História Fanfic G-Dragon - Same Traits - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Seungri, T.O.P, Taeyang
Exibições 45
Palavras 1.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOLTEI! Espero que gostem da minha fanfic.
Vou tentar postar dois capítulos a cada semana.
Espero que gostem ♡

Capítulo 1 - School


Fanfic / Fanfiction Fanfic G-Dragon - Same Traits - Capítulo 1 - School

Estava eu de novo mais uma vez me atrapalhando com os livros da Biblioteca. Meu Deus eu ainda acho que sou muito desastrada. Para quem não sabe eu ajudo a biblioteca da escola. Em que eu estudo, sou uma das "nerds" do terceiro ano do ensino médio.

Eu estudava em uma das melhores escolas de artes de Seul. Aonde você estudava e ainda recebia um curso. E eu fazia de dança. Era uma das melhores alunas, mesmo sendo muito tímida.

Por eu ser estrangeira, as pessoas não gostavam muito de mim. E a maioria das vezes não ligavam muito para a minha existência.

Talvez seja pela minha pele ser morena, talvez os meus cabelos serem diferentes. Lisos em cima e ondulados até acima da bunda. Ou talvez por eu ter um corpo mais ondulado do que as coreanas.

Até hoje não sei porque.

Mas idependente amava estar nesta escola, porque eu realmente lutei para entrar. Ela tem cinco donos, que se acham e pensão que tem toda a razão do mundo. Ai você me pergunta, você conhece eles? Não eu nunca os vi na minha vida. Mas esses são os boatos, então melhor deixar isso para lá.

Terminei de colocar os livros nos seus lugares. Que algumas pessoas mal educadas, deixam os coitados jogados em qualquer canto.

Eu tinha muita coisa para estudar. Mas o que eu estava mais preocupada, era com a apresentação de dança da escola.

Como eu era uma das únicas estrangeiras. E ainda com bolsa, tinha que lutar a maioria das vezes. Estudar muito, muito e muito.

...

Já estava na hora da última aula. E eu estava a assistindo com a maior atenção. Na verdade tentando, ter a maior atenção nela.

- Senhorita (S/N), você pode por gentileza levar esses papéis ao diretor. - A minha professora perguntou, enquanto eu tentava quebrar minha cabeça com uma de suas questões difíceis de História. Balancei a cabeça algumas vezes em forma de sim. Mas esqueci de responder.

- Claro, professora. - Fiz uma reverência com a cabeça. Fui até sua mesa, peguei os papéis e sai em disparada a sala do diretor.

Eu sabia que toda segunda, os donos da escola apareciam aqui. Para ver o desempenho dos bolsistas e dos alunos. Mas há boatos de que eles vem para pegar no pé mais dos bolsistas.

Até hoje nunca esbarrei em nenhum. Então acho que vai continuar sendo boato. Cheguei em frente a secretaria, e fui abrindo a porta da secretaria devagar. E pedi "licença" em tom baixo.

- Pois não? - A secretária, disse me dando um mini sorriso. E eu fiz o mesmo para ela.

- Você pode entregar isso ao diretor? A professora Sun Hwa pediu para entregar. - Coloquei os papéis em sua mesa.

- Claro, entregarei. Mas não posso este momento. Ele está em reunião com algum dos donos. - Ela deu um sorriso. Eu disse um "tudo bem" baixo e sai.

Saio da sala em passos rápidos. Já no corredor pego meu celular e fico mexendo. Enquanto vou para a sala, distraida acabo sentindo um impacto esbarro em alguém e acabo caindo no chão.

- Você deveria olhar para onde anda garota. - Ouço uma voz suave, ela era bem fresca mas não era tão grossa. Usou um tom grosseiro que acabei temendo isso.

Mas a pessoa que se esbarrou em mim, nem se quer me ajudou a levantar. Levantei sozinha lentamente. Vejo o mesmo bater um de seus pés freneticamente. Meu celular ainda estava em minha mão.

