História Fake Boy - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren, Norminah, Trolly, Vercy
Exibições 175
Palavras 2.228
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Esporte, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ooi!! Como prometido, cá estou eu! :3
Obrigada a todo mundo que desejou parabéns pela minha formatura, vocês são uns fofos! <3
A música do capítulo é Wake Up - The Eden Project, tentem escuta-lá quando o capítulo falar ok?
CAPÍTULO DEDICADO A YUZU17! Obrigada por acompanhar a história desfr sempre, linda!
Boa leitura pessoal...

Capítulo 9 - A Música


Fanfic / Fanfiction Fake Boy - Capítulo 9 - A Música

Acordei com uma forte dor de cabeça e como de costume, os roncos de Vero.

Resmunguei enquanto me levantava e me dirigia ao banheiro, fazendo minha tomando um banho rápido e depois me vestindo, a tempo de ver que Vero ainda dormia.

— Verônica. —Cutuquei minha amiga com o pé, mas ela mal se mexeu. — Vero!

Verônica roncou ainda mais forte.

Me aproximei do ouvido da minha melhor amiga e gritei alto:

— Verônica Iglesias!!! 

Minha amiga se sentou na cama com os olhos arregalados e agarrada a seu travesseiro.

— É A TERCEIRA GUERRA COMEÇANDO?! —Gritou pra mim.

— Só se for a guerra dos seus roncos! —Reviro os olhos enquanto colocava o cinto da minha calça jeans. — Levanta, anda!

— Tô indo, coisa! —Vero resmungou enquanto colocava as roupas que trouxera em sua mochila. 

Acabamos de nos arrumar e descemos as escadas de minha casa, encontrando meus pais e irmãos tomando café num pleno domingo de manhã.

— Olá, rapazes! —Disse meu pai.

Ele sorria amigavelmente enquanto tomava um chocolate quente. O clima em Miami estava gelado e todos estavam bem agasalhados.

— Bom dia, Pai. —Digo e sorrio cumprimentando o resto da família e me sentando ao lado de Vero na mesa.

Eu não conseguia parar de sorrir bobamente enquanto me lembrava da festa de ontem. As conversas, os sorrisos, eu beijando Camila...

— Não vai comer, filho? —Minha mãe disse apontando para meu prato vazio.

Mal notei que estava viajando na maionese. Comecei a me servir com dois pãezinhos, queijo, um chocolate quente e alguns cookies.

— Você sabe que o aniversário da Vovó Grace está chegando, não é Lawrence? —Minha mãe disse enquanto passava manteiga num biscoitinho.

Fiz que sim com a cabeça mesmo tendo me esquecido totalmente disso. Minha avó morava em uma cidadezinha no Canadá, junto com meu avô. Os dois se mudaram pra lá já que Vovô estava apaixonado pela vegetação canadense. Só nos víamos em datas comemorativas especiais, eu sentia falta deles.

— Daqui duas semanas vamos viajar pra lá, ficaremos uns bons dias, então lembre-se de avisar a todos sobre suas futuras faltas. —Disse.

Assenti.

(...)

Já era uma segunda-feira de manhã. Acordei atrasada graças ao meu celular que não despertou. Corri me arrumando com uma calça jeans, camisa de mangas longas, coturnos pretos e uma jaqueta preta. 

Pela janela eu podia ver que nevava e eu amaldiçoei a todos as minhas gerações por ter tirado carteira de moto ao invés de um bom e velho carro.

Coloquei minha mochila nas costas e desci as escadas correndo, ouvindo minha mãe reclamar algo sobre eu não ter tomado café.

Peguei uma maçã na mesa e deixei um beijo em sua bochecha dando um tchau para todos na casa e saindo correndo pela porta da frente.

Vi minha moto praticamente soterrada de neve e bufei em frustração enquanto me coloquei a tirar a neve dela e puxa-lá com força para fora, ligando-a e colocando na estrada. Agradeci a todas as boas almas quando vi a estrada livre da neve. Acelerei a moto pelas ruas de Miami enquanto me preparava para atrasar para minha aula de História de novo.

Cheguei na escola estacionando a moto e quase morrendo do coração ao ver que já eram oito e vinte da manhã. Eu já havia perdido vinte minutos de aula.

Corri entrando na escola e me dirigindo ao meu armário, pegando o material de história e indo até a classe de história apreensiva.

Finalmente parei em frente à porta da sala e bati duas vezes, observando a porta se abrir e um professor com uma cara nada boa me encarar.

— Isso são horas, Sr. Jauregui?! —Reclamou.

Encolhi meus ombros enquanto coçava minha nuca sem graça. 

