História Fade - Capítulo 67


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Hoseok, Jhope, Jimin, Jiminie, Jin, Menção!jikook, Menção!sugamon, Menção!yoonjin, Namjin, Namjoon, Rap Monster, Seokjin, Suga, Taehyung, Vkook, Yoongi, Yoonmin
Visualizações 270
Palavras 1.717
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tears at a funeral, tears at a funeral, I might break
Angry at all the things, angry at all the things I can't change
When you're lost in the universe, lost in the universe
Don't lose faith ~


Opa

Tudo bom?


Olha, do fundo do coração, espero que esteja tudo bem com vocês, porque eu to só o pó.
Explicação da demora do caralho de postar nas notas finais.


Obrigada de coração pelos 1.264 favoritos ~
Obrigada de coração pelas 85.600 exibições ~
Obrigada por todas panfletagens ~


Boa leitura!

Até as notas finais ~

Capítulo 67 - Hand of god


 

 

First Blood da equipe inimiga!

 

A dubladora no quarto de hospital ecoava quase pelo corredor, se não fosse pelos gritos absurdos e exagerados de Jungkook.

 

— Jimin você é muito ruim!

 

—  Eu não sou o *faker seu animal!

 

E lá estava Jungkook me forçando à jogar League of legends, ele já tinha me forçado à ver um mundial antes, não entendia nada...

 

 

Estava já sofrendo por estar sentado querendo chorar ali e pedir socorro para Deus, mas bem... Por motivos óbvios eu tinha que aguentar.

 

 

Jungkook estava feliz que tinham permitido que usasse computador no quarto, mas era engraçado, já que envolta desse tinha um plástico que tinha que ser trocado todo dia para não 'infectar' o local. Também estava conseguindo andar aos poucos então podia sozinho estar colocando o computador para carregar do outro lado do quarto.

 

 

— Mid lane, vai Ahri!

 

 

 

Simplesmente Jungkook tinha desistido do meu personagem, meu campeão Sona, ele disse que eu era muito ruim de suporte e que era para eu parar de farmar... Não entendia nada que ele falava, mas estava de acordo.

 

Na barra de status eu estava 0/11/2, eu não matei ninguém, morri onze vezes e peguei duas assistências em ajudar à matar.

 

Ele de fato estava um tanto quanto 'apaixonado' pela colega do caminho ao lado do meu e queria mudar a tela toda hora para ver a campeã Ahri jogando.

 

 

— Jimin, será que eu posso fazer o Taehyung jogar tão bem quanto essa Ahri?

 

— Poder você pode, nada é impossível.

 

 

Jungkook não era a 'espécie' menino do lol, tanto porque ele gastava a maioria do tempo estudando e vendo filmes da marvel repetidamente... Sério, ele podia prever até as cenas dos próximos filmes da marvel de tanto assistir os passados e ver as revistas detalhadamente. 

 

 

— Eu prefiro Combat Arms, Jungkook, qualquer fps é melhor que moba.

 

 

— Jimin eu vou te bater! Presta atenção na partida, olha! Você tá perdendo lane!

 

 

 

Lane eram os caminhos do mapa, seguinte ele.

 

 

 

— Eu sou um fodendo suporte! Não posso fazer nada se essa Tristana de repente quis ir no banheiro no meio da partida!

 

—  Tem cara do que o Jackson faria se jogasse lol, eu imagino que ele seria o maior troll do server... Imagina, ele seria até streamer para trollar a galera.

 

 

— A Hatsune miku é muda no jogo?

 

 

 

A personagem, que eu jogava, parecia a Hatsune Miku e ainda por cima era muda e atacava os outros com uma harpa/piano gigante e flutuava, engraçado que na dublagem ela falava como se estivesse na nossa mente!

 

Qual a lógica dos jogos de hoje em dia, por favor?

 

 

 

Jungkook nem tinha se ligado que tava me balançando à cada vez que morria e eu me contorcia todo para não soltar o suor que pingava pelo esforço de não dar um grito.

 

Era o jogo ou meu psicológico.

 

 

 

 

Você foi eliminado.

 

 

 

 

— Porra, Jimin!

 

bam!

 

 

O grito versão Jimin, sem tv, sem Samara, sem telefone, apenas Jimin e o grito mais aguentado do pais.

 

 

 

Lembrando, minha garganta estava doendo por culpa da noite passada.

 

 

Acho que eu explodi algum sistema por dentro, só pode.

 

 

 

— Jeon Jungkook sai da partida!

 

Eu quase joguei o computador no chão e levantei quase chorando, realmente, isso mexe com o psicológico num nível que provavelmente só quem tá passando entende. Não estou sequer exagerando! Não sou de fazer nenhuma espécie de drama, sou realista até demais nesses casos!

 

— Mas não pode, minha conta vai ser bani...

 

 

— SAI DO LOL JEON JUNGKOOK! 

 

 

A cada grito é um pedaço da alma indo pro céu.

