História Fake Boyfriend - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bangtan Boys, Bts, Comedia, Família, J-hope, Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Suga, Yaoi
Visualizações 329
Palavras 2.917
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Yo o/

Vou compensar a ausência no começo com um super texto nas notas finais. Aguardem...
Boa leitura! ;)

Capítulo 9 - Descoberta


Jimin P.O.V.

Depois de tomar café com o Jungkook, resolvi ir para casa, até porque eu não tinha avisado ninguém que eu ia dormir fora – já que nem eu sabia.

Quando cheguei na minha casa, abri a porta e dei de cara com Jin, Hoseok e minha mãe sentados no sofá.

Na hora eu fiquei imóvel e eles imediatamente olharam para mim.

Jin e Hoseok pareciam indiferentes. Já minha mãe estava sorridente como sempre.

– Bom dia, filho – falou, vindo na minha direção e me abraçando.

– Bom dia – respondi.

– Seus amigos estão te esperando faz tempo – ela falou, me soltando do abraço. – Vou deixar vocês à vontade.

Assim que ela se retirou da sala, eles voltaram a olhar para mim, mas dessa vez eles pareciam com raiva.

– Nós viemos aqui porque achamos que você estava estranho nesses últimos dias, e pensamos que talvez nós pudéssemos ajudar – falou, Hoseok.

– Mas assim que chegamos, sua mãe nos disse que você não tinha dormido em casa – continuou Jin, com um tom de acusação.

– Nós ficamos preocupados que algo poderia ter acontecido com você, mas advinha! Ela disse que você, provavelmente, tinha dormido na casa do seu noivo – falou Hoseok, irônico, franzindo o cenho. – Qual o nome dele mesmo, Jin?

– O nome dele? – Falou, fingindo pensar. – Não sei. Até porque, o Jimin não mencionou em momento algum que estava noivo! – Exclamou exaltado.

Na hora puxei os dois para o meu quarto e fechei a porta atrás de mim.

– Pode começar a explicar! – Exclamou Hoseok.

– É uma longa estória… – falei, coçando a nuca.

– Não tem problema. Não estamos com pressa – falou Jin, se sentando na cama.

Logo Hoseok se sentou do seu lado e ambos me encararam.

Eu respirei fundo e comecei a explicar. Eu expliquei tudo, do começo ao fim. Do dia em que eu o abracei sem querer, até a noite anterior.

Enquanto eu contava, seus semblantes, antes com raiva, passaram a demonstrar curiosidade, e assim que eu terminei houve a um pequeno silêncio no quarto.

– Deixa eu ver se eu entendi… – começou, Hoseok. – Você abraçou ele sem querer achando que era o seu irmão e a tia dele viu, então ele pediu para você fingir ser o namorado dele para que a mãe dele acreditasse que ele era gay para ele poder viver sozinho em paz… – eu assenti, concordando. – Porém, quando ele dormiu aqui, vocês se entenderam e passaram a ser amigos e começaram a conversar e sair juntos. Então a mãe dele estava desconfiando que era mentira e você beijou ele na frente dela...

– E ele te beijou de volta – Jin interrompeu.

– ...que foi quando você percebeu que gostava dele. E então vocês saíram para um encontro de verdade no restaurante da Jang Mi, você conseguiu um estágio, e ontem você foi na casa dele para dar a novidade e vocês dormiram juntos? Essa é a estória?

Eu assenti novamente, concordando, apreensivo com a reação que eles iam ter.

– E porque você não falou para a gente antes?! – Exclamou Hoseok, indignado. – Como você pôde guardar isso da gente por semanas?!

– Eu pensei que vocês fossem me julgar por ter aceitado a proposta dele – me defendi.

– Mas é claro que a gente ia te julgar. O que você tem na cabeça?! – Exclamou Jin, inquieto.

– Eu estava me sentindo um pouco culpado pelo meu abraço ter acarretado em tudo o que estava acontecendo, e ele ia conseguir um estágio no restaurante da Jang Mi para mim. Vocês sabem que era uma oportunidade única e tentadora – falei, cruzando os braços. – Tenho certeza que vocês também teriam aceitado.

Hoseok pareceu pensativo, mas logo se manifestou.

