História Fallen Leaves - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Tags Jikook, Jimin, Jin, Jungkook, Lemon, Namjoon, Vhope, Yaoi, Yoongi
Exibições 53
Palavras 1.756
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI SHUSHUSSSSSSSSSS
AI GENTE
Eu demorei, podem me bater.
MASSSSS
Eu tenho uma das melhores notícias da vida:
MEU PROBLEMA FOI RESOLVIDO E AGORA EU POSSO POSTAR CAPÍTULOS NATURALMENTEEEEEEE
UHUUUUUU
Ai cara, vocês não tem ideia de como eu to feliz...
Enfim, o capítulo 3 ta solto, então leiam a vontade!
Beijinhusssss

Capítulo 3 - Formatura


— JungKook, querido... por que foi fazer uma besteira dessas?

Olhei para a minha mãe, e pela milésima vez, suspirei. Quantas vezes vou ter que repetir para ela?

— Foi sem querer, o copo escorregou da minha mão, mãe...

— Você ouviu o médico, JungKook. Se tivesse mesmo escorregado, na pior das hipóteses só teria feito um corte fino, não um tão profundo assim.

— Hum, é mesmo?

— Jeon JungKook!

Ela olhou para mim me repreendendo, como se estivesse dizendo “Não ouse! ”, ou algo do tipo.

Realmente não estou à vontade de ter que contar a ela o que aconteceu para que eu aparecesse com um corte fundo na minha palma da mão, cheio de sangue e com o Jimin do meu lado, e ainda explicar o porquê de eu não estar sentado numa carteira da faculdade, aprendendo e estudando.

— Mãe, se a senhora para de pressionar a ferida, vai voltar a sangrar...

— Oh, desculpe querido — Como se acordasse de um pensamento que tinha, voltou a enfaixar a minha mão, que cada vez ardia mais — Por que não liga para o Jimin, huh? Ele estava bastante preocupado com você.

— Ah, depois eu ligo. Preciso me recuperar para tocar no telefone.

— JungKook... pare de dar desculpas... ele está mesmo preocupado, e eu tenho certeza que você consegue apertar um botão usando uma mão só — Terminou a frase piscando para mim, com um ar mais calmo e tranquilo — Ligue, querido, ele merece saber como você está.

— Ok...

— Bom menino — Levantou de minha cama e deu-me um beijo na testa. Quando abriu a porta de meu quarto para sair, lembrou-se de algo e virou-se para mim — E não pense que eu me esqueci o fato de não ter ido à faculdade, nós ainda vamos conversar, ouviu, espertinho?

— Ah, mãe... — Chamei-a, levantando da cama. Pelo olhar preocupada que recebi, pude perceber que aquilo não era de sua vontade.

— Sim, querido?

— Onde está o telefone mesmo?

 

▿▿▿

 

“— Hey, hyung, você viu o Jimin? Não o acho desde que a festa começou...

Formatura. Adolescentes virando adultos. Pessoas se agarrando, bebendo e chorando por todo lado... não era assim que eu imaginava que seria.

O ruim disso tudo é que não consigo encontrar as pessoas que eu realmente me importo, estamos todos perdidos neste labirinto humano.

— Ah, JungKook... eu realmente não acho que o Jimin gostaria de ser incomodado agora — Olhei para o YoonGi hyung, descrente. Não importa se o Jimin quer ou não ver gente, eu preciso falar com ele — Por que você não aproveita a festa, huh? Tem um monte de gatas aqui...

— Eu não estou nem aí para as suas “gatas”, hyung... eu quero o Jimin.

Estava começando a me incomodar com aquele lugar. Tudo ali me deixava desconfortável, só porque agora temos autorização legal para beber, fumar e outras coisas, não quer dizer que todos têm que fazer.

Ainda mais ouvir música no volume máximo... meu Deus, será que os vizinhos não se importam? Só eu me sinto incomodado com isso?

— Olha, Kookie... — Começou YoonGi, terminando de virar uma garrafa de cerveja, o que me fez virar os olhos. O cara mal consegue se deixar em pé e ainda continua a piorar sua própria situação... — O Jimin está aproveitando, assim como todo mundo... se quer falar com ele, fala amanhã de manhã. Não, amanhã de tarde... de manhã ele ainda vai estar ocupado, hahaha...

