História Fantasmorado - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Jeon Wonwoo, Kim Mingyu, Wen Junhui "JUN", Xu Ming Hao "THE8"
Tags Junhao
Exibições 403
Palavras 3.823
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Lemon, Misticismo, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


EU

TRISTE
DEMAIS
AAAAAAAAAAAAAA ;----;

Confesso que é por muito pouco que esse capítulo não sai, já que a minha animação pra escrever estava zero... AMAS, graças a uns anjinhos pelo Twitter eu consegui me animar entoon... OBRIGADA MiiNP e Naiistme pela força ♥ hahah, Mamai ama vocês ♥3♥

Esse capítulo é mais calminho porque é uma transição pras tretas que vão ser o capítulo que vem rss'
espero que curtam e nos vemos lá embaixo ♥//

P.S.: SIM! O Hoshi dessa fic e Era Mansae midisgupe mas aquele menino era um neném eu sinto sdd do meu filho ;^;

P.P.S.: JÁ TAVA QUASE ESQUECENDO
OBRIGADA PELOS +300 FAV SEUS LINDOS, VAMO SE AMA PELADO ♥♥♥♥♥♥ AMO VCSSS

Capítulo 14 - Fantasperto


Fanfic / Fanfiction Fantasmorado - Capítulo 14 - Fantasperto

Seu horóscopo diário:

 

Este signo será fortemente regido pelo Sol sob fraca influência de Mercúrio. Tomar decisões será algo tranquilo e com poucas intervenções. Porém Mercúrio pode lhe deixar um pouco egocêntrico. Pode vir a ter algumas dificuldades, porém nada sem muito incômodo ou que deva ser levada a sério. A Lua irá lhe ajudar a agir de forma mais amável e tranquila com esta situação que irá mexer com você durante o dia.

Números da sorte: 08, 21, 28

Cor da sorte: Vermelho

Amuleto da sorte: Presilha

 

— MingHao, o que esse idiota tá fazendo aqui?! — Jun perguntou revirando os olhos para MingHao quando Soonyoung voltou a rir do desenho que os três assistiam, batendo palmas como uma verdadeira criança, o que só servia para irritar ainda mais o fantasma, que já não tinha amanhecido de bom humor.

Segundo Jun, seu horóscopo do dia tinha vindo com uma cor horrorosa, e sempre que alguma cor lhe incomodava, o fantasma ficava irritado e resmungão o dia inteiro... quer dizer, mais do que ele já era no seu eu normal. Aparentemente, vermelho não era a melhor cor do mundo para um fantasma que sangrava sem parar.

Nem mesmo a presilha vermelho que MingHao havia encontrado em uma das gavetas da casa naquela manhã tinham animado Junhui, que torceu o nariz para a mesma, mas a colocou mesmo assim, pois era seu item da sorte e tudo o mais. Não que Jun estivesse acreditando muito nisso agora, pois foi só ele colocar a presilha que a campainha tocou, revelando um Soonyoung irritante e metido.

E agora ali estavam os três sentados no sofá assistindo ao desenho: Soonyoung com um balde de pipoca nas mãos, rindo das piadas, Jun com os braços cruzados e uma carranca na cara, só descruzando os braços para ajeitar a presilha no cabelo, e MingHao entre os dois, tentando evitar um desastre.

(Por incrível que pareça, Hoshi não pareceu notar que uma presilha vermelha levitava ao lado de MingHao, ele estava tão focado no desenho e na pipoca a sua frente que MingHao até esqueceu que Jun era um fantasma e o outro não podia vê-lo. Estava até mesmo respondendo as queixas do fantasma, já que Soonyoung parecia mais interessado na TV e na comida do que nos dois.)

— Eu não sei... ele disse que veio aqui pra me consolar, lembra? Mas aí começou a passar esse desenho e agora ele tá aqui. — respondeu cochichando no ouvido de Jun. — E você sabe que eu não posso simplesmente expulsá-lo.

O fantasma bufou.

Mas é claro que você disse! — disse irritado. — Se tem uma coisa que você pode, acredite, essa coisa é chutar a bunda dessa coisa chata pra fora daqui. Eu já disse que não gosto desse cara, e ele não tem uma energia muito boa. Traz karma ruim, Hao!