— Eu sinto muito, Sr. Paul. 

— É bom que sinta, garoto! —Bufou. — Da próxima você não entra na minha classe. Agora entra e para de me olhar com essa cara de peixe morto!!!

Entrei na sala e me dirigi correndo até meu lugar no canto. Todos na sala segurando o riso e encarando o professor.

— Agora abram o livro na página 97 e não ousem dar um pio! —Disse o Sr. Paul.

(...)

Estava pegando o meu almoço com Vero ao meu lado enquanto a fila atrás de nós apenas aumentava. Peguei o prato do dia, um tipo de purê esquisito e macarrão ao molho branco.

— Quando acha que vamos voltar ao normal? —Vero pergunta.

Saímos da fila e nos dirigimos a nossa mesa vazia, nos sentando enquanto eu tentava digerir sua pergunta.

Eu realmente esperava que voltássemos ao normal. Mas e se não acontecesse? E se continuássemos assim pra sempre?!

— Você acha que podemos voltar? —Pergunto baixo enquanto cutuco meu purê nojento.

— Nós temos que voltar! —Vero choraminga. — Existe a possibilidade de não voltarmos?

Dou de ombros sem ter a resposta.

— Eu... Não sei.

Logo o banco ao meu lado é ocupado e uma latina com o uniforme das líderes de torcida e um lacinho vermelho na cabeça sorri pra mim. 

— Bom dia, Lo! —Ela me dá um beijo na bochecha que me faz corar e logo depois cumprimenta Vero.

Nós voltamos a comer em silêncio enquanto Harry, Dinah e Ally se juntam a nós na mesa, engatando uma conversa sobre o próximo jogo do time dos Lakers.

Lucy e Keana chegam logo depois se sentando na mesa e entrando na conversa, enquanto eu e Camila apenas observamos sem nada dizer.

— Lolo, você já acabou? —Camila pergunta baixinho e eu faço que sim. — Vem, quero te mostrar uma coisa.

A latina me arrasta para fora do refeitório enquanto aperta minha mão, involuntariamente entrelaçamos nossos dedos, a garota parece não se ligar mas eu mal consigo respirar sentindo o choque entre nós.

Passamos por alguns corredores até que Camila abre uma porta que dava na sala de música, ela me solta e sorri enquanto se dirigia para o piano no canto do lugar. Abre o mesmo e começa a teclar e aponta para o banco grande em que está sentada.

— Senta aqui comigo. —Diz.

Sento-me ao seu lado e ouço a garota começar a dedilhar uma música.

— Cos we've been driving so long. —Sua voz era suave e combinava com o ritmo do piano. — I can't remember how we got here.

Or how we survived so long

I'm trying to run from our pride

Till you set fire to my atmosphere

And I remember how I spent the 23rd

Feeling six feet under when I'm 30,000ft in the air

Chasing that sun down

So far east I'm west bound

Feeling like the edge of this world is near

Porque nós estivemos dirigindo por muito tempo

Eu não consigo lembrar como nós chegamos aqui

Ou como sobrevivemos tanto tempo

Estou tentando correr de nosso orgulho

Até você atear fogo na minha atmosfera

E eu lembro como gastamos na 23° rua

Me sentindo seis pés abaixo enquanto estou a 30,000 pés acima no ar

Caçando aquele sol

Tão longe a este estou indo para oeste

Sentindo como se o fim do mundo estivesse próximo

Sua voz era tão linda. Os olhos fechados e os dedos teclando mostravam o quanto ela se entregava naquela música, cada suspiro e frase cantada me faziam querer chorar em ouvir aquela letra.

— But you'll feel better when you wake up. —Ela abriu os olhos e eu pude vê-los com um brilho diferente pra mim. — Swear to God I'll make up. 

Everything and more when I get back someday

This is more than just a phase, love

Shooting stars all break up

And even though it seems like half the world away

Things will be better in America

Heard the streets are gold there

Maybe I can fly you out this place someday

Chasing dreams like I'm on Novocain

Screaming through your airwaves

Looking back I almost thought I heard you say

Mas você vai se sentir melhor quando acordar

Juro por Deus que vou compensar

Tudo e mais quando eu voltar algum dia

Isso é mais que apenas uma fase do amor

Acertando estrelas e quebrando tudo

E mesmo que pareça que a metade do mundo está longe

Coisas vão ser melhores na América

Escutei que as ruas são douradas lá

Talvez eu possa voar com você para fora desse lugar algum dia

Caçando sonhos como se eu estivesse em erupção

Gritando através das ondas de ar

Olhando para trás eu quase pensei que tivesse ouvido você dizer

— Stay you're not gonna leave me. This place is right where you need to be. And why your words gotta mean so much to them... And they mean nothing to me. —Seus olhos marejaram enquanto ela os fechava rapidamente. — So stay you're not what you're hearing. Cos I've been watching you changing... And who said you're one in a million anyway?

