História Falling In Love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags Cashton, Muke
Visualizações 4
Palavras 1.994
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Capítulo Um


Michael passou a mão em seu cabelo mais uma vez, impaciente esperando o amigo. As pessoas passavam por ele e o encarava como se fosse impossível não notar sua presença. Eles sentiam certo ar intimidador vindo dele e algo mais, algo que ninguém sabia o que era, mas que deixava todos os humanos fascinados. 

— Como sempre você está atrasado. — O jovem reclamou quando sentiu a presença de seu amigo, mas ele não havia entrado em seu campo de visão ainda.

— E como sempre você está atraindo todas as atenções. — O amigo respondeu, aparecendo finalmente em seu campo de visão.

— Óbvio, quem não se sentiria atraído por mim. — Ele diz com um sorriso afiado. — Agora me diz, porque tivemos que nos encontrar aqui?

— Precisamos conversar e tem que ser longe do inferno, Lúcifer me mataria se essa informação vazasse. — Calum falou enquanto sentava na cadeira do pequeno café que havia combinado de se encontrar com Mike.

—  Então quer dizer que Satã está envolvido, huh? — Ele se inclina, demonstrando interesse.

— Sim. Preciso que você faça um favor para o bem do inferno e de Lúcifer, mas você tem que fazer isso bem feito ou tudo vai desmoronar. — O moreno diz sério para o amigo.

— Falando assim até parece que o apocalipse está próximo. — Sua voz estava carregada de sarcasmo.

Clifford estava esperando seu amigo revirar os olhou ou algo do tipo, mas ao ver o modo como Hood ficou tenso na menção do apocalipse, ele tirou os óculos que insistia em manter no rosto, mesmo dentro do estabelecimento e assobiou.

— Eu sou um grande adivinho. — Ele diz com um sorriso. — Então isso significa que o Anticristo está na terra?

— Sim e os anjos já estão sabendo, por isso você precisa achar ele primeiro e trazê-lo a salvo. 

— Sendo assim, eu faço de tudo para o meu líder e para o nosso sobrinho. — Ele deu um sorriso incrivelmente branco para o amigo.

Enquanto isso no reino celestial...

 — Precisa de mim, arcanjo? — Luke pergunta se aproximando do anjo superior que olhava os mortais que entravam e saiam da igreja.

— Se os humanos tivessem a mínima noção do mal que os rodeia, pensariam cinquenta vezes antes de rezar o pai nosso como se não tivessem pecado algum. — Ashton sorri sem humor para o jovem anjo. — Sabe, Luke... Você é um ótimo Serafim, certamente o melhor e por isso lhe chamei. 

— No que posso ser útil? — Luke tentava manter a postura de respeito e seriedade, mas seu rosto implorava por um sorriso feliz pelo anjo superior te-lo elogiado.

— Um grande mal está a caminho, você sente a perturbação na harmonia, não sente? — Ashton prossegue quando o outro assente. — A última vez em que houve tanta instabilidade foi quando Lúcifer caiu, os mortais e nós temos o que temer.

Luke sentiu seu corpo estremecer ao ouvir o nome do rei do inferno ser proferido. O olhar de Ashton era sério e cansado, o arcanjo estava dando o máximo de si para manter a harmonia entre os dois mundos e o dos humanos.

— Quer dizer que algo tão ruim, ou até pior, que Lúcifer está chegando?

— Sim, o anticristo está na terra e eu quero que você seja o responsável por encontra-lo. — Ashton estava pondo toda a sua confiança em Luke e ele não poderia decepciona-lo.

— Farei tudo que estiver ao meu alcance para proteger os mortais e nosso mundo. — O serafim não iria deixar o mal prevalecer.

[...] 

A cada passo que dava pelo longo corredor ele sentia-se mais fraco. As reuniões de mais importância eram feitas no céu e tanto poder angelical em um lugar só deixava demônios enfraquecidos, dependendo de qual legião o demônio é pode até mesmo acabar morto.

— Estou aqui em nome de Lúcifer, Rei do Inferno para encontrar o Arcanjo Ashton — Declarou para os portões, que logo se abriram para uma sala bem iluminada e com vista para Terra.

