História The comedy of a love almost impossible - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer, One Direction
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Luke Hemmings, Michael Clifford, Niall Horan, Zayn Malik
Exibições 22
Palavras 4.855
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Cansada de gracinhas


Fanfic / Fanfiction The comedy of a love almost impossible - Capítulo 8 - Cansada de gracinhas

Carolyn Hemmings

Ainda com o coração apertado com os soluços contidos e lagrimas que eu queria conter, caminhei involuntariamente por aquelas ruas estranhas de Londres.

Era uma rua suja, mas bonita. Eram lojas seguidas de lojas. Todas decoradas para atrair clientela. Era tão lindo.

Limpei uma pequena lágrima que desceu sem querer e funguei.

Nunca havia me sentido tão sozinha na minha vida inteira e o ano mal havia começado. Sei lá. Parece que quando a gente chora, todos os nossos problemas se duplicam, triplicam e nós nos sentimos inferiores, as mesmas crianças fracas de sempre.

Bati o pé no chão e cruzei os braços encostando-me a uma parede, ao lado de uma lojinha que vendia comidas chinesas. Queria que Niall chegasse logo.

Era tão difícil aceitar que depois de tanto tempo meu coração estava palpitando por alguém novamente? Era. Principalmente por ele.

Puxei o maço do bolso e peguei um cigarro, depois o acendi. Se alguém soubesse daquilo...

Soltei a fumaça como quem solta um suspiro desesperado, então decidi apagar aquela minha revolta. Joguei o cigarro no chão e o apaguei, depois o joguei no lixo. Aquela não era eu, não queria que fosse.

- Ei, o que foi? – Niall havia chego, finalmente.

Virei meu corpo e o abracei forte, foi então que por motivos inúteis, desabei.

Ele mexeu em meus cabelos e eu funguei em seu ombro e tentei respirar fundo.

- Por que não foi no colégio? – soltei-o de uma vez e limpei as lagrimas que ainda escorriam – Todos estão preocupados com você!

- Eu sei. Eu sei. Desculpe-me! – digo tentando respirar fundo.

Fechei os olhos e acabei me lembrando daquele toque macio e dos movimentos circulares no meu ombro e contive-me para que o resto das lagrimas não voltasse a cair.

- Pode me levar para casa? – perguntei agora com os olhos abertos e marejando.

Niall não disse nada, apenas concordou e estendeu sua mão.

[...]

- O que é que você estava pensando garota? – minha mãe gritou, enquanto andava de um lado para o outro na sala.

Luke estava sentado na poltrona, me encarando. Meu pai estava em pé, parado e de braços cruzados, também me encarando em silencio. Enquanto minha mãe gritava e caminhava apressada.

- Achávamos que você tinha morrido! – ela gritou mais uma vez.

- Desculpe-me! Eu briguei com as minhas amigas e fiquei muito chateada, ai acabei passando a noite na casa da Elise. – menti descaradamente.

Odiava mentir. Era rara as vezes que eu fazia isso, mas agora esta se tornando algo muito comum.

- Elise? – Luke perguntou desconfiado – A nerd de Biologia?

- Sim. – concordei – Ela me ofereceu ajuda quando Liz jogou ponche em mim.

- Hm... – Luke respondeu.

- Carolyn, suba para o quarto e pense nos seus comportamentos! – minha mãe gritou.

- O que? – perguntei alterada – Não.

- Não? – todos perguntaram.

- Não. Já estou cansada disso. – suspirei – Podem parar de me tratar como criança pelo menos uma vez?

- Se você não agisse como uma. – Luke argumentou.

Aquela foi à gota d’água para mim.

- Ah cala essa merda que você chama de boca Luke! – gritei e me levantei do sofá, assim como ele – Por que em vez de cuidar da minha vida não vai comer as suas putinhas!

- Carolyn! – meu pai e minha mãe estavam indignados com o meu palavreado.

- Quer saber? Dane-se! – suspirei – Prefiro ficar no meu quarto trancadaa ficar aqui em baixo!

Subi as escadas com pressa e adentrei o meu quarto e tranquei o mesmo. Tirei o casaco de Harry de cima de mim e logo em seguida, tirei o pijama de sua irmã, só então percebi que o vestido da minha mãe, assim como o seu salto, suas bijuterias e meu celular haviam ficado na casa dele. Amaldiçoei-me por isso.

