História Fairy Tail Nova geração! - Capítulo 47


Escrita por: ~ e ~BlueLittleStar

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Charlie, Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Happy, Jellal Fernandes, Juvia Lockser, Laxus Dreyar, Lucy Heartfilia, Mirajane Strauss, Nashi Dragneel, Natsu Dragneel, Romeo Conbolt, Wendy Marvell
Tags Fairy Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Miraxus, Nalu, Nashi Dragneel, Nova Dreyar, Romendy, Storm Fullbuster
Exibições 71
Palavras 1.811
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


ANNYEONGHASEYO HONEYS!

SENTIRAM SAUDADES DA TIA SYUB/NANA-CHAN?
~Não~
Não? ;-;
Aish...

~Leva torta na cara~

POXA PRODUÇÃO!

Produção: E a carapuça serviu?

Cala a boca ;-;

A nossa querida Autora-chan linda do kokoro, que mudou de nome, fez a metade do capítulo. ENTÃO AGRADEÇAM A ELA \o/

Essa menina ainda me mata de curiosidade, de que adianta vc ameaçar primeiro quando se tem uma ameaça muito maior depois? ¬¬... ~Éh, eu fiz caca ;_;~

Vamos pro capítulo amores <3
Nos vemos nas notas finais \o

~E desculpa qualquer erro ortográfico ;_;~

Capítulo 47 - Cheiro de baunilha



[Cinco dias para os Grandes Jogos Mágicos] 
Leste de Fiore, perto da fronteira com Bosco – Meio da Madrugada
 

A lua brilhava belamente naquela noite, onde a maioria das guildas se preparava para um dos maiores festivais do ano. Em uma floresta perto da fronteira de Bosco, uma pessoa com um grande manto escuro fazia com que cobrisse totalmente o seu corpo, onde vez ou outra se enroscava nos galhos, mas nada que fosse rasgar. Podia se ouvir o som de correntes enquanto o ser andava, fazendo aquele ar tenebroso se intensificar. Com a escuridão e a copa das árvores fazendo sobra naquele local, tudo ficava como um clichê de filme de terror. 

Seu destino final era uma gruta, no qual entrou sem nem sequer pensar ou temer, andando até finalmente chegar a uma parte sem saída, indo até uma estalagmite e movendo-a para o lado, fazendo com que uma porta se abrisse lateralmente. Ao entrar, o som das goteiras que havia na gruta havia sumido, e a escuridão deu entrada de luz. Havia uma mesa redonda de vidro naquele local, com exatamente seis cadeiras, cinco delas ocupadas e com pessoas vestindo o mesmo manto. 

A porta por onde o ser havia passado se fechou em um barulho, enquanto a pessoa elevava a sua mão e puxava o capuz para trás. Um garoto com olhos dourados, com o cabelo até o pescoço e em azul ciano estava de pé, dando um sorriso de canto para todos naquele recinto. Andou até o lugar vago e sentou-se ali mesmo, arrumando o manto e olhando para todos ali novamente. 

- E então? Podemos começar? – Questionou o garoto com um sorriso, mostrando os dentes perfeitamente alinhados e brancos. 

[...] 

Em Magnólia, o sol já estava amanhecendo completamente, onde algumas pessoas já faziam o seus afazeres logo tão cedo. O cheiro do pão, as lojas se abrindo, o sorriso de cantores e músicos de rua contagiando todos. Um albino, porém, não estava muito bem naquele lugar tão diferente e nostálgico. Já havia visitado outras cidades desse tipo, mas a sensação era completamente diferente, algo novo e ao mesmo tempo antigo. Passeando por ai a procura de uma estalagem para ficar como sempre, o garoto se perdeu e acabou parando perto de um parque com belas árvores verdes e também Sakuras róseas. 

- Eu acho que já vim aqui antes... – Sussurrou Klaus, enquanto andava com uma grande sacola cheia de coisas atrás das costas. Acabou sentando em um banco ali perto que dava visão a um parquinho infantil. Uma mulher com um chapéu de cowboy e cabelos negros penteados em uma trança havia chegado com um pequenino garoto de cabelos loiros, sentando-se ao lado do albino. 

- Ah... Desculpa. Nem perguntei se poderia sentar aqui... – Disse com um sorriso sem graça para o garoto com a face séria e um tanto quanto assustadora. A mulher tinha uma aparência mais velha, mas não tinha muito mais do que vinte e três anos. 

- Não, está tudo bem... – Disse simpático e com um sorriso. Olhou o garoto e sorriu um pouco mais – Ele é seu? 

- O que? Ah... Não... – Questionou confusa até ver o garoto em seu colo com um pequeno chocalho em suas mãos, balançando o mesmo – Eu estou como babá hoje. Os pais desse pequenino foram ajudar a filha, mas não queriam levar ele. Era perigoso demais... 