O anjo mais próximo de Deus encontrava-se sentado na sala destinada a reuniões entre os anjos, mas ultimamente, ela estava sendo local de encontro entre dois opostos.

— Olá, Calum — Ashton o cumprimentou com um aceno com a cabeça quando o demônio moreno adentrou a sala. Sentia parte de si enfraquecer na presença do principado mas jamais demonstraria isso. — Seu enviado já está na missão?

— Claro, não podemos perder tempo. Aposto que o seu também já foi numa hora dessas. — Ele arruma a postura, não querendo demonstrar o quanto o céu o deixava cansado.

— Ele parecia animado demais para quem estava indo a procura do próximo satanás — Ashton ri sem humor e estende a mão em direção a cadeira a sua frente, indicando para que o visitante se sentasse.

— Ninguém sabe ao certo como essa criatura é ou se de fato é humano. — Diz sentando-se. — Mas realmente para inexperientes isso pode soar "divertido". — Seu tom era totalmente provocativo enquanto mencionava Luke.

— Luke não é inexperiente, Calum, sempre foi o mais esforçado entre os Serafins e leva a sério seu trabalho, diferente do seu querido demônio da luxúria. — Ashton não aceitava que falassem algo dos anjos, ele era responsável por todos abaixo dele e todos davam seu melhor.

— Michael? Ele é mesmo um inconsequente, mas é um dos mais fortes. — Ele diz com relutância por ter que admitir que o Arcanjo estava certo. — Aqui tem uma boa visão da Terra ein. Como vai seu humano favorito, Ashton? — Calum, desesperado pra mudar de rumo o assunto, decidiu tocar no ponto fraco do loiro.

— Não tenho um humano favorito, Calum — Ashton fecha totalmente sua expressão, olhando com seriedade intensa para o demônio.

— Ashton, Ashton, Ashton, você pode enganar a todos, inclusive o seu precioso Deus, mas não engana nós demônios, afinal, inventamos isso. — Calum diz com um sorriso malandro.

— Não marcamos uma reunião para falar disso. — Ashton rapidamente procura mudar de assunto. — Luke e Michael estão na terra em busca do anticristo e precisamos monitora-los.

— Verdade. — O sorriso permanecia em seu rosto, mas agora se aproximou do arcanjo para poder observar melhor onde os dois haviam acabado de se encontrar. — Vamos ver quem sairá vitorioso dessa.

Luke não poderia esconder o quão orgulhoso estava de si mesmo por receber uma missão tão importante. Seu superior havia escolhido ele para ir em busca do anticristo, quase como salvar o mundo.

O loiro poderia ter ido a pé como um humano até o local que Ashton lhe repassou mas não era segredo para ninguém que o Serafim era apaixonado pelas suas asas e o vôo. Era ótimo voar, ele apenas não esperava a presença de certo ser das trevas no lugar marcado, o fazendo quase cair no momento de pouso.

— O que faz aqui? — Era quase impossível para o anjo evitar sentir uma forte perturbação com a presença de um dos principes das trevas. Quase que automaticamente ficava em postura defensiva preparado para um combate, como forma de não transparecer que o demônio o enfraquecia.

— Bingo, mais uma vez eu estava certo. — O sorriso branco, perfeitamente alinhado permanecia em seus lábios desde que havia ouvido o som das asas de um anjo. — Luke, mas que honra tê-lo aqui. 

— Não posso dizer o mesmo a você, Michael. — O loiro tinha uma expressão séria no rosto, porém, parte de si lutava contra o desejo que o demônio transmitia. — Está em busca do anticristo?

— Mas é claro, meu irmão ficaria triste se seu filho fosse levado para um lugar tão ruim quanto o céu. — Ele faz uma careta, imaginando como seria viver no céu com todas aquelas regras.

— Ele com certeza não será levado para o inferno. — Michael possuía uma aura que despertava desejo em qualquer um. Anjos não deveriam ser afetados por ela do jeito que Luke era. — Não comigo nessa missão.

— Que bonitinho! — Michael umedeceu os lábios e se aproximou do anjo. — Você acha realmente que vai vencer isso. — Clifford tocou as asas do Serafim, admirando-as.

— Não encoste em mim. — Luke se afasta do principe das trevas tentando não deixar transparecer que aquele mínimo toque fez um arrepio percorrer sua espinha. — Eu vencerei, Michael, o bem sempre vence.