Coloquei o moletom quentinho e velho que estava dentro do armário pronto para ser usado naquele dia chuvoso. Sim. Era apenas o moletom e minha calcinha. O mais confortável possível.

Deite-me na cama e olhei para o teto e depois para a janela fechada e comecei a pensar que sou uma pessoa muito imbecil por achar que estava apaixonada por aquele garoto. Isso é impossível. Posso contar nos dedos às vezes que conversamos, na verdade, acho que nunca conversamos civilizadamente como ontem.

Naquele momento a única coisa que queria fazer era esquecer a noite passada e tirar Harry de meus pensamentos. Eu estou tão confusa, por que sinto que meu ódio por ele está maior, mas lá no fundo parece que isso não vai durar por muito tempo, sem falar que parece que as coisas estão passando tão rápido e eu sinceramente não sei se devo continuar com o pensamento de dar uma segunda chance a ele. Não quero me decepcionar.

Massageei as têmporas e suspirei, logo em seguida puxei meu edredom e cobri todo o meu corpo. Virei-me para o lado e comecei a contar alguns números, fazia isso quando queria dormir rápido e como sempre, funcionou.

Harry Styles

- Eu sabia! Bem que eu senti falta dos insultos dela no colégio. – digo me jogando na poltrona do quarto de Ash. – Mas ainda não entendi. O que eu tenho haver com isso?

- Como assim o que tem haver? Harry acorda! Louis me disse que você a seguiu depois que ela teve aquela surpresinha com o ponche. – ele riu – E eu quero saber no que deu? Conseguiu leva-la pra cama e...

- Ash. Ash. – interrompi o mesmo – Não rolou nada. Digo, - suspirei – quase fui atropelado, mas ela me salvou. Acabou batendo a cabeça e eu a levei para minha casa, Claire cuidou dela. Foi apenas isso. – encurtei a história e não dei grandes detalhes depois disso.

- Harry, não minta.

- Ashton o que quer que eu diga? Não transei com ela e pronto, ok? Tentei ao máximo, juro. Mas ela não quis. Não me da bola e eu estou cansado. Estou cansado dela. – joguei minha cabeça para trás – Vou dizer a mesma coisa que disse ao Zayn, estou desistindo da aposta. Vou arrumar a grana de vocês.

- Qual é cara. Vai desistir assim? Vai deixar aquela garota marrenta se safar pela sua humilhação? – Ashton sentou-se na sua cama e me encarou – Me diz Hazza, há quanto tempo não transa com uma garota?

- Não é questão disso.

- Vai me dizer que você está com medo de tirar a virgindade dela! – Ashton riu – Cara estou te dizendo, se for isso, você vai se arrepender, pois tirar a virgindade de uma garota é muito bom! – ele riu e bateu palmas.

- Ash, não é isso. Só não a suporto. Nem me sinto mais atraído. Só não a suporto! – digo.

- Então quer dizer que você se sentia atraído? – Ashton pegou sua bola de futebol americano em cima da escrivaninha e se deitou na cama e começou a joga-la para cima.

- Não cacete! Você é a segunda pessoa que está me perguntando isso! Não estou e nem estive atraído por essa garota. Estou apenas tentando dizer que ela vai ser um problema para nós, em todas as circunstancias. – bufei.

- Sinceramente Bro, não estou te reconhecendo. Achei que não tivesse medo de nada.

Pensando dessa forma, até que seria bom continuar provocando aquela garota e provar de uma vez por todas que não sou uma pessoa que devem desafiar.

- Quer saber? Dane-se. Você tem razão. Harry Styles não desiste! – peguei a bola de suas mãos – Não desiste.

- É assim que se fala mano!

- Mas temos um problema! – apontei para ele com o semblante meio brincalhão.

- Qual?

- Não consigo conquista-la e vocês são péssimos para me ajudar. Ela não é como nenhuma garota que já pegamos, entende? – agora era eu quem jogava a bola para cima – Ela não suporta minhas brincadeiras. Não gosta quando dou um sorriso safado insinuando algo e muito menos quando a toco.

- Então, provavelmente, estamos lidando com uma garota a Bad Girl.

- Não seja inútil! – ri – Carolyn nem de longe é uma Bad Girl. Isso é ridículo. Pra mim Michael tem razão. Ela é uma madre imaculada.