- Etto... Compreendo. Sabe onde posso encontrar uma estalagem para ficar aqui? Eu meio que me perdi... – Disse um pouco sem graça e envergonhado. Uma cidade que provavelmente conhece e consegue se perder mesmo assim. Não parece que tinha muito senso de direção. A morena deu uma breve risada, afirmando com a cabeça. 

- Tem uma depois do parque... Você vai reto até chegar a uma padaria. É logo ao lado – Deu um sorriso. O pequeno bebê deu um sorriso ao olhar para Klaus, fazendo com que ele sorrisse e afagasse os cabelos loiro-claros do pequenino. 

- Agradeço muito pela ajuda. Vou indo agora. Ah, quais são seus nomes? – Perguntou curioso, afinal gostaria de saber os nomes das pessoas que ajudou o mesmo. 

- Meu nome é Asuka, e esse pequeno aqui é o Travis... – Disse com um sorriso – Boa sorte e seja bem vindo à Magnólia. Já vi que não é daqui – Deu uma breve risada, fazendo o mesmo afirmar com a cabeça logo em seguida, indo até o local onde lhe foi informado. A maior apenas deu uma baixa risada e ficou brincando com Travis. Durou algum tempo, até que Travis se cansou e começou a ficar com fome, fazendo com que Asuka desse uma risada e levasse o menor de volta à guilda, vendo uma pequena bagunça naquele meio. E enquanto Kinana fazia à pequena papinha e conversava com Lisanna que segurava a pequena Seiko nascida no colo, uma voz se destacou naquele meio. 

- Ainda não dá pra entender como Zeref não se afetou com a Senhorita Mavis... – Disse Jellal, piscando algumas vezes e olhando para todos da guilda, onde os olhares eram voltados para si – Erza, o que foi que eu disse? 

- É que... Essa história foi contada há muito tempo... Nem sequer me lembrava dela... – Disse Bisca, respondendo para Jellal enquanto estava ao lado de Cana, bebendo alguma coisa. Cana, exageradamente, estava bebendo um barril como sempre. 

- Bem... Ele é Zeref, o mago negro mais forte que já passou por Earthland. Sobreviveu por tanto tempo, e eu tenho certeza que “mais uma” maldição não é nada demais para ele – Disse Cana, jogando o barril para trás e acertando a cabeça de Elfman, este que socou Bicslock e que acertou Max. E assim, mais uma briga acontecia na Fairy Tail, onde Jellal apenas ficou com uma gota na cabeça. Ele nunca iria se acostumar com essa guilda. 

- Mas Cana está certa... Não deve existir alguém mais forte que Zeref... – Disse Erza dando de ombros, enquanto dava mais uma garfada em seu bolo de morango. Porém, um dos bonecos de Bickslow acabou sendo jogado e acertando o bolo, deixando a ruiva irada e entrando na briga também, deixando um azulado pensativo. 

- Será mesmo que não existe alguém mais forte? Mas então... Se ele se rertonar e se descontrolar, não poderemos fazer muita coisa... Natsu iria se recusar a utilizar E.N.D. novamente... – Falou coçando a cabeça, pensativo, até uma cadeira atingir o garoto e ele desmaiar ali mesmo. 
 

[...] 

- N-Não... De novo não... – Sussurrava um garoto com aproximadamente doze anos, com as orbes cinzentas opacas e um olhar perdido e triste. Seu corpo tremia, enquanto segurava o seu peito, segurando um grito. A visão que tinha era de vários corpos, todos caídos no chão e cobertos de sangue. O vermelho predominava naquele lugar, até mesmo nas mãos do garoto que estava parado no centro de tudo. Com a cabeça baixa e a franja cobrindo os seus olhos, ele apertou um pouco mais a camiseta. E finalmente soltou o grito de dor; ódio e tristeza. Seus olhos marejados já estavam fechados com as lágrimas rolando pelas bochechas

E então... Tudo ficou escuro. 

Os olhos de um garoto de cabelos castanhos se abriram rapidamente, com a respiração desregulada e rápida, ao mesmo tempo em que se levantava e batia a cabeça contra um cavalo. O animal fugiu, causando uma certa dor na testa do garoto, que esfregava a mesma para ver se a ardência passava. O moreno se levantou com mais cuidado, se espreguiçando e soltando um suspiro, observando a floresta em que estava. Seus olhos estavam tristes por ter se lembrado daquela memória horrível, balançando a cabeça fervorosamente para apenas tentar esquecer a imagem que teve desse seu pesadelo. Ou apenas a sua pior das memórias.