— Não precisa se afastar tanto também, Hemmings. — Se aproxima novamente, mas mantendo certa distância. — Pois é... Sobre esse clichê, já está na hora de acabar né?

Dito isso, com sua velocidade sobre-humana, adentrou a casa na qual eles estavam parados em frente discutindo e foi para o quarto do bebê. Michael pegou a criança no colo de qualquer jeito e olhou nos olhos dela, tentado sentir a energia que ela deveria emanar, mas não sentiu nada de demoníaco.

 Luke seguiu o mesmo caminho que Michael, tão rápido quanto ele. Adentrando o quarto e olhando o demônio com a criança no colo.

— Você não consegue nem segurar um bebê, acha mesmo que tem capacidade de achar o próximos senhor Diabo? — O loiro utiliza um tom de deboche pegando o pequeno garotinho que estava no colo de Michael, sentindo a pureza e inocência sendo exaladas pelo pequeno humano, quase esquecendo do demônio ao seu lado.

— Ainda bem que nunca quis ser pai. — Ele da de ombros e continua olhando para a criança. — Tem algo de errado, ela é só uma criança normal. — Michael fecha a cara.

Se caso esse fosse o herdeiro do Inferno ele ou ela deveria ter uma aura mais agressiva do que aparentava, mas esse bebê parecia quase puro demais. De alguma forma ele sabia que aquele não era o que o Serafim e ele veio buscar, o que tornava toda essa missão um completo desperdício.

— Aparentemente nossos superiores cometeram um erro. — Luke devolve a criança ao berço e se vira para Michael. — O anticristo será meu, Michael. — O anjo fala antes de abrir a janela do quarto e sair voando por ela, sua mente um pouco nublada pela aura de luxúria de Michael.

Clifford deixa um sorriso insolente escapar de seus lábios e vai para a janela observar Luke se afastando. 

— Do mesmo jeito que você está disposto a capturar ele, eu estou disposto a não desistir. 

Ele falou para o vento e olhou para a criança no berço que desde o momento que eles haviam entrado no quarto, observava a cena quieto. Michael mordeu os lábios pensando no que poderia fazer com ela, mas logo desistiu quando sentiu rastros da energia angelical do loiro nele. Saiu pela janela e tomou um novo rumo para o Inferno. Ele teria que se esforçar nessa missão.

— Sentiu a agitação entre eles? Existe uma forte força entre esses dois — Ashton pergunta passando o dedo pelo seu maxilar pensativo. — Michael possui uma desarmonia natural e é impulsivo demais, impulsividade não é bom em uma missão como essa, principado. — O arcanjo sorri ladino provocando o ser infernal.

— Com certeza tem certo fervor entre eles e a rivalidade ajuda a crescer mais isso. — O seu tom deixava exposto que ele apoiava tal rivalidade. — Verdade, o principe é muito impulsivo, mas essa também é a maior qualidade dele se você analisar bem. Por outro lado, Arcanjo, o seu Serafim pensa muito e ataca pouco, não me surpreenderia se algum dia ele morresse de vez. — Calum falou num tom duro e se levantou da cadeira.

— Pensar é a maior qualidade de Luke, Calum, o jovem anjo traça estratégias, seu irmão, por outro lado, age demais e pensa pouco, não me surpreenderia se algum dia ele morresse de vez. — Ashton se levanta e acompanha o demônio até os portões do céu. — Mantenha contato e fique de olho em Michael. — O arcanjo se vira para voltar ao reino angelical mas se interrompe apenas para trocar algumas últimas palavras. — E Calum, mantenha seus inferiores longe dele.

— Não precisa se preocupar com isso, não vai acontecer já que eu mesmo o treinei. — Respondeu já saindo do céu. Um sorriso divertido aparece no rosto de Calum ao ouvir as últimas palavras de Luke. — Ah não se preocupe com meus inferiores, se preocupe em deixar ele a salvo. — Pisca e sai andando. 

Apesar de anjos serem considerados os mais santos, eles geralmente são os que mais tem segredos.


Notas Finais


Se quiser me encontrar e encontrar a minha amiga (que faz a fanfic comigo) no twitter: @cashtonlove e @michouis


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...