- Em minha opinião se quer saber, ela está precisando apenas de um empurrãozinho para se soltar. Tenho certeza absoluta que por baixo daquele jeito marrento e inquestionável de personalidade forte, tem uma garota que gosta de ser tratada como uma vadia na hora do sexo.

- Ou talvez, ela seja uma daquelas garotas que gosta de ser chamada de princesa e receber flores de vez em sempre. Já vou logo avisando que não vou gastar dinheiro com ela.

- Olá seus Gays! – Zayn chegou junto com sua nova vadia – Espero que não se importem, porque eu trouxe a Liz.

- Olá! – ela disse meio desconfortável.

Ashton e eu nos entreolhamos e depois viramo-nos para ela.

- Lizzie, precisamos de algumas informações sobre sua amiguinha! – Ashton começou.

- Que amiga?- ela se sentou no colo de Zayn.

- Carolyn Hemmings! – digo cruzando os braços e sorrindo.

1: Frase de Caiu Fernando Abreu.

Carolyn Hemmings

- Já disse que não Niall. Não é pronto, além disso, depois do que eu fiz acho muito difícil meus pais me deixarem sair novamente, mas se quiser, pode tentar no próximo século, quem sabe eles deixam.

- Não seja chata! Se eu convencer Luke a deixar você ir, ele convence seus pais!

- Você é um gênio do mal, mas eu gosto disso. – ri – Niall sabe que estamos a mais de uma hora no telefone, não sabe?

- Sei. Também sei que minha mãe tem uma arma e que vai usa-la contra mim quando receber a conta de telefone desse mês. – ele suspirou enquanto eu ria.

- Acho então melhor que desliguemos, pois duvido que aqui em casa seja diferente. – ri mais uma vez com o pequeno drama do outro lado da linha.

- Mas eu preciso saber, se eu convencer Luke, você vai? – perguntou.

- Sim. Sim! Agora tchau magrelo! – desligo o telefone sem nem ao menos deixa-lo reclamar.

- Carolyn, o jantar está na mesa! – meu pai bate na porta com delicadeza.

- Não estou com fome. – respondi em um tom arrogante.

Sim, sou muito orgulhosa para pedir desculpas.

- Sua mãe fez frango assado com aquele molho que você gosta. – ele diz, tentando me comprar, mas confesso que estava quase levantando da cama.

Por fim, me rendi as tentações do frangocom molho Barbicue e abri a porta do quarto correndo.

- Onde está o frango? – perguntei abrindo a porta.

Harry Styles

- Carolyn? – Liz revirou os olhos – O que quer saber?

- Em primeiro lugar, o que ela não suporta em um garoto. – Ashton disse por mim.

            - Resumidamente, pois sei que ela é exigente. – digo.

            - Resumidamente? – Liz repetiu e pareceu analisar a situação – Pra ser sincera, tudo que você é, - Liz diz direcionada a mim – ela odeia.

            Zayn começou a rir junto com Ashton, pois a cara que fiz não foi nada agradável, enquanto Liz dava de ombros.

            - Eu resumi exatamente o que ela não gosta. Foi você quem pediu. – defendeu-se.

            - Por favor, seja mais explicita! – digo suspirando enquanto Zayn e Ashton ainda dão risadinhas.

            - Quis dizer que Carolyn não gosta de garotos galinhas, arrogantes e safados toda hora. Obvio que eu não duvido que ela goste de uma safadeza, mas tudo tem hora certa pra ela...

            - Você quer dizer que ela acredita em príncipe encantado ou coisas do tipo? – perguntei debochado.

            - Não. Nisso ela não acredita, mas se você quer realmente ganhar a aposta, deveria rever seu comportamento. – ela diz por fim e da um beijo em Zayn.

            - Como é que você sabe da aposta? – perguntei a encarando e olhando para Zayn de canto.

            - Desculpe dude, eu contei. – Zayn diz.

            - Às vezes acho que você não tem cérebro, sinceramente! – Ash comentou e eu ri.

            - Calem a boca seus idiotas. Meu baby é super inteligente. Não é amor? – Liz beijou o topo de seu nariz.

            - Ash pode trazer um balde? Estou com vontade de vomitar. – digo fingindo estar enjoado, assim como Ash.