– Isso é verdade – falou, se levantando. – Eu também aceitaria se fosse pelo meu emprego dos meus sonhos. Nem adianta mentir que eu sei que você também aceitaria, Jin.

– Mas é claro que eu aceitaria! Eu não sou idiota para deixar uma oportunidade dessa passar.

– Então por que vocês estão pegando no meu pé?! – Exclamei.

– O problema não foi você ter aceitado. O problema foi você não ter falado para a gente – falou, Hoseok, rodeando o braço ao redor do meu pescoço. – Mas vamos deixar passar dessa vez.

– Então… vocês não estão mais com raiva? – Perguntei.

– Nós teríamos feito a mesma coisa se fôssemos você em relação ao acordo – disse Jin. – E vai ser mais fácil para a gente conseguir estágio no restaurante agora que você trabalha lá. Então você está perdoado dessa vez.

Nós rimos da conclusão do Jin e nos sentamos na cama.

– Me sinto bem melhor agora que vocês sabem...

– Jimin, só uma coisa – começou Jin. – O que vai acontecer com vocês agora que vocês se gostam? O que vocês vão fazer em relação a mãe dele? Ele não estava fazendo isso porque ela nunca aceitaria ele ser gay?

Eu não tinha pensado naquilo. Não era como se eu imaginasse que iria acabar gostando dele, mas logo mudamos de assunto e o pensamento se dissipou.

No fim de semana seguinte, eu e Jungkook combinamos de irmos à praia.

Assim que deu o horário, eu peguei a minha mochila e saí de casa.

Jungkook estava encostado em seu carro na frente da minha casa, com o olhar perdido.

Enquanto andava em sua direção eu analisei minuciosamente cada parte dele.

Seu rosto, seu corpo, sua feição, tudo era extremamente provocante.

Assim que ele me viu de longe, um sorriso se formou em seu rosto, aquele sorriso que tinha o poder de me fazer sorrir instantaneamente.

Até seu sorriso mais bobo me provoca...” – Pensei.

Assim que cheguei perto dele, rodeei meus braços ao seu redor e o beijei profundamente.

Eu senti ele arrepiar com meu ato enquanto me abraçava fortemente.

– Oi – falei, depois de nos separarmos minimamente.

– Oi – respondeu, sorrindo.

Nós entramos no carro e fomos até a praia.

Durante o percurso nós cantamos cada música que passava na rádio, e rimos das interpretações ridículas que fazíamos.

Era engraçado como nós nos divertíamos juntos, sendo que há algumas semanas atrás, nós não nos suportávamos.

Assim que chegamos na praia, estacionamos o carro e saímos do mesmo.

– Fazia muito tempo que eu não vinha à praia – falou Jungkook, se espreguiçando e sorrindo, enquanto encarava o mar.

Eu sorri o observando distraído.

Ele tinha uma aparência tão juvenil e fofa, que ninguém adivinharia a personalidade forte do garoto.

– O que foi? – Perguntou Jungkook, percebendo meu olhar distraído.

– Só observando o quanto sua aparência fofa engana as pessoas – falei, rindo.

– Olha quem fala – falou, me olhando de cima a baixo com um olhar sugestivo.

Eu sabia que ele falava daquela noite, e seu comentário não poderia ter sido mais provocante.

Eu mordi o lábio inferior com a lembrança e no segundo seguinte, já me encontrava o beijando demoradamente.

Jungkook arfou com meu ato e apertou minha cintura, mas antes que avançássemos mais, nós nos afastamos.

Era estranho como ele me fazia perder a noção do mundo com um toque, com uma palavra, ou até mesmo com um olhar.

Estávamos deitados na areia há algum tempo, em cima de duas toalhas e em baixo de um sol morno e agradável.

Eu estava relaxando de olhos fechados, ouvindo somente o barulho do mar, quando a voz de uma garota surgiu de repente.

– Jungkook Oppa! Quanto tempo!

“Oppa?!” – Pensei comigo mesmo, abrindo os olhos e encarando a garota.

Jungkook se apoiou no antebraço e sorriu para a garota.

– Oi, Kat. Faz tempo mesmo. Como você está?

“Por que ele quer saber?" – Pensei.