 - Não vai pedir desculpa? Em ? - Ele segura meu braço com força e o aperta. Levanto meus olhos e minha cabeça, e o olho. Minha expressão foi de assustada para pior.

Vi um dos donos da escola na minha frente, brigando comigo. Ele estava vestido com um terno charmoso. E como eu sei que ele é dono?

Simples, tem fotos deles na diretoria da escola.

- M-me de-desculpe, senhor - Disse com uma voz assustada. Ele poderia me mandar de volta para o Brasil em dois segundos se quisesse.

Eu viro minha cabeça para os armários vermelhos e limpos. Ao meu lado. Sinto que ele não afrouxou a mão. E ainda estava doendo.

- Vo-Você está m-e machucando - Mesmo assim não sinto ele afrouxar suas mãos.  Minha respiração e meu coração estavam acelerados.

Ele aperta mais sua mão que ainda estava rodeada em meu pulso. E que estava estendida até a altura de meu pescoço. Ele me puxa pelo braço, e faltava um fio para nossos corpos se encostarem. 

- Espero que você não apareça mais na minha frente. Se não está ferrada. E será punida. - Ele sussurra perto de meu ouvido. E meu corpo todo se treme.

 Depois disso me empurra fazendo eu cair no chão novamente. Sinto uma dor aonde sua mão me apertou fortemente. Sentia que aquilo iria virar um roxo feio. Eu espero também nunca mais me encontrar com ele. Aquele louco, pensei que ele iria me bater.

Ainda jogada lá no chão. Ouço o sinal tocar e levanto rapidamente. Vou direto para a sala pegar minhas coisas. Vejo que a professora não está mais lá então não ia precisar dar explicações por ter demorado.

Vou na maior preguiça guardar o material no meu armário. O abro e guardo tudo. Hoje não teria aula de dança. Parece que aconteceu algo com o professor. Mas isso é o de menos. Como já era 1:45 P.M. então não sabia o que fazer. Enquanto saia pela portão principal da escola. Observei que várias alunas suspiravam e cochichavam algo. Olho para a mesma direção que elas olhavam. E vejo os cinco donos da escola.

Observei mesmo que me jogou no chão. Como se eu fosse ninguém. Ele parecia uma pessoa bem nova. Tinha seus cabelos tingidos de laranja. E parecia tirar muitos suspiros das garotas.

Suspirei frustrada e revirei os olhos. Elas não sabem nem o que estão fazendo. Passei praticamente na frente deles. Meu caminho para a casa, era para aquele lado. Não podia fazer nada, vi seu olhar duro de ódio em cima de mim. Mas não liguei.

Fui direto para a casa eu precisava descansar e muito. Como ainda era cedo, as ruas estavam um pouco movimentadas.

Já na frente de meu prédio. Entrei nele em passos bem rápidos até o elevador. Eu morava em um condomínio com alguns prédios.

...

Já tinha tomado um banho, e colocado uma roupa confortável. Acabei tirando um chochilo e vi que ja eram 7:36 P.M.

Não sei porque mas lembrei que meu melhor amigo tinha faltado a aula. E eu fiquei definitivamente sozinha. Como eu tenho vontade de bater nele.

Não sabia o que fazer estava jogada em cima do meu sofá. Estava quase fazendo parte dele.

Ouço meu celular tocar. Mas estou com muita preguiça de pegar. Ele toca mais uma vez. Com o toque de que alguém enviou uma mensagem.

Me estico toda até a mesa de centro. E o pego.

Mensagem ON*

(S/A) estou indo te buscar, vamos tomar um café. Daqui a 15 minutos estarei ai.

- Sungoh

Mensagem Off*

Sungoh é muito folgado. Nem me dá tempo de dizer se quero ir ou não. Dou riso e suspiro frustrada. E saio correndo até o quarto. Abro meu guarda roupa rapidamente. E tiro uma calça e uma blusa qualquer de lá.