         Carolyn Hemmings

            Ao amanhecer no dia seguinte, o alarme do despertador fez com que meus ouvidos doessem pelo volume alto. Encarei a porta branca do quarto e revirei os olhos, lembrando que teria aula. Ótimo, meu plano de esquecer aquele babaca do Styles foi por água abaixo. Não queria ver aquele garoto nem pintado de ouro pelos seguintes motivos: porque ele é insuportável, porque ele me deixa confusa, porque ele é estranhamente bonito.

            - Onde eu fui parar. De ódio para confusão! – digo para mim mesma ainda deitada na cama – Foco Carolyn!  Volte sentir apenas ódio! Ódio!

            Era quinta feira, e por mais que Niall tivesse me dado esperanças de sairmos na sexta junto com Liam, Luke e Calum, meu corpo estava desanimado, assim como minha mente.

            Levantei-me da cama o mais sonolenta possível que conseguem imaginar e tonteei pelo quarto, indo para o guarda roupa e dispensando o banho, que em minha opinião, não precisava. Também dispensei os casacos absurdamente quentes, já que a neve já não era tão incomoda assim, pois a primavera logo começaria.

            Vesti uma calça jeans que eu nem me lembrava de que tinha e uma blusa regata branca e coloquei por cima um moletom cinza, nos pés calcei uma bota e por fim, prendi meus cabelos em um rabo de cavalo. Puxei minha mochila de cima da escrivaninha e coloquei alguns cadernos, já que os livros ficaram no meu armário, depois abri a porta do quarto e desci as escadas, percebendo que ninguém estava em casa, a não ser eu.

            O dia já começou bem – pensei irônica.

            Não fiz questão de tomar café, já que não tenho apetite de manha.

            Tranquei a porta de casa e comecei a andar para o colégio, que fica a um quarteirão. Suspirei cansada, contando quantos meses faltavam para o final do ano. No total deram dez meses, fazendo com que eu ficasse mais cansada ainda.

            - Que cara é essa? – Calum apareceu na minha frente me fazendo pular com o susto.

            - Se não quiser levar um soco da próxima vez, por favor, avise que está do meu lado. – suspirei.

            - Mau humor?

            - Sempre. – bufei.

            - Onde está Luke? – ele começou a caminha ao meu lado.

            - Não sei. Quando acordei todos já haviam saído.

            Calum riu e lhe soquei o braço.

            - Ai! – me olhou incrédulo – Por que fez isso?

            - Desculpe, não queria desperdiçar carne mole.

            - Não sou carne mole.

            - É sim.

            - Não sou.

            - É sim e cala a sua boca! – digo rindo.

            - Olá! – Niall veio cantando.

            - Oi Nialler. – Calum o cumprimentou sorridente – Feliz?

            - Sim! Tenho boas novas! – ele continuou a cantarolar.

            - Hm, até que enfim alguma noticia boa. – digo.

            - E ela envolve você! – Niall deu um pulo – Consegui convencer Luke, seu querido irmãozinho, de deixar você ir com a gente na boate amanha! – Niall fez uma dancinha – Agora diga quem é o melhor amigo do mundo? Hein?

            - Não sei. Não tenho melhores amigos! – provoquei.

            - Sabia que você me considerava seu irmão! – Niall provocou de volta e eu revirei os olhos.

            - Posso ser incluído na conversa de vocês ou vou continuar sofrendo bullying? – Calum perguntou.

            Olhei Niall e ele olhou de volta:

            - Sofrendo bullying. – dissemos juntos.

            - Ótimo. – Calum revirou os olhos.

            [...]

            Quando pisei o pé no colégio todos os olhares foram direcionados a mim, alias, há dois dias eu havia sido humilhada pela minha melhor amiga. Sim, ainda a considero assim.

            - Oi garota ponche! – alguns garotos passaram falando comigo.

            - O ponche estava uma delicia na festa. – alguns piscaram.

            - Vão encher o saco da mãe de vocês! – passei entre eles.

            Calum e Niall davam risada.

            - Estão rindo do que? – perguntei e eles ficaram sérios, tentaram.

            - De nada! – eles riram mais.

            - Sabe do que eu vou rir? Do tapa na cara de vocês que eu vou dar se não pararem com essa patifaria! Pelo amor queridos! – digo revoltada e eles ficam realmente sérios dessa vez, mas depois voltam a rir.

            - Tchau! Estou indo para sala! – digo quando percebo que eles não vão parar.

            Caminhei até minha sala devagar com a mochila nas costas, quando entrei percebi uma grande movimentação.Styles.

