História The Love Is Crazy - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Five Nights at Freddy's
Personagens Bonnie the Bunny, Chica the Chicken, Foxy the Pirate, Freddy Fazbear, Mangle, Toy Bonnie, Toy Chica, Toy Freddy
Tags Fangle, Five Nights At Freddy's, Foxy, Foxy X Mangle, Mangle, Yandere
Exibições 93
Palavras 1.212
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi!
Bem, eu excluí o capítulo anterior pois o Spirit não aceita capítulos de aviso. Caso você o perdeu, eu expliquei minha falta de postagem e que haveria um especial: um ask! Deixem suas perguntas para qualquer personagem, pode ser o que quiser -q eu vou estar esperando ter o suficiente pra fazer um ask decente -q
Qualquer mudança de escrita, não estranhem, o tempo mudou minha escrita também -q mas tá praticamente o mesmo de antes, só a pontuação que tá diferente, mas acho que por conta própria vocês não perceberiam c:
Valeu e boa leitura!

Capítulo 14 - Festa (parte 2 de 2)


[Leiam as "notas do autor"]

Quando entramos, já senti certo incômodo pela grande quantidade de pessoas, parecia uma balada. Tocava uma música eletrônica e todos seguravam um copo ou garrafa de cerveja. Todos ali provavelmente nem tinham 18 anos, mas ninguém nunca liga pra isso mesmo.

— Awwnnn, vocês chegaram! — alguém nos abraçou por trás, e era Toy Freddy segurando um copo, parecia mais louco que o normal — Achei que nunca iam chegar!

— É claro que a gente vinha! — exclamou a T.C — Diz aí, aonde tá o resto? — deveria estar se referindo aos nossos outros amigos. Toy Freddy deu um gole rápido.

— Candy e Cindy tão por aí, o Foxy... também, e... o Bonnie tá por aí também. — lancei-lhe um olhar de dúvida.

— Você tá falando daquele Bonnie? O coelho roxo lá? — assentiu. Me perguntava o que ele iria fazer ali, mas era o de menos, tinha que me preocupar para que ele não se encontrasse comigo e acabasse estragando tudo (independentemente se eu tinha planos ou não, ele ia estragar tudo).

— NOSSO HERÓI! — gritou o Toy Freddy e apontou para alguém. Me virei e era o Foxy, que revirou os olhos — Aonde você-

Toy Freddy colocou a mão na boca e correu, iria vomitar talvez. Nós rimos os três juntos e por breves segundos ficamos calados.

— Eu não esperava que você aparecesse, — disse o Foxy — Mang. O que te fez vir?

— Curiosidade... conta? — rimos juntos.

— Talvez... não tá se sentindo perdida no meio de toda essa gente?

— Sim, eu acho... é estranho.

— Mas você é nova demais pra essas coisas, aqui é lugar pra adulto moça. — ele sorriu e eu cruzei o braço.

— Engraçado você, né?! — nós rimos.

— Alguém pode atear fogo na minha cabeça, por favor? — perguntou Toy Chica, nós olhamos pra ela — Aí eu me transformo completamente numa vela.

— Foi mal aí. — disse Foxy.

— Whatever, eu já vou mesmo assim. — disse indo embora. — Meah, não fui paga pra ser vela nesse filme. — falou baixo mas audível a última parte. Novamente Foxy e eu nos olhamos.

Conversamos sobre coisas da escola, aleatoriedades e essas coisas aí até que alguém me surpreende colocando a mão no meu ombro. Rapidamente eu olhei de canto de olho quem era.

— Howdy! — "essa voz... eu odeio essa voz. O jeito dela... eu odeio você" pensei.

— Bonnie! — Foxy cumprimentou-o, eu o notei ter olhado brevemente para a mão do coelho no meu ombro, então ele (Bonnie) tirou ela dali. Foxy voltou a olhá-lo. — Não pensei que você vinha mesmo, achei que era miragem.

— Né não. — ele me olhou e eu correspondi — Oi.

— Oi. — respondi — Desculpa aí, mas tô com pressa. Vou ali na cozinha.

— Ah, ok. — disse Foxy e depois retornou a conversa com o Bonnie.

Cheguei na cozinha procurando algo pra beber. Rude da minha parte pegar algo sem perguntar se podia? Talvez, mas eu não queria me embebedar naquela noite, então um copo d'água era o suficiente.

— Mangle, — alguém me chamou a atenção, Toy Freddy novamente — faz favor?

— Diga.

— Você pode ir no meu quarto que fica no segundo andar, e pegar um pen drive que vai tá em cima da cama?

— Posso, mas onde fica seu quarto?

