História Falling Fate - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Personagens America Singer, Anne, Aspen Leger, Carter Woodwork, Celeste Newsome, Kriss Ambers, Marlee Tames, Maxon Calix Schreave, Rainha Amberly
Tags A Seleção, América, Celeste, Maxerica, Maxon
Visualizações 278
Palavras 2.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OLÁ AMADINHOS DO MEU CORAÇÃO ♥
Como vão vocês?

BEM VINDO AOS NOVOS FAVS ♥
MUITO OBRIGADO PELOS COMENTÁRIOS ♥

Espero que vocês gostem dessa capítulo, ele é meio paradinho e tals, mais importante para o resto da história ><

Beijos e mais beijos ♥

Capítulo 26 - The Queen Who Illéa Wants


Fanfic / Fanfiction Falling Fate - Capítulo 26 - The Queen Who Illéa Wants

Queria dizer que foi a melhor noite da minha vida, que eu nunca havia dormido assim tão bem, mas seria uma completa mentira. Katherine demorou um pouco, mas por volta das 3hrs da manhã ela acordou com um berreiro que quase fez Maxon e eu cair da cama. Dei a mamadeira que Marlee havia deixado para ela, mas não tinha santo que fazia a menina voltar a dormir. 

- Traga ela aqui – Maxon disse, com a voz sonolenta. Eu havia mandado ele voltar a dormir depois que a menina nos acordou. Ele deu uma cochilada então e voltou a acordar quando percebeu que a menina não dormia. Conforme ele pediu levei Katherine até ele. – Oi princesinha! – ele disse e a menina fez seus barulhinhos de felicidade. – Agora é hora de dormir, está tarde – ele disse, com uma voz carinhosa. Eu estava deitada na cama, com ela no meu colo e ele deitado ao lado. 

- Acho que ela não quer dormir – falei e a menina fez barulhos, como se quisesse concordar comigo. 

- Minha querida, acho que ela quer que você cante para ela – falou, olhando em seguida para mim, esperançoso. 

- Tudo bem – concordei. Ele tirou a menina dos meus braços e a ajeitou ela na cama, no meio de nós dois. Eu me arrumei em seus braços e cantei uma música infantil qualquer, enquanto Maxon acariciava meus cabelos e Katherine brincava com meus dedos. Não demorou muito para tanto a menina quanto o pai dormirem. E em seguida, dormi também. 

  

  

Quando acordei, só estava Katherine e eu na cama. Olhei a janela e vi o sol brilhar lá fora. Vasculhei o quarto com meus olhos, a procura de Maxon. Mas ele não estava lá. Vi que Lucy estava arrumando alguma coisa numa das cômodas do quarto. 

- Bom dia – disse a ela, que levou um susto. 

- Bom dia América – me respondeu. Olhei Katherine dormindo tranquilamente na cama e resolvi deixa-la ali. Lucy me ajudou a colocar travesseiros ao lado da menina, para ela não cair.  

- A bela adormecida acordou? – Celeste disse, entrando no quarto. – Achei que esperaria o beijo do Príncipe para despertar – disse, me lançando um olhar malicioso. 

- O que você quer insinuar com isso, Celeste? – disse, tentando fazer uma cara indiferente. 

- Aposto que rolou algo essa noite, vocês estavam muito fofos hoje de manhã – ela disse, dando um suspiro apaixonado forçado. Eu corei imediatamente. – Essa também foi a reação do Maxon ao nos ver. Depois ele saiu correndo, mas creio que você não tenha essa opção. – ela disse, se divertindo com a situação. 

- Celeste está certa – Marlee disse, entrando no quarto com Mary e Anne. – Você vai ter que nos contar tudinho! 

- Meninas! – protestei.  

- Estamos curiosas e queremos saber – Marlee disse. 

- E não vamos desistir antes de ouvir todos os detalhes – Celeste completou, cruzando os braços e sentando no sofá. 

- Não aconteceu nada – menti. Celeste me lançou um olhar de desconfiaça. 

- Qual é, América. Não vamos cair nessa – ela disse. 

- Você não vai escapar dessa – Mary disse, rindo. 

- Sinto lhes informar que ela vai escapar dessa – Aspen disse, surgindo na porta. 

- Graças a Deus – comemorei, pulando da onde eu estava sentada. 

- Quem lhe deu autorização para tirar ela daqui agora? – Celeste perguntou, irritada. 

- O Rei – ele disse, se aproximando de Lucy e lhe dando um beijo da bochecha. 

- Aposto que ele só quer dar uns beijos nela, isso pode esperar – ela disse, bufando. 