            - Bom dia loirinha! – algumas garotas me olharam – Garotas está na hora de vocês irem! – ele diz como se fosse alguém carinhoso e todas elas fazem um som que era pra ser triste, mas que soou feliz pra mim.

            Quando a sala ficou vazia, Harry veio em minha direção e ficou parado na minha frente me olhando. Ele tocou meu rosto devagar e meu coração começou a acelerar estranhamente:

            - Se não parar com isso vou te socar. – digo me desviando de sua mão.

            - Delicada. – debochou.

            Revirei os olhos e fui me sentar o mais longe possível dele, mas como um cão, ele me seguiu.

            - Conte-me, como saiu sem que eu percebesse? – perguntou sobre a noite que eu passara em sua casa. Finjo não saber de nada.

            - Não sei do que está falando.

            Ele fez uma careta e olhou para porta e se debruçou sobre a mesa:

            - Obviamente você não quer que ninguém saiba, mas não finja que não houve nada.

            O encarei inocente.

            - Mas não houve nada! Styles do que está falando?

            - Carolyn! – Harry diz rindo – Você não serve para atuar.

            Neguei com a cabeça.

            - Vá para outro lugar, por favor, pois sua presença me incomoda.

            - Tudo bem.

            - Tudo bem? – perguntei indignada – Está doente?

            - Não, mas se você quer isso.

            A meu querido, pode ter certeza que eu quero você o mais longe possível de mim.

            Ele piscou para mim e saiu, voltando para sua carteira.

            [...]

            - Não esqueçam alunos, próxima semana as avaliações mensais vão começar. Estudem, pois a matéria não está difícil. – Crysten começou a falar no final da aula, antes do intervalo – Para a minha matéria quero que estudem da página dezessete até a quarenta e sete.

            - Mas isso é muito professora! – Beth começou a reclamar.

            - Foi o que vimos até agora senhorita Elizabeth. Se quiser se sair bem sugiro que estude isso. – ela diz e vejo Beth revirar seus olhos castanhos e arrumar o cabelo ruivo em um rabo de cavalo.

            O sinal finalizando a aula tocou e o primeiro a sair afobado obviamente foi Styles, seguido de Zayn e infelizmente Lizzie, mas Beth ficou.

            Deixei meu material em cima da mesa e peguei meu sanduíche:

            - Ei! Lynposso falar com você? – Beth perguntou apressada.

            Hesitei um pouco, mas assenti e sorri. Eu havia me esquecido completamente de Beth em meio essa batalha minha e de Lizzie.

            - Bom, - ela olhou para os lados – podemos falar em outro lugar?

            - Hm, claro. – ela sorriu.

Ela levou consigo apenas o celular e me guiou até o banheiro feminino do colégio em silencio, entretanto, quando chegamos ao mesmo, ela desatou a falar:

- É horrível Carolyn! Eu não aguento mais! – ela suspirou enquanto falava de algo ou alguém.

- Ei! Espere, espere! Do que você está falando? – perguntei abanando as mãos.

- Lizzie! – ela balbuciou e me encarou triste – Carolyn, se você ainda se preocupa com ela, por favor, eu te peço não a deixe agir dessa maneira.

- Mas o que ela está fazendo exatamente? – perguntei.

Ela olhou o relógio digital do celular.

- Sinto muito mesmo, mas preciso ir. – ela suspirou e puxou minha mão – Carolyn amanha, antes da festa na nova boate, Lizzie irá comigo a uma racha, junto com os garotos.

- UMA RACHA? – perguntei quase gritando e Beth tapou minha boca com uma das mãos.

- Se você quer mesmo ajudar Lizzie, vá ao racha e você saberá o que fazer! Eu preciso ir agora! –ela diz e tira sua mão de mim e depois sai pela porta do banheiro.

Quando dei por mim, estava apoiada em uma das pias do banheiro nojento daquele colégio, olhando para o chão e sentindo meu corpo suar frio de uma maneira horrível.

Será mesmo que Lizzie está usando drogas? Se prostituindo para pagar sua divida? Eu sinceramente estou tão confusa.

Passei uma das mãos no cabelo e suspirei pesadamente.

Styles novamente estava envolvido. Esse era o momento perfeito para socar aquela cara sonsa dele.

- Agora você vai me ouvir Styles! – resmunguei para mim mesma.

