História Eyes Of God - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner
Tags America Blake, Justin Bieber, Olhos De Deus
Visualizações 307
Palavras 2.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem a demora, tive um bloqueio de criatividade, mas estou de volta.

Quero dizer que: esse capitulo foi mais uma das revelações necessárias na histórias. Para vocês entenderem essa coisa de America/Hayes/Mason. Eu percebi que havia várias pessoas confusas hahahha

Quero dizer também que falta muito pouco para chegarmos a 400 favoritos. E eu quero propor algo. Quando chegarmos aos 400 favoritos, vamos ter dupla postagem. Como presentinho, pois vocês estão me apoiando muito. Então me ajudem na divulgação que assim, teremos dupla postagem <3

Estamos no meio da fanfic também, pelas minhas contas, essa temporada vai até os 25/30 capítulos mais ou menos. Então aproveitem hahaha

Capítulo 15 - Capítulo 15


America Blake’s Point Of View

Muitas vezes eu ainda tinha pesadelos. Pesadelos das vezes que fui abusada ou do dia em que Mason foi tirado de mim. Minha virgindade fora tirada de uma forma injusta e muitos pensamentos e sentimentos de raiva passavam pela minha mente quando lembrava de mulheres que já passaram por isso tantas vezes quanto eu.

Hayes sempre se aproveitava quando Bruce me deixava sozinha. Ele já era conhecido pelos seguranças do meu irmão por viver em casa por conta de trabalhos, e nunca teve problemas para entrar na nossa casa. Depois de tudo que eu passei, as vezes me pego pensando o motivo de eu nunca ter falado algo para os outros. Talvez o medo fosse o sentimento mais forte naqueles momentos.

Eu sabia, todas as vezes que o via passar pelo portão, que mais uma noite terrível estava por vir. Eu sentia dores e me sentia fraca. Todas as vezes, quando eu estava livre de seus toques, eu corria em direção ao banheiro e chorava em baixo do chuveiro. Minhas lágrimas corriam junto com a água, era uma ótima forma de disfarçar meu choro. Eu queria ficar bem e se não houvesse jeito disso acontecer, eu pelo menos fingia.

Com dezessete anos, eu engravidei. Minha primeira opção fora abortar. Como eu poderia carregar um filho de Hayes e carregar junto, o fardo dele ser fruto de um abuso? Eu nunca soube. Mas me lembrei de uma das conversas que tive com minha mãe anos atrás onde ela dizia que quando engravidou, ainda nova, de Bruce, ela pensou em abortar. Mas quando o teve em suas mãos, foi a melhor sensação. E eu soube exatamente do que ela estava falando quando segurei Mason pela primeira vez.

Eu me sentia uma completa inútil por saber que um dia eu teria que contar que seu pai era um completo babaca. Quando Bruce descobriu os abusos e minha gravidez indesejada, sua reação já era esperada. Ele gritava e saia quebrando tudo que ele encontrava na frente. Ele pensou na possibilidade de simplesmente meter uma bala na cabeça de Hayes, mas eu o impedi. Se Hayes fosse morrer, seria pelas minhas mãos.

Bruce quebrou qualquer tipo de contato com Hayes, isso durou por um longo tempo, até que o mesmo começou a ter problemas com os meninos por conta de nossos negócios. Hayes sempre foi o que mais forneceu dinheiro pelos serviços dos olhos de Deus. E então ambos assinaram um acordo onde Hayes tinha contato comigo apenas quando necessário.

Meus pensamentos foram interrompidos quando senti o carro parar. Estava de carona com Trice e Caitlin. Ambas estavam se dando muito bem, e eu consegui perceber isso apenas quando ambas vieram conversando sem para desde o campo deserto onde pousamos com o jatinho.

Estávamos de volta a Los Angeles, e eu não sabia se ficava feliz ou nervosa por saber que estava prestes a buscar Mason. Agora Justin sabia a verdade, eu não cheguei a contar a ele com as palavras “Mason é meu filho”, mas aquele loiro não era burro. Ele não sabia toda história e eu tinha completa noção de que eu teria que contar em algum momento daquele dia.

Desci do carro e entrei na mansão logo atrás de Trice que ria de uma careta que Caitlin fazia. Neguei com a cabeça e suspirei, feliz. Pelo visto, tudo estava dando certo.