– Estou bem, e você, Oppa? – Perguntou sorridente.

“Por que ela quer saber? E por que ela insiste em chamar ele de Oppa?! – Pensei, rangendo os dentes.

– Eu estou bem. Esse é o Jimin – falou, apontando para mim.

– Oi – falei, lançando um sorriso forçado.

A garota devolveu o sorriso e voltou a olhar para Jungkook.

Eles tiveram uma conversa breve sobre trabalho – que eu não sabia como participar –, mas o que me deixou com raiva foi a troca excessiva de sorrisos durante a breve conversa.

– A gente realmente precisa conversar mais, Oppa! Vamos ver se nós marcamos algo – disse a garota, fazendo menção de ir embora, com um sorriso no rosto.

– Claro! Você tem o meu número – falou Jungkook, também sorrindo.

– Então você já está indo? – Falei, fingindo estar triste. – Foi um prazer.

– O prazer é todo meu – falou, ainda encarando Jungkook, sem me olhar sequer por um segundo. – Tchau, Oppa! – Exclamou acenando, enquanto se afastava.

Jungkook acenou de volta e voltou a deitar e fechar os olhos, como se nada tivesse acontecido.

– Sério? – Falei, fazendo ele me olhar.

– O que foi? – Perguntou Jungkook.

– Quem era ela? – Perguntei, calmamente.

– Eu conheci ela no trabalho há alguns meses. Ela é uma cliente. Por quê? Está com ciúme? – Perguntou, sorrindo debochado. E então eu entendi o que estava acontecendo.

– Você fez de propósito, não foi? – Perguntei.

Jungkook não conseguiu segurar o riso.

– É que você fica tão fofo quando está com ciúme que eu não pude resistir.

– Muito engraçado – falei com ironia. – Mas engraçado mesmo é você achar que você não sente ciúme.

– Eu não deixaria transparecer tanto quanto você – falou, virando de frente para mim.

– Desafio aceito! – Falei, sorrindo.

Jungkook deu de ombros e sorriu, se achando vitorioso.

Depois de algum tempo resolvi começar o desafio.

– Eu vou nadar um pouco – falei.

– Tudo bem.

Me levantei e me espreguicei chamando atenção de poucas meninas que estavam um pouco distantes.

Jungkook me observou, mas continuou imóvel.

Eu, assim como todos os homens presentes na praia, estava vestindo uma bermuda, que pela cultura de onde estávamos era o mais bem visto. Porém, eu não poderia perder a oportunidade de ver o olhar do Jungkook quando tirei a bermuda, revelando uma sunga.

Olhares por toda a praia se fixaram em mim, alguns julgando, mas a maioria desejando.

Jungkook arregalou os olhos e, percebendo todos os olhares, levantou e enrolou uma das toalhas na minha cintura, quase como um reflexo.

– O que foi? Já está com ciúme? – Perguntei.

– É- é claro que não! É que está um pouco frio, e eu não quero que você pegue friagem.

– Jungkook, está sol e eu nem me molhei ainda – falei, afastando a toalha. – Eu vou nadar um pouco e já volto.

Eu comecei a andar pela praia e a atrair ainda mais olhares, de cima a baixo, de todos os sexos e todas as idades.

Eu olhei para Jungkook e ele pareceu não gostar da atenção que eu estava recebendo, mas em momento nenhum ele me parou.

Eu entrei na água e nadei para não muito longe.

A água estava calma, então tirei um tempo para boiar e relaxar um pouco.

Jungkook estava realmente se esforçando para esconder o ciúme, mas eu sabia que em algum momento ele ia ceder.

Depois de alguns minutos eu comecei a andar em direção à areia, e todos os olhares se voltaram novamente para mim.

Quando percebi os olhares – contando o de Jungkook de soslaio –, comecei a caminhar devagar, joguei meu cabelo molhado para trás e sorri para o vento.

Percebi algumas pessoas sorrindo de volta, outras mordendo o lábio e outras com vergonha.

Eu estava chamando muita atenção, como eu queria.

Assim que pisei na areia seca, um turista com mais ou menos a minha idade veio na minha direção.

– Oi, você poderia me ajudar?

Ele era alto e forte, tinha um rosto exótico e esbanjava simpatia com seu largo sorriso.