— Mas ele veio aqui me consolar! — MingHao disse olhando carinhosamente para Soonyoung, que enfiava um punhado de pipoca na boca, sem tirar os olhos da tela. Os cabelos loiros completamente bagunçados em uma bandana, o deixando com uma perfeita cara de bebê. — Admita que isso foi fofo da parte dele. Poxa... assim que ele descobriu da minha briga com o Mingyu ele já veio aqui pra não me deixar sozinho e...

— Mas você não tá sozinho! Você já me tem aqui com você, não precisa de outra pessoa.

— É, mas ele não sabe disso, né Junnie...

Isso não me interessa! — o fantasma resmungou. — Eu não vou com cara a dele, eu não gosto dele, e eu só não quero que ele morra porque talvez ele me encha o saco como fantasma e não tô afim de gente me enchendo o saco depois da morte, só você pode fazer isso. E eu tô te falando, MingHao, esse Soonyoung... ele não presta!

Jun simplesmente não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Em apenas poucas horas Soonyoung já tinha ferrado com qualquer tipo de programa que ele e MingHao tinham para aquele dia. E o pior de tudo foi que ele tinha chego justo no momento quando ele tinha criado coragem para falar sobre o que havia acontecido ontem a noite. Ou seja, o fantasma estava bem puto.

E MingHao não podia falar o que queria com Soonyoung ali, da mesma forma que Jun não queria nem imaginar na possibilidade de deiar os dois sozinhos por muito tempo. Junhui não confiava em Soonyoung de jeito nenhum e só de imaginar aquelas mãozinhas nojentas tocando em algo seu já lhe dava arrepios e vontade de vomitar.

— Mas ele é meu amigo, Junnie... Você devia dar uma chance pro Hoshi, não é como se ele fosse uma má pessoa só porque traz karma ruim. No começo eu também trazia karma ruim, não trazia? — MingHao perguntou baixinho. — Você pode dar uma chance pra ele também...

— Eu não tô nem aí se ele é uma boa pessoa, ou não, MingHao. Ele fica fuçando na nossa casa e tentando te abraçar literalmente. O. Tempo. todo. E eu vou te um segredo, MingHao: você não é touchscreen pra ele ficar te tocando o tempo todo. — o fantasma resmungou formando um bico com os lábios. — E, fala sério, o único que gosta desse estúpido é esse maldito gato! — disse apontando para Esfirra, que dormia tranquilamente ao lado de Soonyoung.

— Mas não dizem que gatos sempre gostam de pessoas boazinhas? Então...

— Quem sabe quem presta ou não são os cachorros, Hao. — disse. — Gatos são aqueles que se aliam ao inimigo e ainda ajudar a chutar sua cara quando você tá apanhando deles. Nunca confie em pessoas que gatos gostam de cara, é tipo uma lei da vida!

— Gatos são os melhores animais do mundo! — MingHao disse cruzando os braços e Jun revirou os olhos.

— Tá, que seja. — o fantasma grunhiu, fazendo com que as luzes do apartamento todo piscassem sem parar e algumas coisas tremerem de leve. Mas claro que Hoshi nem notou, alheio a tudo e só focando no desenho e nas pipocas.

— Tenha paciência, Junnie. — MingHao respondeu baixinho, tentando evitar que Jun perdesse a paciência e acabasse quebrando sua sala inteira em mais um surto. — Já que ele vai embora, sério, só vamos esperar mais um pouquinho.

— Se ele não sair daqui até o fim do episódio , eu juro que chuto essa bunda folgada dele até a rua! E eu levo esse maldito desse gato junto! — ameaçou. — E eu tô falando sério, hein?! EU FAÇO ISSO MESMO! Você acha que eu falo zoando ou de brincadeira, mas eu falo sério, duvida só de mim pra você ver o que eu sou capaz de fazer. Eu vou lá e ó...

— Calma, Fantasmigo! — Ah, então perto de Hoshi ele virava fantasmigo?! Era assim que as coisas funcionavam?! Beleza. — Ele já vai embora, você não precisa ficar assim, também.

— Ah, mas preciso sim! — Jun se defendeu sem nem pensar duas vezes. Como assim MingHao não conseguia enxergar a verdadeira cobra que aquele Soonyoung era?! Será possível que o Xu era tão ingênuo assim?! — Hao... chuta ele daqui.

— Não.

— Chuta.

— Não.

— Chuta, vai... só um pontapézinho...

— Não.

— ARGH! NÃO ME PEDE MAIS NADA TAMBÉM! — gritou subindo as escadas sem nem olhar para trás, ele estava completamente possesso. — NUNCA MAIS!