— Vocês não se odiavam? – Perguntei, rindo pelo nariz e me jogando no sofá. — Agora estão tão amigas.

— Você e Justin não se odiavam? Agora estão transando pelos cantos. – Trice rebateu, fazendo o mesmo que eu.

Caitlin soltou uma gargalhada e eu a olhei brava, tentando faze−la intender que era para falar mais baixo assim que vi os meninos passando pela porta da sala de estar. Justin ria enquanto via seus amigos conversando alto. Zac e Sean riam junto com o mesmo e negavam com a cabeça. Parece que todo mundo decidiu virar amigo nessa casa.

— Porque está me olhando assim, Blake? Não quer que eles saibam que você e o Bieber transaram. – Falou Trice mais alto, chamando a atenção de todo mundo.

Bati minha mão em minha coxa e a olhei brava. Eu não estava com vergonha, longe disso. Mas achava desnecessário todos daquela sala saber com quem eu transo ou deixo de transar. Quando os meninos ouviram, a primeira reação foi de Chaz que deu um leve tapa no ombro de Ryan e ambos caíram na gargalhada. Logo os outros da sala de estar também riam e eu e Justin apenas assistíamos confusos.

— Porque ele sempre fica com as melhores? – Chris murmurou, se sentando ao meu lado.

— Gatinha, ‘tô ligado que Justin não é assim tão bom. Então quando precisar é só me chamar! – Ryan falou logo depois, se sentando do meu outro lado e passando seu braço por meu ombro.

— Não foi o que sua mãe disse quando eu estava na cama com ela. – Justin rebateu, passando por Ryan e dando um tapa em sua cabeça.

— O cara não sabe se defender e coloca a mãe dos irmãos no meio. Vacilão morre cedo. – Chaz zoou Justin.

Era a primeira vez que eu tinha um contato direto com os meninos. Ryan e Chaz sempre tinham piadas e zoações para fazer entre si, e meu único contato com Chris era coisas relacionadas a computadores. Mas olhando assim, todos jogados pela sala, nem parecia que estávamos próximos de resgatar uma criança e matar um traficante.

— Sinto em dizer, mas preciso de todos no escritório. – Justin falou, se levantando. — America tem uma coisa para falar para vocês.

Levantei meu olhar e os prendi em Justin, sabendo do que o mesmo falava. Suspirei pesado e neguei com a cabeça, me levantando e andando em direção ao escritório. Logo depois o resto do pessoal entrou na sala e se espalharam. Justin se sentou na mesa de frente para todos e eu apenas apoiei meu corpo no objeto, ficando ao lado de Justin.

— Espera, vocês se apaixonaram e querem nos falar que vãos e casar? – Chaz perguntou irônico, tentando quebrar o clima tenso que havia sido criado naquela sala.

— A criança. O filho de Hayes. É meu filho também. – Falei de uma vez, tentando não travar no caminho. Vi que Trice ajeitou sua postura e me olhou confusa, ela mais do que ninguém, sabia o quanto eu odiava falar sobre aquele assunto. — O nome dele é Mason, e ele tem dois anos e alguns meses.

— Você tem um filho com o Hayes? – Caitlin perguntou assustada, se levantando. — Céus, America, como isso aconteceu?

Assim como a garota, todas ali que ainda não sabiam da verdade, estavam um tanto surpresos. Zac e Sean sabiam que eu tinha engravidado. Mas na cabeça deles, eu havia abortado e ambos nunca souberam das merdas que ocorreram em minha vida por causa de Hayes. Bruce nunca deixou chegar neles.

— Quando eu tinha dezesseis anos eu fui abusada por Hayes. – Comecei a falar, dando um suspiro e arrumando forças para não travar no meio do caminho. — Passei por muitas merdas em relação a isso, mas não é sobre isso que vamos falar. O fato é que com dezessete eu acabei engravidando, pensei em abortar. Alguns de vocês até pensaram que eu fiz isso... – Falei olhando para Zac e Sean que me olhavam confusos. — Mas eu acabei dando uma chance para meu filho. Ele era o fruto de um estrupo, mas não tinha culpa de nada. Minha última opção era dá-lo para a opção.

— Você fez isso? – Chris perguntou, curioso.

