História Eye of hurricane - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Drama, Niall Horan, One Direction, Suspense
Exibições 19
Palavras 2.245
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 13 - Stitches


Fanfic / Fanfiction Eye of hurricane - Capítulo 13 - Stitches

Depois de três dias enfornada no quarto devido a uma falsa gripe, é Danen quem me acorda, trazendo café e rosquinha, gesto que me deixa um pouco contente.

- Não foi pra escola outra vez. - comenta ele, apoiando a bandeja com o que trouxe na cama perto de mim.

- Continuo gripada. - finjo um espirro.

- Sei. - não consigo descobrir se ele está sendo ou irônico ou se realmente caiu nessa.

- Quer ver desenho? - pergunto, acenando com a cabeça para o controle.

- Não posso, preciso me arrumar para o colégio. Você acordou tarde Yar. - explica ele, levando minha atenção para as cortinas que estão fechadas, dando um ar de amanhecer para o quarto.

- Ah. - pego o café e dou um gole. - Certo, mas obrigada pelo café.

- Se cuide, melhore logo. - o loiro beija minha bochecha e sai do quarto, fechando a porta atrás de si.

Danen não sabe e nem digo, mas acordei tarde porque fui dormir tarde, e depois de muitas horas rolando na cama foi que consegui pegar no sono. De qualquer forma tinha sido assim também nas outras noites e fico me perguntando se isso não vai parar. Enquanto como dou uma olhada em meu celular e nas novas mensagens e ligações perdidas. Para ser sincera eu havia ignorado todas as mensagens que não as de Pia. Sei que podia contar tudo para ela e que assim meu segredo estaria a salvo, foi isso que fiz e a morena tem me dado cobertura na falta das aulas. Não sei o que Brian deve estar pensando sobre isso, mas me dói perceber que ele nem se deu o trabalho de me enviar uma mensagem. Será que a ficha daquele idiota ainda não caiu? E por fim vem Niall, em quem tenho evitado ao máximo pensar porque na última vez em que nos vimos EU O BEIJEI!!!! Sei que foi por um impulso do momento, seus lábios estavam perto demais na hora errada e aconteceu. Mesmo depois de minhas desculpas frustradas no carro, sei que ainda vou precisar falar com ele sobre isso como adulta e isso me faz querer me esconder debaixo do cobertor pelo resto da vida.

Na realidade estou fazendo exatamente o que Niall me disse para fazer: dando um tempo para mim mesma. Longe da escola, longe de Brian, longe de tudo. Precisei mentir para que isso acontecesse e carreguei Jenny comigo nessa, pedindo-a que ligasse para a escola e confirmasse minha virose. Meu pai veio ao meu quarto todas as três noites para me ver, mas está com a cabeça tão ocupada que não presta atenção em nada. É nessas horas que mais me lembro de minha mãe, que mais sinto sua falta. Perder aquela que te deu a vida é a pior experiência que uma pessoa pode ter, você simplesmente ama a pessoa intensa e verdadeiramente, com todo seu coração e sua alma e então ela para de respirar e você se sente abandonado no mundo.

Quando encontraram o corpo morto de minha mãe, foi como se drenassem todo o ar dos meus pulmões e meus membros parassem de funcionar.  Acabei apagando nos braços do policial que me deu a notícia e acordei deitada no sofá, vendo meu pai socar uma mesa como se o objeto fosse o culpado por todas as suas desgraças. O corpo de Alina Mason foi encontrado no apartamento de sua melhor amiga, Claire Folks, juntamente com o corpo da mesma. As duas viviam grudadas e morreram juntas, depois de serem baleadas por reagir a um assalto.  Sempre perguntei o porquê de elas terem reagido. Eu não me lembro de muita coisa sobre a Claire, mas sei que assim como minha mãe, ela tinha dinheiro suficiente para repor tudo naquele apartamento, então sempre perguntei a razão de ambas terem reagido ao assalto.  Não faz sentido terem arriscado suas vidas por bens materiais. E é exatamente por isso que sei que bens materiais não são nada quando se comparados com a vida e o amor. Minha mãe era apaixonada por seus filhos e Danen e eu apaixonados por ela, assim como o atual grande Mier coração de pedra.  Acho que a perda de uma mulher tão doce e única mudou , de alguma forma, todos nós.