— Sobe as escadas, vai ter um corredor com... — fez uma breve pausa — três portas. É, três portas. Vá na segunda e pronto, lá é meu quarto.

— Tá.

— Me entrega na sala, valeu. — ele saiu em direção a sala de estar.

 Subi as escadas e cheguei na frente da segunda porta. Abri e parei instantaneamente ao ver que tinha interrompido uma cena bem... "romântica" pra não dizer outras coisas. Cindy estava sem a parte de cima e quando eu cheguei estava beijando o Candy (N/A: já avisei que aqui tem hentai, né?). Cindy corou violentamente.

— O-O Q-QUE VOCÊ QUER?! — gritou se cobrindo com as mãos. Eu peguei o pen drive preto que estava do lado deles e fiz um sinal de redenção com as mãos.

— Na-nada, só... só isso! — mostrei o objeto — Vim em paz, juro! — exclamei e fechei a porta do quarto e desci as escadas correndo.

Cheguei na sala de estar e entreguei o pen drive nas mãos do Toy Freddy.

— Eu não sei, mas... acho que é melhor você não ir no seu quarto. Não agora. — me lançou um olhar confuso, mas antes que perguntasse algo, eu fui para a cozinha.

Ela comparada aos outros cômodos parecia ser a mais vazia, era um alívio. Peguei um copo d'água e bebi. Na porta da cozinha, vi entrando o Bonnie, e de cara já me fitou. O encarei com um olhar mortal, ele retrucou.

— Está me admirando? — perguntei. Ele se aproximou mais um pouco.

— Eu que pergunto.

— Desculpa, mas você não faz meu tipo. Tente novamente mais tarde.

— E qual seria o tipo certo de uma psicopata? — falou baixo, por sorte não tinha mais ninguém na cozinha — Talvez eu me encaixe.

— Tente novamente mais tarde. — respondi com um leve sorriso no rosto.

— Ainda não terminamos aquilo, você sabe, não é?

— Sei perfeitamente... e quando vamos concluir, hein? Eu não vou ter horário depois pra isso, minha agenda tá meio cheia pra essas coisas aí.

— Tsk, você fala como se tudo fosse uma piada. Como se você soubesse o que realmente é ser feliz, alegre, essas coisas...

— Eu tenho minha diversão. — ele ia falar algo, mas olhou para a janela que ficava de trás de mim. Parecia ter ficado um pouco nervoso, então se aproximou e olhou bem.

— Se você não estiver morto... eu vou tratar de cuidar de você por mim mesmo, dessa vez... — sussurrou, mas foi audível. Talvez tenha falado daquele jeito propositalmente. Peguei a faca de cozinha que estava em cima da pia e sorri.

Surpresa, senhor Bunny! — exclamei e ele me olhou assustado e pálido. Acertei a faca propositalmente na sua manga da camisa, prendendo-a no balcão. Eu sorri.

Ele se soltou desesperadamente. Poderia ter acertado suas costas e vê-lo morrer, mas não. Ele era um bom desafio, bom e muito, muito interessante.

— Você... — falou segurando o braço aonde havia prendido a manga da blusa — NUNCA MAIS REPITA ISSO, ESCUTOU?! — eu o deixei tirar a faca das minhas mãos. Com a força, ele acabou acertando a pia e quebrando ela.

— Que porra! Olha isso! — exclamei apontando pra pia — Ah, tchau pra você! — eu ia sair mas ele puxou meu braço.

— TU VAI ME AJUDAR, PORRA!

— Pau no seu cu que eu vou, se fode aí.

— Você vai levar a culpa também!

— Vamos sair e deixar quebrada aí, ele vai pensar que foi outra pessoa. — Bonnie deu alguns passos pra traz e me olhou incerto.

— Será?

— Sim, vamos sair pelo quintal pra não suspeitarem. — abrimos a porta da cozinha e fomos pro quintal. Pulamos a cerca que não era grande, quase caímos na piscina do vizinho, e saímos como se nada tivesse acontecido, só um dia normal.

Fiquei pensando: que tipo de inimigo era aquele que, depois de você quase matá-lo, vocês pulam a cerca juntos pois quebraram a pia da casa do amigo com a faca que VOCÊ quase matou ele? Enfim.

O percurso todo fiquei no frio com uma sensação de perseguição, normal. Fiquei pensando também... de quem ele estava falando naquele momento em que olhava pela janela? Por que havia me pedido para parar de falar aquela frase? Tinha rolo por aí...


Notas Finais


OIN OIN OIN!
Gostaram?! Comentem e favoritem ;) gente, num me deixem no vácuo, SE TEM PERGUNTA MANDA PORRA! BIRL!
O próximo capítulo vai ser muito bom... só... aguardem :3
Obrigada e fuis!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...