Para Jun, aquela era a pior injustiça. Já não bastava ter MingHao chegando tarde do trabalho o tempo todo e ficar cheio de mistério nos últimos dias, agora quando eles finalmente conseguiam um tempinho só para eles, tinha que ter alguém pra vir atrapalhar e encher o saco!

E, poxa, depois do dia de ontem a coisa que o fantasma mais queria era ficar um pouquinho sozinho com MingHao. Por mais que estivesse um tantinho nervoso e com um pouco de vergonha, Jun queria muito saber o que MingHao tinha achado da noite de ontem, se ele tinha mesmo conseguido relaxar e tudo o mais.

Ou se não estava arrependido.

E claro que a pior parte de tudo era que quem tinha que estar ali para torrar sua paciência era Kwon Soonyoung, parecia até sacanagem do destino que de uma noite perfeita ao lado de MingHao ele fosse parar diretamente um dia bosta vindo diretamente das profundezas do inferno.

Soonyoung, com aquela carinha de bebê e jeitinho infantil, sempre queria a total atenção de MingHao e ficava fazendo aquelas caretinhas fofinhas (que o fantasma não sabia fazer, por sinal) que faziam MingHao se derreter por inteiro, o tratando como uma perfeita criança e até se esquecendo que no começo não ia com a cara dele.

O que era uma palhaçada isso de fazer aegyo, pois Jun claramente era muito mais fofo do que aquele garoto chato que só sabia atrapalhar e contar piadas ruins. MingHao, mesmo, só ria por pura educação. Jun sabia disso.

Enquanto o fantasma se dirigia ao quarto, MingHao suspirou alto da sala. Ele ainda estava pensando em uma forma de contar para Jun todo o plano que iria realizar no dia seguinte junto de Vernon e Seungkwan. quando tinha tentado comentar sobre aquilo na noite passada, cheio de coragem, o fantasma acabou propondo outra coisa que foi mil vezes melhor do que ficar discutindo sobre invadir uma delegacia, e isso era fato.

No fundo, o Xu meio que estava agradecido por Hoshi estar ali com eles, já que ele não fazia a menor ideia de como iria contar tudo para Jun sem que o fantasma desse um chilique: Sobre o plano de Hansol, o cemitério, JeongHan e Seungcheol... Era simplesmente complicado.

E ele nem sabia se Jun iria apoiar aquilo, ou não. Por mais que tenha sido a pedido do próprio fantasma, talvez agora ele achasse a situação toda um absurdo. Talvez ele nem quisesse mais ir embora, certo?

Quer dizer, desde que os dois finalmente admitiram o que sentiam um pelo o outro, — do jeitinho deles — o assunto sobre Jun ir embora não havia voltado a tona desde então. Só na noite passada, quando naquele surto MingHao acabou revelando seu medo de ficar sozinho. Junhui prometeu que ficaria, não prometeu? E se ele estivesse falando que não queria mais ir embora quando não disse isso? Ou ele estava entendendo tudo errado?

Até mesmo se matar já tinha passado pela sua cabeça, só para ficar com Jun. Mas e se ele não virasse um fantasma? Pior, e se não conseguisse manter contato com Jun na Terra ou os dois brigassem e acabassem terminando? Ele seria mesmo capaz de abrir mão da sua vida pelo seu primeiro amor?

Ah... MingHao sabia que sim. Ele seria.

O fantasma não tinha a menor ideia do que aconteceria quando ele finalmente pudesse seguir a luz, e meio que sentia um pouco de medo de doer ou algo do tipo. MingHao ainda tinha suas dúvidas se era mesmo preciso que Jun se lembrasse de tudo para voltar. Quer dizer, era isso o que todos os filmes relacionados diziam, que um fantasma tinha uma missão pra cumprir na Terra, certo?

Ele só não queria encher seu fantasma de falsas esperanças... não queria de forma alguma machucá-lo.

E também tinha aquele medo secreto dos dois, aquela sensação que os rodeava o tempo inteiro sempre que estava batendo boca ou assistindo algum desenho na televisão, eles morriam de medo de que não pudessem se ver nunca mais.

 

A presença de Hoshi ali, por mais que deixasse Jun mais inquieto e irritante do que o normal, pelo menos dava mais tempo para MingHao pensar em tudo o que tinha a dizer e como poderia explicar que Hansol já tinha encontrado a ficha de Jun na delegacia e o fantasma provavelmente tinha morrido com o rosto todinho machucado.

