História Fall in love with you - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, Kai, Kris Wu, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Chanbaek, Hunhan, Kailu, Kristao
Exibições 29
Palavras 2.295
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Lemon, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


A ideia dessa Fic veio assim do nada, e eu espero que gostem. <3

Capítulo 1 - Um estranho em minha porta


Fanfic / Fanfiction Fall in love with you - Capítulo 1 - Um estranho em minha porta

Para mim o horário de seis da manhã de um sábado é para estar voltando da balada, não para fazer exercícios físicos no parque, mas lá estava eu caminhando perto de casa vestindo uma calça e uma blusa de moletom cinza. Nos meus fones de ouvido, tocava Adele, do meu lado esquerdo meu melhor amigo pra todas as horas Luhan, e em minha cabeça só conseguia pensar na deliciosa pizza que havia devorado na noite anterior. O problema era que eu estava ficando gordo – ou pelo menos achava isso – e precisava perder uns quilos visto que minhas coxas quase não cabiam mais em minhas calças favoritas. Como estava de férias da escola, nada mais justo que tentar perder uns quilinhos.

Ao tirar os fones de ouvido foi que eu percebi que Luhan falava sobre algo.

– ... então eu preferi voltar pra casa com o Jongin naquele dia, eu sei que ele não presta, mas eu gosto dele e a casa dele é maravilhosa.

Sobre homens, claro, é só disso que ele sabe falar mesmo.

–  O quarto dele também deve ser maravilhoso, não é?

– O quarto, a cama, o corpo.. – ele disse com a voz ofegante após parar de caminhar e levou suas mãos até seus joelhos. – Vamos sentar um pouco, não aguento mais.

Tudo o que eu conseguia fazer era rir do meu amigo, sempre fui safado, mas nunca cheguei aos pés do Luhan. Sempre que vamos numa balada ou festa qualquer ele desaparece e só aparece muito depois todo bagunçado ou no dia seguinte.

– Eu sabia, e aquela sua conversa era papo furado, você passa o rodo em todo mundo e sempre volta pro Jongin.

– Sei que eu disse que queria sair da mesmice, mas eu até gosto de ter um ficante, sabe? E o Jongin é perfeito, ele banca nossas bebidas e entradas pra shows.– ele sorriu convencido.

Verdade isso é, Jongin sempre esteve disponível para o Luhan, faça chuva ou faça sol, dava tudo o que ele queria quando queria, por isso sempre tive um pouco de inveja dele, ou muita.

Depois de um longo bate papo no banco da praça, resolvemos voltar para minha casa, lá era a segunda casa do meu melhor amigo, assim como a casa dele também era a minha. Se caminhamos por cinco minutos foi muito, mas a culpa não foi minha, sim do Luhan que me distraiu com aquela conversa dele.

– Estou nojento preciso de um banho. – ele reclamou chutando a caixa da pizza que havíamos comido no dia anterior  e tirou sua camisa logo em seguida.

– Vai primeiro, você tá fedendo muito.

– Vai se foder, Baekhyun.

– Venha aqui e faça o favor pra mim.

Ele não respondeu, apenas sorriu e saiu do quarto com uma toalha nas mãos. Enquanto Luhan tomava seu banho, me deitei na cama apenas de cueca e resolvi ligar meu celular já que tinha desligado ele na noite anterior pra dar atenção ao me amigo. Tinham muitas mensagens, a maioria eram do Kris, meu ficante, ele é DJ em um dos clubes mais badalados de Gangnam, o Éden, é de família rica, tem um carro super luxuoso, é lindo de morrer e o melhor de tudo: Ele é bom de cama.

“Sinto sua falta, amor, quando vamos nos ver de novo?”

”Aquela noite foi inesquecível, fico excitado só de lembrar.”

“Amor?”

“Você está chateado comigo?”

“Eu preciso de você”

“Uma banda vai tocar lá no Éden sábado á noite e eu quero levar você”

“Por favor”

“Vai ser legal”

Ele deveria estar bêbado para enviar tantas mensagens assim de vez. Eu até poderia ignorar, mas não sou louco de rejeitar um convite desses.

“Não estou chateado com você, amor, eu tive que desligar meu celular ontem. E claro que quero ir com você ver o show.”

– É o Kris? – perguntou Luhan ao entrar no quarto todo molhado com a toalha enrolada na cintura.

– É ele sim, mandou um monte de mensagens ontem, ele disse que uma banda vai tocar lá na boate que ele trabalha hoje.

– Uma banda? Eu quero ir.

– Luhan.. Ele me convidou.

– E daí? Pede pra ele me levar também, você sempre vai comigo quando me convidam pra um lugar legal.

– Eu vou ver o que posso fazer, mas não é nada garantido, quando ele me responder eu falo com ele.