- Na verdade, ela ainda nem trocou de roupa – Mary disse, apontando o meu pijama de bolinhas. 

- Maxon disse que é urgente. – Aspen disse – E, pelo fato de ter vários conselheiros no escritório dele, eu acho melhor você trocar de roupa rápido, América. Espero você lá fora – falou e eu assenti com a cabeça. Peguei o vestido das mãos de Anne e corri para o banheiro, antes que elas perguntassem mais alguma coisa. Fiz um coque meio largado no cabelo, mas que ficou lindo com o vestido. Quando sai do banheiro, Katherine já estava macaqueando com as meninas. Todas pareciam contentes, menos Celeste. 

- Ela não para nunca? – a morena reclamou. 

- De uma chance a ela, Celeste – Marlee disse. Katherine, que estava engatinhado pelo quarto, foi até os pés de Celeste e puxou seu vestido, pedindo colo. Celeste olhava a menina, mas nem se mexia. 

- Vai pra lá macaquinha – ela disse, num tom até que carinhoso. A menina, porém, não saiu dali e puxava ainda mais o vestido. – Eu não vou te levar no colo – a morena resmungou. 

- Vocês cuidam dela para mim? – pedi, e as quatro sorriram ao acenaram com a cabeça. 

- Tenho outras coisas para fazer – Celeste disse, se levantando. – Vou com você até o escritório de Maxon, é no caminho – ela disse, indiferente. 

- Vamos então – disse, caminhando até a porta, parando apenas para deixar um beijo na testa de Katherine. 

- América, não está esquecendo de nada? – Anne perguntou, segurando em suas mãos uma tiara. 

- Tenho opção? – perguntei. Ela negou com a cabeça, andando até mim e ajeitando a tiara na minha cabeça. – Até depois – disse, saindo do quarto. 

- Acho que nunca vou me acostumar a te ver com uma coroa – Aspen disse 

- Não é uma coroa, é uma tiara – falei. 

- Você sabe do que eu estou falando, América - ele disse, sorrindo torto. 

- Você melhor que ninguém devia saber que América nasceu para isso, Aspen – Celeste disse, marcando sua presença ali. 

- É difícil comparar a Rainha América com a América que eu conheci lá em Carolina – ele disse, meio sem jeito.  

- Me senti ofendida com seu comentário - falei, fingindo estar ofendida. 

- Não se sinta. Você mudou muito, você cresceu muito e agora é uma Rainha – ele disse, cheio de orgulho. 

- Só estou fazendo o meu papel de tutora. - falei - Não é como se eu fosse uma Rainha de verdade – completei. 

- Pela cena que eu vi hoje de manha, isso é só uma questão de tempo – Celeste disse, maliciosamente. 

- Estou por fora desse assunto – Aspen disse, risonho. 

- Nosso Majestoso Casal Real estava dormindo juntos e abraçadinhos no quarto de Katherine – ela disse, rindo. 

- "Nosso Majestoso Casal Real"? - perguntei, mas fui ignorando. 

- Vocês estão juntos de novo? - Aspen perguntou. 

- Maxon estava me ajudando a fazer Katherine dormir – falei, o que nao chegava a ser uma mentira. 

- E você quer que a gente acredite que foi só isso? - Celeste disse, sorrindo maliciosamente. 

- Bem... - falei corada. 

- É disso que eu estou falando! - Celeste comemorou. - O que rolou? - perguntou. Ela e Aspen me lançavam olhares curiosos. Os dois estavam se divertindo com a situação. 

- Nos beijamos, okay? - disse, constrangida. 

- Só isso? Só um beijo? - Aspen perguntou. Eu lhe lancei uma fuzilada com o olhar - Qual é, se eu não perguntar, Celeste vai. - ele disse e a morena concordou. 

- Bem, alguns beijos... - falei timidamente. Os dois comemoraram e trocaram um High-Five no meio do corredor. - Mas não contem pra ninguém, okay? Não quero nenhum boato malicioso sobre isso. As pessoas já estão falando.  

- Pode deixar – Aspen disse, sério. 

- Eu já vou voltando para o quarto de Katherine, tenho novidades para Marlee – Celeste disse sorrindo. 

- E o que eu acabei de falar não valeu em nada? – perguntei, irritada. 

- Elas iam saber de qualquer jeito – falou, dando de ombros e caminhando pra longe, rebolando como sempre.  

- Celeste sendo Celeste – Aspen disse e seguimos nosso caminho. – Então, você está feliz? – ele perguntou depois de um tempo em silêncio. Olhei para ele e sorri. Aspen sendo o irmão mais velho, como sempre. 