Que diabos eu ia fazer? Deixei-me levar pela situação e quase acreditei que Harry era uma boa pessoa e que merecia uma chance. Há! Eu sempre erro em relação às pessoas. Tentei esquecer todo o mau que ele me fez, mas não, ele sempre estraga as coisas, mas agora está na hora dele escutar algumas verdades.

Quando sai do banheiro dei de cara com Zayn rindo de algo que estava vendo em seu celular. O fuzilei de longe e fui até ele com passos largos e pesados, arranquei o celular de sua mão e o prensei na parede:

- Você ficou maluca garota? –ele indagou me empurrando e me fazendo soltar sua camisa – Quem você pensa que é?

- Estou sem paciência, então só vou perguntar uma vez ZaynMalik. Onde está o Styles? – bufei com os olhos penetrando em seu rosto.

- Carolyn, você pode parar de fazer essa cara de endemoniada? Está me assustando. – ele encostou-se à parede e ficou um pouco perplexo.

- Zayn, onde está o Styles?

- Está no banheiro masculino! – ele arqueou as mãos para cima com medo e depois saiu correndo.

Harry que me aguarde!

No meio do caminho para o banheiro masculino, que por sinal não era tão longe assim, arranquei meu moletom e o joguei dentro do meu armário.

Caminhei pelo corredor e avistei a porta do banheiro ao fim dele e como antes, caminhei com passos largos e pesados até chegar lá. Empurrei a porta com o pé com toda a minha força e pude ver alguns garotos em plena necessidade.

- Wow! Tem uma garota no banheiro! Tem uma garota no banheiro! – um deles gritou enquanto fechava o zíper da calça, enquanto corria junto com seus outros amigos idiotas.

Não foi difícil de achar Harry depois disso. Ele estava ao fundo do banheiro, usando o miquitório, de costas para onde eu estava.

Ele terminou algo que deveria estar fazendo e subiu o zíper da calça, então se virou e notou minha presença.

- Você para ser um anjo só falta asas. – ele diz com um sorriso safado no rosto.

- E pra você ser uma mula também!

- Loirinha mula não tem asa.

- Então não falta nada! 

Ele arqueou as sobrancelhas e riu.

- Quem te viu quem te vê! – ele comenta e vai até a pia lavar a mão.

- Garoto, precisamos bater um papinho reto aqui, está me entendendo? – falei.

- Carolyn, você deveria usar mais esses tipos de blusa! – ele apontou para minha regata.

Fui até ele e chutei sua perna, fazendo com que ele caísse no chão.

- Eu acabei de lavar as mãos cara! Que nojo! – ele diz encarando o chão onde estavam suas duas mãos.

Passei minhas pernas por suas pernas e fiquei em cima dele de pé, apenas o encarando feio.

- Se eu tivesse uma mãe como você loirinha, mamaria até os trinta anos! – ele diz encarando meus peitos.

- Se eu tivesse um filho como você mandava pro circo!

- Nossa loirinha, assim você me chateia demais!

Puxei sua camisa e o fiz levantar do chão.

- Wow! Suas pupilas estão dilatadas! Andou fumando? – ele perguntou rindo.

- Não, na verdade isso é apenas raiva! – sorri cínica.

- Raiva? De que?

- Em primeiro lugar... – dei-lhe um tapa no rosto.

- Em segundo lugar... – ele puxou meu corpo para ele e contraiu minha boca com a sua.

Saltei para trás e o olhei irritada.

- ESTOU CANSADA DAS SUAS GRACINHAS! – gritei.

- Minhas gracinhas?

- Não se faça de vitima, pois é a ultima coisa que você é! – grunhi – Olha sinceramente garoto, eu até pensei em te dar uma segunda chance, mas sabe, não da! Sempre que eu tiro minhas próprias conclusões boas de você, você vem e prova o contrário. – suspiro – O que te deu na cabeça Styles? O que te deu na cabeça pra levar Liz a uma racha? E Beth? – apontei para o nada.

Harry fez uma cara indiferente e respondeu:

- Mas eu não as convidei para o racha de amanha. – ele fez uma cara obvia.

- Como assim não as convidou? Elas vivem com você agora, tem que ter sido você.

- Loirinha, não fui eu.

 - Poupe-me de seu fingimento Styles! – ri e comecei a andar para a porta, mas senti sua mão segurar meu pulso.