Desbloqueio a tela de meu celular e dou uma olhada nas mensagens que não respondi enquanto beberico meu café. Há uma porção de mensagens de pessoas do colégio que nem mesmo sei como conseguiram meu número, desejando melhoras - o que prova que minha desculpa funcionou - mas as principais são as de Harry, Louis e Leslie. Niall não me deseja melhoras, porque sabe o que aconteceu e sabe que não estou doente coisa nenhuma, apenas mentindo para escapar do mundo. Sua mensagem diz:

 

"Espero que sua mentira...”

 

"Oh, desculpe, foi o corretor. Espero que sua virose não dure a semana toda”

 

Ao lê-la pela primeira vez não pude evitar um sorriso. Ele sabia, mas não contou a ninguém, e fico grata e contente por isso.

Fico na cama me distraindo com meu celular até Danen surgir na porta e perguntar se não vou almoçar. Na realidade não estou com fome mas acabo descendo para comermos juntos, o que fazemos conversando, e poucos minutos depois ele sai para a escola. Preciso dizer que meu irmão tem sido bastante compreensível esses dias, levando numa boa o fato de eu não me sentir disposta para levá-lo ao colégio, o que é adorável da parte dele.

Junto os pratos e talheres sujos e coloco na lava-louças para adiantar o trabalho de Jenny. Estou indo em direção as escadas quando ouço passos firmes e meu nome sendo chamado.

- Yarla... - me viro e vejo meu pai, dentro de seu terno impecável e com sua tão inseparável mala. - Está melhor? Você parece.

Penso em alguma resposta rápida e eficiente mas nada me vem a cabeça e essa é a deixa para que meu pai tire suas próprias conclusões.

- Então você vai para a escola amanhã.

- Mas pai, na verdade eu não me sinto muito bem... - finjo uma tosse.

- Se não for para a aula irá se consultar com um médico.

"E sua mentira será descoberta com um rápido diagnóstico"

É a continuação que ele não diz mas que sei que está pensando.  E fico super irritada por isso.

- Escola ou hospital. A escolha é sua. - e se vira de costas me deixando sozinha.

Subo as escadas morrendo de raiva e passo um longo tempo debaixo do chuveiro tentando organizar meus pensamentos. Quando, por fim, saio do banho, visto um shorts de pijama e uma blusa de alcinhas. Não seco o cabelo, mas os penteio e me deito assim. Passo a tarde toda assistindo programas e novelas na Tv enquanto tento me preparar psicologicamente para voltar à escola e encarar Brian.

Com o ar condicionado transformando meu quarto no polo norte e um cobertor enrolado em minhas pernas, assisto a um vídeo tutorial de tranças diversas no youtube. Encho a boca de doritos e estou chupando a ponta dos dedos quando ouço batidas na porta.

- Pode entrar Danen! - digo com a boca cheia. A porta se abre e com certeza fico de olhos arregalados ao ver quem entra logo atrás de meu irmão.

- Niall? O que faz aqui? - engulo o molho alaranjado e lambo os lábios.

- Vim trazer um remédio pra melhorar sua virose. - o loiro dá alguns passos e estende um copo para mim. Sorrio antes mesmo de saber de qual dos cafés se trata.

- Não precisava Niall. - recebo o copo quentinho em meus dedos.

- Não é assim que se agradece. - ele franze a testa.

- Obrigada, vai ajudar. - balanço a cabeça e dou um gole, percebendo que é o Americano com chocolate. - É o meu favorito, foi coincidência ou você sabia?

- Alguém me deu uma sugestão. - o loiro se vira para Danen, que sorri convencido.

- Está envolvido nisso Danen? - pergunto.

- Estou indo fazer a lição. - ele bate a porta e sai correndo, me deixando a sós com Niall. Coloco o notebook para o lado e encolho as pernas.

- Sente-se. - indico a cama com a cabeça e ele se senta próximo a meus joelhos. Dou outro gole no café e o ergo na direção do loiro: - Quer um pouco? Isso é divino!

- Estou bem, obrigado. - ele balança a cabeça.

- Então coma Doritos. - jogo o pacote e esse cai no colo de Niall, felizmente sem que nenhum escape da embalagem.

- Danen me ligou esta manhã e pediu que eu viesse tentar tirar você de casa. Ele se preocupa com você. - Niall diz com toda a calma do mundo levando um chips a boca.