- Estou sim, Aspen – falei pra ele. 

- Antes de qualquer coisa preciso ter um papo sério com Maxon – ele disse, se fingindo de sério. 

- Sobre o que? – Perguntei curiosa. 

- As intenções dele com você – ele disse, realmente sério dessa vez. – Ele que não se atreva a te magoar novamente. 

- Posso garantir que ele se arrepende do que fez – falei, sorrindo pra ele. Ele não disse mais nada, apenas ficou pensando em algo.  

- Chegamos – disse, ao chegarmos à porta do escritório – Tenha cuidado, Meri. As pessoas ali dentro são mais perigosas que rebeldes. – Assenti, me despedindo de com um abraço rápido e retomando a postura pra enfrentar o que viria pela frente. 

- Majestade – um dos conselheiros falou, ao me ver e todos eles fizeram reverência. Poderia ser impressão minha, mas alguns pareciam felizes ao me ver. Meus olhos encontraram os de Maxon, que estava quase escondido atrás de uma pilha de jornais. Ele sorria para mim e aquilo era tudo que importava no momento. Me segurei para não correr ao encontro dele e o beijar ali mesmo. 

- Cavalheiros – respondi aos conselheiros, que se levantaram. 

- Fico feliz que pode nos encontrar tão rapidamente, América – Maxon disse, sorrindo e tentando ser formal. – Por favor, sente-se – falou, apontando a cadeira na minha frente. 

- Aconteceu alguma coisa? – perguntei, preocupada. 

- Majestade – um dos conselheiros mais jovens, se aproximou da mesa de Maxon. – Meu nome é Renan, e sou responsável pela publicidade da família real. É meu dever manter o nome de todos os membros da família real com bons comentários e rebater qualquer polemica, quando alguma surge. - explicou. 

- É por isso que eu estou aqui? - perguntei, temendo em que confusão em teria me metido agora. Olhei para Maxon, assustada, porém ele mantinha o sorriso no rosto, o que me deixou ainda mais tensa. 

- Sim! - Renan disse, animado – Desde o anúncio de ontem a noite, já esperávamos que a mídia voltasse toda a sua atenção para o castelo e os acontecimentos dessa semana. - ele disse, com calma e profissionalismo. - O que eu não esperava era o grande foco que você recebeu – ele disse, destacando a palavra você.  

Maxon, então, se levantou e trouxe até mim uma das revistas da pilha que estava em cima de sua mesa. A capa era toda tomada por uma foto minha, de Maxon e Katherine, durante o jornal. A manchete dizia "A Rainha que Illéa merece". Olhei para Maxon confusa e ele assentiu com a cabeça, me encorajando a abrir a revista e ler a reportagem, o que eu não tive coragem de fazer. 

- O que é isso? - perguntei, confusa. 

- Aparentemente, Illéa te ama, América - Maxon disse, sorridente. 

- Ama? - Renan exclamou, chamando a atenção - América eles te veneram! Não tem uma revista sequer que diz algo ruim a seu respeito. Não há um comentário maldoso sobre o que você usou ou sobre qualquer outra coisa! Toda a mídia está te coroando a "rainha que Illéa merece" - ele disse, apontando a revista nas minhas mãos. 

- Isso é verdade? - perguntei, olhando para Maxon.  

- Eu mesmo li uma por uma – ele disse. 

- E isso é bom, não é? - questionei, ainda meio perdida. 

- É maravilhoso! - um dos outros conselheiros, que estava quieto durante todo o tempo exclamou – Nunca nenhum monarca teve tamanha aprovação do público.  

- Tenho que admitir – outro conselheiro falou, um daqueles dois que tinham lançado comentários maliciosos no dia anterior – Isso é algo esplendido mesmo, pode nos favorecer em vários setores, principalmente na economia. 

- Um país feliz é um país que cresce – outro comentou. 

- Você não está nem a um dia no trono e tem mais aprovação do que Amberly durante esses anos todos – uma das poucas conselheiras mulheres comentou. 

- Eu falei que você seria uma Rainha incrível - Maxon cochichou no meu ouvido. Eu tive vontade de largar tudo e beija-lo ali mesmo, na frente de todas aquelas pessoas.  

A reunião seguiu por mais alguns minutos, onde foi falado sobre várias coisas que eu não prestei atenção. Minha mente vagava entre as várias capas de revistas sobre mim e sobre os olhares e sorrisos que Maxon me lançava. 

- Bom, discutiremos o resto amanha – Maxon disse, pondo fim a reunião.  