Luhan apenas se virou para o armário sorrindo e vestiu uma roupa minha. Ele sabe me mesmo me chantagear, sempre foi assim, mas fazer o que? Não era justo meu amigo me levar pra os lugares e eu não.

Após meu banho, desistir de esperar a resposta do Kris, enviei uma mensagem para ele perguntando se eu podia levar Luhan e acabei dormindo por causa do cansaço.

 

-------

 

Depois de uma longa “soneca”, acordei ás seis da tarde com Luhan roncando em cima de mim, olhei meu celular para ver se tinha alguma mensagem e Kris já tinha me respondido.

“Pode levar seu Luhan, meu amigo gostou dele”

Depois de muita luta, me levantei e comecei a chutar todo o lixo que tinha no chão do meu quarto até conseguir chegar na porta. Só pra deixar claro, não sou porco, eu limpo meu quarto uma vez por mês e isso é o suficiente.

A minha mãe trabalha de segunda à sábado num escritório de advocacia, mesmo assim ela deve estar disponível de domingo à domingo. Não somos ricos, moramos numa casa pequena de dois quartos desde que meu pai faleceu. Eu sempre digo que de certa forma, a morte dele foi um “alivio” para nós, porque ele apostava muito dinheiro em cassinos, era endividado até o pescoço com agiotas, vivia bêbado e usava o desaparecimento da minha irmã como desculpa para isso. A única coisa que ele nos deixou foram dividas.

Antes do meu nascimento meus pais tinham uma filha, o nome dela era Soyul, eu não sei muito sobre ela, só sei que um dia ela foi para a escola e nunca mais voltou, ela tinha seis anos de idade, meus pais a procuraram até não dar mais e desde então vinte e três anos se passaram e ela continua desparecida, para mim ela já não está mais entre nós, mas a minha mãe ainda tem esperança de que ela esteja viva e bem.

Quando vi minha mãe na cozinha preparando algo, me aproximei dela e dei um abraço apertado nela.

– Você me assustou, onde está Luhan? Estou preparando uma coisinha pra ele e umas coisas pra você comer amanhã.

Sim, a minha mãe é louca pelo Luhan, ele é como um filho para ela e ele a chama de mãe.

– Ele está dormindo, ou melhor, roncando ainda, nós passamos a madrugada inteira conversando e hoje cedo fomos caminhar um pouco. – beijei seu rosto. – E eu estou de dieta, não faz nada muito calórico, tá bom?

– Você anda fazendo meu filhote caminhar, Baekhyun? – ela deixou de cortar os legumes, se afastou do meu abraço e segurou minha mão. – Você é perfeito, está fazendo dieta por quê?

– Não podemos ficar sedentários, mãe, estávamos quase nesse ritmo e você diz isso porque é minha mãe.

– Você é perfeito sim.

Minha mãe é a única pessoa que me faz sorrir por motivos bobos.

– E mãe, pra quê está fazendo tanta coisa?

– Esqueceu que vou viajar amanhã? Só volto na terça.– ela suspirou, parecia muito cansada.

Além de quase nunca estar em casa, a minha mãe viajava de vez em quando por conta do trabalho.

– Mas no domingo?

Ela apenas balançou a cabeça positivamente com uma expressão cansada e voltou a fazer o que estava fazendo. Pedi para ela que fosse descansar e terminei de fazer o jantar, no dia seguinte poderia me virar na cozinha, eu não sou tão bom cozinheiro, mas sei me virar quando quero, uma coisa ou outra sai queimada, mas é errando que se aprende.

 

---------

 

Antes das nove já estávamos prontos para sair, a minha mãe já tinha ido viajar, ela me pediu para ter juízo – o que é bem difícil quando estou com meus amigos – e pediu pra que eu limpasse a casa que estava quase transbordando de tanto lixo já que os dias que minha mãe trabalha, eu não limpo a casa. Peguei um táxi com Luhan e em poucos minutos chegamos no local bem animados e a fila de entrada estava enorme.

– Você sabe que vou ficar sozinho até terça, não é? Então deve voltar pra casa comigo pela manhã. – pedi enquanto agarrava seu braço com um bico nos lábios.

– Vou fazer isso por você, mas aquele sorvete que tem na geladeira é meu.

– Mas estamos de dieta, não podemos tomar sorvete.

– Baekhyun, você que está de dieta.

Uma voz msculina nos interrompeu antes que eu o respondesse.

– Byun Baekhyun?

Me virei olhando para o rapaz que eu não fazia ideia de onde ele me conhecia.

– Sim?

– Sou eu, Kim JunMyeon, lembra de mim? Nos conhecemos em outra boate.

Não, eu não fazia a mínima ideia de quem aquele garoto era, mas eu não dispenso caras bonitos, e ele é um deus grego.

– Claro que sim, foi bem divertido aquele dia. – respondi mesmo que não soubesse de nada que tinha feito naquele dia.