- Qualquer dia.. Apenas qualquer dia Zeref... Eu lhe encontro. - O mesmo coçou o olho esquerdo com a mão enquanto observava as nuvens e os finos raios de sol pelas árvores.
 

[...]

- Tomara que Asuka-san não tenha me enganado... - O de cabelos albinos avistou uma casa de madeira em frente a um lago. Os homens na qual passavam de barco acenavam para todos ali. A casa de madeira era até um pouco pequena por fora, mas quem sabe apenas a aparência engana?
Com a sobrancelha arqueada, e ainda receoso se uma gangue o capturasse e o torturasse ali mesmo, demorou para bater. Quem sabe seja atendido por uma idosa doce e gentil, com o aroma de biscoitos como uma vovó de verdade.

Bateu na porta castanha e esperou. Esperou... E esperou... ficou batendo a sola do sapato no chão. O mesmo até bateu de novo, e só assim ouviu passos. 

Atento ao que vinha por ai, a porta foi aberta por uma menina que tinha por volta de dezesseis anos. Havia cabelos negros na mesma, cobrindo seus olhos. Mostrando apenas suas sardas e suas bochechas rubras. Sua pele pálida era notável que poderia se esconder na neve facilmente. Vestia um vestido branco com rosas de estampa. Estava descalça. Seus joelhos era avermelhados assim como seus cotovelos e a cabeça foi tombada para o lado de um modo fofo. Parecia um desenho feito por profissional, aparentava ser até de porcelana.
Klaus apenas engoliu em seco em ver a jovem.

- Em que posso lhe ajudar?.. - A mesma perguntou quebrando o silêncio num fio de voz.

- Bem, estou aqui para me hospedar e ver a qualidade do... apartamento...

- Oh, entre por favor... - Ainda com a franja cobrindo os olhos, deu espaço para o albino. Que entrou receoso e olhou em volta ao ouvir a porta ser fechada.

Mas estranhou mas ainda quando viu o quadro de uma senhora em uma das paredes. Usava uma blusa branca com uma cruz azulada no meio. Seu cachecol era uma raposa, seus cabelos eram acinzentados e arrumados em um coque bem feito. Com óculos róseos e um olhar intimidador com seus braços cruzados.

- Oque tanto olha moleque? - Se assustou ao perceber que aquilo não era parte do quadro, e sim a própria velha. Quase soltou um grito.

- G-Gomenasai... 

- Oba-san... ele é um cliente... - A menina de cabelos negros apareceu delicadamente com um fio de voz de novo.

- Oh Yunnie... Oque faz fora do quarto e descalça?... Minha querida neta... Não se preocupe, eu cuido dele... - A senhora falava calmamente. Minha gente, seria essa velha bipolar? E como a menina era tão bonita se a idosa era tão... "Diferente".

- Certo, oba-san... - Ainda num fio de voz curvou-se para a avó e subiu as escadas. Os cabelos negros passaram-se na frente de Klaus, tinham cheiro de baunilha... Permitiu-se deixar o mundo ficar parado e apenas sentir o cheiro.

- Vamos moleque. Vou te deixar bem longe de Yunnie pois ela é meu tesouro. - A voz da senhora de sessenta e poucos anos interrompeu os pensamentos do albino.

~Continua~


Notas Finais


E então? Acharam oque? Gostaram? Amaram? Odiaram? Querem me chutar na canela e me fazerem cair em cima do meu cão? ~Tadinha, pelo tamanho da minha bunda o animal deve tá hospitalizado ;-;~

Já que ninguém fez a ficha do Sato, eu irei fazer. E saiba que a Yunnie vai ser descoberta muito mais na fanfic, ela foi inspirada em uma personagem que as características mais aparentes dela são:

Inocente.
Fofa.
Bonita.

E eu acho isso a coisa MAIS LINDAAA <3
Não vou deixar a cor dos olhos dela presente pq eu amo mt vcs :3 ~E qq isso tem haver? \;-;/
Nada, só digo q amo mesmo 'u'~

Peço desculpas por não aparecer tanto e é sempre a Star-chan que está escrevendo os caps. Caso não saibam, a minha mente anda cheia de coisas a fazer e a inspiração e a criatividade não vem. E peço desculpas novamente por "estar fazendo a Star de escrava"

Perdoe-me o palavrão mas me sinto uma merda quando eu penso nisso :v

DESCULPA STAR!!
DESCULPA LEITORES!!
CRIATIVIDADE E INSPIRAÇÃO
VÃO TOMAR, banho.

Pq, eu sou formal... ~Sabe de nada inoccentti '.'~

Então é isso, tomara que tenham gostado <3
Até o próximo capítulo \o/ ~Talvez~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...