Já estava escurecendo e provavelmente deve estar frio. Coloquei as roupas em 5 minutos. E já estava arrumando meu cabelo. Enquanto andava de meia no banheiro. Espero que não molhe se não vou ficar chateada. Sai do banheiro e voltei ao quarto pegando meu moletom preto, acabo olhando para o meu pulso e vejo que ele está meio roxo. Acabo lembrando do ocorrido de hoje de manhã mas sacudo a cabeca levemente para tentar esquecer. Já correndo para a sala aonde estava meu tênis já estava quase terminando de colocar o tênis a campainha toca. Passo os olhos na minha casa, e vejo que tem algumas bagunças. Mas já sei que Sungoh iria reparar.

- JÁ VAI. - terminei de colocar o tênis, e mesmo com os cadarços desamarrados fui atender a porta. A abri e ele me olhou de cima abaixo. E olhou em volta. Enquanto entrava.

- Oque aconteceu aqui? Passou um terremoto ? - Ele deu um riso, e se virou para mim e deu mais uma risada. Eu continuava escorada na porta.

Dei um riso em meus pensamentos, quando previ que ele iria reparar. Ele bagunça meus cabelos com suas mãos, tirando todo o alinhamento e deixando o rebelde de novo.

- É talvez tenha passado um. E levado meus cabelos juntos. - Revirei os olhos e fechei a porta. Voltando para o sofá, queria terminar de amarrar meus cardaços.

- (S/A) não precisava se arrumar tanto. Nós só iremos tomar um café. - Ele sentou do meu lado, e passou os dedos em meus fios de cabelo. Tentando arrumar alguns fios rebeldes que o mesmo bagunçou.

- E você acha que isso é se arrumar? - Eu tiro sua mão de meu cabelo. E dou um tapa em sua testa. - Vamos logo. Antes que eu desista. - Ele dá uma risada, se levanta. Vejo que a manga de meu moletom subiu, e a desço em um segundo. Se Sungoh visse isso me iria me fazer milhares de perguntas. Uma coisa que não quero. Principalmente lembrar e hoje e daquele homem.

...

Já tínhamos saído de meu apartamento. As ruas de Seul estavam bem movimentadas. Por as pessoas já estarem voltando para casa.

Paramos no café, e tinha um carro bem luxuoso na frente dele. Coisa que eu não vejo a muito tempo. Andamos até a porta, e eu estava praticamente colada atrás do Sungoh. E quando ele abriu, fez aquele barulhinho de sino tocando. Segui os passos de Sungoh até a mesa.

Nos sentamos. Adorava ir naquele café, pois foi aonde conheci Sungoh. E por isso toda vez aceita ir com ele.

- Quer beber oque ? - Ele pegou um pequeno cardápio na mão. Que continha a capa de couro e a logo escrita na frente.

- Achocolatado. - Dei um sorriso para ele, mesmo assim estava me sentindo encomendada. Sentia alguém me observando.

- Assim você vai ficar gorda de tanto tomar chocolate. - Ele deu uma risada e bagunçou meus cabelos. Dou um tapa na mão dele.

- Gordo quem vai ficar é você. Idiota. - Reviro os olhos, e vejo Sungoh indo se levantar. Para pedir nossos cafés.

Neste momento já começo a arrastar meus olhos pelo café. Vendo porque de eu estar sendo observada. Enquanto meus olhos rodavam o lugar. Até que paro em um olhar intenso que me observava com seus olhos castanhos me olhando intensamente. Me sinto corar em um segundo. Meu coração começou a palpitar. Abaixo o olhar e viro para a frente. Continuo sentindo minhas costas queimarem. Não acredito que aqueles cabelos tingidos estão aqui.


Notas Finais


Continua ...
Para quem não sabe
(S/N) = Seu nome
(S/A) = Seu apelido

Me desculpem pelos erros!

Se gostou comente 💬
Se gostou mais ainda favorite ✴


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...