— Hyung, quanto você bebeu?

— Me deixe, pirralho... virou minha babá? Prefiro que fique no pé do Jimin... opa! — YoonGi foi tentar levantar, mas acabou cambaleando e quase caindo em cima de uma menina qualquer, que logo falou alguma coisa em seu ouvido e o levou para o centro da pista de dança.

— Hyung!

— Vai curtir, JungKook!

Suspirei, cansado. Não dava para continuar por aqui por muito tempo, então saí a procura do Jimin hyung, queria vê-lo.

Há três dias atrás, ele me disse que me queria. Quis ficar comigo e dormimos juntos, mas depois disso não dirigiu nenhuma palavra a mim. Quero acreditar que é porque ele não tinha tempo e estava ocupando organizando a festa, então eu preciso vê-lo agora, não tem mais nada que possa nos atrapalhar.

— Hey, JungKook... — Virei-me procurando o dono daquela voz, e quando me virei, vi que era TaeHyung, abraçado com o Hoseok. Os dois pareciam meio fora de si também pelo jeito que andavam, mas não quis comentar — Desde quando o Jimin está namorando a JyungHe?

— Quem?

— Seo JyungHe! — Tiveram que gritar em meu ouvido para que eu pudesse escutar direito... eu disse que música alta era um problema.

— M-mas... ele não está namorando com ela.

— A gente viu ele agarrado com ela há poucos minutos atrás — Dessa vez foi o Hoseok que gritou — Estavam naquele sofá vermelho ali... a garota parecia que iria engolir ele, não sabia que o Jimin tinha tanto mau gosto...

Saí andando o mais rápido que podia para o sofá onde o Hoseok tinha me dito, deixando-os falando sozinhos. Tinha que ver com os meus próprios olhos.

‘Ah JungKook... eu não acho que o Jimin gostaria de ser incomodado agora...’

Será...?

Empurrei dúzias e dúzias de pessoas para finalmente conseguir atravessar o salão. Não tinha muita gente no lugar, já que ninguém estava afim de segurar vela para ninguém.

Consegui ver um monte de casais aos amassos, mas nada do Jimin... será que a bebida fez com que o Hoseok hyung enxergasse coisas?

— Jung... JungKook?

Virei-me e o vi. Jimin estava saindo do banheiro – o único banheiro que tinha ali – e me olhou com cara de espanto. Seu cabelo laranja estava completamente bagunçado e seu pescoço estava cheio de marcas vermelhas, parecendo chupões que foram recentemente feitos ali.

Antes que eu pudesse abrir a boca para perguntar o que raios ele estava fazendo, Seo JyungHe, a maior vagabunda que tem, saiu do mesmo banheiro que ele, arrumado a saia para baixo, logo depois umedeceu os lábios e laçou os seus dedos com o dele.

— Chim... o que foi?

Uma dor extremamente forte surgiu em meu peito, e dei um tapa na cara dele sem nem conseguir pensar racionalmente. Não queria mais ver esse desgraçado.

— Idiota...

Dei as costas para ele e saí dando passos largos e fortes, procurando o Jin hyung. Queria ir embora daquele lugar. Agora. ”

 

Olhei pela milésima vez aquele telefone. Será que eu devia?

Ele ficou tão preocupado quando me machuquei, saiu correndo atrás de remédios e curativos na hora em que me viu sangrar; mas também, a causa do meu ferimento foi ele, então se preocupar era o mínimo que ele devia fazer.

Passei o olhar do telefone para minha mão enfaixada. Por que ele tinha que ter lembrado desse incidente infeliz?

Depois daquele dia, não o deixei me tocar de novo, não do jeito que queria. Simplesmente fingi que nada aconteceu e segui com nossa “amizade”, fingindo que nada de errado tinha acontecido entre nós.

E ele aceitou normalmente.

Continuou sorrindo por aí, sendo simpático e gentil com todos. Nenhum traço de tristeza e/ou arrependimento pôde ser visto em seu rosto, e ele continuou com sua positividade infinita.

Só eu fiquei sofrendo. Sofrendo por aquele inútil.

Ele me quebrou tantas vezes... será que devo ligar?

