História Fake Brother - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance irmãos
Exibições 22
Palavras 1.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


A PRAIA E O MAR
O que será que Micael sentiu ao ver Lorraine beijando Kaique, Nesse capítulo, Micael fala de sua mãe pela primeira vez para Lorraine, além de tirá-la de um momento ruim e ser a salvação dela.

Capítulo 8 - The Party and the Sea


Fanfic / Fanfiction Fake Brother - Capítulo 8 - The Party and the Sea

Fernando vem de mãos dadas com uma menina da altura dele de cabelo curto preto. Ela é linda.

Eu levanto, saindo do colo do Kaique. Ele fica atrás de mim e me segura pela cintura. Sinto seu membro duro encostando acima da minha bunda. Caramba, ele estava excitado.

- É a Elizabeth. – Falou o Kaique.

- Kaique, você não podia esperar minha melhor amiga chegar pelo menos?

- Que isso cara, quem manda ter uma amiga tão linda e que beija bem.

- Aff, poupe-me os detalhes. – Fernando faz cara de nojo.

- Alôôô, eu tô aqui! Da pra parar de falar de mim como terceira pessoa?

- Foi mal Loh, eu vim te apresentar a Elizabeth. Elizabeth essa é a Lorena, minha melhor amiga.

A menina sorri, acho que por me ver beijando o Kaique ela percebeu que não sou nada além de amiga do Fernando. Eu a abraço, pegando ela de surpresa, ela me abraça também. Os meninos conversam e eu tento puxar assunto com ela.

- E aí Elizabeth, tem quantos anos?

- Pode me chamar de Eliza, tenho 17 e você?

- 19, me chama de Loh, Lorraine é muito grande.

- Tá, tudo bem. – Ela responde, parece ser bem tímida.

- A gente podia sair qualquer dia desses.

- É só marcar. Vou pedir para o Nando me passar teu número.

- Tá, aí você me manda uma mensagem para eu poder salvar teu número.

- Certo.

Fernando volta para o lado de Elizabeth e eu procuro o Kaique e não o vejo. Eliza e Fê se beijam e eu saio dali, vi que estava sobrando. Vou em rumo a casa e vejo Micael descendo a escada com os olhos vermelhos. Eu olho para frente e vejo o que não queria ver. Júlia beijando Kaique. Eu fico em choque, a minutos atrás ele estava me beijando. Ela está com as mãos nele, mais ele está segurando dois copos. As pessoas ao redor aplaudem.

Sinto alguém passar por mim, conheço as costas daquela pessoa, é o Micael. Ele soca a cara do Kaique e a bebida voa para cima da Júlia, Kaique cai e eu vejo tudo como se fosse em câmera lenta. Embora eu não gostasse do Kaique, era difícil ver o homem que você beijou à 10 minutos atrás e depois ver o que um dia foi uma das suas melhores amigas o beijando.

Sou tirada do meu lugar por uma mão, ela me puxa. É o Micael. Ele me puxa para fora daquela casa e sobe em cima da moto. Automaticamente eu subo também. Agarro-me ao seu corpo enquanto ele acelera o mais rápido que pode para sair dali.

Tudo parece borrado, a única coisa que tenho certeza é do Micael. Ele está aqui comigo. E se ele não tivesse naquela festa? Fernando estaria com a Elizabeth. O que seria de mim? E se o Micael não tivesse entrado na minha vida?

Ele freia a moto bruscamente que o pneu canta. Eu desço da moto e sinto uma brisa soprar em meus cabelos. Ele desce da moto e me puxa em um abraço. Eu não entendi muito bem daquilo, mas se não fosse isso eu não tinha voltado a mim.

Quando ele me soltou, eu vi onde estávamos. Estávamos na praia, eu tirei meu salto. Micael me ajudou. Pegou ele em uma das mãos e com a outra pegou a minha. Estava deserto, quem iria a uma praia tarde da noite? Ele sentou na areia e eu sentei também.

- Micah, você tá bem? – Puxei assunto.

- Estou. Mais você acho que não. – Ele falou olhando para as ondas quebrarem. Enquanto eu só tinha olhos para ele.

- Eu estou. Bem, não é fácil ver um cara que estava te beijando e depois ver ele beijando outra é bem chato.

- Você parecia pior do que um simples “peguei o meu casinho com outra”.

- Não fiquei assim por causa do Kaique, sinceramente, acho que ele não teve culpa. Fiquei daquele jeito por ser a Júlia.

- Eu percebi que vocês não se falaram, eu já tava para dar um empurrão nela. Ela ficava se esfregando em mim que nem uma gata.

- Ela está andando com a Beatriz.

- Quem é a Beatriz? – Ele olhou para mim. Foi a minha vez de olhar para as ondas.

- Beatriz, vamos dizer que ela é minha inimiga. Eu nunca entendi porque ela me odeia. Ela faz da minha vida um inferno desde a oitava série. Ela andava muito silenciosa ultimamente. Krisla me falou que Júlia está andando com ela, que ela anda ficando com todo tipo de garoto. – Dei uma pausa.

- Ela ficou com você para me atingir. Ela fez questão que eu soubesse. Depois ficou com o Kaique, viu que não dei a mínima dela se esfregando em você e resolveu beijar o Kaique. Acho que isso tudo é culpa da Beatriz, ela deve tá fazendo a cabeça dela e me colocando contra mim.

- Ah, entendi.

A noite estava fria e só percebi que o casaco do Kaique não estava mais nos meus ombros quando uma brisa forte bateu em meu corpo. Eu estremeci. Dessa vez foi o Micael que tirou o casaco dele. Eu o vesti e ficamos horas olhando a lua e as ondas quebrarem ao chegar perto da areia.

- Micah, como era sua mãe?

Ele respira fundo. A perda é recente e acho que ele ainda sente muito, mais não demonstra.

- É fácil falar dela. Ela era a melhor pessoa que já conheci em minha vida. Ela era alta e tinha o cabelo loiro, longo e liso. Vivia sorridente. Ela sempre fazia minhas comidas preferidas e trabalhou até quando pôde. – Ele suspira – Quando descobrimos a doença, ela não se abateu. Lutamos por anos, ela ficou magra e sem vida, mesmo assim mantinha o sorriso no rosto. Seu cabelo caiu e nos últimos dias ela sentia muita dor. Saí até do trabalho para cuidar dela. Eu só queria que o sofrimento dela acabasse. É isso que me conforta, que ela está bem e sem dor.

- Eu sinto muito Micah. Ela deve ter sido uma mulher e tanto.

- Foi sim, queria que tivesse a oportunidade de te apresentar a ela, o pai sempre falou de você e ela vivia dizendo que adoraria te conhecer.

- Ah.

- Melhor irmos, está tarde. – Ele fala se levantando e limpando a terra da calça.

Ele me estende a mão e eu a pego, ponho força para me levantar. Limpo meu vestido. Micael me abraça enquanto andamos em direção a moto.


Notas Finais


Próximo capítulo será do Micael, aguardem...

Espero que estejam gostando. Beijo :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...