brilhavam cheios de esperança e vontade de ir, o sorriso nos seus lábios era tão grande. Nunca que Jungkook poderia negar algo para aquele garoto. — Mas não precisa ir se não quiser, eu sei que você não gosta de ambientes assim. Nós podemos ir até o cinema.

— Eu vou! Quer dizer, nós vamos! — O sorriso que Jimin deu foi ainda maior, seus olhinhos se fecharam sorrindo junto e Jungkook queira explodir, derreter, morrer de tanta alegria. Estava por definitivo loucamente apaixonado por aquela confusão ambulante de cabelos laranjas. — Quem mais vai cuidar de você e te impedir de beber?

 

[...]

 

A festa era no mínimo um ambiente diferente, estranho, mas não chegava a ser assustador e intimidante. Não era muito diferente daquela outra que havia sido praticamente obrigado a ir com Jimin na universidade uns meses antes. Só era ainda mais tranquila. Mas não, nem suportava sequer lembrar, muito menos ouvir falar daquele dia. Só de lembrar de Jimin sem camisa, se expondo para o deleite de qualquer pessoa que enxergasse, e todos aqueles beijos que saiu “vendendo”, seu sangue fervia e se sentia mudar de humor ficando com raiva e desconfiando de qualquer pessoa que mirasse os olhos na direção dele, imagine que se aproximasse.

A reação era tão instantânea que enquanto eles paravam diante um grupo de pessoas, sua mão se soltou dos dedos dele onde estava entrelaçada, para ser bem posta e firme em sua cintura. E Jimin percebeu muito bem isso.

Mesmo sendo ainda extremamente tímido, o que era algo que definitivamente nunca iria sair de si, Jungkook se sentiu extremamente feliz, satisfeito, praticamente nas nuvens todas as vezes que Park fazia questão de se aproximar de grupinhos de pessoas, as quais ele provavelmente nem falaria se estivesse sozinho. Porém ele ia até lá para apresentar-lo, fazia questão de o abraçar, aproximando seus corpo, sorrir animado e pronunciar em alto e bom tom “Esse é Jeon Jungkook, meu namorado”

Jungkook não poderia estar mais feliz. Todas essas coisas eram sentimentos muito novos e confusos para si, não conseguia e nem saberia como categorizar, mas todos eles o faziam sentir bem, preenchido, na realidade, transbordando ao ver aquele sorriso nos lábios de Jimin,  a satisfação e orgulho com que ele dizia que Jeon era “seu namorado”. Não escondia de ninguém, não negava, não fugia, mas mostrava. Ele realmente queria que todos ao seu redor o conhecessem, assim como tinha falado uma vez.

 

— Por que está falando para tantas pessoas que eu sou seu namorado? — Perguntou timidamente enquanto os dois estavam parados perto da mesa de bebidas, com seus copos de refrigerante pois Jungkook jamais deixaria que uma gota de álcool sequer tocasse os lábios de Jimin enquanto estivesse com ele.

— Porque você é. — Jimin foi se aproximando e deixando um beijo na maçã direita de Jungkook. — Eu estou muito feliz com isso. — Um novo beijo foi depositado na bochecha esquerda. — Eu sou louco por você. — Um selinho nos lábios, e o corpo inteiro de Jungkook fremindo e arrepiando com o olhar intenso e apaixonado que recebeu. — E quero que todos saibam disso.

— Mas eu sou estranho, introvertido. Não sou legal como essas pessoas. — E lá começava aquele papo. Jimin não gostava nenhum pouco quando ele começava a dizer aquelas coisas horríveis sobre si mesmo. — Eu não sou como essas pessoas. Sempre achei que ninguém jamais teria prazer em ter ao lado alguém como eu. — E aquele sorriso que ele dava antes de fitar o chão, como se seus pés fossem a coisa mais interessante do mundo. Ah que aquilo deixava o Park louco. Quando será que Jungkook iria perceber o quanto era incrível?