 

Já viu alguém morrer porquê gritou demais? Eu não gostaria de ser o primeiro.

— JIMIN VOCÊ NÃO ME MANDA SAIR DO LOL NÃO, TÁ DOENDO O CU POR ACASO PRA TÁ TÃO PUTO?

 

E ele desligou o computador com tudo, eu acho que nem foi necessário cair no chão para quebrar, já que ele clicou no botão power com tanta força que talvez o computador explodiria em segundos após ele ter feito isso.

 

 

Olha, talvez estivesse doendo até demais e de repente eu tivesse adquirido um útero só para fazer junção com uma tpm psicológica que veio dos infernos me cutucar.


 

— TÁ DOENDO SIM, AGORA SAI DESSE DIABO DE LOL! JOGO DO DEMÔNIO!

 

 

E só soltei.

 

 

Jungkook me olhou torto durante uns segundos, olha, ele já está todo torto por conta de estar sempre sentado, mas dessa vez eu senti que realmente foi torto.

 

 

 

Não sei se ele ficou puto em alguns segundos por eu não ter dito para ele nada sobre a "minha incrível noite' ou se eu chamei lol de jogo do demônio.


 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 




 

 
 

Eunha encarava o chão confusa, enquanto acariciava os braços receosa tentando lembrar de fato onde havia visto o agora rosado, vulgo Yoongi.

 

Depois que sofreu o estupro entrou em terapia profunda para esquecer cada pedaço do passado, até sua personalidade teve que ser reconstruída, desde seu físico até lembranças familiares. 

 

 

Era delicado demais ir até o fundo da memória, arriscado à encontrar algo que não devesse, mesmo que ainda saiba do que não queria encontrar.

 

 

Ela fazia o seu melhor para tentar lembrar daquele rosto que se parecia tão familiar para si.

 

 

Eunha sabia que seu pai tinha mudado seu nome de Min Eun Bi para Jung Eun Bi, para mostrar respeito à familia de sua mãe por causas passadas e queria que o nome Jung fosse passado de gerações ou que pelo menos Eunha o herdasse.

 

 

Taehyung via o quanto Eunha parecia procurar até o último centímetro de tecido de suas lembranças para que imaginasse da onde tinha visto aquele rosto, o rosto de Yoongi.

 

Talvez não deveria cutuca-la nem pedir que ela andasse, precisaria 

 

 

 

Min Yoongi...

 

 

Eunha quase sussurrou o nome, tentando encontrar alguma ligação.

 

 

Quase em impulso olhou para os dedos, olhou para todos os lados procurando algo que fosse familiar que a lembrasse de algo.

 

 

No anelar havia um pequeno anel de flor acácia banhado à um falso ouro que ganhará de Hwang para oficializar a amizade das duas... Bem, Eun amava flores, amava também quando tinha seu cabelo grande colocar pequenas flores em sua extensão.

 

 

Era ele que fazia as tranças desajeitadas?

 

 

Perguntou-se vendo a acácia amarelada e já sendo consumida pelo preto aos lados, o botão quase sumirá, mas conseguia ver e absorver daquela florzinha estranha e desajeitada.

 

 

Ele era o primo que a mamãe disse que sumiu?

 

 

 

Eunha sabia que tinha um primo que havia sumido, que a familia tinha perdido contato após alguns anos e que os pais desse tinham simplesmente sumido durante alguns meses.

 

 

Mas, por conta de seu pai ser filho deles procurou por toda a Coreia onde esses estavam.

 

 

Dias e noites foram usados naquela dita 'guerra interna' que a familia Min tinha para descobrir o que realmente acontecerá.

 

 

 

Primeiro apareceu-se o irmão mais velho de Yoongi.

 

 

Após a mãe.

 

 

E por fim o pai.

 

 

O pai e a mãe de Yoongi foram encontrados morando em Busan, após várias perguntas sobre o que havia acontecido, foi dito sobre a aposta de Yoongi... De fato, eles tiveram que pagar a aposta do filho.

 

 

Sumiram para que a família não soubesse de nada, que o problema fosse unicamente deles e que o filho não trouxesse o resto da desgraça da família e nem que ninguém fosse perseguido por saber desse assunto.

 

Após muitas conversas em sua casa ela conseguiu ouvir uma que dizia à respeito do desaparecimento da pequena família, que de fato tinham sido sequestrados, mas foi como uma ameaça para os três da família que pagassem o mais rápido possível as apostas, se não os papéis que Yoongi apostou seriam deletados, assim como eles.

 

 

Estavam constantemente sendo ameaçados de morte.

 

 

Eunha se lembrava de a terem dito que Yoongi era a desonra da família...

 

 

Por ser pequena ela não entendia muito bem, mas seguia as ordens de seus pais, que o visse não se aproximasse, que poderia ser um problema para os demais da família. 