— Não. Eu cuidei dele, criei e amei aquele menino com todas minhas forças. Quando ele nasceu eu nunca fiquei tão feliz em ver uma criatura parecida comigo como eu fiquei naquele momento. – Sorri de leve, olhando para baixo e me lembrando do dia do nascimento de Mason.

Quando o peguei pela primeira vez, eu percebi que o mesmo não tinha quase nada igual do pai. Apenas o cabelo que já tinha uma leve ondulação, de resto, era exatamente como eu. Seus cabelos eram castanhos escuros como seus olhos e sua pele branca, como a minha. Todas as vezes que eu o olhava, eu agradecia por ele não parecer com o monstro que seu pai é.

— Quando eu comecei a conviver com ele e a criar uma rotina de mãe, a ideia da adoção foi embora. Mas Hayes teve uma de suas milhares recaídas, e muitas vezes amaçava a tentar de novo abusar de mim. Eu perdi Mason no mesmo dia que perdi Bruce. – Falei baixo, tentando impedir que a lembrança daquele dia voltasse, mas fora impossível.

Estava em meu quarto, tentando controlar minha respiração que estava completamente descompensada. As lágrimas caiam em meus olhos e eu sentia meu rosto se molhar por inteiro. Meu celular estava caído a alguns metros de mim e eu ainda podia ouvir Zac gritando, tentando falar comigo.

Bruce havia morrido. Meu irmão se foi.

Fazia apenas horas quando a briga com esse tal de Justin aconteceu, mas Bruce não sobreviveu. Eu sentia um grande ódio dentro de mim, ele havia matado meu irmão e eu não podia fazer nada para mudar esse fato. Na minha cama, pude ver Mason começar a mexer suas pernas e mãos, enquanto chorava desesperadamente a procura de ar. Parecia que meu filho sentia meu desespero e isso era horrível, eu não queria que ninguém no mundo sentisse a dor que eu estava sentindo.

Me levantei e passei minha mão em meu rosto, tentando limpar as lágrimas que ali haviam caído. Andei até a cama e peguei Mason em meus braços, que assim que percebeu que era a mãe, foi se acalmando.

O ajeitei em meus braços e segurei meu choro, o olhando e negando com a cabeça.

— O titio se foi. – Minha visão já estava turva novamente.

Minha única opção naquele momento era me levantar e ir até onde os meninos estavam com o corpo do meu irmão e preparar um enterro digno para o homem que ele era. Ele podia fazer todas as merdas que ele fazia, mas era um grande homem. Me levantei e troquei de roupa, colocando um vestido preto e um tênis baixo. Quando voltei para o quarto, tinha a intenção de pegar Mason e sair de casa, mas fui interrompida quando vi Hayes parado na porta do dormitório.

— Fiquei sabendo que seu irmão morreu. – Falou num tom falso de tristeza e me olhou, dando passos lentos para dento do quarto. — É uma pena.

— O que faz aqui, Hayes? – Perguntei, apertando meus dedos contra a palma da minha mão, evitando ter um ataque de raiva naquele momento.

— Vim dizer agora será eu e você, contra o mundo. – Falou num de seus diversos tons sarcásticos e minha única reação foi rir.

— O que quer dizer? Que agora que Bruce morreu você acha que tem passe livre para fazer o que bem entender comigo? – Perguntei, dando passo para frente.

— Com certeza sim.

— Com certeza não.

— Aposto que se colocarmos seu filho em jogo você faz o que eu quiser. – Hayes falou e deu um passo grande e parou em frente a cama, e quando ameaçou a pegar Mason, fui mais rápida e peguei com cuidado e agilidade o corpo do meu filho.

— Nem ouse toca−lo. – Falei brava. Dei passos para trás e assim que bati na escrivaninha, tateei a mesma, abrindo lentamente a gaveta e procurando a arma que continha ali, sem tirar os olhos de Hayes. Quando encontrei o objeto, o escondi atrás de mim.

— Eu tenho esse direito, ele é meu filho também. – Falou bravo e ameaçou vir em minha direção, mas parou quando eu o apontei a arma. — Você não ousaria.

— Você não ousaria pegar meu filho.

