História Fanfic: Alice No País Das Maravilhas De um Outro Jeito - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland)
Personagens Absolem, a Lagarta, Alice Kingsley, Chapeleiro Maluco, Coelho Branco, Gato de Cheshire (Gato Risonho), Personagens Originais, Rainha Branca, Rainha Vermelha, Tweedle-Dee, Tweedle-Dum
Tags Maravilhas, Revelaçoes
Exibições 13
Palavras 1.152
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


“Eu sonhava com alguém que fosse meio louco... Então você também tem que ser meio louca para sonhar com alguém como eu!"

*Na parte de Alice bastantes coisas serão reveladas*
*E um novo personagem aparecerá e ele foi inspirado em um "amigo" meu ~( Rafael Ti gosto bobão💞)*
Então é isso
E....
💠Boa Leitura💠
💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠

Capítulo 5 - Alice Kingsley 1-2


Fanfic / Fanfiction Fanfic: Alice No País Das Maravilhas De um Outro Jeito - Capítulo 5 - Alice Kingsley 1-2

**Narrando Gato Risonho**

Alice Kingsley, quem é Alice Kingsley?

Eu não podia simplesmente tirar Miranda de lá e destruir uma família não é mesmo? O que não foi dito a ninguém é que a Alice Kingsley e Miranda trocaram de lugar sem saber ou dar autorização pra isso, para que tudo acontecesse como eu queria tive que voltar o tempo e para-lo na Terra, o que não foi tão difícil já que tive um aliado.

E essa troca foi feita pelos caprichos da suposta Mãe de Miranda que veio a falecer, ela trocou a sua vida para que essa troca ocorresse nunca entendi o porquê, talvez nunca entenda.

Enquanto Miranda novamente crescia no chamado Mundo subterrâneo, tudo estava parado na Terra esperando pelos 13 anos de Miranda. Só via Miranda crescendo nunca interferi, pois ainda não estava no momento certo de meus atos "heroicos".

Miranda cresceu o suficiente e a vez de Alice crescer chegou.

***

**Alice Kingsley narrando 8 anos**

Estava lendo um livro em baixo de uma árvore do quintal da minha casa quando escuto um caminhão virar a esquina e me levanto rapidamente deixando o livro cair no chão, corro para a calçada e vejo que o caminhão parar na casa de frente pra minha, logo em seguida chega um carro preto que também para na casa que esteve vazia por anos, do carro desce uma mulher de cabelos ruivos e olhos pretos como o céu sem estrelas, desce também um cara alto de cabelos pretos como um tronco de árvore velha e gasta pelo tempo, e por fim desce um menino que tem os cabelos arrepiados e pretos e deve ter a minha idade.

O menino que eu vi ele olha ao redor e me nota, pensa um pouco e cochicha algo para mulher ruiva que creio ser sua mãe, ela confirma com a cabeça, ele atravessa a rua, e chega perto de mim, pensa mais um pouco e diz: "Oi, como se chama?", e respondo: "Alice Kingsley e você?”, ele não para de me olhar nos olhos não importa quanto tempo se passe ele não deixa de manter contato visual e enfim diz: "Rafael Rudolf", interessante.

Muito tempo se passa e continuo a conversar com Rafael, ele me fez rir algumas vezes, ele é um garoto diferente e eu gostei disso nele, e toda vez que ele está perto de mais eu sinto um frio estranho na barriga, que sentimento é esse que pra mim tão incomum que Rafael me faz sentir?