— Jungkook, olha para mim. — Segurou seu queixo e o olhou fixo nos olhos. Jeon já estava preparado para o pedir desculpas por estar dizendo aquilo . Nem ele mesmo sabia explicar porque estava fazendo isso, estava se sentindo tão feliz e pleno a poucos minutos atrás. Não conseguia explicar a mudança súbita e drástica de pensamento, mas por alguma razão se sentia nervoso e acuado. — Você é incrível, e… e eu gosto de você assim. Não tem que ser igual a eles, igual a mim. Você tem que ser você. — Ficou na ponta dos pés e o deu um beijo devagar, delicado e que não se aprofundou muito. — Eu sou muito feliz de estar com você, nunca vou ter vergonha de te apresentar a ninguém. — Jimin segurou a nuca de Jungkook com firmeza e aproximou o rosto com um pouco de intensidade demais, acabando por impulsionar os corpos para trás até que as costas de Jungkook chocassem com a parede. — Você é lindo, certo? — Jungkook concordava rapidamente com a cabeça, se sentia nervoso e ansioso com aquela proximidade de seus corpo mas por motivos totalmente diferentes afora. — Me prometa que vai parar de fazer isso consigo mesmo.

 

Jimin praticamente avançou sobre os lábios de Jungkook. Os sugou com tanta vontade que o mais novo quase se sentiu derreter ali mesmo, antes que pudesse segurar o corpo do seu amado direto. As respirações iam ficando pesadas e mais duras a cada movimentos dos lábios, o mover das cabeças de um lado para o outro. Tentavam puxar o ar necessário sem interromper o beijo, não queriam jamais que aquilo acabasse.

Nenhum dos dois sabia explicar como tinham começado em um momento tão delicado, calmo como o de antes e agora estavam se pressionando com pressa e um quase desespero contra uma parede em um quanto escuro qualquer da festa.

O Park puxava cabeça de Jungkook com tanta vontade para de encontro da sua que parecia querer fundir ambos os corpos. Já o Jeon sentia uma vontade insana de descarregar toda a sensação que sentia ,suas mãos estavam praticamente criando vida própria e pensando sozinhas em percorre o corpo do ruivo com mais pressa e força do que jamais fizeram antes. Além de que quase não se controlavam em o tocar além dos limites que já havia atingido.

 

— Vem comigo. — Jimin interrompeu o beijo abruptamente, e eles sequer tiveram tempo de se encararem com as respirações descompassadas, olhos apertados e rostos vermelhos.

 

Jungkook simplesmente o acompanhou e foi puxado escada acima pela mão por Jimin. Serpentearam e desviaram por pelo menos uma dúzia de pessoas, talvez mais, Jeon não estava com o pensamento focado demais para conseguir contar. Só sabia que quando se deu conta já estava dentro de um quarto aleatório da casa, nervoso, praticamente tremendo, suando mais do que deveria enquanto o Park fechava a porta, passando a chave para garantir que ninguém entraria e atrapalharia.

Jungkook engoliu em seco.

 

— J-jimin… por que você trancou? — O nervosismo de Jungkook era impossível de se esconder, e Jimin sabia exatamente os seus motivos para isso.

— Calma, Kook. — Passou a mão pelos cabelos só o arrumando um pouco mais, e também por tique nervoso, estava tão agitado quanto Jungkook só conseguia ser mais discreto sobre isso. — É só por privacidade tudo bem? Não não vamos fazer nada. Eu não quero isso. — A expressão do Jeon se modificou e ele criou um bico confuso nos lábios. Jimin riu com aquilo, como ele era fofo. Mas não entendeu também o motivo da reação. — O que foi, amor? — e aproximou com pressa procurando o abraçar.

— Você não me quer? Não sente desejo por mim, é isso? — Jimin sorriu e ficou um pouco sem graça com aquela pergunta. É, poderia ser mais experiente que Jungkook, mas isso não o fazia menos tímido que ele.

—  Ah, não é isso. — Se afastou e procurou sentar na cama, pegando o namorado pela mão e o trazendo junto. — Eu quero você, eu quero tipo, muito. Só Deus sabe o quanto eu amo as suas mãos pelo meu corpo, e fico imaginando você me tocando mais e mais... — Jimin se deu conta do que estava falando, e de que já estava se abrindo até demais. Deu um riso tímido e envergonhado e tentou reunir coragem para continuar. — Enfim, eu só sei que não é assim que essas coisas acontecem. E vou esperar o seu tempo, sem pressionar você.

— Entendi… Obrigado.