(Quer dizer, pelo menos na prévia que Hansol tinha lhe mostrado mais cedo na confeitaria, a sitação estava realmente feia. E MingHao sentia que poderia vomitar seu almoço caso continuasse se lembrando daquilo. A causa da morte era ainda mais absurda, mas conhecendo Jun como conhecia, ele não duvidava de mais nada vindo do fantasma.)

MingHao também não duvidava nada que era capaz de Junhui surtar mais por estar com o rosto todo cheio de machucados do que por qualquer outra coisa. Sempre que pensava em Jun reclamando sobre aquilo, ele tinha vontade de rir, por mais que a situação seja triste.

— Ei, Hao? — Soonyoung chamou depois de um tempo, acordando MingHao de seus pensamentos aleatórios. — O que você acha de sair para dar uma volta naquela cafeteria que acabou de abrir no Shopping? Dizem que eles tem o melhor bolo de chocolate de Seul! — acrescentou animado.

O fantasma bufou.

— Recuse. — disse simplesmente, ignorando o olhar assustado de MingHao em sua direção, que podia jurar que viu o mesmo subindo as escadas e saindo dali.

E, ok, Jun realmente tinha ido para o quarto e ficado lá sentado de braços cruzados, até perceber que MingHao não iria atrás dele e desistir de fazer graça, visto que era praticamente impossível competir com Soonyoung pela atenção de MingHao. Fora que Jun não confiava nem um pouquinho naquele garoto para deixá-lo sozinho com seu MingHao.

Tentando se recuperar do susto, e evitando olhar para a cara entediada do fantasma, MingHao deu um sorrisinho de canto.

— Ahn... sair? E-eu não sei se é uma boa ideia, Hoshi. Tipo, eu tenho alguns trabalhos da faculdade pra fazer e...

— Fala sério, MingHao! — Jun exclamou arregalando os olhos, se aproximando dos dois. — Você não tá pensando em sair com esse bostinha, né? Não... não faz isso comigo, sério. Não me diz que você realmente está pensando em sair com ele?! E vai me deixar aqui sozinho?!

— Vamos, HaoHao! Por favor... — Hoshi continuou com um sorriso meigo, completamente alheio ao fantasma mau humorado que batia o pé ao lado de MingHao. — Eu posso pagar pra gente! Ganhei uns cupons de graça do meu primo e tal, tenho certeza que você vai amar! E, se caso você não gostar, a gente pode ir para algum restaurante, o que acha? Já faz mais de meses que você tá me devendo um encontro! — finalizou com uma piscadinha e MingHao deu um sorrisinho, completamente bobo com a fofura do garoto.

Jun teve vontade de gritar quando MingHao acenou com a cabeça, concordando de modo vago com o "encontro". Será possível que ele estava mesmo lhe trocando por Kwon Soonyoung?! Logo aquela praga? Jun já estava começando a sentir saudades de quando seu único inimigo ali era Esfirra...

— Tudo bem, Hoshi. — MingHao respondeu finalmente. — Mas vamos voltar cedo, eu realmente tenho trabalhos para terminar.

Por que parecia que MingHao estava lhe evitando?

— MINGHAO! — Jun chamou colocando as mãos na cintura. — Por que você vai com ele?! Eu pensei que a gente ia passar o resto do dia maratonando Gossip Girl! E eu ia fazer lasanha pra você... Ei, por que você tá me ignorando? MINGHAO!

— Me desculpa, Junnie. — MingHao sussurrou baixinho enquanto vestia seu casaco, Soonyoung já calçava seus sapatos, animado. — Eu juro que converso com você mais tarde.

— Por que você tá assim? — Jun perguntou chateado e MingHao suspirou, o semblante cansado.

— Hoshi eu vou lá em cima pegar minha carteira, você pode me esperar lá fora? — perguntou e o outro confirmou com um aceno animado, alegando que ia chamar um táxi.

— Então, pode me falar o que tá acontecendo agora? — Jun disse cansado, ajeitando a presilha em seu cabelo, que ameaçava cair, o que fez MingHao dar um risinho, mas logo mantendo a pose séria.

Aproveitando que um Soonyoung animado estava lhe esperando lá fora, MingHao resolveu ser direto e deixar que Jun tivesse seus surtos sozinho. E depois, quando ele chegasse em casa, talvez o fantasma estivesse um pouco mais calmo e então os dois poderiam conversar de forma pacífica e sem risco do fantasma explodir o apartamento.