Ele sorriu mordendo seu lábio inferior em seguida, eu conhecia aquele sorriso e depois disso lembrei quem ele era, eu lembro que seus amigos o chamava de Suho. Numa noite que saí com Tao bebi muito e acordei na cama no dia seguinte. A casa dele era muito bonita, tinha móveis caros e quadros raros espalhados pelos cômodos.

Entramos juntos na boate e Luhan já foi me puxando para a pista começando a dançar de forma sensual.

– Você lembra mesmo daquele cara? – ele perguntou sem parar de dançar.

– No inicio eu não lembrava, mas depois lembrei. – me aproximei dele esfregando nossos corpos. – Ele me levou pra cama uma vez, é o café na cama.

– Ah sim, o café na cama.

Dei o apelido de "café na cama" para Junmyeon por motivos óbvios, ele me deu café na cama naquele dia. Foi um amor.

Como nem sempre lembrávamos das pessoas que ficávamos, resolvemos dar apelidos para alguns deles, pelo menos os mais marcantes. Kris nunca teve um apelido porque ele era meu favorito.

---------

Ás onze da noite a banda começou a se apresentar, eles eram bons e tocavam músicas animadas. Luhan conheceu o tal amigo do Kris e foi ao banheiro com ele.

Era meia noite quando uma banda feminina começou a tocar, só sei que estava muito bêbado e já tinha beijado várias bocas.

Ás duas eu já tinha vomitado em todo o canto daquela boate por ter misturado bebidas.

Ás três eu já queria ir embora, mas Luhan não desgrudou do Sehun, eles se pegavam no meio da pista de dança como se não tivesse mais ninguém ali, que eles iam se tornar um só. A pior parte é que tocava uma música bem animada e eles dançavam como se fosse músicas lenta. Eca.

Ás cinco já não havia mais ninguém na pista, as pessoas iam embora aos poucos, menos eu que esperava meu amigo sentado num canto enquanto bebia um pouco de água numa garrafa.

Acabou que Kris trabalhou bastante e não pôde ficar comigo.

E finalmente ás cinco e meia nós fomos embora, pegamos carona com Kris, ele parou numa rua antes da minha já que minha rua tinha difícil acesso de carro, ele queria me levar até a porta da minha casa, mas recusei. Caminhamos até a rua da minha casa.

Meu coração quase saiu pela boca ao ver que não tinha ninguém na rua além de um cara esquisito sentado na calçada em frente a minha casa, o álcool que tinha em meu corpo pareceu sumir naquela hora. Aparentemente de longe dava pra ver que o homem tinha pernas compridas e sua cabeça estava apoiada em seus joelhos.

– Ai meu cu Baekkie.. Quem é aquele cara ali na porta da sua casa?

– Se eu soubesse não estaria aqui me cagando de medo. – respondi enquanto apertava seu braço com certa força. – Parece que ele está dormindo, pode ser só um mendigo, mesmo assim devemos ser cautelosos. Vamos fazer o seguinte: Caminhamos devagar até lá e entramos calmamente em casa.

Ele assentiu mesmo estando quase se urinando de medo, segurou minha mão e começamos a caminha vagarosamente até a porta da minha casa, chegando lá subimos os três degraus da entrada da minha casa, peguei a chave e..

– Oi moço, por um acaso a senhora Byun Sun Hee mora aqui?

Só conseguir ficar parado feito pedra segurando as chaves da minha casa, Luhan só conseguia chorar, o cara tinha uma voz intimidadora, a primeira coisa que pensei foi que ele iria nos matar. Não conseguia olhar para ele.

– Eu a chamei várias vezes, como ninguém atendeu eu resolvi esperar aqui. – ele acrescentou. – Sou Park Chanyeol.

Juntei forças para olhar o rapaz e o fitei de cima a baixo, ele vestia uma calça social com uma blusa social e um casaco de lã horrendo por cima e ainda usava uma gravata. Parecia que ele pegou as roupa do lixo e vestiu. Eu não ia falar nada sobre isso – mesmo querendo muito –, mas Luhan precisou abrir a boca.

– Licença, desculpa o incômodo senhor ladrão, se o senhor veio nos roubar, lhe peço encarecidamente que não leve meu celular. Nossas roupas não devem caber no senhor, mas se quiser pode levar, o senhor está precisando.. – ele apertava minha mão enquanto falava, era nítido que ainda estava bêbado. – E se for estuprar alguém, estupra ele. – apontou para mim. – Ele é mais largo. – acrescentou.

E foi nesse momento que me borrei de medo.

Quando me dei conta, Luhan estava implorando de joelhos para que o rapaz não nos sequestrasse ou coisa assim, e eu? Eu desmaiei de medo.


Notas Finais


Eu preciso de algum sinal de que alguém está gostando, então se vc leu esse cap e gostou pfvr me avise.

E perdão pelos eventuais erros e pelas capas horríveis :]


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...