Fique, você não vai me deixar

Esse lugar é bem onde você precisa estar

E porquê suas palavras significam tanto para eles

E elas significam nada para mim

Então fique, você não é o que está ouvindo

Porque eu estive vendo você mudar

E quem disse que você é um em um milhão de qualquer jeito?

'Cos you see only what you want to

Your tunnel vision owns you

And you can't see what's wrong

When you keep sleeping through the PM

Eyes wide open when you're dreaming

You're sleepwalking

Just keep talking

Maybe you can talk your way out of this deep end

No B plan in your system

Just tell me what you're thinking

I'm scared that you might fall

But you're not

But you're not

Porque você vê apenas o que você quer

Sua visão de túnel é dono do seu

E você não pode ver o que está errado

Quando você continuar dormindo durante a tarde

Olhos bem abertos quando você está sonhando

Você está sonâmbula

Basta manter a conversa

Talvez você possa falar sua maneira de sair fora desse profundo fim

Nenhum plano b em seu sistema

Apenas me diga o que você está pensando

Estou com medo que você possa cair

Mas você não

Mas você não

And you'll feel better when you wake up

Taking off your make up

Sun always seems to wash our fears away

And it's always shining somewhere

I just gotta get there

And even though it seems like half the world away

Things are better in America

Heard the streets are gold there

Maybe I can fly you out this place some day

Chasing dreams like I'm on Novocain

Screaming through your airwaves

Looking back I almost thought I heard you say

E você vai se sentir melhor quando você acorda

Tirando sua maquiagem

O sol parece sempre para lavar nossos medos para longe

E está sempre brilhando em algum lugar

Eu só tenho que chegar lá

E mesmo que pareça como meio mundo de distância

As coisas são melhores na América

Escutei que as ruas são douradas lá

Talvez eu possa voar com você para fora desse lugar algum dia

Caçando sonhos como se eu estivesse em erupção

Gritando através das ondas de ar

Olhando para trás eu quase pensei que tivesse ouvido você dizer

Stay you're not gonna leave me

This place is right where you need to be

And why your words gotta mean so much to them

When they mean nothing to me

So stay you're not what you're hearing

'Cos I've been watching you changing

And who said you're one in a million?

You're so much better than that

Stay you're not what you're hearing

'Cos I've been watching you changing

And who said you're one in a million

Anyway?

And you'll feel better when you wake up

Swear to God I'll make up

Everything and more when I get back some day

Chasing dreams like I'm on Novocain

Screaming through your airwaves

Looking back I almost thought I heard you say

Fique, você não vai me deixar

Esse lugar é bem onde você precisa estar

E porquê suas palavras significam tanto para eles

Quando elas significam nada para mim

Então fique, você não é o que está ouvindo

Porque eu estive vendo você mudar

E quem disse que você é um em um milhão?

Você é muito melhor do que isso

Fique, você não é o que está ouvindo

Porque eu estive vendo você mudar

E quem disse que você é um em um milhão

De qualquer jeito?

E você vai se sentir melhor quando acordar

Juro por Deus que vou compensar

Tudo mais quando eu voltar algum dia

Caçando sonhos como se estivesse em erupção

Gritando através das suas ondas de ar

Olhando para trás eu quase pensei ter ouvido você dizer

— You're so much better than that... —Camila cantou baixinho finalizando a música.

Você é muito melhor que isso.

— Camz... —Sussurrei vendo uma lágrima solitária descer sobre os olhos dela.

Limpei a lágrima com o dedão enquanto acariciava o rosto da pequena garota a minha frente. Como ela podia ser tão perfeita? A profundidade do que ela dizia, a letra daquela música... 

— Lo... —Ela disse antes de me agarrar num abraço.

Nossos corpos grudando em meio aquele ambiente gelado pela neve lá fora. 

— Sh... Eu estou aqui... —Digo como se estivesse respondendo sua música. — Esse é o lugar onde eu preciso estar.

Então eu vi aqueles olhos castanhos me observarem atentos, nossas testas encostadas umas nas outras e nossas respirações se confundindo naquele frio.

E eu percebi.

Eu nunca deixaria de amar incondicionalmente e dolorosamente Camila Cabello.

 


Notas Finais


Muitos feels... Até logo galera, beijos! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...