História Experiences - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bleach
Personagens Grimmjow Jaegerjaquez, Orihime Inoue
Tags Bleach, Grimmhime, Grimmjow, Orihime
Exibições 74
Palavras 1.039
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ecchi, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sim, sou eu novamente.
Este é um segundo presente de aniversário pra @Asiral <3
Gata, não tenho as suas habilidades, então não podia colorir uma imagem como aquele lindo Zoro seduzente que tu me deu, sendo assim, esta é mais uma fanfic pra você do nosso menino selvagem. Ainda que tu soubesse da existência dela, de alguma forma ela ainda é um segredo pra ti. Enfim, espero que goste <3

Capítulo 1 - Capítulo Único - Experiences


~

Grimmjow estava entediado. Muito entediado. O que só fazia com que seu humor que nada tinha de bom, se tornasse ainda pior. O Hueco Mundo não era exatamente um lugar repleto de opções para se passar o tempo. Desde que cumpriram com um dos objetivos de Aizen e trouxeram a princesinha para o castelo, trancando-a em sua torre, nada mais lhes havia sido solicitado – pelo menos não coisas que realmente valessem a pena, e lhe desse pretextos para cortar alguém – não que ele realmente precisasse de um para fazer isso.

Ele estava com energia acumulada. Cansara de procurar por Arrankars que pudessem lhe dar o mínimo de diversão numa batalha, o que claramente mostrou-se uma experiência completamente falha – ainda que não tivesse grandes expectativas. No fim, tudo que acontecera fora um massacre, e nunca mais esbarrara com qualquer um daqueles inúteis em seu caminho. Todos aqueles com o mínimo desejo de viver passaram a evita-lo mais que o normal.

Com as mãos no bolso e o cenho tipicamente franzido, decidiu circular pelos corredores enfadonhamente brancos. Lembrou-se então que próximo da ala onde caminhava, ficava a humana que agora habitava um dos infinitos cômodos de Las Noches e de que assim como ele, ela não parecia muito repleta de afazeres além do irritante hábito de observar a lua através da pequena janela com grades em seu quarto.

Não tendo uma opção melhor, simplesmente decidiu importuná-la. Havia algo sobre ela que realmente o incomodava. Não suportava aquela calma constante aparentemente inabalável, a expressão sempre serena mesmo estando entre predadores naturais, como se tivesse a certeza de que no final tudo ficaria bem. Naquele dia ele estava disposto a provocar qualquer reação que a tirasse daquela monotonia, e quem sabe até mesmo arrancar à força todo aquele otimismo tolamente desnecessário.

Escancarando a porta do cômodo, encontrou um dos serviçais sob comando direito de Ulquiorra a entregar a refeição da tarde. Orihime sobressaltou-se tanto pela visita inesperada do sexta Espada, quanto pela sutileza da entrada dele. De início, imaginou que ele estivesse ali a mando de Aizen, talvez substituindo o quarta Espada, o que não se mostrou exatamente seu propósito quando ele simplesmente se jogou contra o sofá, parecendo não querer nada além de um local para sentar. Aquilo acabou deixando-a intrigada.

Cumprindo sua função, o serviçal retirou-se, deixando apenas a pantera e sua presa enjaulados entre as quatro paredes. Sentindo-se incrivelmente deslocada – mais que o normal –, Inoue concentrou-se em comer os biscoitos com leite, já que não havia nenhum tópico ou assunto em comum do qual poderiam conversar. Além de que por mais que ela tentasse evitar, no fundo, sentia-se aterrorizada com a simples presença dele.

Embora estivesse rodeada de inimigos, nenhum deles a perturbava tanto quanto o Espada de cabelos azuis. Todos podiam ser extremamente perigosos, mas ele lhe parecia o mais letal. Uma ameaça em formas humanas. Ela ainda se lembrava claramente do assassinato a sangue frio cometido por ele, e como o liquido viscoso escorrendo por sua mão dava a ideia de um reencontro de velhos companheiros de guerra.

Para surpresa dela, depois de pouquíssimo tempo, Grimmjow levantou-se e se aproximou, ocupando o assento ao lado de onde estava, exibindo um sorriso que lhe provocou um calafrio na espinha. Algo entre malicia e diversão selvagem.

O biscoito que ela ainda mastigava desceu rasgando pela garganta, tamanha tensão lhe atingiu cada terminação nervosa do corpo.

– Ei, Onna... – A voz grave de Grimmjow ecoou no ar devido ao silêncio sepulcral que preenchia o ambiente. Seu tom era quase sedutor, um ronronar que levaria qualquer fêmea à perdição.

– S-Sim? – Respondeu ela, tentando manter a calma enquanto bebia um gole do copo de leite, rezando para não engasgar.

Diante do silêncio de Grimmjow, Orihime o fitou de soslaio, hesitantemente direcionando os olhos para os dele, baixando o copo lentamente, quase com cautela, até pousá-lo sobre a mesinha. Procurava entender o que ele queria, mesmo que este fosse completamente imprevisível.

– Qual o gosto dessa coisa branca que você está tomando?

– H-Hm? – Ela ficou completamente confusa com aquela questão – Do leite? Ér... acho que não há uma forma de explicar. Gostaria de experimentar?

O sorriso do azulado se alargou ainda mais, enquanto focava sua atenção no rosto dela.

– É. Acho que farei isso.

E então, antes que Orihime pudesse perceber, Grimmjow já avançava contra ela. Os dedos longos e calejados emaranhando-se entre as mechas de cabelo macio da nuca dela, impedindo-a de se afastar, em seguida, tomou-lhe o espesso lábio superior entre os dele, provando do resquício de leite que ocupava a borda daquela boca que muito provavelmente provocaram pensamentos de todos os tipos nos homens que a viam.

Tudo acontecera tão rápido que Orihime ainda estava tentando assimilar o que o sexta Espada fazia no momento em que ele recuou, mas não sem antes mordiscar com vontade aquela determinada região que ainda estava em contato, mostrando-se quase orgulhoso ao encarar o leve inchaço e vermelhidão que tomara a boca dela após sua investida.

Inoue estampava olhos arregalados, em choque, corando terrivelmente mesmo em meio a confusão que se formava na mente dela, tanto pelo que ele acabara de fazer, quanto pelo olhar de contentamento que ele insistia em lhe lançar enquanto passava a ponta da língua pelos próprios lábios, parecendo satisfeito.

– Até que não é ruim – Anunciou ele.

Quase como um meio de defesa, ela involuntariamente levou a mão de pele alva e delicada ao local, como se o fato de impedir que ele fizesse contato visual com a área do crime pudesse de alguma forma apagar o acontecido, ou protegê-la dele.

 Desdenhosamente divertido, Grimmjow levantou-se, caminhando calmamente em direção à porta. Fazendo uma pausa antes de sair, ao encará-la com seus orbes azuis perigosamente reluzentes.

– Ei, Onna. Talvez eu volte amanhã para experimentar algo diferente. Com mais... voracidade.

Orihime piscou seguidamente, não podendo evitar estremecer diante do comentário que ela nem ao menos sabia como interpretar.

Momentaneamente saciado, Grimmjow saiu para o corredor, rindo consigo mesmo por ter atingido seu objeto, de uma forma bastante interessante na opinião dele. E o melhor de tudo, é que ele provavelmente havia encontrado um brinquedinho para caçar, e os espólios definitivamente eram algo ao qual poderia ajudá-lo ao que se referia ao seu tédio.


Notas Finais


Eu me diverti escrevendo essa fanfic <3 HDUSHDUAHDUASD ~
Malícia é vida lalala ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...