História The Best Mistake - Capítulo 9


Escrita por: ~

Exibições 29
Palavras 1.078
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 9 - End


- Sim – Atendi o telefone – Sou eu mesmo. O que houve tia Kate?

A ligação ficou em um completo silêncio, eu podia ver meu pai me observando do outro lado do salão. Minha mãe conversava animadamente com uma de suas amigas.

- Mas...

- Sim, ele devia ter chegado aí a horas atrás.

- Não sei o que houve, a companhia disse...

- Tia Kate?

A ligação caiu, senti meu coração bater acelerado. Algo tocou em meu ombro e pulei. Christie apareceu sorrindo ao meu lado. Ela era a única em todo o salão que ousava olhar em meu rosto. Ela se sentou ao meu lado no pufe cor de rosa e segurou minhas mãos.

- O que houve, você está pálido – Ela perguntou me olhando.

A televisão que permanecia desligada se ascendeu e começou a informar sobre uma grande tempestade, e naquele momento meu coração parou, ela seguia o mesmo destino de Tristan. Droga. Corri para mais perto e a moça sentada atrás de uma bancada nada formal despejou notícias sobre o voo 347, ele havia desaparecido dentro de algumas horas e nada ajudava, não haviam sinais da queda e do avião em qualquer aeroporto próximo.

Olhei para meu pai que sorria. Andei até ele e olhei em seus olhos.

- Está feliz? – Gritei com todas as minhas forças – Olha o que fez...

- Eu não fiz nada – Ele disse me olhando e engolindo em seco.

- Eu te odeio, Pai! – Disse acertando um soco em seu rosto, senti os braços de Christie me segurando, ela me tirou dali o mais rápido que pode.

- Ei, não adianta ficar assim – Ela olhou em meus olhos e me abraçou – Seja o que houve, ele está bem. Tristan é osso duro de roer, não vai acontecer nada com ele.

- Eu odeio isso tudo, eu passei minha infância toda do lado dele, eu vivi com eles momentos incríveis. Eu não sei como podem achar errado amar alguém, ele é tão incrível...

- A igreja tem dessas, suas leis.

- Eu não suportaria ouvir alguma notícia ruim. Se algo acontecer a ele, isso tudo é culpa do idiota do meu pai e daquela garota horrível.

- EI! – Christie disse me entregando um copo e um comprimido branco enorme - Você precisa descansar. Eu te acordo se ligarem ou se disserem algo novo.

- Me avise por favor – Pedi encarecidamente, peguei a blusa de Tristan que havia ficado com e a cheirei, seu cheiro maravilhoso ainda estava ali. Deitei com ela apoiada em minha cabeça e caí no sono.

**********************

POV Christie

Acordei assustada, eu havia adormecido na outra cama do quarto. Na cama da esquerda estava Cameron, ele dormia abraçado com a blusa de Tristan. Aquilo era de partir corações. EU queria um dia amar alguém assim, eu o conhecia desde o jardim de infância e nunca tinha o visto tão mal. Algumas batidas na porta chamaram minha atenção, a mulher colocou a cabeça para dentro e tentei não revirar os olhos.

- Ei – Elizabeth disse sorrindo.

- Oi – Disse para que ela falasse baixo.

- Me desculpe – Ela se sentou ao meu lado na cama – Como ele está?

- Como você acha que ele está? – Perguntei e vi lágrimas se formarem em seus olhos caramelos.

- Péssimo.

- Ele tá se sentindo um lixo, Elizabeth. Ele não conseguiu comer nada o dia todo, ele passou o dia todo checando o celular e tive que dar um calmante super forte pra ele dormir. Tudo graças a vocês e o preconceito idiota de vocês.

- Eu o amo muito... mas isso que ele está fazendo.

- ELE ESTÁ APAIXONADO! – Gritei, Cameron se remexeu na cama e voltou a dormir tranquilamente.

- Por um garoto! – Ela disse irritada.

- Por um garoto incrível.

- Continua sendo um garoto.

- Não dá para argumentar com você, você vê isso como a pior coisa do mundo. Desde quando é errado amar, que eu saiba o amor é uma das coisas mais incríveis.

- Mas...

- Se puder dar licença. Eu preciso dormir

- Posso... – Ela disse chegando perto dele e neguei com a cabeça, não queria correr o risco de vê-lo acordando e dar de cara com a mãe que disse tanta coisa ruim na sua cara.

A mulher saiu batendo a porta e novamente caí no sono.

******************

Duas horas depois.... POV CAM

Eu não sabia o que fazer, já haviam se passado doze hora desde o desaparecimento. Deitei a cabeça no ombro de Harry. Ele estava preocupado com Tristan, haviam se aproximado muito na última semana. Meu pai me olhou e devolvi o olhar com um jeito assassino, ele deu de costas e voltou a comer sua melancia, alguns homens o acompanhavam.

- Essa blusa ficou legal em você – O menino disse sorrindo, eu vestia uma blusa de Tristan com a seguinte frase “Eu não sou um idiota, Cam!”. Havíamos feito em uma loja de roupas antigas em um dos nossos passeios pela madrugada em NY – Ele realmente não era um idiota.

- Ele falava de mim? – Perguntei curioso. Harry sorriu e passou a mão pelos cachos castanhos.

- O tempo todo. Cam isso, Cam aquilo, Cam daqui, Cam de lá. Eu ficava irritado com ele, mas eu o escutava, eu estudo com ele desde o jardim de infância e nunca o vi sorrir daquela forma.

E escutar aquilo me bateu uma saudade, de ouvir ele sussurrar em meu ouvido que me amava, das suas brincadeiras e dos sustos na madrugada, o medo me tomava aos poucos, meus ossos pareciam ser feitos de borracha e a qualquer momento eu iria me desfazer ali. Eu estava fraco e não aguentava mais ficar sem respostas.

A televisão foi ligada e me levantei correndo até ela.

“Até o momento encontramos diversos corpos, Amélia”.

“Os corpos somam total de oitenta e sete dos duzentos passageiros”

O avião havia sido destruído. Caí de joelhos. Uma lista com nome dos mortos apareceram na tela. Meus olhos procuravam drasticamente por seu nome, eu queria tanto ver seu nome na lista de pessoa resgatadas com vida.

De repente tudo ficou preto e a luz de toda a cidade se foi. Uma grande tempestade se aproximava.

- Temos que sair daqui – Harry disse segurando minhas mãos e as de Christie. Juntos descemos pelas escadas até o primeiro andar. Algo atingiu a entrada do hotel e vi cacos de vidro se espalhando por todo o chão, Christie gritou apavorada. Estávamos em apuros.

 


Notas Finais


Espero que gostem. Desculpem a demora. Comentem pelo amor de Deus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...