- Carolyn, eu estou falando serio. – ele me virou para ele – Não as convidei para o racha.

Suspirei cansada, pois percebi que ele estava falando a verdade. Não que eu conhecesse ele o suficiente para saber se ele esta mentindo ou não, mas o tom sério que ele sibilou a frase me fezperceber algum tipo de sinceridade.

- Acredito em você, mas se eu descobrir que você está mentindo considere-se morto. – tentei relaxar os ombros e olhei em volta.

- Se quiser, posso descobrir pra você quem as convidou. – ele soltou meu pulso e sorrio – Mas só se você me der um beijo, mas um beijo de verdade.

Ri.

- Acho melhor você parar de sonhar comigo Styles, está afetando seu cérebro, de verdade.

- Que modéstia, mas não vou negar. Adoro sonhar com você, se é que me entende. – ele me rodeou por um momento, mantendo seu olhar no meu corpo e principalmente no decote da minha blusa.

-Você pode parar?– empurrei seu corpo para trás – Não gosto disso! – cruzei os braços em cima dos seios para que ele parasse de olhar, mas ele apenas riu e ficou me encarando.

- Então, vai querer minha ajuda ou não? – encostou-se a uma porta do banheiro e me encarou com um sorriso.

- Se você pensa que vou te dar um beijo, está enganado. – adverti – Não tem chance comigo.

- AH! Não tenho? – ele fez uma careta debochada e voltou a se aproximar de mim – Mas se eu escutei direito, você estava tirando conclusões boas sobre mim e estava até pensando em me dar uma segunda chance.

Ele continuou a se aproximar de mim e eu fui andando para trás até encostar-me à parede suja e grudenta do banheiro. Ele continuou vindo e me prensou mais contra a parede e eu comecei a me desesperar. Meu coração queria agarra-lo e minha mente queria me socar por deixa-lo fazer aquilo. Acabei por seguir meus pensamentos e me desvencilhei do garoto, que apenas riu.

- Você não cansa de me encher? – perguntei, procurando pela porta meio confusa.

- Não! – ele sorriu, mas parou quando escutou algo vindo de fora.

- Puta merda! O diretor! Sai da minha frente! – o empurrei pro lado e entrei em uma das cabines vazias do banheiro masculino.

Apenas depois de trancar a porta e por os pés em cima do vaso dei-me conta de que havia derrubado Harry no chão:

- O que está fazendo aqui Sr.Styles? – o diretor perguntou e eu tentei observa-los na ponta dos pés por cima da porta, mesmo sendo arriscado.

- Bom, provavelmente usando o banheiro. – ele diz se levantando do chão e encarando a porta do banheiro onde eu estava. – E o senhor, o que faz aqui? Porque pelo que sei, tem seu próprio banheiro.

- Denuncias de alguns garotos do primeiro ano de que uma garota invadiu o banheiro. – me encolhi um pouco mais.

Meu corpo começou a se arrepiar e meu coração estava batendo forte. Não sei se o diretor vai aceitar mais alguma brincadeira minha.

- Nossa, que má sorte! – Harry diz em um tom decepcionado – Deveria ficar mais tempo no banheiro, vai que uma gata entra e rola uns...

- Não na minha escola Sr.Styles. Não na minha escola! – o diretor o interrompe bravo.

“Isso babaca, continue a o irritar, talvez assim ele te mande para a diretoria e me deixe em paz.” – pensei irritada.

- Me desculpe senhor, mas sabe, não estou vendo nenhuma garota aqui. O senhor deve ter escutado algo errado.

- Eu sei muito bem o que escutei Sr. Harry. – ele diz com um tom desconfiado – Não está me escondendo nada, certo?

- Eu? Claro que não.

- Então não se incomoda de abrir as cabines do banheiro para mim, certo?

- Ah... Bom, é que estou no meio do intervalo... – Harry começou – Tudo bem, eu vou abrir. – ele suspirou e eu tive que me conter para não arrombar a porta e soca-lo.

Era obvio que ele iria fazer algo. Aquele garoto não me engana. Tenho certeza que ele, além de estar tramando algo com seus amigos, quer me ver longe desse colégio e da sua própria vida, não seria novidade se ele me entregasse ao diretor.

Escutei uma das portas sendo aberta e meu único pensamento foi “Fodeo”.

Outro barulho de porta sendo aberta me fez me encolher mais. Não teria escapatória, a não ser...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...