 

 

E ela se lembrará também que Jimin já tinha comentado que estava acompanhado um cara que não tinha familia, vulgo Yoongi, que eles tinham morrido, desaparecido, simplesmente sumido.

 

 

 

Talvez, por alguma ironia do destino ele encontrará a prima mais um tanto quanto perto. 

 

 

 

Eunha não se lembrava muito, mas sabia que Yoongi não era uma má pessoa, para que seu melhor amigo Jimin parasse com tudo isso que antigamente ele chamava de vida por estar por ai sem um caminho.

 

 

Como se a mão de Deus tivesse passado por Yoongi, mesmo Eunha não sendo cristã, ela acreditaria que cairá alguma espécie de milagre por Yoongi.

 

 

Sempre diziam na família que ele não era um bom filho, que dava mais atenção à música do que a própria vida e que por sua sexualidade já por si só não deveria ser levado à sério.

 

 

Eunha era muito nova para entender que tudo era fruto de preconceito. 

 

 

E talvez ela acreditou na mudança alguma vez.

 

 

 

Por alguns minutos passou-se todos os papeis que tinha visto sobre Yoongi, tudo estava ligado agora, mesmo que ela não entendesse metade daquilo.

 

 

 

Ele começou a apostar, apostou os pais, os pais sumiram e ele sumiu junto... De repente, ele apareceu na clínica de tratamento para químicos em Seoul, longe de Daegu e encontrou a prima que pode ser o encaixe dele de volta para que ele resolva todos os problemas psicológicos dele...

 

 

Talvez ele pararia de ser perturbado.

 

 

E Eunha era a chave disso.

 

 

 

— Taehyung...

 

 

Quase como um miado Eunha pediu e agarrou-se à barra da blusa de Taehyung, quase branca como um fantasma, enquanto se levantava de vagar segurando firme em seu colarinho.

 

 

 

— Está bem? 

 

 

Taehyung viu de repente como Eunha perdeu até o vermelho dos lábios, se transformando em quase um rosa frio, como se ela tivesse visto um fantasma. Até suas sobrancelhas estavam retas em ponta para chorar.

 

 

 

— O Yoongi... 

 

 

— Algo de errado com ele? 

 

 

Vendo que a menina iria cair à qualquer segundo Taehyung achou melhor que a segurasse antes que ela mesma despencasse ali sem conseguir se pender em nada.

 

 

Pôs-se as mãos em frente a boca e as lágrimas caíram bem de vagar.

 

 

Já ela, não sabia se chorava de alegria ou de medo de tudo isso.

 

 

— O Yoongi é meu primo...

 

 

— O que?

 

 

 

Taehyung era lerdo, mas foi como um impacto no sistema operacional Taehyung.exe.


Notas Finais


*Faker: É o Mid Laner da SKT T1 (Um time de lolzinho que é tricampeão dos mundiais) é um dos jogadores mais populares pelo mundo, ele é coreano e é conhecido como o melhor jogador de lol, claramente tem vários no mesmo patamar que ele, mas ele é conhecido atualmente por isso, então vamo respeitar.



Ta, beleza, o que aconteceu com dona Shinkuo para demorar postar tanto?


Prova para caralho.

Seguinte, minha escola é uma coisa fodida do caralho.
Sabe, tem uma imagem que circula até hoje por ai que é uma pessoa que fez um trabalho com o faustão na capa... MANO, AQUELA PORRA É DA MINHA ESCOLA.
Enfim, já fazia 3 bimestres que tava sem um monte de matéria e de repente a escola colocou uns professores meio ??? tivemos que arranjar um jeito de ter nota ou a gente repete de ano.

Nas horas vagas eu jogava lolzinho com amigos de sala, por motivos de a gente ia fazendo a lição junto.
Imagina tá fazendo a lição junto com um jogo mano.
Nem sei até hoje se tá tudo certo as lição ou não.


Enfim, segundo acaso.
Desilusão amorosa.
A pessoa na qual eu estava apaixonada não sentia o mesmo que eu e acabou desistindo de mim.
Imagina alguém triste que bebeu tanto que não conseguiu quase voltar depois.
T r i s t e

Se fosse só isso, eu ficaria de boa, realmente.
Mas o filho da mãe (A mãe dele é legal, não vou chamar de puta, não merece) deu em cima da minha namoradinha
Nas linguagens de Livia:
Eu não to pistola, eu to metralhadora


É isso gente
Ainda to triste
Vou repetir e ainda vou ficar sem namoradinho...

Imagina alguém triste.


Eu só me fodo nessa vida.


Resumindo, não consegui escrever muita coisa.

Tanto que eu to sempre no twitter falando
Mano
Eu preciso atualizar fade
a galera vai me matar
meudeeeeeeus


Aliás, se vocês quiserem me cobrar capítulo vão lá, numa boa, pode ir cobrar e ir conversar comigo (to precisando) @tinysparkl só tem coisa da minha desgraça lá


É isso gente...
Tristeza e sofrimento.


Até o próximo capítulo ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...