— É… você… — respirou fundo, agora que tinham tocado nesse assunto precisava perguntar. Ia aproveitar mesmo a oportunidade. — Jungkook, você sente desejo por mim? — As mãos do mais novo suaram, o seu olhar vagueou pelo rosto apreensivo, tímido e curioso de Jimin e depois  desviou para baixo, tão envergonhado quanto o outro.

— Sim… muito. Eu só não...

— Ei, — a mão de jimin deslizou devagar e delicadamente se moldando à sua. — Vem aqui, eu quero ficar perto do meu namorado, aproveitando ele.

— Mas e seu amigos, e a festa? — Ele parou seus passos enquanto era puxado pelo mais velho para que deitassem na cama. Jimin deu de ombros.

— Ah, depois a gente desce e aproveita com eles. — O ruivo se deitou e bateu no colchão duas vezes o chamando. — Vem eu quero te abraçar.

 

Os dois ficaram ali, deitados em silêncio. Jimin agarrado ao corpo de Jungkook, que por ser um tanto maior que o seu parecia o acomodar tão bem entre os braços. As mãos do Jeon afagavam os cabelos laranjas, enquanto a ponta dos dedos do Park deslizavam em seu peito, depois brincavam com seus dedos.

Era um silêncio confortável, mesmo que ao fundo pudesse se ouvir a música da festa ecoando. Era o melhor tipo de silêncio. Eles só pareciam tão a vontade, íntimos, confidentes. Como se a cada toque estivessem segredando declarações um ao outro.

 

— Jimin…

— Oi… — ele respondeu com um tom risonho, certeza que estava sorrindo.

— Quantos por cento você acha que é nossa compatibilidade? — Sim, aquela pergunta vagueava a cabeça de Jungkook ainda. Ele não conseguia evitar, e precisava desabafar. Manter aquela curiosidade somente para si estava o consumindo por dentro.

— Jungkook, não faz isso.

— O quê? — Ele pensou que talvez, pelo tom mais bravo de Jimin, ele fosse querer se soltar de seus braços, porém não se moveu dali.

— Não pensa nisso, por favor.

— Jimin…

— Por que você está aqui? — o Park se arrumou no colchão e virou-se para ele, o fitando diretamente nos olhos. — Por que está comigo? Por quer ficar comigo? Sendo meu namorado?

— Porque… — ponderou por alguns segundos as melhores palavras, e quando as achou não pode falar imediatamente porque foi interrompido por Jimin.

— Eu sei que somos diferentes. Mas e daí? — Ele foi se aproximando um pouco mais. — Eu adoro seu cheiro; seus sorriso, seus olhos. Eu sou completamente bobo pela sua risada, as coisas que você conta, ou como fica todo tímido com as coisas que eu faço e falo. Eu fico louco quando você me abraça, beija, me toca, me olha. — Ia falando e distribuindo beijos por seu rosto, pescoço, afagando sua nuca e olhando bem em seus olhos antes de continuar com os carinhos. — Eu gosto de você, Jungkook. De como faz meu coração palpitar, meu corpo tremer e meu dias mais felizes só de pensar que você existe. Só isso me basta para querer ficar contigo. — Jimin pegou a mão do Jeon e levou até seu peito, bem sobre seu coração que batia rápido, muito rápido. — Nenhum número vai provar ou desmentir isso. Você consegue sentir?

 

Jungkook puxou Jimin pela nuca em um beijo afoito, apressado, literalmente necessitado. Nunca desejou com tanta força ter aqueles lábios sobre os seus. Não entendia como, até tempos atrás tudo aquilo que saiu dos lábios de Jimin pareceriam loucura, a coisa mais sem sentido possível. Mas agora não, ele havia conhecido, provado. Ele sentia também. Compreendia cada uma das coisas que seu namorado falou, e ainda ia além, não era somente sua mente, era seu corpo em conjunto. E tinha certeza que o que sentiam um pelo outro era muito maior do que palavras poderiam expressar. Contudo, ele ainda devia ao seu ruivo uma resposta para sua pergunta.

 

— Eu estou completamente apaixonado por você, Jimin.

 


Notas Finais


EU ESTOU MUITO SOFT!!

Meu coração foi encontrando explodindo de amor.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...