Pelo menos era isso o que ele esperava.

— Três coisas. — disse enquanto colocava sua carteira no bolso da calça e pegava as chaves do apartamento, se recusando a olhar para Jun. — A primeira é que eu fui visitar o seu túmulo na semana passada e me encontrei com um garoto chamado JeongHan, que por acaso é o sobrinho do senhorio desse apartamento.

"A segunda é que o Hansol encontrou a sua ficha na delegacia e nós vamos pegar ela lá amanhã, e então você vai poder ler tudo quando eu chegar em casa depois do serviço. Por isso, preciso que você esteja aqui amanhã a noite para descobrirmos tudo de uma vez por todas."

"E a terceira é que... eu também conheci o SeungCheol, aquele garoto que você já namorou..."

O rosto de Jun estava inexpressivo.

— Por que você... Mas... Por que você não me falou antes? — o fantasma perguntou baixinho. — O meu túmulo, MingHao?

Antes que MingHao pudesse responder, a porta se abriu com um solavancado, revelando um Soonyoung sorridente.

— O táxi já chegou, Hao. — avisou um tanto animado demais. — Vamos?!

MingHao suspirou, e sem coragem de olhar para o fantasma atrás de si, trancou a porta do apartamento e saiu de lá sem dizer mais nenhuma palavra. Deixando Jun sozinho com inúmeros pensamentos e uma dúvida que parecia ser do tamanho do mundo em sua cabeça: "Quem diabos era JeongHan?"

 

( . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . )

 

 — Eu fui te visitar porque fiquei sabendo que você brigou com o Mingyu e o Wonwoo hyung disse que você é sensível e poderia se sentir sozinho. — Hoshi explicou assim que eles se sentaram na mesa da cafeteria, o cheiro de café misturado com chocolate fizeram MingHao praticamente uivar de felicidade. Nada o animava mais do que o cheiro de café, nada.

Talvez Jun, mas...

— Ah, entendo. — disse de modo vago enquanto se ocupava com o cardápio em cima da mesa, ainda que já soubesse o que iria pedir, já que todos os seus pedidos em cafeterias eram os mesmos: chocolate quente meio amargo e um brownie. Hoshi só não sabia disso ainda. — É que nós andamos um pouco afastados ultimamente, digo, desde que eu me mudei, sabe? Acho que é natural, Mingyu só não soube lidar com isso direito e acabamos nos desentendendo.

— Entendi... é que quando ele me ligou pedindo pra te ver eu fiquei um pouquinho preocupado, pensei que você estivesse um pouco mal. — e então ele apoiou o queixo com as mãos. — Eu não te atrapalhei em nada, não é?

— C-claro que não. Eu só ia.. passar a tarde assistindo filmes mesmo.

"O Jun deve estar muito puto" pensou, mas continuou sorrindo para Hoshi, que escolhia seus pedidos enquanto mordia os lábios, parecendo uma criancinha sempre que ficava em dúvida sobre o quê escolher.

Assim que os pedidos chegaram, os dois começaram a falar sobre coisas aleatórias. MingHao falou sobre a faculdade, seu trabalho e sua nova amizade com Seungkwan; no começo ele ficou um pouco receoso sobre Wonwoo ter falado o motivo da briga com Mingyu, mas Hoshi não deu nenhum sinal de estar sabendo de alguma coisa.

Já o outro, falou sobre o time de basquete, sobre a escola e sua nova casa, contou que sente saudade dos seus pais e era um pouco complicado ser o aluno novo transferido, e que ele nem imaginava que iria fazer amizade com Mingyu e Wonwoo tão facilmente. Segundo Hoshi, aquela era uma sorte grande.

— Mas antes você morava aqui em Seul, não? — MingHao perguntou educadamente e o outro confirmou com a cabeça.

— Em uma área mais afastada com a minha mãe e meu pai... me mudei para o centro há alguns anos.

Antes que MingHao pudesse responder, o telefone vibrou em seu bolso e o Xu atendeu com expectativa. Talvez fosse Mingyu, certo? Talvez ele tivesse pensado melhor e acreditado em si, e talvez até lhe ajudasse!

— Alô?

Mas não era Mingyu.

Era Chwe Hansol.

— MingHao? — disse inseguro. — Aqui é o Hansol, estou com o Seungkwan na confeitaria. Preciso que você venha pra cá imediatamente.

— Por que?!