Rafael tem que ir, pois seus Pais estão chamando, espero ele entrar na sua casa e corro pra minha, vou direto para a cozinha onde encontro minha Mãe e pergunto o que quero tanto saber: "Mãe você já sentiu frio na barriga?", ela para de cortar o tomate e me encara, pensa um pouco e diz: "Que tipo de frio na barriga estamos falando?", indaga ela, respondo: "Daquele que quando o menino chega bem perto de você e sua barriga gela", minha mãe abre um sorriso, que não entendo o porque do sorriso, e diz: "Minha querida eu sinto esse frio na barriga todos os dias, seu Pai sempre provocou isso, você deve estar se perguntando o que é isso, isso acontece quando você se apaixona, Alice você se apaixonou!", fico espantada com o que descobri e saio correndo para a árvore a onde se encontra o meu livro, volto a me sentar em baixo dela, quando de repente ouço um barulho no portão dos fundos e vou lá para abrir e ver quem é, abro e dou um pulo de surpresa é o Rafael e antes que eu possa dizer qualquer coisa ele diz: "Você também sentiu...O frio na barriga?", fico mais surpresa do que já estou, e respondo: "Senti", ele sem dizer mais nada me da um beijo na bochecha e antes de partir diz: "Me apaixonar por você foi bom e quero sempre estar", e antes que ele possa ir eu o abraço e para que ninguém possa ouvir eu sussurro: "Eu também quero", paro de abraça-lo e dou um beijo em sua e bochecha o que o faz ficar vermelho e sair correndo, volto a me sentar de baixo da árvore e olho para o céu a onde algumas estrelas já estão surgindo e penso se apaixonar é bom, mais por Rafael será incrível, e fico lá por um bom tempo olhando as estrelas e pensando nele e esses pensamentos que passam pela minha cabeça fazem surgir pequenas faíscas que podem se tornar fogo, ou seja, algo real.

***

**Alice K. 10 anos**

Rafael R. virou meu melhor amigo, sempre que tem chance de pegar em minha mão, dar um beijo em minha bochecha e ou até mesmo quando tem a chance de me abraçar não perde tempo, como hoje estamos voltando da escola de mãos dadas, eu não ligo que ele tenha tais atitudes, pois eu gosto dele, Rafael Rudolf me fez ver faíscas, me fez ver cores, fez minha barriga gelar e acima de tudo me fez perder a batida do coração.

Entramos pelo portão dos fundos de mãos dadas e vejo meu Pai caído embaixo da árvore, sem pensar puxo o Rafael com toda a minha força para perto do meu Pai, me abaixo do seu lado e Rafael faz o mesmo, o chamo uma vez, duas, três, quatro, cinco vezes e nada.

Rafael sem saber ou ligar para o que eu queria ele disse: “Sobe pra casa da Árvore e me espera lá", sem questionar eu subi.

***

**Rafael R. 11 anos**

Eu sei que minha pequena Alice não faz a mínima ideia do que esteja acontecendo, mas eu sei, sei que o Pai dela morreu e não sei de que, decido então ligar param Mãe dela que não esta em casa, digo que acho que o Sr. Kingsley veio a falecer e ela diz que já estava vindo para cá com um médico.

Então subo para a casa da Árvore onde se encontra Alice abaixada com os joelhos próximos ao seu peito choramingando, ela me olha com os olhos um pouco tristes e parece que algumas lágrimas saíram de seus lindos e penetrantes olhos azuis, sem pensar duas vezes eu a abraço fazendo com que fiquemos de joelhos um de frente para o outro, sussurro em seu ouvido: “Vai ficar tudo bem pequena, eu estou aqui", ela se solta um pouco de mim mais não totalmente, somente o suficiente parar me olhar profundamente, sem pensar duas vezes eu beijo seus lábios rosados, ela demora um pouco para corresponder mais quando corresponde sou correspondido com a maior vontade do Mundo, perdi até a noção do tempo ficamos nos beijando e a única coisa de que mais tive certeza foi de que estar no meio das lágrimas de Alice a beijando reconfortou até a sua alma, eu sei e senti que hoje nos encontramos verdadeiramente em nós mesmos.

 


Notas Finais


💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠💠
Vai ter mais Alice e Rafael no próximo Capítulo só que mais intenso....
Então foi isso
E...
Fuiii

By: MnFfSantini


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...