– Claro! – Respondi.

– Você sabe onde tem um caixa eletrônico por aqui? – Perguntou.

Eu expliquei o caminho devolvendo a simpatia e o sorriso.

Em meio a conversa, eu olhei Jungkook de soslaio, e ele estava com os olhos arregalados e já se preparava para pular da cadeira.

– Mais uma coisa – falou. – Que ponto turístico você recomenda para um turista que acabou de chegar?

– Um ponto turístico… – murmurei. – A Namsan Tower.

Ele pareceu confuso, como se nunca tivesse ouvido falar.

– A torre marca o nível mais alto de Seoul, por isso a vista de lá é magnífica. Você pode pegar o teleférico e depois subir até uma das plataformas de observação da torre. Vale muito a pena! Falo por experimentar própria.

– Parece ser realmente uma experiência única. Eu com certeza vou. Muito obrigado! – Falou o turista, sorrindo de orelha a orelha.

– De nada – respondi.

De repente, Jungkook apareceu do meu lado e rodeou o braço na minha cintura.

Ele não falou nada, só observou o turista que ainda sorria.

– A gente se vê! – Falou o turista, acenando.

Eu devolvi o aceno e ele virou as costas e continuou seu caminho.

Eu voltei meu olhar para Jungkook, que me olhava com o cenho franzido.

– Sério? Vai ficar provocando a praia toda só para me deixar com ciúme? – Perguntou.

– Ele só queria uma informação. Por quê? Funcionou? – Perguntei debochado.

Ele revirou os olhos e eu sorri vitorioso.

– Você também fica fofo quando está com ciúme.

Eu segurei seu rosto com ambas as minhas mãos e o beijei rapidamente, ignorando todos os olhares.

– Pronto! Agora todo mundo sabe que eu não estou aqui sozinho – falei.

Ele voltou a me puxar para perto e me beijou, dessa vez mais intensamente.

– Só para caso tivesse ficado alguma dúvida – falou, após nós separarmos.

Depois de nadarmos um pouco, resolvemos ir para casa assistir um filme.

Jungkook dirigiu até seu apartamento e nós entramos no elevador, onde eu parei um pouco para olhá-lo.

Jungkook estava com sua camiseta um pouco grudada em seu corpo e seu cabelo ainda estava úmido da água da praia.

Sua feição era sugestiva, e por estarmos finalmente sozinhos, meu coração começou a acelerar, e a vontade de agarrá-lo – que estava sendo reprimida o dia todo – começou a voltar.

Finalmente a porta do elevador abriu e eu pude tentar focar no caminho até a porta.

Assim que Jungkook entrou no apartamento, ele foi direto para o quarto, e eu entrei no banheiro.

Eu respirei fundo e passei a mão pelo meu cabelo, tentando me acalmar.

De repente, Jungkook abriu a porta do banheiro e começou a andar na minha direção.

Sem nenhum tipo de aviso, Jungkook me agarrou pela cintura e me beijou profunda e euforicamente.

Naquele momento, tudo o que eu tinha reprimido voltou à tona.

Ele me prensou contra a pia e afastou minhas pernas, encaixando a sua no meio.

Eu puxei ele mais para perto e ele começou a roçar sua perna no meu membro, me fazendo arfar.

Jungkook tirou o lubrificante que tinha buscado no quarto, do bolso e o colocou em cima da pia.

– O que acha de a gente tomar banho? – Falou arrastado.

Naquele momento eu já me encontrava ofegante e excitado, quando ele aproximou os lábios do meu ouvido e o mordeu.

– Hoje é a minha vez de ter você pra mim – sussurrou.

Eu soltei um gemido arrastado e joguei a cabeça para trás.

Jungkook me sentou em cima da pia e se dispôs entre as minhas pernas, estimulando nossos membros um no outro.

Eu comecei a beijar seu pescoço e a deixar alguns chupões pelo lugar.

– Hoje eu sou seu – gemi em seu ouvido.

Jungkook soltou um gemido baixo e arranhou minhas costas por baixo da camiseta.

Nós estávamos afoitos e necessitados quando o inesperado aconteceu.

– J-jungkook?!

Na hora nós nos afastamos e olhamos para a porta.