Antes que pudesse fazer qualquer coisa, escuto minha mãe me chamando, dizendo que tinha visita. Provavelmente o Jin hyung, não parou de ligar desde que ficou sabendo do meu “acidente”.

Mas, invés de eu avistar cabelos castanhos, vi fios alaranjados. Aquele idiota não fez isso...

—...queria ver como ele estava, senhora Jeon.

— Claro, querido... ele já está descendo — Coloquei um dos meus pés na escada, para poder descer até a minha sala de estar quando a madeira rangeu, fazendo os dois na sala olharem para mim — Ah, olhe ele ali...

— Obrigado, mãe... pode subir, se quiser. Eu converso com ele aqui.

— Não é melhor subirem para o seu quarto, amor? Eu estou terminando de fazer o almoço, aproveita que o Jimin está aqui e vamos almoçar todos juntos. Suba, JungKook... lá em cima é mais confortável.

Droga, mãe!

— C-claro, mãe... vem, Jimin...

— Obrigado, senhora Jeon.

Subi as escadas o mais rápido que podia. Não era para ele ter vindo aqui! O que ele quer?

— Vem, entra...

— Faz tempo que não entro aqui em cima — Jimin começa a andar em volta, olhando tudo o que podia, como fez ontem logo que chegamos em casa — Oh, estava falando com alguém no telefone?

Vi que ele estava observando a minha cama, onde o telefone estava jogado. Não consegui ligar para ele porque achei que um hyung bom estava me visitando, não um retardado.

— Hum? Ah... eu iria ligar para você, mas meio que você veio aqui, então...

Jimin levantou as sobrancelhas, parecendo surpreso.

— Oh, você... você iria ligar para mim? — Perguntou, esperando minha resposta, que foi apenas um aceno de cabeça ­— E o que você iria dizer?

Notei que ele estava chegando mais perto. Mal sinal.

— O que você veio fazer aqui, Jimin?

— Eu vim ver como o meu dongsaeng estava, ora... fiquei preocupado com o seu “ataque” de raiva de ontem.

“‘Ataque’ de raiva? ”

Ok, talvez sim.

— Bom, mas você sabe muito bem o porquê deste meu “ataque” ter acontecido.

— Para falar a verdade, fiquei bem surpreso. Não sabia que tinha se chateado com aquilo.

O quê?!

— Ah! Mas como assim “não sabia”? Não é normal você ficar com alguém, e três dias depois aparecer pegando uma puta qualquer!

Jimin começou a rir baixinho, como se achasse graça da situação.

— “Puta qualquer”?

Comecei a ficar com raiva. Fechei os meus olhos e apertei meu punho o mais forte possível para poder conter meus ânimos.

“Não faça nada que poderá se arrepender depois, JungKook... não faça nada...”

— Meu Deus, JungKook! O que está fazendo?!

Abri os olhos de susto e senti uma ardência esquisita em minha mão. Quando fui ver, a faixa que a cobria estava agora avermelhada por conta do meu sangue.

Eu apertei tanto a ferida que a fiz abrir de novo.

— Ah, droga... pegue aquela caixa ali, Jimin... é onde estão os meus remédios.

Jimin assentiu e fez o que eu pedi, enquanto isso, eu sentei na cama e comecei a desenrolar a faixa suja que estava na minha mão e ver o estrago que tinha feito, de novo.

— Ei, garotão... deixe isso comigo — Olhei para ele, que agora estava sentado em minha cama comigo, pegando a caixa e colocando-a no colo. Depois pegou minha mão machucada com cuidado e deixou um beijinho na parte de cima dela — Relaxe, brotinho... eu vou cuidar de você.

“Oh, vá à merda, Park Jimin! ”


Notas Finais


Imagina assim: Você está lá, no seu quarto, COM A PORTA FECHADA E SUA MAMÃE COZINHANDO NO ANDAR DE BAIXO, com a mão machucada, e de repente, Park Jimin chega dizendo que vai "cuidar de você".
O que você faria?
Porque eu teria um treco.
Aaaaaaiiiii, JungKoooookkkk....
Enfim, vou tentar não demorar com o próximo capítulo....
Beijinhos shushus!
Quem quiser comentar, fique à vontade! Responderei todos como sempre!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...