— Deu uma merda na delegacia e... Aish, vai demorar demais explicar! Só vem aqui agora se você quer saber sobre o Junhui. Se não for hoje, não vai ser amanhã e nem nunca mais. Estão pensando em queimar todos os arquivos para passar pro computador, e amanhã nem meu pai vai conseguir entrar naquela sala direito!

MingHao olhou para Hoshi, que comia seu bolo de chocolate despreocupado com o que acontecia ao redor, olhando para as mesas por puro comodismo.

— Tem que ser agora? — perguntou receoso.

— Tem! — ouviu a voz de Seungkwan ao fundo. — Diz pra que ele que se não for agora não é nunca mais! Eu é que não vou por meu cu na reta de novo! Manda ele vir aqui agora!

Hansol bufou.

— Você ouviu ele.

MingHao mordeu os lábios, confuso. Seu coração batia tão descontrolado no peito e a adrenalina era tão grande que quase se esqueceu de avisar Soonyoung onde estava indo. A única coisa que ocupava em sua mente era que precisava cruzar aquele Shopping e chegar na confeitaria logo.

— Chego aí em cinco minutos. — disse, desligando o telefone e olhando para Hoshi.

— Era importante?

— Do meu trabalho... eu meio que preciso ir pra lá agora. — explicou mordendo o inferior da bochecha direita. — Não tem problema pra você, né? O Seungkwan parecia um pouco puto e...

— Claro, mas você ainda me deve um encontro. — o outro retrucou com uma piscadinha. — Ei, Hao, você pode me emprestar sua chave ou pedir pro seu porteiro abrir a porta pra mim? Eu esqueci meu celular na sua casa. — pediu receoso, e então revirou os olhos. — De novo.

MingHao deu uma risadinha.

— Pode, sim. — disse pensando no surto que Jun teria ao ver Soonyoung com as chaves do apartamento. — Dá comida pro Esfirra, também? Eu acho que me esqueci...

— Tudo bem. Então.. até mais tarde? Qualquer coisa me liga. — Hoshi disse antes de MingHao vestir o casaco e correr até a confeitaria.

Chegou lá em menos de sete minutos, o que era um recorde pra ele, já que vivia se perdendo no Shopping e levando mais de meia hora para encontrar seu local de serviço. E, pouco depois de entrar, já foi puxado para fora por Hansol e Seungkwan, que o arrastaram até o carro do Chwe sem dizer mais nenhuma palavra.

— Seguinte — Seungkwan disse nervoso — a gente entra lá, pega os documentos e dá o fora, escutou? Vamos ter meia hora antes que o pai do Hansolie chegue, por isso leia atentamente os dados principais e depois coloca na minha mochila. — explicou apontando para uma mochila preta jogada no banco do carona ao lado de MingHao.

— T-tudo bem.

— Ah, e tenta não vomitar vendo as fotos também. — pediu, mas aquilo foi só provocação mesmo.

MingHao sorriu de nervoso, e não duvidava nada que iria acabar vomitando mesmo. Finalmente estava prestes a descobrir tudo sobre o seu fantasma, e quem sabe até mesmo ajudá-lo.

Ele ainda não sabia se iria se arrepender disso ou não, só sabia que estava fazendo a coisa certa. E aquilo, aparentemente, valia para alguma coisa.


Notas Finais


Eu betei isso que nem a bunda então se acharam algum erro MIDISGUPEM mas eu tô com preguiça demais e tem um chocolate pra eu comer aaaah TWT
ok, agora estou comendo meu chocolate deixa eu desabafar de triste aqui (vocês podem pular isso se quiser tá):

Tem algum blackjack que lê essa fanfic?
Gente eu tô MUITO TRISTE que meu grupo utt e A PARK BOM NÃO RENOVOU CONTRATO EU TO AAA, seriosamente pessoal, passei o fim de semana inteirinho chorando e puta com a YG pela má gestão das minhas mães :( (e, ok, que everybody sabe que na vdd aquele fdp chutou meu bolinho do grupo, mas ok). Fora que o Taehyun saiu do Winner eu PERDI MINHAS CRIA EM MENOS DE 24 HORAS EU TÔ TRISTE DEMAIS ;--; (confesso que se terminei de escrever esse cap agora foi porque desanimei legal de escrever no fim de semana também, que era quando eu reescrevia tudo e tals)

mas enfim, vida que follow né TwT
falando em follow, vamos amigar no twitter!
https://twitter.com/auchasuamai

Espero que tenham curtido e até semana que vem
bejunda ♥3♥//


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...