– M-mãe?! – Gaguejou Jungkook.

Ele parecia tão surpreso quanto eu.

– Eu sabia que isso ia acontecer… Eu sabia que tinha que ter vindo antes… – Murmurou a mãe dele.

– Mãe… eu… – começou a falar, mas logo parou.

Sua mãe permanecia calma, como se já tivesse previsto.

– Eu não estou surpresa – falou, respirando fundo. – Eu sempre soube que era mentira. Sua atuação me deixava brava, mas eu sabia que não passava de um teatro, e eu tinha certeza que você ia parar antes que eu precisasse intervir. Porém, depois daquela cena de vocês dois no jardim, eu percebi que o que eu mais temia estava virando realidade, e agora que eu tomei coragem para vir aqui falar para você que eu ia parar de insistir em casamento, falar para você que você podia viver sozinho, é tarde demais, meu medo se tornou realidade: você se apaixonou por ele.

Jungkook ouvia quieto, assim como eu.

Ela parecia tão magoada, que parecia beirar a dor física.

– Eu não vou mais interferir na sua vida.

A mulher caminhou até a porta e, sem hesitar, a fechou atrás de si.

– O que acabou de acontecer? – Murmurei.

– Fácil assim? Durante esse tempo todo, tudo o que eu precisava ter feito era ter agarrado um homem? – Falou, surpreso.

– Você está bem? – Perguntei.

– Mas é claro! Nós conseguimos com que ela me deixasse em paz! Finalmente! – Exclamou sorrindo.

Eu não sabia se ele realmente estava bem.

Eu não entendia sua relação com a sua mãe. Se fosse minha mãe dizendo aquilo, sofrendo daquele jeito, eu ficaria inconsolável. Eu tentaria fazer ela entender o meu lado, tentaria ter uma relação com ela, mas ele parecia não se importar.

– Jungkook, e a sua mãe? Ela não parecia estar bem – falei. – Agora que o acordo acabou, e você conseguiu o que queria, talvez vocês pudessem começar de novo, sem segredos ou mentiras.

Ele pareceu não se importar com o que eu disse, então resolvi ir embora e deixar ele pensando.

– Pensa nisso, Jungkookie – falei, beijando sua testa. – Ela é a única pessoa que sempre vai estar ao seu lado. As pessoas vêm e vão, mas a família sempre fica.

Virei as costas e sai do apartamento.

Achei que ele precisava de um espaço, então resolvi não ligar para ele e esperar ele me ligar, e então eu ajudaria ele a se reconciliar com sua mãe.


Notas Finais


Pensaram que ia ter um lemon, né? Safadinhos! kkkkkkk Desculpa por iludir vocês kkkkkk
Primeiro: Desculpa pelo capítulo bosta. Sim, eu sei que ficou ruim, mas eu tinha que postar se não eu nunca ia seguir para o próximo. Sacrifiquei a qualidade desse capítulo pelo bem do desempenho da fic kkkkkkkk Senão eu ia ficar três meses nesse capítulo. Deu para ver que foi encheção de linguiça para que houvesse esse final, mas blz kkkkkkkkk
Segundo: Desculpa pela demora. Acontece que além de ter um sono do cão, eu estou com a ideia de uma outra fic na cabeça, e quando eu vou escrever a Fake Boyfriend, vem as ideias para essa fic nova no lugar, ai eu fico me embananando kkkkk É como se passassem duas séries na minha cabeça com os mesmos atores, só que com personagens diferentes, então não achem estranho se a personalidade deles estiver bem inconstante nesse e nos próximos capítulos kkkkkk XD Obs.: Essa fic que eu estou tendo idéias não está sendo escrita, então não esperem por ela. Pelo menos não para agora ;)
Terceiro: A Fake Boyfriend está na reta final. Vai ter, no máximo, mais cinco capítulos, chutando alto. Ahhhhh... :´( Mas não fiquem tristes que tem um chãozinho ainda :)

Momento desabafo: Se vocês querem começar a escrever uma fic, não usem o P.O.V. de vários personagens kkkkk É treta XD

Comentem o que vocês estão achando da fic em geral, e se quiserem dar sugestões de final, fiquem a vontade :)
Beijos de luz! ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...