Fui tudo muito rápido. Quando Hayes veio para cima de mim, apertei o gatilho e sai correndo. Só soube que o acertou pois consegui ouvir seu grito. Desci as escadas com pressa e abri a porta da frente desesperadamente. Corri até meu carro e abri a porta de trás, colocando Mason na cadeirinha que chorava pelo susto, e me certifiquei que o mesmo estava bem preso.

Fechei a porta e quando entrei no banco do motorista, pude ver que Hayes saia da casa e passou seus olhos por todo o jardim até parar os mesmos em mim. Com pressa, fechei a porta do motorista e girei a chave na ignição dando partida. Os seguranças não tardaram para abrir o portão e eu agradeci por isso.

— Está tudo bem, filho. Vai ficar tudo bem. – Falei enquanto Mason chorava desesperadamente. Eu corria como nunca corri pelas ruas de Los Angeles, e toda hora que olhava para trás, via que Hayes estava cada vez mais perto.

Eu nunca fui de correr, mas a vida do meu filho estava em risco. Eu nunca o deixaria ficar nas mãos do monstro que era Hayes. Ele o odiava, isso era obvio quando o moreno olhava para o bebê com desprezo.

Eu precisava de Bruce, ele me ajudaria nesse momento. Ele que saberia resolver essa situação. E ao invés de eu estar arrumando seu enterro, estou fugindo da pessoa que eu mais odeio nesse mundo.

Eu continuaria meus pensamentos, mas uma forte pancada fez eu parar. Foi tudo muito rápido, muito de repente, eu explicaria em detalhes se não tivesse desmaio e visto apenas a escuridão. Um tempo depois, talvez algumas horas, eu acordei. Minha cabeça doía e eu podia sentir o sangue escorrer pela minha testa.

Um murmuro baixo de dor saiu pela minha boca e encostei minha cabeça no encosto do banco, tentando assimilar o que havia acontecido. E então tudo veio à tona. A morte do meu irmão. A briga breve com Hayes e a fuga que tive com ele por causa de Mason. Mason. Olhei para trás, e minhas esperanças de encontra−lo ali vivo e bem foram por agua a baixo, quando não encontrei nada além de sua cadeirinha.

— Mason. – Senti as lágrimas voltarem a tomar conta de mim e eu fiquei com raiva. Porque Hayes estava tomando mais uma coisa que era minha por direito.

Levantei meu olhar, vendo que todos me olhavam atentos. Trice tinha lágrimas nos olhos, mas as segurava. Tanto eu como ela, sentíamos falta do pequeno Mason. Foram dois anos distantes. E eu só queria a ajuda daquela equipe para tê-lo de volta.

— É por esse motivo o seu medo de correr? – Ryan perguntou, receoso. E eu apenas assenti. Eu não tinha medo, apenas receio. Todas as vezes que pisava com força em um acelerador, as imagens do dia em que Hayes tirou Mason de mim vinham em minha mente. E eu me sentia incapaz.

— Isso vai mudar. – Justin falou pela primeira vez chamando a atenção de todos nós. — Nesse final de semana terá uma festa na mansão do Hayes, descobri isso ainda na nossa viagem para a Itália. Chris dará um jeito de nos colocar para dentro.

— Certo. – O loiro assentiu, logo se inclinando e pegando seu computador, começando a trabalhar.

— America vai pode usar essa inteligência que tem de sobra e criar um programa capaz de monitorarmos tudo o que acontece dentro daquela casa. Algo maior do que escutas ou câmeras furrecas. Hayes esconde Mason naquela mansão e vamos achar o garoto. – Falou olhando para mim. — O restante, se preparem, vamos entrar em ação. Bruce era da família. E querendo ou não, America e vocês... – Apontou para meus amigos. — Também são agora. Hayes mexeu com Mason e America. E ele vai aprender que com família, não se mexe. 


Notas Finais


LEMBRE-SE: CHEGOU AOS 400 FAV, DUPLA POSTAGEM <3

E sim gente, Justin tá incluindo America, Mason, e o resto da turma na familia. jkbduahedsk kkkkk

Fiz um edit para a estória, espero que gostem. Sou nova nisso, então relvem se tiver ruim: https://www.youtube.com/watch?v=-TG83ng8YEw

Voltarei em breve, prometo não demorar rs

XoXo, Elle


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...