- Danen ligou para você? Não acredito que ele fez isso! - fico totalmente surpresa com a revelação - Mas como ele conseguiu seu número?

- Ele ligou para os Styles e pediu para falar comigo. - Niall ri - Garoto esperto ele, devemos admitir.

- Esperto e intrometido. - reviro os olhos.

- Não, não pegue no pé dele. Danen só quis ajudar. - dá de ombros e coloca outro triângulo cheio de corante na boca.  Mastiga, engole e lambe os lábios antes de olhar em meus olhos: - Escute Yarla, quando eu disse que você precisava dar um tempo a si mesma, não quis dizer que precisa necessariamente sumir da escola e se trancar no quarto para isso. Você pode digerir o acontecido e enfrentar as consequências com a ajuda de seus amigos.

- Mas o cara que causou tudo está no nosso círculo de amigos. - argumento baixinho.

- Ele não precisa estar. - devolve Niall e ergo meus olhos para ele, curiosa.

- O que você quer dizer?

- A maioria das pessoas daquele colégio caem ao seus pés Yarla. Não tem que estar no mesmo ambiente que Brian o tempo todo, pelo menos pode evitá-lo até se acostumar com a presença dele. - explica ele com a voz calma e serena, fazendo tudo parecer mais simples e fácil.

- Você acha? - mordo o lábio, insegura.

- Tenho certeza. - esboça um sorriso e coloca a mão em joelho, por cima do cobertor. - Eu estou certo. Você vai ficar bem, confie em mim, parece muito pior do que realmente é.

Demoro a responder, isso porque estou formulando uma pergunta que pode resultar em uma resposta nada simpática vindo de Niall, que é consideravelmente bipolar.

- Você já se apaixonou? Já sofreu assim por amor? - acredito que minha pergunta é ousada, mas Niall parece não se importar em respondê-la porque dá de ombros e faz cara de indiferença.

- Já me apaixonei sim. Na época achei que amava a garota mais que tudo, mas na verdade não era amor. Não amor de verdade. - balança a cabeça - Me dei conta disso quando ela me deixou e poucas semanas de sofrimento depois, eu já me sentia completo outra vez.

Não respondo, apenas dou um longo gole em meu café e o saboreio com calma, meditando sobre as palavras de Niall. Será que estou enganada sobre meus sentimentos em relação a Brian?

- Niall... - começo, respirando fundo e buscando coragem para continuar - Me desculpe pelo que houve aquele dia. Foi um impulso louco, eu não sei o que me deu, estou tão envergonhada!

Fecho os olhos e tampo o rosto com uma das mãos.  

Sinto a pele morna de Niall tocar minha mão e tirá-la de meu rosto. Ao olhar para ele fico surpresa por ver um sorrisinho em seus lábios. Ele parece estar achando graça de tudo isso.

- Não se preocupe, sei que eu sou irresistível então não a culpo. - ele pisca sedutoramente e isso me faz rir, proeza essa que ninguém conseguiu nos últimos dias. - Bom, pelo menos você está sorrindo.

Sorrio, assentindo com a cabeça.

- Obrigada por vir até aqui, você não precisava se incomodar.

E ele realmente não tinha. Niall foi extremamente gentil em atender a um pedido de Danen e vir me ver.

- Não fiz nada demais, já preciso ir, ainda tenho algumas coisas pra fazer antes de anoitecer. - explica o garoto, ficando de pé e colocando o pacote de doritos em meu colo. Balanço a cabeça assentindo. - Quero ver você no colégio logo, ok?

- E verá. - garanto, até porque se não o fizer por vontade própria meu pai me obrigará.

- Fique bem. - fico surpreendida quando ele se inclina e beija minha testa.

Niall se vira e vai até a porta, acenando brevemente antes de sair.

Solto um suspiro ao ficar sozinha novamente, me dando conta de que a rápida, mas significativa, visita de Niall me deixou mais contente do que poderia imaginar.

De repente a porta volta a se abrir e para minha surpresa Niall reaparece.

- Quase me esqueci de uma coisa. - explica ao notar meu olhar de espanto. O garoto se inclina e deixa uma caixinha embrulhada com papel cinza sobre minha perna.

Quando a pego ele já se foi novamente, então continuo meu trabalho e tiro todo o embrulho. Ao puxar o elástico e abrir a caixinha, quase caio para trás ao ver que é uma caixinha de costura, com um pequeno novelo de linha e agulhas.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...