- Majestades – os conselheiros falaram, fazendo uma reverencia e saíram, um a um, até que finalmente Maxon e eu estavamos sozinhos novamente. 

- Eu não acredito que isso está acontecendo – falei, ainda olhando para as revistas. 

- Pois eu não duvidei disso momento algum – ele disse, me abraçando e sentando ao meu lado no sofá. Deu também um beijo na minha testa, me fazendo sorrir. 

- Preparado para tudo que vai acontecer hoje? - perguntei, me referindo ao enterro.  

- Não - falou – Mas o fato de ter você no meu lado vai ajudar e muito. - completou, me puxand para um beijo rápido, que foi interrompido por uma batida na porta. 

- Altezas – uma das secretárias do palácio falou da porta – Telefone para a Rainha América - ela disse, me entregando um telefone sem fio. 

- Obrigada – Agradeci. 

- BOM DIA RAINHA AMÉRICA - May gritou do outro lado da linha. - COMO ASSIM VOCÊ ESTÁ EM ILLÉA E NÃO ME CONTOU NADA? MELHOR, COMO ASSIM VOCÊ É RAINHA DE ILLÉA E NÃO ME CONTOU NADA? - perguntou. Ela falava tão alto que Maxon ao meu lado conseguia escutar, o que fez o mesmo rir. 

- Mande um beijo para ela – ele disse, sorrindo e se levantando, para sentar de volta na sua mesa, onde analisava alguns papéis. 

- Bom dia May! - respondi, rindo – Aconteceu tudo muito rápido, mas eu ia ligar para vocês hoje! - comentei. 

- Mamãe quer te matar por não falar nada – ela disse, rindo da situação - Ela está aqui do meu lado louca para roubar o telefone de mim e te dar um sermão sobre falta de informação. 

- Acredito que ela vá me entender – falei. 

- Tenho minhas dúvidas - May disse, rindo – É verdade que a Princesa Katherine vai ser como minha sobrinha agora?  

- May! - escutei minha mãe protestar. 

- Qual é mãe, você também quer saber – ela retrucou. Minha mae deve ter respondido alguma coisa, mas não consegui escutar – Desembucha, América. 

- Não exatamente – falei. - Não é como se eu tivesse adotado ela. Vou ser sua tutora. 

- Algumas revistar tão dizendo que vocês já tem relação como mãe e filha – ela disse. - Isso faz dela minha sobrinha. 

- É um pouco mais complicado que isso, May – respondi. 

- Que seja – eu conseguia ver ela dando de ombros – E Maxon? Como ele tá? - perguntou e novamente minha mãe protestou, mas dessa vez May nem deu bola. Eu corei na hora, o que fez Maxon dar uma risada da sua mesa. 

- Ela já perguntou de mim? - falou, se divertindo com a situação. 

- Acredito que ele vá bem na medida do possível - respondi, bem vagamente.  

- Aposto que se vocês não se pegaram ainda, vão se pegar logo logo – ela disse. Escutei um baque, como se alguem tivesse tirado o telefone das suas mãos. 

- May Singer! Isso não é coisa que se fale - a voz da minha mãe soou mais forte. - América? - ele perguntou e concluiu que ela havia tirado o telefone de May. - Como você está? 

- Estou bem, mãe - respondi – De verdade – sorri, olhando para Maxon, que agora prestava atenção novamente aos papéis. 

- Você tá precisando de alguma coisa? - ela disse e naquele instante eu senti falta do abraça dela.  

- De você mãe - falei, com lágrimas nos olhos. Maxon então, vendo que minha voz havia falhado, lançou um olhar para mim. 

- Não chore, minha querida – minha mãe respondeu. Maxon se levantou da mesa e sentou-se novamente ao meu lado, me abraçando, o que me fez chorar ainda mais. Ele pegou o telefone das minhas mãos. 

- Olá Sra Singer – ele disse ao telefone. Eu não consegui ouvir a resposta da minha mãe, mas posso apostar que ela se surpreendeu. - Estou bem, não me machuquei. - ele respondeu – Katherine também, América vem sendo muito boa para ela. - ele riu então, de algo que minha mãe falou. - Posso lhe pedir algo, Sra Singer? - pergunta, me olhando – Por acaso você, May e Gerard não gostariam de passar uns dias aqui no palácio? 


Notas Finais


E AI? O que será que vai acontecer agora?
No próximo capítulo teremos o enterro do Clarkson e da Kriss e teremos algumas surpresinhas ♥

Espero ansiosamente os comentários de vocês para que eu possa pirar com as teorias ><

MIL BEIJOOOOOS ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...